BRDE

Em cerimônia realizada nesta segunda-feira (30), a Cooperativa Agroindustrial Cooperja inaugurou o novo parque industrial JM II, localizado no bairro Araçá, em Jacinto Machado, no Sul Catarinense. A obra de expansão abriga o mais moderno complexo industrial do Sul do Brasil, com uma área construída de 25 mil metros quadrados, capacidade de 10 mil fardos/dia de produção e com armazenagem total de 2 milhões de sacas. Um investimento de mais R$ 75 milhões, sendo quase a metade (R$ 35 milhões) financiados através do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

O diretor financeiro do BRDE, Vladimir Arthur Fey, destaca este momento histórico no dia em que a Cooperja completa 52 anos. “A entrega desta obra, em parceria com o banco, reforça a nossa visão de ser um parceiro estratégico imprescindível na promoção do desenvolvimento econômico e sustentável da região de atuação. Isso só é possível pelo trabalho qualificado de nossa equipe técnica e da relação de confiança que se construiu entre as duas instituições nesses últimos 20 anos”.

O presidente da Cooperja, Vanir Zanatta, destaca que o BRDE foi um parceiro essencial na realização deste sonho. “Com certeza, se não fosse o banco não teríamos condições de entregar esta obra tão importante”.

O novo parque industrial da Cooperja surgiu da necessidade de maior espaço para armazenagem, expansão de novos mercados, modernização e ajustes exigidos pelas Normas Regulamentadoras. Com tecnologia de ponta para seleção e beneficiamento de grãos de arroz, a nova unidade contará com 80 colaboradores diretos. A Cooperja é a maior cooperativa de arroz do Brasil. Com faturamento de R$ 1 bilhão ao ano, reúne atualmente quase 2 mil associados.

“O BRDE fomenta o agronegócio, permitindo a expansão dos negócios e a geração de emprego e renda no campo. Esta obra exemplo para o Brasil tem a marca do banco e isso nos orgulha muito”, destaca o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Marcelo Haendchen Dutra.

A construção do futuro hospital destinado aos pacientes idosos do SUS que necessitam de cuidados para uma rápida recuperação recebe apoio do banco

Com o objetivo de oferecer uma nova opção para tratamentos prolongados a pacientes que necessitam de reabilitação, a implantação da Unidade Hospital São Luis Orione é um dos importantes projetos liderados pelo Pequeno Cotolengo. Com 25 leitos e idealizado para oferecer cuidados de forma individualizada e humanizada, o hospital deverá iniciar o atendimento ao público no próximo ano e sua instalação contou com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O banco igualmente já auxiliou outros projetos da instituição no acolhimento de crianças, jovens e idosos.

Desde 1965, o Pequeno Cotolengo acolhe pessoas com deficiências múltiplas (físicas e intelectuais) de todas as idades que foram abandonadas por suas famílias, sofreram maus tratos ou viviam em situação de risco. Cerca de 230 pessoas que passaram não apenas a ter um lar feito de tijolos, mas construído com confiança, carinho e respeito. Fundada por São Luis Orione, na Itália, hoje a instituição possui seis unidades no Brasil, sendo a de Curitiba a maior delas. Todo o atendimento realizado pelo Pequeno Cotolengo é gratuito para os moradores da região.

São 553 funcionários na sede da capital paranaense que oferecem saúde, educação e cultura aos moradores. A maioria dos atendimentos é destinado à saúde, segundo o gerente de captação do Pequeno Cotolengo, Carlos Thomazelli, que possui muita paixão pelos cuidados prestados lá. “Enfermagem, psicologia, fisioterapia, dentista e muitas outras especialidades médicas são oferecidas aos moradores. É deslumbrante porque nosso objetivo é oferecer uma vida com qualidade e acessível para essas pessoas”, afirma.

A instituição costuma acolher asilados hospitalares, ou seja, idosos que foram internados em hospitais e depois foram abandonados pela família enquanto estavam lá. “Há idosos que passam um ano abandonados em hospitais, é muito triste. No Pequeno Cotolengo, eles recebem muito carinho e cuidado”, relata o gerente.

Proposta é oferecer atendimento humanizado na nova unidade

Para manter a instituição, que oferece o atendimento gratuito à população, o Pequeno Cotolengo conta com doações, bazares e incentivos fiscais. Conforme o gerente, a captação de recursos por meio de incentivos fiscais é fundamental para o trabalho e desenvolvimento de organizações da sociedade civil.

