BRDE

O Women on the Road, programa gratuito de formação de empreendedoras do ecossistema de inovação, terá sua largada acontecendo nesta quarta-feira (4/08). Promovido pelo Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc) e com apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o programa terá três etapas: warm-up, awareness e women on the road. A primeira fase ocorre em agosto e setembro com eventos e workshops abertos – os workshops têm vagas limitadas. Confira a programação e inscreva-se: bit.ly/WomenOnTheRoad.

O propósito é sensibilizar futuras empreendedoras e promover o desenvolvimento de startups em estágio inicial, fundadas ou cofundadas por mulheres, provocando conexões que gerem oportunidades de negócio entre empreendedoras do ecossistema. Dados do Female Founders Report, da Distrito (2021), mostram que apenas 9,8% das startups são fundadas ou cofundadas por mulheres, e muitos destes negócios não ultrapassam o estágio inicial por encontrarem dificuldades no processo de validação. O Women on the Road quer mudar essa realidade.

Painel de abertura

O kick-off do programa inicia às 17 horas, com transmissão ao vivo no Youtube da PUCRS. O evento terá as participações da diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, e o superintendente de Inovação e Desenvolvimento da PUCRS, Jorge Audy.  Flávia Fiorin, Gestora de Operações e Empreendedorismo do Tecnopuc, Flávia Fiorin irá coordenar o painel que contará com Aldren Flores, Aline Deparis e Francisca Moselle.

Aldren Flores

Ligada às questões de pluralidade racial, faz parte de movimentos e coletivos negros. No empreendedorismo é fundadora da startup Mais Afro, que possui o objetivo de diminuir a distância entre as oportunidades e as pessoas negras e também gestora de projetos da pretalab, iniciativa da Organização Social carioca Olabi – que visa incluir e aumentar a visibilidade de mulheres negras nas áreas de Inovação e Tecnologia.

Aline Deparis

CEO da PrivacyTools, analista de Sistemas por formação e somando mais de 15 anos de experiência no setor de TI. Foi presidente da Assespro-RS (2019/2020) e do CETI-RS (Conselho das Entidades de TI do RS) e é atual membro do Conselho Fiscal do Icolab.

Francisca Moselle

Idealizadora do Nutrition Thinking®️ e Founder do Nutrition Thinking®️ Co.  Nutricionista graduada pela PUCRS com mais de 10 anos de atuação clínica, Especialista em Nutrição Clínica pela Sociedade Brasileira de Nutrição, Especialização em Psicologia Positiva pela PUCRS, certificação internacional como Professional Coach e Analista Comportamental DISC pela Sociedade Latino Americana de Coach (SLAC) Mestrado em Fisiologia e Doutorado em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, parte de renomados grupos de pesquisa e projetos, tendo conquistado o Prêmio Henri Nestlé (3º lugar) e recebido a Homenagem de Reconhecimento pela UFRGS. Professora do Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Alimentação Saudável e Empreendedorismo da PUCRS. Parte de capítulos de livros, publicações internacionais.

Aliando inclusão social e ensino de música, o projeto Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul (OJRS) tem apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) desde 2017. Criada em 2009, com foco na formação musical e voltada para o atendimento de crianças e adolescentes de famílias de baixa renda, a Orquestra trabalha com estudantes entre os 10 aos 24 anos.

No curso ofertado pelo projeto gaúcho, os jovens aprendem tudo sobre os instrumentos que compõem uma orquestra sinfônica: violino, viola, violoncelo, contrabaixo, percussão, trompa, trompete, trombone, tuba, flauta transversal, clarinete, oboé, fagote e piano. O projeto se organiza em grupos de iniciantes, intermediários e avançados.

A entidade mantenedora é a Associação Orquestra Jovem do RS, criada em 2010, e conforme sua presidente, Carla Zitto, o projeto tem o compromisso de transformar vidas através da música. “Acreditamos que oferecendo acesso a um bem cultural que se encontra fora do alcance da maior parte da população, seja pela falta de recursos financeiros ou mesmo pela falta de oportunidade, contribuímos para evolução do futuro da nossa comunidade, e de um mundo mais humano e solidário”, explica a presidente da Associação.

