BRDE

Representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) reuniram-se na segunda e terça-feira (21 e 22/5), na sede do BRDE, em Porto Alegre, para workshop de estruturação de um programa de estímulo a projetos de eficiência energética. A ação envolve a Superintendência de Planejamento e Sustentabilidade (SUPLA), a Coordenação de Responsabilidade Socioambiental (CRESA) e as equipes das Agências do BRDE do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
Pelo BID, participaram dos encontros o executivo Luis Rodrigo Chaparro, os consultores Paulo Miotto, Fernanda Sant’Anna e a assessora Tatiana. A ABNT foi representada por Renata Rocha e a empresa Winexam por Henrique Fernandez. Pelo BRDE, estiveram presentes Luciano Feltrin, superintendente de Planejamento e Sustentabilidade; Eduardo Grijó, coordenador de Responsabilidade Socioambiental; Aline Mota, gerente de Operações Adjunta da AGPOA; Felipe Couto, gerente de Planejamento da AGFLO; Lisiane Astarita, gerente de Planejamento da AGCUR; e Fernando Gavronski, analista da DIGER. Os colegas de Santa Catarina e do Paraná participaram por videoconferência.
Eficiência energética assegurada
“A proposta inovadora traz a ideia de um seguro de performance, vinculado à certificação de fornecedores e à verificação de desempenho dos equipamentos, por parte da ABNT. O objetivo é reduzir a insegurança dos empreendedores no momento de investir em novos equipamentos mais eficientes quanto ao consumo de energia”, esclarece o superintendente de Planejamento e Sustentabilidade, Luciano Feltrin.
Desde 2017, o BRDE vem colaborando com o BID na estruturação desse programa, com a coordenação de Eduardo Grijó e a participação de Aline Mota e Fernando Gavronski. Um acordo de cooperação técnica nesse sentido foi firmado entre as duas instituições.
“O BID já desenvolve o Programa de Financiamento à Eficiência Energética Assegurada em outros países, como o México e El Salvador, por exemplo. Além de reforçar os conceitos de eficiência energética, a proposta é fornecer, por meio do seguro, uma garantia ao empreendedor quanto à adequada operação dos equipamentos financiados”, informa o coordenador Eduardo Grijó. Segundo ele, a expectativa é de que o programa seja lançado no segundo semestre deste ano, com boa perspectiva de direcionamento a projetos que se enquadram nas diretrizes do Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis.

