BRDE

O ano de 2020 foi um período que impôs muitos desafios e mudanças por conta do início da pandemia do novo coronavírus. Na Associação Gaúcha de Futebol para Cegos (Agafuc) não foi diferente. Com as medidas de distanciamento social, as atividades presenciais na entidade tiveram de ser suspensas, fazendo com que a associação se readaptasse para manter os atletas ativos. A equipe é tricampeã da Super Copa do Brasil e tetracampeã do Brasileiro de Futebol de Cinco, além de heptacampeã do Regional Sul de Futebol de Cinco.

Desenvolvido pela entidade na cidade de Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre (RS), o projeto ´Olhar no Presente, Visão de Futuro´ tem como objetivo promover o esporte adaptado para deficientes visuais e incentivar a participação das modalidades esportivas como forma de inclusão. Por meio da Lei Federal de Incentivo ao Esporte, há quatro anos o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) apoia o projeto, cuja prática é fundamental para o aumento da autoestima, motivação, autonomia e independência dos atletas.

Desde 2017, foram repassados R$ 85,1 mil para a Associação. “Neste momento de pandemia tivemos muitos cortes nos apoios que recebíamos, principalmente de patrocinadores diretos, e dessa forma o patrocínio via da Lei de Incentivo ao Esporte (realizado pelo BRDE), foi de extrema importância”, revelou o tesoureiro da Agafuc, Pedro Beber. Segundo ele, este valor foi utilizado para contratação de recursos humanos, aquisição de materiais esportivos e uniformes, fornecimento de alimentação e pagamento de bolsa-atleta, bem como materiais de comunicação e assessorias técnicas especializadas.

Um projeto de sucesso

Fundada em 2010, com a proposta de qualificar e profissionalizar o processo de gestão do futebol de cinco para cegos, a Associação obteve êxito fazendo ótimas campanhas e conquistando títulos. Mas, com as competições paralisadas e a impossibilidade de realizar treinamentos presenciais, a Agafuc segue com sua preparação, mantendo 20 atletas em casa, realizando exercícios e assegurando os cuidados de saúde necessários no enfrentamento à  pandemia de COVID 19. “O apoio do BRDE foi fundamental para conseguirmos manter a bolsa-auxílio para os atletas do projeto”, explicou Beber.

Mais que uma equipe, uma família Foto: Divulgação

Para este ano de Jogos Paraolímpicos de Tóquio, o apoio do BRDE foi decisivo na preparação dos seis atletas da entidade que integram a Seleção Brasileira de Futebol de Cinco, entre eles Ricardinho — uns dos melhores jogadores dessa modalidade, eleito o melhor jogador do mundo em 2006, 2014 e 2018. Atualmente muitos atletas de diversos locais do Brasil procuram a Agafuc, pois a consideram uma entidade de excelência que serve de referência para outras associações.

No entanto, os resultados não ficam restritos somente às quadras. As melhorias nas questões pessoais e sociais dos atletas fazem com que eles se sintam como uma família. “Os resultados no esporte acontecem devido à reciprocidade entre os envolvidos, bem como o reflexo da nossa união, amizade, engajamento e parceria entre nossos atletas, diretoria, profissionais da comissão técnica, apoiadores e patrocinadores”, concluiu Beber.

Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões.

 

Novo acordo permitirá prestar apoio às PMEs afetadas pela Covid-19 nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O empréstimo enquadra-se na resposta da Equipe Europa à Covid-19

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) anunciaram, nesta segunda-feira (22/3), a disponibilização de financiamento dirigido especificamente às pequenas e médias empresas (PMEs) nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, no Brasil, afetadas pela pandemia da Covid-19.

O novo acordo vem alterar um contrato assinado em 2018, no sentido de permitir maior flexibilidade às duas instituições e de ampliar os critérios de elegibilidade do atual empréstimo-quadro BRDE CLIMATE ACTION FL, no montante de 80 milhões de EUR, com o objetivo de apoiar e acelerar a concessão de empréstimos a empresas do setor privado, confrontadas com a crise da Covid-19 na América Latina, especialmente no Brasil.