Entre 2017 e 2020, foram repassados para a OJRS em torno de R$ 195 mil. Esse valor foi investido em manutenção e aquisição de instrumentos, materiais pedagógicos, recursos humanos, bolsas-auxílio para alunos, equipes e equipamentos para realização dos concertos musicais. Atualmente, a OJRS atende 134 alunos, com entrada de 30 novos alunos agora em julho deste ano. Os jovens acima dos 14 anos são inseridos no programa Jovem Aprendiz na área da música, no curso de músico instrumentista. Nas oficinas diárias, os alunos frequentam aulas de musicalização, de instrumentos musicais e de prática de concerto. As aulas são individuais, por instrumento, naipes e grupos orquestrais.

Orquestra tem o apoio do Banco desde 2017

Música em tempos de pandemia

Em 2020, a OJRS, seguindo as orientações sanitárias para o enfrentamento da pandemia, teve que readequar as suas atividades presenciais para um modelo de ensino on-line. Conforme a presidente da Associação, o principal desafio foi em relação a essa adequação e como manter o vínculo com os alunos e seus níveis de motivação para o aprendizado da música. Também foi constatada a necessidade de uma maior atuação dos professores, resultando em aumento da carga horária e consequentemente a necessidade de mais investimentos. A manutenção e a aquisição de instrumentos também demandaram grande investimento. “Isso aconteceu porque cada aluno levou o instrumento para casa, não havendo compartilhamento como aconteceria em uma situação normal”, completa Carla Zitto.

Mesmo com as restrições, projeto manteve suas atividades na pandemia

Apesar dos desafios, o projeto manteve as aulas individuais através de interação on-line entre aluno e professor. Também foram realizadas apresentações e masterclasses no formato on-line e ao vivo, entre todos os professores e os alunos. Assim, houve manutenção contínua da troca de conhecimento musical e interatividade entre todos os integrantes da Orquestra.

Segundo Zitto, o apoio do BRDE, principalmente no ano passado, foi decisivo para garantir a qualidade dessa “transformação”. “Destaco que os valores do BRDE na sua missão institucional estão muito entrelaçados com os valores da Orquestra Jovem, principalmente neste período quando precisamos aprender e ser resilientes”, ressalta. A Orquestra fez, inclusive,  uma apresentação especial nas comemorações de aniversário dos 60 anos do BRDE, respeitando todos os protocolos sanitários.

Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No mês de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. As instituições têm até dia 30 de setembro para encaminhar proposta ao patrocínio. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

O Projeto Olímpico da Sogipa, que busca oferecer a atletas de alto rendimento melhores condições de treinos, recebe investimento do Banco há quatros anos

 A judoca gaúcha Mayra Aguiar que conquistou a sua terceira medalha olímpica nesta quinta-feira (29/07), nos Jogos Olímpicos de Tóquio, integra o Projeto Olímpico desenvolvido pela Sociedade de Ginástica Porto Alegre (Sogipa), que tem apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) por meio da Lei de Incentivo ao Esporte.

A vitória de Mayra foi contra a sul-coreana Hyunji Yoon no templo das artes marciais na capital japonesa. A judoca de 29 anos se tornou a primeira mulher a conquistar três medalhas olímpicas em um esporte individual. Ela já havia levado o bronze nos Jogos de Londres (2012) e no Rio (2016).

O porto-alegrense Daniel Cargnin, também integrante do Projeto Olímpico da Sogipa, conquistou a medalha de bronze no judô no último domingo (25/07). Em sua primeira participação em uma edição dos Jogos Olímpicos, o atleta gaúcho de 23 anos faturou a medalha na categoria meio-leve ao vencer o israelense Baruch Shmailov.

Daniel Cargnin, bronze em Tóquio
Foto: Gaspar Nóbrega/COB

O Projeto Olímpico da Sogipa busca oferecer a atletas de alto rendimento melhores condições de treinos. Além de uma preparação de excelência para as competições nacionais e internacionais, a Sogipa enviou sete atletas, além de dois técnicos e um judoca de apoio, para representar o Rio Grande do Sul e o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Incentivos Fiscais

Desde 2017, o Projeto Olímpico da Sogipa recebe apoio do BRDE. Até o ano passado, foram repassados R$ 167 mil. Os valores foram usufruídos na criação de uma estrutura de treinos, que compreende alimentação, infraestrutura e manutenção das comissões técnicas, além da própria remuneração aos atletas.

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No mês de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. As instituições têm até dia 30 de setembro para encaminhar proposta ao patrocínio. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Por meio de incentivos do BRDE, instituição consegue manter acervos e mostras para visitação e estudo do público

 O Museu Paranaense, também conhecido como Mupa, carrega consigo muita história. Não apenas em suas amostras, pesquisas e acervos, mas também por sua longevidade. Criado em 1876, é terceiro museu mais antigo do Brasil.