Diretamente ao projeto da Unidade São Luis Orione, o BRDE contribuiu para toda a instrumentalização do hospital, como equipamentos de acessibilidade e material médico hospitalar permanente, além de treinamentos específicos para equipes multidisciplinares. “Nosso diferencial é que vamos atender melhor a população carente, sempre levando o legado do nosso fundador. São Luis sempre disse que devemos estar à frente do nosso tempo. Este projeto é isso, um bem à sociedade de maneira inovadora”, reflete Thomazelli.

Com o repasses de R$ 26,5 mil em 2018 e R$ 85 mil,  em 2020, o BRDE se sente parte da incrível história que o Pequeno Cotolengo escreve na cidade. “Um projeto tão bonito como este, que visa ajudar o próximo da maneira mais genuína, é um grande orgulho para o BRDE. Nós queremos tornar projetos como este possíveis, que mudam vidas e realidades”, afirma o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley.

Incentivos fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A iniciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível no link Microsoft Word – ERRATA Incentivos Fiscais 2021 (brde.com.br). Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano de 2020, foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

A Cooperativa Agroindustrial Cooperja tem cerca de R$ 44 milhões em recursos liberados pelo banco para melhorias em infraestrutura, aquisição de equipamentos e ampliação da capacidade de armazenamento.

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva, acompanhado dos diretores do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Marcelo Haendchen Dutra e Vladimir Arthur Fey, anunciou nesta quinta-feira (26) a autorização para contratação de operação de crédito no valor de R$ 8,9 milhões para a Cooperativa Agroindustrial Cooperja – filial de Jacinto Machado, no Sul catarinense. O recurso se junta a mais R$ 35 milhões que já tinham sido liberados anteriormente à cooperativa pelo banco.

Em seu discurso o governador destacou a importância de parcerias para o desenvolvimento do estado. “O Governo de Santa Catarina se faz presente de várias formas, participando também com o financiamento de projetos essenciais para o crescimento das regiões. Temos que continuar sendo parceiros das cooperativas que tem sido exemplo de sucesso”.

O diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, menciona que “essa parceria do BRDE com o agronegócio é fundamental, porque permite a expansão dos negócios e a geração de emprego e renda no campo”.

O recurso liberado será destinado para investimentos em obras civis, instalações e aquisição de equipamentos de armazenagem de sementes de arroz. Além disso, com o financiamento do BRDE, a Cooperja inaugura na próxima segunda feira (30), o novo parque industrial, localizado no bairro Araçá, em Jacinto Machado. A obra abriga o mais moderno complexo industrial do Sul do Brasil, com uma área construída de 25 mil metros quadrados, capacidade de 10 mil fardos/dia de produção e com armazenagem total de 2 milhões de sacas. O presidente da Coorperja, Vanir Zanatta, ressalta a importância da união entre as instituições que já completa 20 anos. “Quando pensamos em apoio financeiro para o desenvolvimento de projetos temos sempre a parcerias do BRDE”.

Para o diretor financeiro do BRDE, Vladimir Arthur Fey, “os recursos reforçam a condição de Santa Catarina como participante no desempenho da agricultura brasileira. Além dos números, esse investimento representa melhorias na realidade dos agricultores da região”.

O evento realizado na Associação Empresarial de Araranguá (Aciva) contou com a presença de autoridades políticas e empresariais da região Sul do estado.

 

É o melhor desempenho nominal em duas décadas, com crescimento de 57% na comparação ao mesmo período de 2020

Com mais de 1.400 operações de crédito aprovadas no primeiro semestre deste ano, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) fechou o período registrando um lucro líquido de R$ 130,495 milhões. Trata-se do melhor resultado nominal já alcançado pelo banco na série histórica que inicia em 2001. Com destaque para o resultado operacional e uma forte recuperação de créditos, o lucro apurado é 57% superior na comparação aos primeiros seis meses de 2020.

“Trata-se de um resultado muito expressivo se considerarmos o cenário econômico ainda fortemente impactado pela pandemia. Demonstra o quanto a instituição está preparada para auxiliar os diferentes setores para uma retomada dos investimentos”, celebrou a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos. Nos primeiros seis meses do ano, o banco já acumula R$ 1,591 bilhão em operações de crédito aprovadas. Um total de 1.393 contratos de empréstimo e financiamento já foram assinados, em especial em favor do setor agropecuário da região (823 contratos). O segmento do comércio e serviços responde por outras 291 operações, seguindo-se a área de infraestrutura (141) e indústria (138). Em termos de operações contratadas, o crescimento de um período para o outro foi de 3,5%.