Esta flexibilidade permitirá acelerar o acesso das PMEs e, em particular, das microempresas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, a financiamento no montante de 15 milhões de EUR. Algo próximo de R$ 100 milhões pela cotação do dia, essa liberação inicial será destinada para capital de giro de MPEs, além da possibilidade de crédito para investimento. Trata-se da primeira ação do BEI no Brasil desde o início de 2021.

O BEI e o BRDE estabeleceram uma parceria para apoiar diversos projetos de ação climática no Brasil, incluindo nos domínios da energia solar fotovoltaica, das pequenas centrais hidroelétricas e de outras fontes de energia renováveis. No contexto da Covid-19, a parceria foi adaptada para ajudar a dar resposta às necessidades específicas das PME nesta nova situação difícil, ao permitir maior rapidez no desembolso dos empréstimos às empresas.

No âmbito do empréstimo-quadro BRDE CLIMATE ACTION FL, até 30 milhões de EUR serão destinados ao financiamento de projetos urbanos, apoiados pelo FELICITY. O FELICITY é um mecanismo de preparação de projetos financiado pela Iniciativa Internacional de Proteção do Clima (IKI), promovida pela Alemanha, e implementado em cooperação com a GIZ. O FELICITY presta assistência aos promotores de projetos em áreas urbanas na elaboração de estudos de viabilidade e outras medidas de preparação e capacitação para apresentar ao BRDE.

Ricardo Mourinho Félix, vice-presidente do BEI responsável pela América Latina, afirmou: “Promover o empreendedorismo é fundamental para o crescimento sustentável, especialmente nestes tempos difíceis. Congratulamo-nos por anunciar este acordo de alteração celebrado com o BRDE para disponibilizar apoio financeiro adicional às pequenas empresas afetadas pela COVID-19 no Brasil. Este financiamento no âmbito da Covid-19 visa acelerar a absorção e afetação de fundos destinados às empresas brasileiras pelo BRDE. Em colaboração com a Equipe Europa, o acordo realça as nossas prioridades na América Latina, ajudando a promover o desenvolvimento econômico sustentável e inclusivo, ao fomentar o investimento produtivo”.

Vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix 

O embaixador da União Europeia no Brasil, embaixador Ignacio Ybáñez Rubio, igualmente salientou a importância em apoiar as empresas do setor privado, especialmente as PMEs como principais motores da criação de empregos. “Trata-se de um dos principais objetivos da UE e dos seus Estados-Membros. É também uma parte importante da sua agenda de cooperação com os países parceiros. No atual contexto pandêmico, é ainda mais importante alinhar esforços para garantir uma recuperação sustentável dos negócios e reduzir ao máximo as consequências socioeconômicas negativas implícitas derivadas de uma desaceleração da atividade econômica. Temos o orgulho de confirmar que apoiamos a criação deste mecanismo desde o início, uma vez que esta ação faz parte do mandato de empréstimo externo do BEI, que inclui uma garantia da UE. Aplaudimos a conclusão deste acordo que, além do objetivo do contrato original de dar prioridade à ação climática, que está em linha com a abordagem atual do Acordo Verde da UE, também traz a possibilidade de usar até 15 milhões de euros do empréstimo aprovado para prestar apoio às PMEs impactadas pelo Covid-19 nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.”

Embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez Rubio

Para a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, o acordo com o BEI é resultado de um grande esforço das duas instituições e chega num momento crucial para os micro e pequenos empresários. “O estágio atual da pandemia acabou acentuando as dificuldades que muitas atividades já vêm enfrentando há um ano. Auxiliar nessa travessia significa a sobrevivência de muitas empresas de pequeno porte, mas acima de tudo representa manutenção de empregos e renda, uma melhor perspectiva na hora da retomada”, salientou ela.