Tamanha é sua importância por conta de todo o acervo que expõem que, além de um museu, o Mupa também é referência como importante centro de pesquisa. “Nós temos três departamentos de pesquisa, o de antropologia, história e pesquisa, além da pinacoteca. Nós buscamos sempre valorizar esse DNA de estudo inovador, com forte representação científica”, afirma a diretora do Museu Paranaense, Gabriela Ribeira Bettega.

Além disso, um dos objetivos do Mupa é criar uma interdisciplinaridade, abrindo para outros campos, como expressões artísticas, poesias, artes visuais, deixando o museu mais extrovertido e com um leque de público maior. Com a pandemia, a visitação também foi afetada. Mas no momento, está aberto para o público, seguindo todas as normas sanitárias necessárias para isso.

Importância dos incentivos fiscais

O Museu Paranaense recebeu, por meio da Sociedade de Amigos do Museu Paranaense (SAMP), auxílio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Como entidade sem fins lucrativos, a SAMP tem por missão prioritária auxiliar na programação e na manutenção do Museu.

A programação do banco com a SAMP é composta de exposições (temporárias e de acervo), publicações de catálogo e de material pedagógico, restauro de obras do acervo e ciclos de palestras e mesas-redondas.

No momento, o BRDE está expondo junto ao Mupa a mostra “Eu Memória, Eu Floresta: História Oculta”, que propõe diferentes olhares sobre a erva-mate por meio de obras, objetos e documentos históricos provenientes do acervo do Museu. A mostra faz parte do Circuito Ampliado – Acervos em Circulação, que contará com exposições em dois locais. Além do Museu Paranaense, o Palacete dos Leões, sede do Espaço Cultural do BRDE no Paraná, receberá em breve a mostra “Narrativas e Poéticas do Mate”. O circuito conta com a parceria do Museu Oscar Niemeyer e terá vigência até 2022.

“Com a parceria, entre nós e o BRDE, podemos trazer exposições tão ricas quanto essa que agreguem a história e contexto de um elemento muito representativo para o nosso Paraná”, diz a diretora do Museu.

Para o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley, a parceria também é muito positiva. “Nós, como um banco inovador, entendemos o quanto é importante manter a cultura e história paranaense viva. Por isso, temos muito orgulho de estarmos presente e fazer esta exposição possível”, finaliza.

Oferecer oportunidade de transformação social é a missão que o Instituto Guga Kuerten carrega consigo ao longo de seus quase 21 anos de trajetória. Através de projetos que visam a inclusão social de crianças e adolescentes em estado de vulnerabilidade econômica, social e educacional, o Instituto inspirado na trajetória de Guga no tênis, atua na região da grande Florianópolis, capital de Santa Catarina.  Tricampeão do torneio de Roland-Garros, Guga é considerado o maior tenista brasileiro na modalidade masculina.

O programa Campeões da Vida  é uma das iniciativas desenvolvidas pela instituição apoiada pela lei de incentivo fiscal ao esporte (LIE) e que tem como objetivo promover a esses jovens, por meio de ações educacionais e esportivas, desenvolvimento pessoal e social. Atualmente 400 crianças e adolescentes são beneficiados diretamente pelo programa, além de uma parte desse atendimento ser direcionado a pessoas com deficiência cadastradas na  Coepad (Cooperativa de Pais e Amigos da Pessoa com Deficiência).

Programa é inspirado na trajetória do tenista Guga Kuerten

Os educandos do projeto são atendidos no período do contraturno escolar, com atendimentos que acontecem duas vezes por semana nos cinco núcleos da região (Saco Grande, Itacurubi, Biguaçu, São José e Palhoça). Atividades como aulas de tênis e esportes complementares (futebol de campo, voleibol, basquetebol, badminton, futebol de areia, futsal, rugby, vôlei de praia, beach tennis e frisbee), fazem parte do rol de oficinas ofertadas pelo projeto além de outras ações culturais e pedagógicas.

Parceria com o BRDE

De acordo com a superintendente executiva do Instituto, Silvana Silveira Medeiros, o apoio do BRDE, assim como o de outras empresas parceiras, é de essencial para o programa, permitindo que a entidade consiga dar continuidade a seu trabalho “É de suma importância para que a gente possa manter os profissionais do atendimento direto dos nossos educandos. Então a gente sempre torce para a continuidade e renovação dessas parcerias” , ressalta Silvana. O BRDE iniciou seu apoio ao projeto da região em 2019,  onde repassou R$ 17 mil para o instituto. Já no final do ano de 2020 o Banco contribuiu com cerca de R$ 30 mil usados nas atividades ao longo deste ano.

