BRDE

  • Contato

SALA DE IMPRENSA

BRDE se sente honrado em participar do legado de Jaime Lerner

Data28/05/21
|CategoriaNotícias

Dois exemplos são o Sistema de Transporte de Curitiba e o Anel de Integração do Estado do Paraná

Nesta quinta-feira (27), faleceu o ex-governador Jaime Lerner, aos 83 anos, que deixou um legado no Paraná, na área cultural e urbanística de Curitiba. Dois exemplos são o Sistema de Transporte de Curitiba, exemplo para o mundo, e o Anel de Integração do Estado do Paraná. O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) se orgulha do legado de Jaime Lerner, especialmente por ter participado no passado e até hoje financiando os investimentos realizados pelos operadores destes dois sistemas.

“É inegável a importância e participação de Jaime Lerner para a história do Paraná. Ele deixa um grande legado e exemplo de como expandir e inovar, assim como são os ideais do BRDE”, afirma o vice-presidente e diretor de operações do banco, Wilson Bley.

Lerner e sua história com Curitiba e o Paraná

O arquiteto Jaime Lerner deixou um legado que transformou profundamente a paisagem de Curitiba, criando a identidade urbana para as gerações que nasceram ou viveram em Curitiba desde a década de 1970. Os destaques são a Ópera de Arame, a UNILIVRE, a Rua 24 Horas, o Jardim Botânico e o Museu Botânico, e os parques São Lourenço, Tingui e Tanguá.

No setor cultural, o ex-governador, em seu último mandato como governador do Paraná (1999-2002), idealizou a construção do Museu Oscar Niemeyer, inaugurado oficialmente no dia 22 de novembro de 2002. Em sua gestão como prefeito, diversos casarões do Centro Histórico foram restaurados e transformados em galerias de arte, livrarias, cafés e lojas, nos moldes do que havia de mais moderno no mundo. Pequenos cinemas, a Casa da Memória e a tradicional feirinha de artesanato do Largo da Ordem também fizeram parte dessa ação.

Lerner também transformou o Teatro Paiol, em Curitiba, em um espaço cultural. A construção do lugar data de 1874, originalmente um paiol de pólvora, mas somente a partir de 1972 passou a ser um dos pontos mais queridos pela cena da Cultura na cidade.


Logo BRDE