BRDE

  • Contato

SALA DE IMPRENSA

Fontes renováveis terão forte expansão na próxima década, projeta Ministério de Minas e Energias

Data16/08/21
|CategoriaNotícias

 

Primeiro dia do seminário organizado pelo BRDE abordou as ações do setor público

Responsável por quase 64% da matriz energética do Brasil, o que o coloca como o segundo maior gerador do mundo, as hidrelétricas já não conseguem acompanhar o mesmo crescimento da demanda de energia do país. Com isso, entre as fontes renováveis, a energia eólica e a fotovoltaica tiveram crescimento expressivo no ano passado e apresentam enorme potencial de crescimento na próxima década.

É o que aponta um estudo do Ministério de Minas e Energia, apresentado nesta segunda-feira (16/8), no primeiro dia do seminário Energias Renováveis e Desenvolvimento. Organizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o evento prosseguirá até a próxima quarta-feira (18/6) abordando os principais desafios para incentivar a geração de energia por fontes renováveis, as alternativas em termos de financiamento e o quanto a demanda de diferentes setores produtivos trazem de impacto ao desenvolvimento regional e nacional.

Conforme a secretária executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Fátima Dadald Pereira, as fontes renováveis ganham de importância como papel de complementariedade ao sistema nacional, em especial diante do crescimento de demanda e em períodos de escassez hídrica, como o que o país enfrenta no momento. “Em um ano, a participação da energia solar cresceu mais de 60%. O mercado livre do setor contribuiu para isso, e há uma mudança do perfil do consumidor, que vem buscando sua própria geração”, observou a secretária. Ela confirmou que o leilão que o Ministério realizada agora em setembro vai contemplar projetos que se valem de fonte eólica, resíduos sólidos urbanos e o hidrogênio.

Diretor do Departamento de Informações e Estudos Energéticos do Ministério, André Luiz Rodrigues Osório demonstrou que a energia eólica já responde por quase 10% da capacidade instalada no país. Segundo, até 2030 a previsão é que a geração de energia que se vale dos ventos passe dos atuais 15,9 Giga Watts (GW) de capacidade instalada, para 32,2 GW. O saldo com a energia solar é mais significativo ainda:  de 3,1 para 8,4 GW. O crescimento dessas duas fontes deverá compensar a redução da participação hidrelétrica na matriz brasileira.

Conforme o diretor, o país tem uma forte projeção de investimentos para a próxima década, que chegam a cifra de R$ 2,68 trilhões. “Temos um compromisso de elevar para 86% as fontes de geração renováveis da nossa matriz elétrica”, destacou André Osório.

Ações nos Estados

Com o objetivo de debater as políticas do setor público, o painel reuniu também a participação dos governos estaduais do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Secretário-adjunto de Meio Ambiente e Infraestrutura do RS (SEMA), Guilherme de Souza salientou de uma transição energética e destacou que o estado apresenta 81% de suas fontes renováveis e onde a geração eólica já responde por 20% em termos de potência instalada. Souza elencou as ações do governo gaúcho em termos de privatizações como uma agenda importante: “precisamos do parceiro privado para investir”, resumiu. O diretor do Departamento de Energia da SEMA, Eberson José Thimmig Silveira, apresentou detalhes da política que o governo vem adotando para incentivar os investimentos no setor.

Guilherme de Souza

Representando o governo do Paraná, o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, destacou o esforço do governo local em criar o programa Invest Paraná. “Buscamos unificar num único ambiente a segurança técnica e jurídica a quem quer investir. Descomplicar a vida do empreender, mas respeitando as questões de sustentabilidade”, descreveu o secretário. Ele apresentou indicadores que apontam para o crescimento de novos projetos de geração de energia licenciados  apenas nos últimos dois anos.

Márcio Nunes

Já o secretário Executivo do Meio Ambiente (SEMA), Leonardo Schorcht Bracony Porto Ferreira, trouxe um relato da capacidade instalada da matriz energética de Santa Catarina e mencionou o esforço de gradativamente substituir o carvão como fonte geradora no estado, que ainda tem importância para o sistema local, mas que precisa ser substituída por novos modelos por razões ambientais.  “Estamos trabalhando por uma transição energética que seja justa. O estado vem avançando muito em termos de pequenas hidrelétricas e há uma previsão de crescimento para os próximos anos”, observou, salientando que o SC trabalha para cumprir os acordos internacionais.

Leonardo Porto Ferreira

Financiamentos

Na abertura do primeiro dia do seminário, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, destacou que os projetos de fontes renováveis de energia são tema estratégico para o Banco, mas igualmente para o desenvolvimento da região Sul. “Trata-se de um debate relevante neste momento e o BRDE já tem na sua carteira de operações uma presença forte de apoio a projetos de energia renovável”, acrescentou. O diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, igualmente destacou a qualidade das palestras ao longo do dia.

O seminário tem transmissão pelo canal de Youtube do BRDE. Nesta tyerça-feira (17/8), serão debatidas as linhas de financiamento, diretrizes e prioridades das para seleção de projetos, alternativas inovadoras de acesso a recursos para projetos sustentáveis de energia, com a participação do BNDES, Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), Banco Europeu de Investimento (BEI), Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)  e  Banco de Desenvolvimento da América Latina CAF).

O conteúdo do primeiro dia do evento está disponível no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=nH7QbJyspPY


Logo BRDE