Concluído em 1902 pelo engenheiro Cândido de Abreu para ser a residência da família Leão Jr., o Palacete dos Leões abrigou, por oito décadas, os descendentes de Maria Clara Abreu de Leão (1870-1935) e Agostinho Ermelino de Leão Júnior (1866-1907), empresários de destaque na sociedade da época e fundadores da Matte Leão.

O Palacete apresenta grande liberdade estilística, aliando com equilíbrio elementos neoclássicos e influências barrocas. Seu volume divide-se entre a escadaria principal, o terraço, o corpo original, o torreão e a escada lateral.

Demarcada por pilastras e portas em arco pleno, a fachada é repleta de elementos ornamentais como capitéis coríntios, balaústres, conchas, medalhões, jarros, cones espiralados e leões. O mesmo requinte é revelado em seu interior, nos papéis de parede e no teto em estuque com relevos de flores, frutas e anjos.

pl_opalacete_introducao_001
Foto: Guilherme Pupo/Divulgação Espaço Cultural BRDE
pl_opalacete_historia_banner

HISTÓRIA

Na virada do século 20, o ciclo da erva-mate impulsionava a economia de Curitiba. Com uma população que ultrapassava os 35 mil habitantes, a cidade ganhava ares de modernidade e as residências dos ervateiros mudavam a paisagem urbana. A partir da região do Alto da Glória, o Palacete Leão Jr. foi cenário de importantes encontros sociais como ser a residência oficial do presidente da República, Afonso Pena, em sua visita ao Paraná, em 1906.

O ex-prefeito e engenheiro Cândido de Abreu em evento no Palacete dos Leões, projetado por ele.
Foto: Acervo Casa da Memória / FCC
pl_opalacete_arquitetura_banner

ARQUITETURA

O Palacete Leão Jr. é uma obra referencial do ecletismo arquitetônico no Paraná e um exemplar do estilo que passou a ser denominado de “arquitetura residencial dos ervateiros”. Projetado pelo engenheiro Cândido de Abreu, o Palacete foi concluído em 1902 aliando características neoclássicas e influências barrocas. 

Assista a videoaula “Palacete Leão Jr. – Desvelando e Descomplicando a arquitetura eclética” preparado especialmente para a 12a. Semana de Arte, Cultura e Literatura da Secretaria Municipal de Educação de Curitiba. 

Foto: Guilherme Pupo/ Divulgação BRDE

Os princípios da simetria e modulação na composição das fachadas e o refinamento dos detalhes construtivos e ornamentais expressam os anseios de época por uma nova modernidade.

Foto: Guilherme Pupo/ Divulgação BRDE
Detalhe das cortinas do Palacete dos Leões.
Foto: Divulgação BRDE

OS DETALHES

Situado entre as duas últimas décadas do século 19 e as duas primeiras do século 20, o período eclético tem como uma de suas unidades mais significativas na arquitetura paranaense o Palacete Leão Jr. Conheça abaixo alguns detalhes que revelam traços característicos do Palacete e da assinatura arquitetônica paranaense desse período.

Interior do Palacete

Fachada do Palacete

Foto: Antonio More/ Arquivo GP - Acervo Museu Paranaense
Réplica dos Leões atualmente expostas no jardim do Palacete.
Foto: Rafael Dabul/ BRDE
Leões que ornamentaram a entrada principal do Palacete são de origem portuguesa.
Foto: Guilherme Pupo/ Divulgação BRDE

Os Leões

O leão é um elemento marcante na ornamentação do Palacete e, por sua presença nos produtos da Matte Leão, tornou-se um ícone também associado à erva-mate. O leão estilizado nas antigas latas da Leão Jr. se aproxima das cerâmicas originalmente dispostas no jardim externo do Palacete, peças de ornamentação provenientes da Fábrica Santo Antônio do Vale da Piedade, uma das mais antigas indústrias cerâmicas da cidade de Vila Nova de Gaia, em Portugal.

Restauro

Algumas características diferenciam os leões, como traços da fisionomia e a inscrição “Fábrica Santo Antônio – Porto”, uma assinatura na base que remete à produção de meados do século 19 dessa fábrica portuguesa. Ainda permanece incerta a data de instalação dos leões nos jardins do Palacete, sendo da década de 1930 a fotografia mais antiga. Ao longo dos anos, ocorreram desgastes nas peças cerâmicas que passaram por restauro. Em 2018, o BRDE, junto à equipe de restauradores, optou pela preservação dos originais e produziu as réplicas atualmente expostas no jardim.

pl_opalacete_patrimonio_banner

Patrimônio Cultural

Em 1979, a importância histórica, cultural e arquitetônica do Palacete Leão Jr. foi reconhecida por meio do Decreto Municipal 1.547, que o instituiu como Unidade de Interesse de Preservação. Em 17 de dezembro de 2003, foi finalizado o processo de tombamento 146-II pelo Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico, e o Palacete passou a integrar a relação de bens considerados patrimônios históricos do Paraná.

Retrato histórico do Palacete dos Leões.
Foto: Divulgação/Fundação Cultural de Curitiba

Uma história que SEGUE
sendo escrita...

Crédito: Gazeta do Povo