Impactos
As operações contratadas pelo BRDE no semestre viabilizaram investimento totais de R$ 890,4 milhões na região Sul. Estima-se que esse montante tenha possibilitado a manutenção e/ou criação de aproximadamente 18 mil postos de trabalho. Já em termos de arrecadação de ICMS para os estados onde o banco opera, a projeção é de um incremento na casa de R$ 82,1 milhões/ano.

Presidente ressaltou desempenho mesmo em meio a um cenário de incertezas na economia

Na avaliação da presidente, além de sua parceria histórica no fomento aos projetos de longo prazo, o banco vem dando uma resposta positiva mesmo ainda em meio a um contexto de incertezas, em especial no apoio aos setores mais afetados pela pandemia da Covid-19. “Sem se afastar da missão maior de ser um parceiro estratégico para o desenvolvimento econômico e social da região Sul, o primeiro semestre deste ano demonstra que o BRDE caminha alinhado com os novos tempos. Criamos programas de estímulo ao empreendedorismo das mulheres, dos jovens, à economia criativa, às microfinanças e para capital de giro para empresas de menor porte. Os temas da sustentabilidade ambiental e social fundamentam nossas ações”, destacou ela.

Na primeira metade do ano, o BRDE intensificou a parceria com instituições financeiras internacionais. Essa diversificação de seu funding permitiu, em especial, financiar capital de giro e um maior apoio a projetos na área de geração de energia com fontes renováveis. Ao mesmo tempo, no esforço de ampliar o volume de crédito disponibilizado, o banco tornou-se o principal repassador nacional do Programa Agrícola Prodecoop (para desenvolvimento de cooperativas), do Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), das operações via Canais Digitais para o Setor Público e do Pronaf Investimento.

Resultados
No primeiro semestre deste ano, o resultado operacional alcançou R$ 264,7 milhões. Boa parte deste número se deve a um melhor desempenho em termos de intermediação financeira, com redução acima de R$ 120 milhões no item das despesas de operações com empréstimos e repasses. O resultado operacional foi igualmente influenciado pela redução significativa das despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa, que quais passaram de R$ 74,5 milhões no primeiro semestre de 2020 para R$ 2,8 milhão (reversão) no período idêntico deste ano.

Do lado da receita, o balanço do primeiro semestre aponta para um crescimento expressivo de 78% na recuperação de créditos: R$ 91,7 milhões. Esse resultado considera a recuperação por renegociação e a recuperação efetiva.

O relatório também aponta para uma evolução positiva do patrimônio líquido do banco, que agora está em R$ 3,223 bilhões. No primeiro semestre de 2020, esse número estava em R$ 2,968 bilhões. A carteira de crédito está em R$ 13,250 bilhões, que coloca o banco entre os maiores do país neste quesito. Já o ativo total alcançou o valor de R$ 16,1 bilhões.

Aspecto que vem sendo ressaltado pelas agências de classificação de risco, o índice de inadimplência registrado pelo banco é outro ponto ressaltado no balanço. O percentual de atrasos nos pagamentos, a partir de 90 dias, continua em patamares muitos baixos, atingindo 0,61% em junho. O percentual é consideravelmente inferior ao do conjunto de bancos públicos, que atingiu 2,27%, e dos bancos privados, com 2,28%.

Perfil da carteira
Sem mudanças expressivas em relação ao mesmo período do ano passado, a concentração das operações segue majoritária em apoio ao setor privado (96%), com destaque para a agropecuária (27.1%) e indústria (22,8%). Na sequência, a carteira está dividida em projetos de infraestrutura (20,8%), comércio (17,2%) e serviços (8,1%). A carteira total de financiamentos do banco é composta por 33,3 mil operações ativas de crédito, com saldo médio de R$ 396,8 mil.

O demonstrativo financeiro do primeiro semestre de 2021 foi aprovado pelo Conselho de Administração do BRDE nesta quarta-feira (25/8) e sua íntegra está publicada no site da instituição. Em 30 de junho, o banco possuía 31,8 mil clientes ativos, cujos empreendimentos financiados estavam localizados em 1.084 municípios. A instituição acaba de completar 60 anos de atuação, com um compromisso cada vez mais alinhado com as agendas da inovação e da sustentabilidade.