Leis de Incentivos  

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A iniciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível. O prazo de inscrições se encerra no próximo dia 30 de setembro. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Desde 2017, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, o projeto ‘A Arte de Pertencer’ tem o apoio Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Idealizado e executado pelo Pertence, do Rio Grande do Sul, o projeto desenvolve ações de capacitação e treinamento pessoal para pessoas com deficiência, possibilitando acesso à cultura e suas práticas artísticas, além de benefícios físicos e mentais dos participantes e suas famílias, melhorando assim, a qualidade de vida.

No ano passado, os R$ 30 mil repassados, por causa da pandemia do coronavírus foram investidos em ferramentas que permitiram manter o atendimento para crianças, jovens e adultos com deficiência, com diversas atividades para assim manter uma rotina, cada um em sua residência. Isso inclui, contratação de edição de vídeo, acessibilidade, aparelhos para gravação, materiais usados em oficinas, entre outros. Desde 2017, o banco já destinou em R$ 65 mil em favor do projeto. Segundo o presidente do Pertence, Victor Daniel Freiberg, o projeto ‘A Arte de Pertencer’ já impactou em torno de 400 famílias e que só é viável por conta de parceiros como o BRDE, que acreditam na transformação, na inclusão e em um mundo melhor. “Temos muito orgulho pelas centenas de vidas que transformamos juntos até o momento e temos a certeza de que com a nossa parceria transformaremos muito mais”, ressalta o presidente do Pertence.

Cultura como inclusão social

 Fundado em 2011, o Pertence tem como objetivo criar experiências memoráveis e proporcionar o sentimento de pertencer, amizade e protagonismo da pessoa com deficiência intelectual. O projeto ‘A Arte de Pertencer’, proporciona experiências socioculturais e potencializa as capacidades expressivas e de interação, através do acesso à cultura, do convívio e aprendizado mútuo. Promove e garante seus direitos, visando sua consciência de cidadania, pertencimento e inserção social através do acesso à cultura. Por meio de metodologias ativas, estimula os participantes a explorarem suas potencialidades através da arte.

Por conta da Covid-q19, atividades são realizadas em formato on line

Devido à pandemia, a 3ª edição do projeto gaúcho, que se encaminha para a finalização, acontece em formato virtual possibilitando a sociabilização sem fronteiras e permitindo participantes de todo o país. “A pandemia nos mostrou que com a ajuda das empresas e o apoio da sociedade, nada pode nos parar, ao contrário, tudo nos fortalece e nos dá mais ânimo para correr atrás dos nossos sonhos e objetivos”, destaca Freiberg.

Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No dia 17 de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. O prazo de inscrições vai até o dia 30 de setembro.  No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Cooperação com a Associação que atua na América Latina e Caribe prevê uma série de atividades conjuntas

Principal referência de apoio a projetos com impacto econômico e social no Sul do Brasil, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) reassumiu a condição de membro ativo da Associação Latino-Americana de Instituições Financeiras para o Desenvolvimento (ALIDE). Um protocolo de cooperação entre o BRDE e a Associação que congrega os bancos de fomento da América Latina e Caribe estabeleceu uma série de iniciativas conjuntas de apoio ao financiamento para empresas privadas e o setor público.

A partir do protocolo, a ALIDE disponibilizará o acesso à uma rede de informações regionais e internacionais, bem como programas de assistência técnica e a participação em pesquisas e estudos, integrar comitês técnicos. “Esse compartilhamento ganha uma dimensão importante diante dos desafios do BRDE de atuar em apoio a empreendimentos de diferentes áreas, desde o agronegócio até a geração de energia limpas, passando pelo turismo, a inovação, saneamento, indústrias e o microcrédito”, destaca a diretora-presidente, Leany Lemos.

Ao completar 60 anos agora em junho, o BRDE se consolida entre os maiores bancos em tamanho de carteira de crédito do Brasil, com R$ 13,5 bilhões. A instituição fechou 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul.

Na assinatura do protocolo de cooperação, a ALIDE foi representada pelo secretário-geral Edgardo Alvarez. Com sede em Lima, capital do Peru, a Associação iniciou suas atividades em 1968.

Melhorar a qualidade de vida da população idosa e reduzir a sobrecarga juntos aos hospitais públicos. São com esses objetivos que a Associação Hospitalar São José de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, desenvolve o projeto 60+, que conta com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) com repasses financeiros através das leis de incentivos.