Relatório de Administração e Sustentabilidade do BRDE de 2017 está publicado no site do Banco
O Relatório de Administração e Sustentabilidade 2017 que está publicado no site do Banco site do Banco é um instrumento de prestação de contas aos governos dos Estados-controladores e, principalmente, à sociedade da Região Sul. Mais do que registrar o desempenho do BRDE no ano que passou, o Relatório celebra conquistas e desafios.
O ano de 2017 ficará marcado como um período de adaptação e superação para o BRDE. Em paralelo ao enfrentamento à conjuntura de baixo crescimento da economia brasileira e aos reflexos do contexto político turbulento, o Banco teve de se ajustar às transformações estruturais promovidas no sistema brasileiro de fomento e em seu principal fornecedor de funding, o BNDES. Frente a estes desafios, o BRDE buscou novas alternativas e soluções, não só alcançando resultados financeiros e operacionais positivos, como também abrindo novos caminhos e possibilidades para a construção de um futuro próspero e sustentável.
· Do ponto de vista financeiro e patrimonial, o BRDE superou de forma exitosa as dificuldades enfrentadas: o lucro foi de R$ 118 milhões, similar ao do ano anterior, levando o Patrimônio Líquido a superar R$ 2, 5 bilhões. No plano operacional, apesar do contexto recessivo e de estreitamento dos recursos disponibilizados pelo BNDES terem levado ao recuo do valor contratado e desembolsado, o BRDE manteve posição destacada no ranking dos repassadores de recursos daquele banco, mesmo atuando apenas em âmbito regional:
1ª colocação nos desembolsos na Região Sul
6ª colocação no total de operações indiretas
5ª colocação no produto BNDES Automático
4ª colocação nos programas agrícolas do Governo Federal
· O BRDE também se destacou como o maior repassador nacional de recursos do Programa INOVACRED da FINEP, que se destina a financiar projetos de inovação. Foram desembolsados R$ 194,4 milhões até o final de novembro de 2017, o que corresponde a 32,5% do total.
· O desempenho do BRDE produziu repercussões socioeconômicas importantes para o Sul. Foram 33.065 postos de trabalho criados ou mantidos – 6.613 diretos e 26.452 indiretos. As operações também geraram o recolhimento de ICMS incremental de R$ 359 milhões aos Estados-Controladores.
· Das 4.744 operações de crédito executadas pelo BRDE, 79% foram para micros, pequenas e médias empresas (MPMEs). A média de R$ 463 mil por contratação demonstra o compromisso do BRDE com o fomento ao desenvolvimento econômico e social sustentável para empreendimentos de todos os portes.
· Dentre os programas de crédito do banco, o destaque em 2017 foi o BRDE Produção e Consumo Sustentáveis (PCS), com R$ 482 milhões destinados a empreendimentos de desenvolvimento sustentável – econômico, ambiental e social – na Região Sul do país.
· O Programa BRDE Municípios foi ampliado, passando a oferecer às prefeituras dos três estados da Região Sul novas modalidades de apoio, mediante linhas de crédito e assistência técnica. O programa busca promover o desenvolvimento institucional e a infraestrutura econômica, social e turística, urbana e rural dos Municípios da Região Sul do Brasil, por meio de prestação de serviços e apoio a investimentos em gestão, e nos tecidos urbanos e rurais, visando o atendimento da demanda por serviços básicos e bens públicos, a melhoria da qualidade de vida da população e melhores práticas de gestão e de sustentabilidade.
· Somado o valor de R$ 2,2 bilhões das contratações aos recursos próprios dos investidores, o total aplicado nos projetos financiados pelo banco chegou a R$ 4,071 bilhões. Assim, o BRDE elevou para R$ 132,7 bilhões, em valores atualizados, o volume de recursos que aplicou nos seus 56 anos de atuação na Região Sul.
· Continuando sua política de preservar o emprego e a geração de renda, o BRDE firmou contratos de reestruturação de dívidas da ordem de R$ 182,1 milhões, num total de 220 operações, permitindo, com isso, a manutenção do funcionamento de várias empresas com baixo grau de liquidez no curto prazo, mas avaliadas como viáveis no médio e longo prazo.
· Na busca pela diversificação de fundings, o BRDE assinou, em dezembro de 2017, convênio com o Ministério do Turismo para operar com recursos do Fundo Geral de Turismo (FUNGETUR). Os recursos do fundo têm como objetivo financiar a implantação, ampliação, modernização ou a reforma de empreendimentos turísticos como hotéis, pousadas, restaurantes, agências de viagens e parques temáticos, entre outros. Os recursos serão utilizados por meio do programa “BRDE PROTUR”, criado em junho de 2017 com o objetivo de fortalecer a atuação do Banco no segmento mediante assessoria e apoio técnico, além do apoio creditício a empreendimentos prestadores de serviços reconhecidos pelo Ministério do Turismo como de interesse turístico, em estreita consonância com os objetivos estratégicos e as metas traçadas no Plano Nacional do Turismo – PNT.
· No mesmo sentido, a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e o BRDE assinaram em setembro de 2017 memorando de entendimentos, cumprindo uma das etapas do acordo de cooperação financeira entre as duas instituições. A parceria do BRDE com a AFD permitirá ao Banco incrementar o apoio a projetos voltados à produção e consumo sustentáveis. Com isso, o BRDE amplia suas fontes de recursos, garantindo novos investimentos nos setores produtivos do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
· O BRDE, perseguindo continuamente o tema da sustentabilidade, ampliou seu comprometimento com a Agenda Ambiental do Setor Público – A3P, mediante acordo de cooperação, assinado em maio de 2017, com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Secretarias de Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O objetivo do acordo é a promoção e divulgação da A3P entre os órgãos públicos da Região Sul. Cinco oficinas foram realizadas em polos regionais do RS, e outras estão programadas para Santa Catarina e Paraná. O benefício direto da agenda se move em seis eixos: racionalização do uso dos recursos naturais, a destinação correta dos resíduos, licitação e compras sustentáveis, construções sustentáveis, qualidade de vida no trabalho, sensibilização e capacitação.
· Pela esfera cultural, o BRDE renovou o contrato com a ANCINE para seguir como agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA por mais 5 anos. Nesse período, a previsão de repasses ao setor chega a R$ 5 bilhões.
· Como agente mandatário do Fundo de Apoio aos Municípios (FUNDAM) desde 2013, o BRDE já repassou mais de R$ 587 milhões aos municípios catarinenses. Esses valores foram aplicados na pavimentação de ruas, construção e ampliação de escolas e creches, transporte escolar, equipamentos de saúde, além de obras voltadas para saneamento, esporte, lazer e assistência social.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está patrocinando em Florianópolis o Cineclube Infantil, que exibe todos os sábados, gratuitamente, os filmes do acervo da Mostra de Cinema Infantil. Com esta ação, a regional de SC está em sintonia com as novas linhas de Editais lançadas pelo MINC/Ancine, com foco na infância e juventude. O setor audiovisual é um dos que mais cresce no país, e só este ano já recebeu investimentos no valor de R$ 471 milhões através do Fundo Setorial do Audiovisual. O lançamento do Cineclube da Mostra de Cinema Infantil acontece no próximo sábado, às 16h, no cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC), com uma programação especial: produções realizadas pelas próprias crianças.