Presidente do BRDE, Leany Lemos

O diretor de Planejamento do BRDE, Luiz Corrêa Noronha, conduziu o encontro on line e fez um breve histórico das tratativas que levaram à parceria com o BEI.  Representante da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), agência alemã de cooperação internacional, Johannes Kissel, também se pronunciou, como responsável pelos programas de energias renováveis e eficiência energética apoiados no Brasil.

 

 

Tão logo seja possível o retorno presencial, o público que costuma frequentar as instalações da Bibliotheca Pública Pelotense terá algumas novidades para conferir. A partir de recursos repassados pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), via Lei Federal de Incentivo à Cultura, a instituição fundada no ano de 1875 investiu em melhorias no espaço destinado ao público infantojuvenil, além de adquiri um projetor para a exibição de filmes e documentários aos jovens que visitarem o Museu Histórico da Bibliotheca Pelotense.

Para conhecer de perto os investimentos e também a trajetória de um espaço que passa por três séculos diferentes, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, esteve em visita à Bibliotheca nessa sexta-feira (22/01). Num rápido evento com a participação da prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, e da presidente da instituição, Lisarb Crespo da Costa, foram conferidas as intervenções realizadas ao longo do ano passado na sala infantojuvenil, que ganhou novo mobiliário, adaptações em termos de acessibilidade e um reforço de 60 livros para o seu acervo. “O apoio a iniciativas que contribuem para o desenvolvimento social, facilitando e ampliando o acesso à educação e à cultura, de forma inclusiva, faz parte da missão e da política de responsabilidade socioambiental do BRDE, assim como reafirma nosso compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, destacou Leany Lemos.

Na soma dos valores repassados desde 2017, o BRDE destinou mais de R$ 86 mil para a Bibliotheca Pelotense, o que viabilizou as melhorias ao longo dos últimos três anos. Um dos destaques foi o patrocínio do banco para a aquisição, ainda em 2019, de um scanner planetário. O equipamento possibilitou disponibilizar à população o acesso a documentos e publicações históricas, começando pelas edições do jornal A Alvorada, semanário liderado por um grupo de intelectuais negros surgido quase duas décadas depois da abolição da escravatura no Brasil e que se propunha a difundir os ideais da  luta pelo fim das desigualdades raciais e o maior acesso da população negra à educação.

Sala infantojuvenil ganhou novo acervo e maior acessibilidade

Foto: Gustavo Vara / Prefeitura de Pelotas

Entre livros raros e periódicos, são mais de 1.600 volumes e 150 mil páginas, além de 1.600 fotografias históricas que terão acesso facilitado em meio digital.  “O BRDE se faz presente na vida da Bibliotheca Pública Pelotense como um parceiro que reconhece o valor do patrimônio histórico e cultural que esta instituição centenária abriga, e que, com muita competência, coloca à disposição dos gaúchos por meio de novas tecnologias e de recursos atualizados”, acrescentou Leany Lemos. Até a chegada da pandemia da Covid-19, a Bibliotheca Pelotense recebia, em média, 30 mil pessoas por ano.

Novos investimentos

A instituição também teve aprovado pelo governo do Estado um novo projeto para 2021 agora por meio do edital de aquisição da Lei Aldir Blanc. Serão adquiridos computadores para atendimento ao público, tablets para que as crianças que frequentam o setor infanto-juvenil possam acompanhar aulas e outros conteúdos online; tablets para visitas ao Museu Histórico, com libras e audiodescrição; mobiliário e equipamento para o ônibus do projeto “Bibliocantos”, que possibilitará levar livros e peças históricas do Museu a bairros da cidade, com exibição de vídeos educacionais e turísticos durante as viagens. Além disso serão produzidos totem para pessoas com necessidades especiais e totem interativo para o Museu Histórico; aquisição de mobiliário para a Reserva Técnica do Museu, e de caixa acrílica para o projeto de escavação simulada, que busca incentivar a valorização do patrimônio.