De forma inovadora e sustentável, o projeto da Associação São José trabalha na assistência à saúde da população da faixa etária com mais de 60 anos, o que incluiu apoio psicológico e terapêutico aos idosos em situação vulnerável ou de solidão, socialização para com os seus pares e com a sociedade, além de promover sua reinserção no âmbito familiar. Com isso, há aperfeiçoamento nos serviços de saúde gratuitos já prestado aos idosos da região pelas políticas públicas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Desde o início do apoio do BRDE, em 2018, foram repassados cerca de R$ 55 mil à instituição. Com a verba, o hospital de Jaraguá do Sul investe em equipamentos para assistência hospitalar, assim como em ações de equipes multidisciplinares e sua qualificação na prestação da assistência aos idosos. Até o momento, foram 4.596 pacientes que foram beneficiados diretamente pelo projeto 60+, e 9.192 familiares alcançados indiretamente pelo programa.

“O apoio do BRDE foi de extrema importância para o início e execução do projeto, possibilitando o atingimento do objetivo de qualificação do atendimento ao Idoso. Foram diversas ações, histórias e conquistas vivenciadas e sabemos que o BRDE faz parte dessa transformação e dos resultados que alcançamos”, destaca o coordenador de Captação de Recursos do Hospital São José, Jeferson Ferrari.

Lei de Incentivos

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

INCENTIVO

Dois expoentes paranaenses de esgrima em cadeira de rodas estarão em Tóquio. Eles são do projeto da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná, recebe recursos do Banco, via incentivo fiscal.

O Paraná tem dois atletas de esgrima em cadeira de rodas já confirmados para os Jogos Paralímpicos de Tóquio: Jovane Guissone, que conquistou ouro em Londres, em 2012 e Carminha Oliveira, campeã brasileira na modalidade.
Ambos fazem parte da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná (ADFP), de Curitiba. O projeto da entidade com atletas de esgrima em cadeira de rodas recebe o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), por meio de incentivos fiscais.

“Precisamos apoiar e incentivar esses atletas, fazer com que o sonho deles seja possível. Nós, do BRDE, temos muito orgulho em ver que atletas do projeto chegaram tão longe, trazendo tanto prestígio ao nosso país”, afirma o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley.

Jovane Guissone foi o primeiro atleta brasileiro de esgrima em cadeira de rodas a conquistar o ouro olímpico. Em 2020, foi campeão da etapa da Hungria da Copa do Mundo desta modalidade. Carminha Oliveira conheceu o esporte em 2016 nas Paraolimpíadas do Rio e procurou a ADFP. Ela começou a competir no mesmo ano, no Campeonato Brasileiro de Esgrima em Cadeira de Rodas, onde conquistou o segundo lugar. E nas três últimas competições (2017, 2018 e 2019) ganhou o primeiro lugar. Carminha conquistou a medalha de prata no Regional das Américas de Esgrima em Cadeira de Rodas de 2019, realizado no Canadá.

 

Projeto reúne 18 atletas com experiência em competições

A ADFP é uma organização do terceiro setor, de Curitiba, fundada em 1979, com o objetivo de instituir e coordenar serviços de assistência e reabilitação aos deficientes físicos. Ela auxilia no desenvolvimento, independência e autonomia da Pessoa com Deficiência Física nas suas relações sociais através da reabilitação e habilitação física, social, cultural, profissional e esportiva.

Exemplo

O curitibano Sandro Colaço não participa mais de competições como as Paralimpíadas. Mas sua trajetória no esporte é um exemplo do benefício que o apoio como o do BRDE ao projeto da ADFP proporciona à carreira de atletas. Há 21 anos, a vida de Colaço mudou totalmente. O atual atleta profissional de esgrima em cadeira de rodas sofreu um acidente que o fez perder o movimento das pernas e teve de reaprender, aos poucos, como viver e realizar tarefas simples do dia a dia. Desanimado com a nova forma de levar a vida, procurou a ADFP.

Foi lá que Sandro, e muitos outros atletas, puderam ter contato com novas formas de praticar esportes. Em 2010, ele conheceu a esgrima em cadeira de rodas. “Foi estranho ver um monte de gente mascarada se espetando”, brinca o atleta. Em 2011 teve sua primeira colocação para a seleção brasileira da modalidade.
Colaço participou de 15 competições internacionais, uma delas a Paralimpíadas no Brasil, em 2016. “Foi a realização de um sonho. Minha família toda lá, me vendo competir, foi inexplicável”, relembra.

Importância do projeto

O que auxiliou e motivou os atletas a chegarem às competições foi o projeto da ADFP, que garante a manutenção da equipe, com estrutura necessária, treinadores e colegas, já que, como todos os outros, é um esporte que precisa de prática com outros competidores e tem um alto custo de equipamentos.

Além disso, como princípio, o projeto esportivo é um dos caminhos criados pela ADFP para que a Pessoa com Deficiência tenha uma nova expectativa de vida. “Somos um facilitador de sonhos, tanto para quem pratica, ou para quem assiste nossos atletas competirem. O impacto do nosso projeto é esse, como aconteceu com a Carminha”, diz o coordenador de projetos e voluntário da ADFP, Fábio Ferreira da Silva Ingenito. Ele ainda destaca a importância das empresas se envolverem e apoiarem o projeto. “O paradesporto tem um valor para a vida das pessoas e da sociedade, sem estimativas”, afirma.

O projeto nascido, em 2004, mantém 18 atletas, sendo a maioria com experiência em competições. Atualmente, vem trabalhando para obter grandes conquistas dentro e fora das quadras, sendo uma das melhores equipes esportivas do Brasil em estrutura, número de atletas, vitórias e medalhas nas competições oficiais da modalidade. A pretensão é ranquear 4 atletas entre os 5 melhores do Brasil.

Incentivos Fiscais

O apoio do BRDE, via incentivo fiscal, ajudou a garantir a continuidade do projeto, a conquista de muitas medalhas para a equipe, além de impacto social relevante junto à sociedade e bastante exposição da marca dos patrocinadores.
Para o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley, projetos como esse são extremamente importantes não só para o crescimento do esporte no Brasil, mas também o papel social que a prática proporciona aos atletas.
Bley destaca que como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. “A inciativa constitui parte d política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná”, explica Bley.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível no link www.brde.com.br. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

 

Por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) tem poiado o projeto olímpico desenvolvido pela Sociedade de Ginástica Porto Alegre (Sogipa), que busca oferecer a atletas de alto rendimento melhores condições de treinos. Além de uma preparação de excelência para as competições nacionais e internacionais, a Sogipa está prestes a enviar entre sete e nove atletas para representar o Rio Grande do Sul e o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a partir do próximo dia 23 de julho.

Desenvolvido pela o único clube gaúcho que tem quatro medalhas olímpicas nos esportes individuais, o projeto recebe apoio do BRDE há quatro anos. Desde 2017 foram repassados R$ 167 mil. No ano passado, o valor foi de R$ 40 mil. Os repasses foram usufruídos na criação de uma estrutura de treinos, que compreende alimentação, infraestrutura e manutenção das comissões técnicas, além da própria remuneração aos atletas.

Um dos destaques da equipe é a judoca Mayra Aguiar, campeã pan-americana, mundial e medalhista olímpica. Inicialmente a meta do clube era classificar cinco atletas de duas modalidades diferentes para os jogos olímpicos. No entanto, a expectativa possivelmente será superada, com a expectativa de conquistar ao menos uma medalha. Quem já está coma vaga garantida em Tóquio é o atleta de salto triplo, Almir Júnior.

“Sempre foi uma meta ambiciosa que graças a muito trabalho e ao apoio de parceiros, como o BRDE, estamos próximos de alcançar. O valor repassado dá tranquilidade e segurança para os atletas competirem e se desenvolverem”, destacou o presidente da Sogipa, Carlos Wüppel.

 


Almir Júnior, atleta de salto triplo da Sogipa, já tem vaga garantida em Tóquio

Esporte como inclusão social

A Sogipa sempre encarou o esporte como uma poderosa ferramenta de educação e de inclusão social. O clube trabalha o esporte como ferramenta de promoção na formação das crianças e dos jovens. A oferta de treinos de qualidade, a cobrança da disciplina, respeito, dedicação e empatia, desenvolve as potencialidades dos atletas. Não são todos que atingem o ápice de uma carreira bem-sucedida, disputando e vencendo competições internacionais. Mas, mesmo aqueles que não chegam ao estrelato, tornam-se cidadãos, com abertura de oportunidades para uma vida mais promissora.

Neste sentido, na avaliação de Wüppel, o apoio do BRDE é fundamental para a continuidade desta iniciativa. “Acho que estamos no caminho certo, mas a Sogipa não faria nada disso sozinha,” concluiu.

 Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Na última quinta-feira (17/6), o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.