O Projeto Aprendendo a Programar Games promove o aprendizado em programação de jogos para jovens em situação de vulnerabilidade social de todos os bairros de Florianópolis.
O programa é executado pelo Comitê para Democratização da Informática de Santa Catarina – CDI-SC e contou com o patrocínio do BRDE por meio do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.
São 4 horas de aula por dia, de segunda a sexta-feira, durante 2 meses, na escola estadual Rosa Torres de Miranda, no bairro Jardim Atlântico. Puderam participar jovens entre 14 e 20 anos que estejam cursando ou tenham completado o ensino fundamental ou médio.
A primeira etapa do projeto foi concluída na última sexta-feira (15), com a formatura de 12 alunos. Os estudantes foram avaliados por meio de apresentação dos jogos desenvolvidos durante o curso.As inscrições para a nova turma estão abertas no site do CDISC.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, foi o maior investidor ambiental da Região Sul, segundo a 24ª edição do Prêmio Expressão de Ecologia, entregue na última sexta-feira. O ranking Expressão dos Maiores Investidores Ambientais leva em conta os investimentos declarados nos 109 cases de 80 empresas e instituições que concorriam ao prêmio.
O case do BRDE com o programa Produção e Consumo Sustentáveis – BRDE PCS – liderou o ranking, com investimentos de R$ 456 milhões. Juntas, as empresas e entidades apresentaram projetos cujos investimentos somaram mais de R$ 1,2 bilhão.
Segunda colocada no ranking, a BRF investiu R$ 324,6 milhões em projetos sustentáveis, enquanto a Celesc, terceira da lista, investiu R$ 249,4 milhões.
O case do BRDE sobre o programa Produção e Consumo Sustentáveis mostrou os financiamentos concedidos pelo banco de fomento a projetos de empresas da região Sul com viés sustentável. Destacam-se os projetos de geração de energias limpas e de eficiência energética, com R$ 338,3 milhões. Neste montante estão os projetos de pequenas centrais hidrelétricas em SC e no PR e também parques eólicos no RS.
Clientes tradicionais do BRDE como Aurora Alimentos, Engie, Eletrosul e Fundação CERTI, foram ganhadores do prêmio, que está na sua 24ª edição.

O desempenho operacional e financeiro do BRDE em 2016 e as principais ações do Banco em prol da sustentabilidade podem ser acessadas no Relatório de Administração e Socioambiental de 2016. Conheça mais sobre os destaques operacionais da instituição no documento, que traz ainda cases de clientes e informações institucionais sobre o BRDE. Você terá acesso também a uma lista de projetos apoiados via Leis de Incentivo.
Para acessar, clique aqui.

A analista de projetos da Superintendência de Planejamento do BRDE, Letícia Restano e o diretor da ANCINE Roberto Lima, abriram o segundo dia do Festival Audiovisual Mercosul – FAM com o Fórum “FSA e desenvolvimento da indústria audiovisual”.
Os produtores audiovisuais da região sul receberam orientações sobre como proceder para que seus projetos sejam aprovados pelos órgãos que fomentam o setor.
O FAM teve início na última terça-feira (20/06) e vai até o dia 25 com exibições gratuitas de curtas e longas catarinenses e do Mercosul, além de diversos fóruns para discussão de políticas para o desenvolvimento do segmento audiovisual nos países que constituem o bloco.
O BRDE é agente financeiro do Fundo Setorial Audiovisual desde 2012 e apoiador do Fórum. Ainda neste ano, patrocinou via Lei de Incentivo à Cultura o Circuito FAM de Cinema, que promoveu exibições de filmes em cidades do interior de Santa Catarina, com o intuito de fomentar a criação de público e ajudar a divulgar os filmes vencedores do 19º FAM. O Circuito aconteceu entre 18 e 25 de maio e percorreu 28 cidades do estado com mais de 200 sessões abertas e gratuitas.

O documentário “Em Frente”, que conta a trajetória de quatro empreendedores brasileiros motivados a gerar impacto social por meio da inovação, estreia em São Paulo no Cinesala às 20h30 do dia 22 de junho. O filme tem o patrocínio do BRDE por meio da Lei Rouanet de Incentivo à cultura. Dirigido por Carol Gesser e Will Martins, o documentário conta a história por trás da criação de quatro negócios movidos pela vontade de alcançar novas perspectivas de sociedade por meio da tecnologia, economia criativa e acessibilidade. Conheça os caminhos percorridos por Ronaldo Tenório (Hand Talk), Lorrana Scarpioni (Bliive), Claudio Sassaki (Geekie) e Bruno Aracaty (Colab.re), em busca de um negócio capaz de promover a transformação, além do lucro.