 

Entre os dias 31 de maio a 2 de junho acontece a Inovapork: primeiro desafio de ideias na suinocultura, com patrocínio do BRDE. A proposta do evento é reunir propostas de inovação e soluções para a cadeia produtiva de suínos, setor de extrema importância para a economia catarinense.
Além das atividades de imersão e palestras, a Inovapork selecionou ideias de estudantes e profissionais inovadores na área da agropecuária. Entre os finalistas está a Kemia – tratamento de efluentes, microempresa de Chapecó que criou um processo de tratamento que utiliza tecnologias verdes de eletro-oxidação e eletrofloculação para tornar o tratamento de efluentes mais eficaz.
A proposta da Kemia teve o financiamento do BRDE, que através do microcrédito, atende importantes demandas comunitárias, além de fomentar inovação.
A equipe vencedora do Inovapork estará classificada para a etapa final do Pontes para Inovação, uma parceria da Embrapa para conectar agritechs com investidores.

Como despedida da mostra ‘Impressões em Tempo’ ao Espaço Cultural BRDE, as artistas Roberta Kramer e Nara Guichon se reuniram no dia 25 de abril para uma demonstração de suas técnicas.
Durante a tarde com o público, Roberta deu uma demonstração utilizando aquarela vegetal, mesmo pigmento utilizado em suas obras. A artista utiliza frutas, água de cozimento e plantas de seu próprio jardim, mostrando que a arte pode ser democrática.
Logo depois, Nara conversou sobre sustentabilidade, um dos principais temas de seu trabalho. Nara utiliza redes de pesca industrial que seriam descartadas para fazer esculturas e tricô. Dessa maneira, o material não vai parar nos oceanos, e levanta um importante debate sobre nossa relação com o meio ambiente.
Não deixe de conferir as próximas exposições do Espaço Cultural BRDE.

Pela primeira vez a Escola Bolshoi representou o Brasil no maior evento de dança online do mundo, o World Ballet Day. No último dia 2 de outubro, o evento mostrou o trabalho cotidiano de grandes equipes e artistas dentro das maiores companhias de dança do mundo, tudo ao vivo durante 24 horas pelo Facebook. Em 2018, The Australian Ballet, Royal Opera House e o Bolshoi Theatre of Russia foram os anfitriões do evento.
Dentro da programação do Bolshoi Theatre of Russia, 20 minutos foram reservados para apresentar o trabalho da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, na cidade de Joinville, com a qual o BRDE contribui desde 2015 por meio da Lei Rouanet de incentivo à cultura. Ao todo foram repassados R$ 373 mil à escola.
O Bolshoi no Brasil agradeceu imensamente seus amigos, que contribuem com a manutenção da escola e fazem parte do reconhecimento da instituição, “Nosso agradecimento aos Amigos do Bolshoi, que contribuem na manutenção de nossa instituição e na formação de bailarinos e cidadãos para o mundo. Este reconhecimento é de vocês também”, agradeceu Alessandra Rocha, Assistente de Produção e Eventos na Escola do Teatro Bolshoi no Brasil.
Confira no Youtube a participação da escola do Bolshoi.
Foto: Divulgação Bolshoi no Brasil

A abertura da mostra As Linhas do Corpo lotou o Espaço Cultural BRDE na última terça-feira (4).
Mesmo com a noite fria, cerca de 90 visitantes vieram conferir as histórias contadas por meio das linhas e agulhas. As telas estampadas de emoções, sensações e experiências vividas pelas 28 bordadeiras convidadas deram vida à galeria. Histórias de gestação, de luta contra doenças como o câncer, de amizades e afetos, de espiritualidade e sexualidade.
A noite de abertura da mostra coletiva contou ainda com música ao vivo da artista Larissa Lis, que compôs uma música especialmente para a exposição.
A bordadeira e psicóloga Susan Mariot enfatizou a importância dos temas abordados e agradeceu a dedicação de cada uma para o sucesso da mostra.
“Bordar as linhas do corpo é de uma imensidão inimaginável. Todas nós mergulhamos nessa imensidão. Bordar o corpo é enfrentar tabus encontrados na sociedade e lidar também com os que criamos dentro de nós.”
A mostra segue aberta para visitação até o dia 29 de setembro. Entrada gratuita.