É o primeiro banco de fomento do país a receber o selo

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) passa a integrar um grupo seleto de empresas do Brasil que são reconhecidas por estimular o aumento de participação das mulheres em cargos de liderança e conselhos. Nesta quarta-feira (25/8), o banco recebeu o selo Women On Board, conferido a companhias com no mínimo duas mulheres com assento no Conselho de Administração. Além da diretora-presidente Leany Lemos, o BRDE tem outras três conselheiras no colegiado que representa os três estados acionistas.

O WOB é um movimento independente criado há dois anos, com o objetivo de valorizar a existência de ambientes corporativos com a presença de mulheres na liderança máxima das empresas, em conselhos de Administração ou Consultivo. Até o momento, pouco mais de 60 grandes companhias do país foram certificadas e o BRDE é a primeira instituição de fomento a receber esse selo em todo o país.

“Esse reconhecimento tem um significado enorme não apenas para o banco, mas para toda uma luta em favor da diversidade, da igualdade de gênero no ambiente profissional, nas academias e onde quer que nós, mulheres, queremos estar presentes”, comemora Leany Lemos, ela própria a primeira mulher a ser indicada para o cargo de presidente em 60 anos de trajetória do BRDE.

Com a experiência de também ter sido pioneira em ocupar cargos no setor público tradicionalmente reservados aos homens, Leany Lemos lembra o quanto a presença de uma mulher em posições de destaque estimula que outras busquem o seu espaço. “Tem um efeito de espelho. A mulher no comando preenche suas equipes preferencialmente com outras mulheres, pois reconhece nelas suas habilidades e competências e todo um histórico da sociedade que, por vezes, não lhes permitem avançar na carreira”, complementa.

A certificação do WOB aconteceu no mesmo dia da posse de mais uma mulher no Conselho de Administração. Eleita pelos colegas, Marisa Marques de Toledo Camargo Barroso Magno passa a ocupar a cadeira representando os funcionários do banco. Já integravam o colegiado Vanessa Neumann Sulzbach (representante do Rio Grande do Sul) e Juliana Baldessar Weber Becker (Santa Catarina). Por ser presidente do banco, Leany Lemos responde também pelo mesmo posto no Conselho.

Além do Conselho de Administração, o banco também vem avançando na presença de mulheres em postos de liderança: tanto nos cargos com função gratificada, superintendências e gerências, a média sempre está acima de 30%. Na avaliação da presidente, isso demonstra o quanto a instituição está alinhada com meta específica dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no que se refere à igualdade de gênero.

Ainda neste ano, o BRDE aprovou no âmbito de sua Diretoria uma diretriz interna em favor da diversidade e lançou um programa especificamente para mulheres empreendedoras da região Sul. Trata-se de uma política de concessão de crédito para empresas lideradas por mulheres e produtores rurais nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Também durante a reunião do Conselho, houve a adesão formal do BRDE à Associação Women On Board. Pelo termo, o banco se compromete seguir as boas práticas corporativas e a manter pelo duas mulheres na composição efetiva do Conselho ou notificar a instituição caso não manter as condições de certificação.

Atuando em parceria no apoio a projetos com impacto positivo no meio ambiente, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) iniciam, a partir desta terça-feira (24/6), a apresentação de uma série de vídeos sobre iniciativas que contemplam a geração de energia com fontes renováveis e melhorias em sistemas de iluminação pública. Com investimentos que alcançam R$ 320 milhões, a parceria já contabiliza 45 projetos na região Sul do país, a partir de um fundo de 50 milhões de euros destinado a financiar propostas alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas.

Denominada de Parcerias no Desenvolvimento Sustentável da Região Sul, a websérie vai reunir exemplos de empresas privadas que buscaram financiamento do BRDE para implantar usinas de geração fotovoltaicas e a partir de fontes hídricas. Ao todo, os projetos apoiados representam crescimento de 290 GWh por ano na geração de energia renovável e uma redução de 22 milhões de toneladas na emissão de dióxido de carbono (CO2).

O trabalho relata também projetos de instituições e prefeituras que investiram para ganhar maior eficiência energética e avanços no sistema de iluminação pública.

É o caso da prefeitura de Guarapuava, no Paraná, primeiro destaque da série que estará disponível no canal de Youtube do BRDE e também nas redes sociais do banco. Pioneiro no país, o projeto Ilumina Guarapuava permitiu que, em apenas um ano, todo as luminárias da cidade fossem substituídas por lâmpadas LED, o que representou economia de consumo de energia e maior segurança à população local.

Ainda no ano passado, BRDE a AFD estabeleceram uma nova parceria, agora no montante de 70 milhões de euros. Esse fundo é um esforço conjunto para estimular a retomada da economia sustentável nos três estados do Sul.

Ao todo, a websérie reúne seis vídeos. A periodicidade da divulgação será semanal, sempre às terças-feiras.

Há quatro anos o projeto ‘Envelhecimento Jovem’, que oferece atendimento aos idosos no RS, recebe recursos do Banco

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019 o número de idosos (60 anos ou mais) no Brasil chegou a 32,9 milhões, e a tendência de envelhecimento da população vem se mantendo. O Rio Grande do Sul, em especial, apresenta um ritmo mais acelerado de envelhecimento dos seus habitantes e, pelas estimativas de um estudo elaborado pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado ao governo do Estado, os idosos serão 30% da população gaúcha em 2060.

Além dos desafios para ampliar a produtividade da faixa da população economicamente ativa, o fim do bônus demográfico exigirá maiores cuidados com os idosos em termos de atenção com saúde e mobilidade. Nesse sentido, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) apoia diversas entidades através da sua política de responsabilidade socioambiental, com repasses via Fundo Nacional do Idoso.

Uma dessas parcerias é mantida com a Associação Beneficente Casa de Amparo Mão de Deus (ABCAMD), localizada na cidade de Montenegro e que desenvolve o projeto  ‘Envelhecimento Jovem’, por meio do Fundo Municipal do Idoso (FUMID).  O projeto gaúcho atende, em média, 70 idosos que residem na instituição de longa permanência, com atendimento multidisciplinar, oficinas de inclusão digital, oficinas terapêuticas e garantia de ambiente seguro e acolhedor. A iniciativa garante aos idosos em estado de vulnerabilidade social serviços de atenção biopsicossocial em regime integral, priorizando o vínculo familiar e a integração comunitária.

“O projeto é de suma importância por possibilitar, através do acompanhamento multidisciplinar, a adesão dos idosos a um estilo de vida mais saudável, para gerenciamento de suas principais doenças e adaptação às incapacidades funcionais, com foco em valorizar a autonomia e a máxima independência possível deles”, explica Lilian Druzian, executiva de projetos da Idealize, empresa responsável pela consultoria do projeto. Segundo ela, as atividades propostas no projeto contribuem para a redução do isolamento por meio da experiência comunitária e do estímulo à criatividade. “Percebe-se, através do projeto, aumento da autoestima, da saúde e do bem-estar físico e mental dos idosos”, completa.

Projeto oferece atenção multidisciplinar

Com o apoio do BRDE, entre 2017 e 2020, o projeto ‘Envelhecimento Jovem’ recebeu em torno de R$ 89 mil de incentivos fiscais.  Segundo a Associação, o valor repassado foi usufruído para o pagamento de profissionais da equipe multidisciplinar, incluindo atividades de inclusão digital, terapêutica e física. “Para favorecer a promoção da saúde e de um envelhecimento saudável e colaborar para o desenvolvimento de sujeitos resilientes, com boa autoestima, que vivenciem uma velhice ativa e participativa, com uma qualidade de vida satisfatória”, explica Lilian Druzian.

Qualidade de vida aos idosos

Ainda segundo a executiva do projeto, o apoio do BRDE tem sido de grande relevância, sobretudo no ano de 2020, em que tiveram maior dificuldade em captar recursos e maiores despesas financeiras na instituição por conta da Covid-19. “O apoio financeiro recebido foi fundamental para garantir a continuidade dos atendimentos multidisciplinares, que tiveram uma relevância ainda maior dentro da atual conjuntura, em que os idosos estão impossibilitados de receber visitas de familiares e voluntários e as oficinas terapêuticas são de suma importância para a manutenção da saúde mental dos idosos”, ressalta a executiva de projetos.

Cuidados com a saúde são oferecidos a cerca de 70 idosos perla instituição

Lilian Druzian destaca que a atuação de profissionais de saúde da instituição, viabilizada através do projeto, contribuiu muito para evitar casos de Covid-19 dentre os idosos atendidos. “Os idosos não tiveram que se deslocar para atendimentos de saúde e tiveram uma equipe presente na instituição, garantindo o cumprimento de todos os protocolos de prevenção à doença”, relata.

O gerente regional do BRDE na região dos Vales do Taquari, do Rio Pardo e do Centro do Estado, Márlon Alberto Bentlin, visitou a instituição ainda em 2019 para participar da inauguração de uma sala de convivência para os idosos e contou que, na ocasião, teve uma ótima impressão do projeto ‘Envelhecimento Jovem’. “Não é um trabalho momentâneo. Ele tem qualidade e tem história, além de continuidade de trabalho”, explica. “Deu para notar que o recurso foi empregado corretamente. Até clientes do BRDE apoiam o projeto, que somado a outras parcerias, de outras empresas, valorizam a marca do Banco”, completa o gerente regional.

Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No mês de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. As instituições têm até dia 30 de setembro para encaminhar proposta ao patrocínio. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses

No segundo dia do seminário Energias Renováveis e Desenvolvimento, importantes agentes financeiros apresentaram suas políticas de apoio a projetos que ampliam a participação de fontes limpas na matriz energética do Brasil. O painel trouxe um leque de ações, incluindo a formação de fundings internacionais, que também permitem financiamento de iniciativas que representam ganhos em termos de eficiência energética e redução de impactos climáticos. O evento é organizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), com transmissão aberta pelo canal de Youtube.

Como um dos grandes líderes globais no financiamento na geração de energias renováveis, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem uma participação direta em cerca de 70% na expansão da matriz energética do país nos últimos 20 anos. Da capacidade de produção atual a partir da geração hídrica, 51% fazem parte da carteira do banco, percentual que chega a 86% na fonte eólica e  35%, na geração solar. Conforme relatou a gerente da Área de Energia do BNDES, Ana Raquel Paiva Martins, a instituição teve êxito em buscar parceiros internacionais e assim atrair investidores para projetos que, apenas em 2020, representaram R$ 72,9 bilhões em parques eólicos no Brasil, que já é a segunda maior fatia da matriz nacional. “O sucesso da fonte eólica se reflete na indústria, pela exigência de conteúdo local mínimo”, observou Ana Raquel.

A diretora-geral do Escritório Regional das Américas do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), Cláudia Prates, destacou que a instituição tem como base de atuação a inovação e a sustentabilidade. Da carteira de US$ 28,8 bilhões do banco, o Brasil responde por quase 18%. “O Brasil tem a matriz energética mais limpa na comparação com os demais membros do banco. Mas o país vem ganhando espaço, em especial depois de 2019, quando foi criado o escritório local”, mencionou.

Claudia Prates – NDB

A representante do NDB destacou também a parceria com o BRDE em projetos vinculados aos Objetivos do Desenvolvimento Social (ODS) e citou financiamento em projetos de energias solar e eólica na região Sul.

Banco do Clima

Com 70% dos projetos financiados necessariamente alinhados com o Acordo de Paris, no sentido da redução da emissão de gases que impactam na mudança climática do planeta, o Banco Europeu de Investimentos (BEI) está presente em mais de 170 países. “Temos um objetivo de chegarmos a 2025 com no mínimo 50% dos nossos projetos ligados à agenda do clima”, frisou a representante do BEI no Brasil e Bolívia, Joana Sarmento. Além de financiar projetos com fontes renováveis, segundo ela, o banco agregou o apoio a iniciativas que apresentam maior eficiência energética, agricultora de baixo carbono, melhorias no transporte público e saneamento.

Joana Sarmento – BEI

Atuando no financiamento a estados e municípios do Brasil há 26 anos, o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) também trabalha em parceria com o BRDE. “Isso amplia nossa capilaridade, uma parceria com tem um potencial muito grande”, frisou o representante da CAF no Brasil, Jaime Holguín. Ele mencionou que a instituição já acumula US$ 20 bilhões de carteira em financiamento para infraestrutura em diferentes pontos da América Latina, onde as energias renováveis ganham relevância,  entre elas a aposta firme na energia eólica no nordeste do Brasil.

Jaime Holguín – CAF

O painel que reuniu as instituições financeiras encerrou com a participação da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). Segundo o gerente de projetos no Brasil, Victor Bielly, um diferencial da linha de atuação da AFD é incluir a assistência técnica nos projetos financiados. “Com isso, os investimentos em fontes de energia hidráulica, fotovoltaica e inclusive biomassa têm um impacto em escala macroeconômica”, destacou Bielly.

Victor Bielly – AFD

Para o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, o tema da geração de energia exige bastante reflexão. “Essa mesma reflexão temos internamente no BRDE. Queremos apoiar projetos renováveis”, disse ele na abertura do painel. O diretor Administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira, fechou o segundo dia do seminário, que nesta quarta-feira (18/8) tem seu fechamento com a participação de entidades que representam as empresas do setor para tratar da demanda do setor de energia renovável no Brasil..

 O conteúdo do segundo dia do evento está disponível no seguinte endereço: https://youtu.be/OwSaszIRm7c

 

Primeiro dia do seminário organizado pelo BRDE abordou as ações do setor público

Responsável por quase 64% da matriz energética do Brasil, o que o coloca como o segundo maior gerador do mundo, as hidrelétricas já não conseguem acompanhar o mesmo crescimento da demanda de energia do país. Com isso, entre as fontes renováveis, a energia eólica e a fotovoltaica tiveram crescimento expressivo no ano passado e apresentam enorme potencial de crescimento na próxima década.

É o que aponta um estudo do Ministério de Minas e Energia, apresentado nesta segunda-feira (16/8), no primeiro dia do seminário Energias Renováveis e Desenvolvimento. Organizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o evento prosseguirá até a próxima quarta-feira (18/6) abordando os principais desafios para incentivar a geração de energia por fontes renováveis, as alternativas em termos de financiamento e o quanto a demanda de diferentes setores produtivos trazem de impacto ao desenvolvimento regional e nacional.

Conforme a secretária executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Fátima Dadald Pereira, as fontes renováveis ganham de importância como papel de complementariedade ao sistema nacional, em especial diante do crescimento de demanda e em períodos de escassez hídrica, como o que o país enfrenta no momento. “Em um ano, a participação da energia solar cresceu mais de 60%. O mercado livre do setor contribuiu para isso, e há uma mudança do perfil do consumidor, que vem buscando sua própria geração”, observou a secretária. Ela confirmou que o leilão que o Ministério realizada agora em setembro vai contemplar projetos que se valem de fonte eólica, resíduos sólidos urbanos e o hidrogênio.

Diretor do Departamento de Informações e Estudos Energéticos do Ministério, André Luiz Rodrigues Osório demonstrou que a energia eólica já responde por quase 10% da capacidade instalada no país. Segundo, até 2030 a previsão é que a geração de energia que se vale dos ventos passe dos atuais 15,9 Giga Watts (GW) de capacidade instalada, para 32,2 GW. O saldo com a energia solar é mais significativo ainda:  de 3,1 para 8,4 GW. O crescimento dessas duas fontes deverá compensar a redução da participação hidrelétrica na matriz brasileira.

Conforme o diretor, o país tem uma forte projeção de investimentos para a próxima década, que chegam a cifra de R$ 2,68 trilhões. “Temos um compromisso de elevar para 86% as fontes de geração renováveis da nossa matriz elétrica”, destacou André Osório.

Ações nos Estados

Com o objetivo de debater as políticas do setor público, o painel reuniu também a participação dos governos estaduais do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Secretário-adjunto de Meio Ambiente e Infraestrutura do RS (SEMA), Guilherme de Souza salientou de uma transição energética e destacou que o estado apresenta 81% de suas fontes renováveis e onde a geração eólica já responde por 20% em termos de potência instalada. Souza elencou as ações do governo gaúcho em termos de privatizações como uma agenda importante: “precisamos do parceiro privado para investir”, resumiu. O diretor do Departamento de Energia da SEMA, Eberson José Thimmig Silveira, apresentou detalhes da política que o governo vem adotando para incentivar os investimentos no setor.

Guilherme de Souza

Representando o governo do Paraná, o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, destacou o esforço do governo local em criar o programa Invest Paraná. “Buscamos unificar num único ambiente a segurança técnica e jurídica a quem quer investir. Descomplicar a vida do empreender, mas respeitando as questões de sustentabilidade”, descreveu o secretário. Ele apresentou indicadores que apontam para o crescimento de novos projetos de geração de energia licenciados  apenas nos últimos dois anos.

Márcio Nunes

Já o secretário Executivo do Meio Ambiente (SEMA), Leonardo Schorcht Bracony Porto Ferreira, trouxe um relato da capacidade instalada da matriz energética de Santa Catarina e mencionou o esforço de gradativamente substituir o carvão como fonte geradora no estado, que ainda tem importância para o sistema local, mas que precisa ser substituída por novos modelos por razões ambientais.  “Estamos trabalhando por uma transição energética que seja justa. O estado vem avançando muito em termos de pequenas hidrelétricas e há uma previsão de crescimento para os próximos anos”, observou, salientando que o SC trabalha para cumprir os acordos internacionais.

Leonardo Porto Ferreira

Financiamentos

Na abertura do primeiro dia do seminário, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, destacou que os projetos de fontes renováveis de energia são tema estratégico para o Banco, mas igualmente para o desenvolvimento da região Sul. “Trata-se de um debate relevante neste momento e o BRDE já tem na sua carteira de operações uma presença forte de apoio a projetos de energia renovável”, acrescentou. O diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, igualmente destacou a qualidade das palestras ao longo do dia.

O seminário tem transmissão pelo canal de Youtube do BRDE. Nesta tyerça-feira (17/8), serão debatidas as linhas de financiamento, diretrizes e prioridades das para seleção de projetos, alternativas inovadoras de acesso a recursos para projetos sustentáveis de energia, com a participação do BNDES, Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), Banco Europeu de Investimento (BEI), Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)  e  Banco de Desenvolvimento da América Latina CAF).

O conteúdo do primeiro dia do evento está disponível no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=nH7QbJyspPY

Desde 2018, Lar Santa Maria da Paz já foi contemplada com cerca de R$ 65 mil via Lei de Incentivos

Localizado no município de Tijucas, litoral de Santa Catarina, o Lar Santa Maria da Paz atende idosos, preferencialmente aqueles com algum grau de dependência que exija a presença de cuidadores. Sua missão é acolher e garantir assistência material, moral, social e espiritual a esses idosos. Fundada incialmente pelas irmãs do Sagrado Coração de Jesus em 1910, em Curitiba (PR), a instituição hoje é gerenciada pela Associação Casa Irmã Dulce, que está atuando como dirigente desde 2014.

Através de projetos elaborados pela Associação e apoiados pelas leis de incentivo fiscal do idoso, o lar recebe apoio financeiro de empresas parceiras. O BRDE é parceiro da instituição desde 2018. Através do projeto “Ampliação da capacidade de atendimento da instituição”, o Banco destinou um total de R$ 44,7 mil. O lar propõe diversas atividades e programas que melhoram a qualidade no seu atendimento e fazem com que os idosos presentes tenham a melhor experiência possível. Além de um atendimento qualificado e especializado 24 horas por dia por meio de equipes multidisciplinar qualificadas

De acordo com a primeira-secretária da Associação, Tainá Terezinha Coelho, o apoio foi de extrema importância. “Foi uma conquista que ultrapassou as expectativas da instituição, pois além de aumentar a capacidade de atendimento em 2020, quando iniciou-se a pandemia, essa nova área foi utilizada para receber os idosos sintomáticos e afastá-los dos demais”, relatou ela.

No ano seguinte o Banco continuou com o apoio repassando cerca de R$ 20,5 mil para o programa “Aquisição de equipamentos para lavanderia”, que permitiu o aumento na qualidade da higienização das roupas, redução no consumo de água e luz e, consequentemente, uma redução nas contas.

“O apoio do BRDE é fundamental para a execução de projetos sociais que têm alto impacto na qualidade de vida dos idosos que habitam o lar. São poucas instituições com processo de apoio a projetos sociais que, anualmente, publica com transparência o processo de cadastramento e seleção dos projetos a serem apoiados. Sem esse apoio anual não teríamos condições de executar projetos importantes, somos gratos pela confiança e suporte financeiro do BRDE”, salientou Tainá Coelho.  Ela ainda ressalta que todos esses projetos apoiados geram uma melhora na qualidade de vida dos idosos do lar e os auxiliam a continuar entregando à sociedade um atendimento socioassistencial de ponta.

Leis de Incentivos

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No mês de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. As instituições têm até dia 30 de setembro para encaminhar proposta ao patrocínio. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.