A política de responsabilidade socioambiental do BRDE foi apresentada pela gerente de Planejamento da Agência Paraná, Lisiane Astarita, nesta quarta-feira (22), durante a 7ª edição do Fórum de Sustentabilidade e Governança, evento que acontece em Curitiba, com apoio do Banco. O tema deste ano é “estratégias que impactam negócios e norteiam o amanhã”. O diretor-presidente Orlando Pessuti participou da abertura do evento.
O fórum é um espaço estratégico voltado para a discussão de tendências, perspectivas e cases de sucesso na gestão da sustentabilidade nas empresas. Com uma estrutura interativa que integra tanto iniciativas privadas como governamentais, o evento mostra como as grandes corporações praticam a sustentabilidade no seu dia a dia, saindo do escopo do meio ambiente e entrando na cadeia produtiva de cada negócio.
Lisiane apresentou os grandes números do banco e mostrou que, a partir de 2014, houve uma maior institucionalização da Responsabilidade Socioambiental no BRDE (RSA). Entre as ações do banco a partir daquela data listou:
2014 – Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do BRDE.
2015 – Aprova o Plano de Ação da Responsabilidade Socioambiental do BRDE; adere à Agenda Ambiental da Administração Pública (A3P); cria o Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis.
2016 – Cria a Coordenadoria e a Comissão de Responsabilidade Socioambiental.
2017 – Assinou o protocolo com o PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; assinatura de empréstimo de 50 milhões de euros com a AFD – Agência Francesa de Desenvolvimento para apoiar projetos de empresas e municípios registrados no BRDE PCS (Programa de Produção e Consumo Sustentável).
2018 – O conselho do BRDE aprovou o BRDE Municípios para aumentar o financiamento e a parceria com as cidades; renomeia a Superintendência de Planejamento e Sustentabilidade; participa, como ouvinte, das reuniões do grupo de bancos brasileiros signatários dos Princípios do Equador.
A gerente mostrou também como foi implantada no BRDE a Agenda A3P, a partir dos programas de uso racional de recursos; gestão de resíduos sólidos, acessibilidade, compras Sustentáveis, divulgação de Boas Práticas Socioambientais junto às comunidades interna e externa e adoção de critérios socioambientais na análise de crédito e atribuição do Nível de Risco e acompanhamento e Gestão dos Aspectos Socioambientais da Carteira de Crédito.
Lisiane apresentou os eixos do BRDE PCS, lembrando que desde a criação do programa os investimentos em projetos voltados à produção e consumo sustentáveis já somam R$ 1 bilhão. Mostrou o índice elevado de adesão da carteira do BRDE aos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), de 83%, em média. E disse que as operações do BRDE estão mais próximas dos ODS 2 (fome zero), 7 (energia limpa e acessível) e 8 (trabalho decente e desenvolvimento econômico).
A gerente encerrou a apresentação apontando as oportunidades e desafios do BRDE em relação ao desenvolvimento sustentável : novas captações (BEI e BID), aumento de parcerias (aderência ao ODS 17), ser a ponte entre o setor privado e os municípios, ampliação da captação de projetos PCS e aumento do valor dos clientes – esforço dos ODS’s e monitoramento dos resultados e relato das ações relacionadas aos ODS.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) sempre esteve comprometido com as práticas de sustentabilidade, sendo o primeiro banco a exigir Licença Ambiental para financiar projetos de empresas. Com esse compromisso socioambiental, foi estruturado o Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis.
O Programa BRDE PCS que viabiliza empreendimentos nas áreas do agronegócio, indústria, comércio e serviços, está subdividido em cinco categorias integradas: energias limpas e renováveis, uso racional e eficiente da água, gestão de resíduos e reciclagem, agronegócio sustentável e cidades sustentáveis.
Além das linhas operacionais de financiamento, o Banco também participa e apoia ações e eventos ligados ao tema da sustentabilidade. Na reunião do Conselho Temático de Energia realizado pela Federação das Indústria (Fiep) do Paraná, a gerente de Planejamento da Agência Paraná, Lisiane Astarita, representou o BRDE no encontro que avançou no objetivo de definir o marco regulatório para o setor de geração de energias renováveis.
O BRDE participa também do Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano. No evento que acontece de 6 a 8 de junho, em Foz do Iguaçu, no extremo oeste do Paraná, o analista Paulo Marques, da Agência Paraná, irá proferir a palestra “Financiamento de investimentos em energias renováveis”, apresentando os programas e linhas de crédito do BRDE para o setor.
Com a linha BRDE Energia, o Banco oferece crédito a projetos de eficiência energética e geração de energias renováveis. Esse segundo item inclui usinas de biomassa, eólicas e solares, além de pequenas centrais hidrelétricas. Os projetos devem ter eficiência energética, sustentabilidade e responsabilidade ambiental como objetivo.
O Fórum pretende contribuir para o desenvolvimento da cadeia de biogás e biometano no Brasil, em especial nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A atividade de produção de proteína animal, especialmente com aves e suínos, têm espaço para dar tratamento aos dejetos e aumentar ganhos através do investimento em geração do biogás e do biometano.
Para mais informações sobre linhas de financiamento consulte o site: www.brde.com.br ou entre em contato com a Agência Paraná pelo telefone (41) 3219-8000 ou e-mail brdepr@brde.com.br.

Representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) reuniram-se na segunda e terça-feira (21 e 22/5), na sede do BRDE, em Porto Alegre, para workshop de estruturação de um programa de estímulo a projetos de eficiência energética. A ação envolve a Superintendência de Planejamento e Sustentabilidade (SUPLA), a Coordenação de Responsabilidade Socioambiental (CRESA) e as equipes das Agências do BRDE do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
Pelo BID, participaram dos encontros o executivo Luis Rodrigo Chaparro, os consultores Paulo Miotto, Fernanda Sant’Anna e a assessora Tatiana. A ABNT foi representada por Renata Rocha e a empresa Winexam por Henrique Fernandez. Pelo BRDE, estiveram presentes Luciano Feltrin, superintendente de Planejamento e Sustentabilidade; Eduardo Grijó, coordenador de Responsabilidade Socioambiental; Aline Mota, gerente de Operações Adjunta da AGPOA; Felipe Couto, gerente de Planejamento da AGFLO; Lisiane Astarita, gerente de Planejamento da AGCUR; e Fernando Gavronski, analista da DIGER. Os colegas de Santa Catarina e do Paraná participaram por videoconferência.
Eficiência energética assegurada
“A proposta inovadora traz a ideia de um seguro de performance, vinculado à certificação de fornecedores e à verificação de desempenho dos equipamentos, por parte da ABNT. O objetivo é reduzir a insegurança dos empreendedores no momento de investir em novos equipamentos mais eficientes quanto ao consumo de energia”, esclarece o superintendente de Planejamento e Sustentabilidade, Luciano Feltrin.
Desde 2017, o BRDE vem colaborando com o BID na estruturação desse programa, com a coordenação de Eduardo Grijó e a participação de Aline Mota e Fernando Gavronski. Um acordo de cooperação técnica nesse sentido foi firmado entre as duas instituições.
“O BID já desenvolve o Programa de Financiamento à Eficiência Energética Assegurada em outros países, como o México e El Salvador, por exemplo. Além de reforçar os conceitos de eficiência energética, a proposta é fornecer, por meio do seguro, uma garantia ao empreendedor quanto à adequada operação dos equipamentos financiados”, informa o coordenador Eduardo Grijó. Segundo ele, a expectativa é de que o programa seja lançado no segundo semestre deste ano, com boa perspectiva de direcionamento a projetos que se enquadram nas diretrizes do Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis.