BRDE

O centro hospitalar é referência em atendimento oncológico no estado do Paraná

Para pesquisar, diagnosticar e tratar um dos maiores estigmas da sociedade médica, o câncer, em 1970 nasceu o Hospital Erasto Gaertner. Hoje, depois de muitos avanços, o centro é considerado uma referência nos diagnósticos e tratamentos do câncer.

Com 80% de seu atendimento voltado para o Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Erasto Gaertner é um centro médico filantrópico localizado em Curitiba, capital paranaense. E para manter seu tripé no tratamento contra o câncer (cirurgia, quimioterapia e radioterapia) o hospital precisa de recursos, vindos por meio de Incentivos Fiscais. É o caso do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), que já apoiou dois projetos com o objetivo de apoiar iniciativas que fazem a diferença na vida da população.

Um dos projetos que recebe ajuda dos incentivos é o Vida do Idoso e Tratamento de Câncer. “Este projeto é direcionado para custeio do hospital, ou seja, vai para o fluxo de caixa. Este recurso é importante porque mantém o equilíbrio do centro hospitalar em funcionamento, já que esse dinheiro é direcionado para pagamento de medicamentos e pagamento de terceiros, como luz, água, lavanderia e outros”, afirma o analista de negócios e coordenador de projetos de incentivo fiscal do Hospital Erasto Gaertner, Carlos Roberto Schuster Pinto.

O projeto voltado ao idoso atende três mil pacientes pelo SUS no ano, totalizando 30 mil procedimentos de diagnóstico e tratamento do câncer no Erasto. Segundo Schuster, são nove mil cirurgias oncológicas, 300 mil doses de radioterapia e 70 mil doses de quimioterapia.

Outro projeto do hospital, também muito importante para o funcionamento do centro, recebe recursos de incentivos fiscais, o de Renovação Tecnológica da Unidade Oncopediátrica do Erastinho, hospital do centro que atende crianças e adolescentes de 0 a 18 anos que foram diagnosticadas com câncer.

Centro hospitalar é referência para tratamento do câncer em todo o estado

Inaugurado há um ano, o projeto veio para “rechear” o Erastinho, segundo o coordenador. “Com capacidade de 48 leitos, 17 mil consultas, 500 cirurgias e 85 mil procedimentos anuais, os recursos foram usados para compra de equipamentos para radio e quimioterapia, equipamentos de informática e demais materiais que ainda faltavam para atender o público”, conclui Schuster.

Em 2018, o projeto que recebeu recursos do banco foi o do idoso. Já em 2020, foi a vez do Erastinho, que estava se preparando para iniciar seus atendimentos. “O Hospital Erasto Gaertner é um centro de referência não só para quem é de Curitiba, mas de todo o Paraná. Visando sempre na melhoria e inovação dos atendimentos oferecidos por esta instituição que tem um trabalho tão sério e responsável, nós apoiamos dois projetos nos últimos anos do Erasto”, afirma o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley.

 Inscrições terminam nesta sexta-feira

 O período de inscrições da seleção pública de projetos que terão apoio do BRDE em 2021 termina nesta semana. As entidades interessadas terão até o próximo dia 15 de outubro (sexta-feira) para realizar o cadastramento de suas propostas ou concluir os processos em andamento.  O formulário segue disponível exclusivamente na forma digital no Portal de Incentivos. ser realizado através do Portal de Incentivos. O formulário está disponível exclusivamente na forma digital.

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.  No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Fotos: José Fernando Ogura/AEN

A Mercopar – Feira de Inovação Industrial, promovida pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-RS) e a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), iniciou nesta terça-feira (5/10), em Caxias do Sul. O BRDE se faz presente mais uma vez como apoiador e expositor. A Mercopar se estende até esta quinta-feira (7/10), atendendo a todos os protocolos sanitários de saúde previstos em decreto do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

A diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, e o diretor de Planejamento, Otomar Vivian, participaram da solenidade de abertura, prestigiada por líderes políticos e empresariais, reforçando a relevância da inovação industrial como um importante movimento para estimular a economia. Na sequência, os diretores visitaram a feira e clientes expositores acompanhados pelo diretor de Administração da Finep, André Godoy; pelo superintendente da Agência do BRDE no Rio Grande do Sul, Paulo Raffin; o chefe de Gabinete, Mauricio Mocelin; o gerente de Planejamento, Alexander Leitzke; o gerente regional da Serra, José Rafael Wojtowicz; e as assessoras da direção, Juliana Castro e Clarisse Lopes.

“Estar presencialmente na Mercopar 2021 tem um significado muito especial para o BRDE. Além de reafirmar nosso compromisso com a indústria gaúcha, segmento que tanto já contribuiu para o crescimento econômico e social do Rio Grande do Sul, o banco é um parceiro estratégico em favor da inovação, algo que se reflete em maior produtividade e numa maior presença das nossas empresas no mercado global. É o momento de uma retomada que já se mostra bastante sólida, como se vê no crescimento das exportações por parte da indústria no primeiro semestre deste ano. São 30 anos de Mercopar e 60 anos de BRDE, uma parceria histórica em favor do segmento industrial e da incorporação de novas tecnologias. Mas acima de tudo, uma parceria que se renova para um futuro cada vez mais promissor para o nosso Estado e ao país”, avalia Leany Lemos.

BRDE INOVA

Neste ano, o espaço de atendimento do BRDE ficou localizado no primeiro andar, na área da Secretaria Estadual de Desenvolvimento (SEDEC), junto ao Salão de Inovação e aos estandes das startups. Por meio do Programa BRDE INOVA, o banco lidera o ranking nacional da Finep como o maior repassador de recursos voltados à inovação. São quatro as frentes de atuação do BRDE INOVA: oferta de crédito; aportes de capital via Fundos de Investimentos (FIP); aceleração de startups (BRDE LABS) e apoio a iniciativas que promovam formação e desenvolvimento profissional em tecnologias para a inovação.

Além de trazer as últimas tendências e tecnologias para inovação, a Mercopar é um ambiente propício para conexão com clientes, fornecedores e toda a cadeia produtiva do setor industrial, abrangendo os segmentos metalmecânico, de automação industrial, eletroeletrônicos, energia e meio ambiente, movimentação e armazenagem de materiais, plásticos, borrachas e serviços industriais. No ano passado, foram gerados R$ 128 milhões em negócios durante o evento.

Saiba mais em https://mercopar.com.br/

 

 

BRDE mantém seu apoio à instituição desde 2015

Transformar a vida de crianças e adolescentes através da arte, proporcionando uma formação artística-cidadão de qualidade e a possiblidade de um futuro profissional na dança é a missão da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Única filial fora da Rússia, a escola é sediada em Joinville, em Santa Catarina, a entrada dos estudantes é feita através de seletivas nacionais em regiões ou extratos da sociedade menos favorecidos, visando resgatar essas crianças de uma possível marginalização, dando a elas uma formação profissional.

A instituição recebe por ano 240 estudantes. Com o ensino fornecido de maneira gratuita, o curso tem duração de oito anos e as aulas acontecem no contraturno escolar. O teatro também conta com aulas de professores brasileiros e russos e pianistas nacionais. Projetos e ações sociais realizados pela escola, tais como palestras de formações e eventos, são apoiados por empresas parceiras através das leis de incentivo à cultura, com objetivo de difundir a arte-educação para toda comunidade.

Bolshoi proporciona mudanças na vida dos estudantes

O apoio financeiro das empresas é de extrema importância para o instituto, pois é a partir dele que a escola consegue manter as bolsas dos alunos além de custos de estrutura e despesas de funcionários. O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) mantém seu apoio desde 2015, repassando valores que variam entre R$ 75 mil e R$ 120 mil por ano.

“O apoio de empresas como o BRDE, que chamamos de Amigos do Bolshoi, compõem uma das principais fontes de recursos para o custeio do Instituto Escola do Teatro Bolshoi no Brasil.” afirma Alessandra Rocha responsável pelas Relações Institucionais da Escola. Ela ainda reitera, que o apoio do BRDE promove a sustentabilidade social e transforma a vida de crianças e adolescentes de baixa renda por meio de educação de excelência, numa estrutura adequada e com profissionais de qualidade.

Escola de Joinville é a única fora da Rússia

Um palco de sonhos

“Temos hoje um indicador que traduz todo o resultado do trabalho na Escola, que é a empregabilidade. 72% dos alunos formados na Escola estão trabalhando na área da dança, em 21 países do mundo, incluindo o Brasil também. São crianças que saem de uma situação de vulnerabilidade para um protagonismo”, comenta Alessandra, numa referência às mudanças que a escola proporciona a vida dos estudantes.

A Escola do Teatro Bolshoi é hoje uma das maiores referências no mundo da cultura e da arte. Não apenas por levar essas manifestações tão importantes para sociedade à jovens que não tem oportunidades de vivenciá-las, mas também por fomentar sonhos através de seus ensinos.

Novo prazo

Na última quinta-feira (30/9), o BRDE decidiu ampliar em mais duas semanas o prazo de inscrições para 2021. A prorrogação se deve em razão de relatos das entidades que estariam enfrentando dificuldades em obter as autorizações junto aos respectivos Ministérios.  Agora, o prazo se encerra no dia 15 de outubro.  Todo o processo de cadastramento deve ser realizado através do Portal de Incentivos. O formulário está disponível exclusivamente na forma digital.

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.  No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

 

Com investimentos de R$ 112,3 milhões com recursos próprios, o governo do Estado do Rio Grande do Sul anunciou, nesta quinta-feira (30/9), o programa Avançar na Inovação. Parte expressiva deste recurso será destinada a atender os editais lançados no mesmo evento por parte da Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sict), que contemplarão projetos para estimular empreendedorismo no setor de jogos, a criação de laboratórios de referência e de ambientes de negócios para emprego de tecnologia em locais inovadores, em qualquer cadeia produtiva.

Além da Secretaria, os recursos irão contemplar projetos da Universidade Estadual do RS (Uergs) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do RS (Fapergs). Ao divulgar o que é considerado o maior investimento público em favor da inovação nos últimos dez anos, o governador Eduardo Leite destacou a importância deste investimento estar conectado com uma agenda de futuro em termos do desenvolvimento do Estado.

Realizado no Instituto Caldeira, em Porto Alegre, o lançamento do programa contou com a participação do diretor de Planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Otomar Vivian. “Somos uma instituição que está voltada ao apoio de projetos de inovação e este evento, reunindo todos os atores do ecossistema gaúcho, mostra a sinergia entre as políticas públicas, universidades, parques tecnológicos e as empresas do setor”, destacou o diretor.

Além de financiar projetos de empresas, Vivian lembrou que o BRDE também se preocupa em preparar os futuros profissionais, uma vez que o mercado está com uma demanda crescente. O banco é patrocinador do programa Dev The Devs, que irá oportunizar que mil jovens da rede estadual tenham a oportunidade de realizar uma formação gratuita na área da tecnologia. Lançado há duas semanas, o programa é conduzido pelo Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), da Rede Gaúcha de Ambientes Inovadores (Reginp) e da Associação de Empresas de Tecnologia (Assespro-RS), com apoio das secretarias estaduais de Educação e de Inovação. O superintendente da Agência de Porto Alegre, Paulo André Raffin, também esteve presente no lançamento do Avançar na Inovação.

Fotos: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

Entidades terão agora mais duas semanas para encaminhar seus projetos

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) decidiu prorrogar o período de inscrições da seleção pública de projetos que terão apoio da instituição por meio de leis de incentivo fiscal. Com a ampliação do prazo, agora as entidades interessadas terão até o próximo dia 15 de outubro para realizar o cadastramento de suas propostas ou concluir os processos em andamento.  O formulário segue disponível exclusivamente na forma digital no Portal de Incentivos.

A decisão em prorrogar o tempo de inscrições, que inicialmente se encerrava nesta quinta-feira (30/9), decorreu das limitações ainda impostas pela pandemia de Convid-19 na obtenção dos documentos necessários. Várias entidades relataram dificuldades nas últimas semanas na liberação de autorizações dos processos, o que limitaria o acesso à seleção promovida pelo Banco.

Já são mais de 400 entidades da região Sul que, até o momento, encaminharam os seus processos ou o iniciaram o cadastramento. A inciativa do BRDE constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná.

Desde 2015, o BRDE já disponibilizou mais de R$ 23,7 milhões para instituições dos três Estados.  No ano passado, foram selecionados 106 projetos, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Os projetos selecionados terão os recursos disponibilizados até o dia 28 de dezembro deste ano.

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar projetos por meio dos seguintes mecanismos de renúncia fiscal:

Para outras informações:

Rio Grande do Sul: duvida.incentivofiscalRS@brde.com.br

Santa Catarina: duvida.incentivofiscalSC@brde.com.br

Paraná: duvida.incentivofiscalPR@brde.com.b

Rio Grande do Sul concentra maior parte da produção de azeite de oliva do país

Atividade que vem se consolidando no Rio Grande do Sul e com enorme potencial de crescimento nos próximos anos, a olivicultura já reúne cerca de 200 produtores. Para auxiliar nas demandas do setor, a Assembleia Legislativa do Estado instalou, na última sexta-feira (24/9), a Frente Parlamentar das Oliveiras.

O diretor de Planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Otomar Vivian, participou do evento, que ocorreu no município de Restinga Seca, e salientou o quanto o cultivo e a produção de azeite têm plenas condições de expansão no Estado: “As condições do solo de algumas regiões são muito apropriadas e os pomares estão em plena expansão. Já somos responsáveis por 75% da produção nacional”, destacou Vivian.

O Brasil importa ao redor de 98% dos 70 milhões de litros de azeite consumidos a cada ano. “Isso demonstra o potencial de crescimento do setor”, anima-se o diretor do banco. A instalação da Frente Parlamentar das Oliveiras é uma iniciativa do deputado Beto Fantinel. O presidente da Assembleia, deputado Gabriel Souza, também esteve presente ao ato.

 

Banco já destinou mais de R$ 23,7 milhões a entidades por meio de leis de incentivo fiscal

Termina nesta quinta-feira (30/9) o período de inscrições das entidades interessadas em ter o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) por meio de leis de incentivo fiscal. Até o momento, perto de 300 entidades da região Sul já iniciaram os processos de cadastramento dos seus projetos através do Portal de Incentivos. O formulário está disponível exclusivamente na forma digital.

A inciativa do banco constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná. Desde 2015, o BRDE já disponibilizou mais de R$ 23,7 milhões para instituições dos três Estados.

Os projetos apoiados qualificam equipes e programações de entidades que prestam atendimento a crianças, jovens e idosos; promovem atividades de educação pelo esporte e competições que valorizam atletas; permitem a aquisição de equipamentos para hospitais, creches e asilos; estimulam a produção e a distribuição de livros para escolas e bibliotecas públicas; possibilitam apresentações de dança, música, artes visuais e cênicas, bem como a valorização do patrimônio arquitetônico e histórico, e ajudam a manter programações anuais de instituições como museus, centros de cultura e orquestras, entre outras.

Recursos

O edital de 2021 para seleção pública foi lançado em 17 de junho, durante as comemorações dos 60 anos de atuação do BRDE na região Sul do país. No ano passado, foram selecionados 106 projetos, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Os projetos selecionados terão os recursos disponibilizados até o dia 28 de dezembro deste ano.

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar projetos por meio dos seguintes mecanismos de renúncia fiscal:

Lei Federal de Incentivo à Cultura 8.313, de 23/12/1991;

Lei Federal 8.685, de 20/7/1993 (Lei do Audiovisual);

Lei Federal 11.438, de 29/12/2006 (Lei de Incentivo ao Esporte);

Lei Federal 8.069, de 13/7/1990 (Fundo da Infância e da Adolescência);

Lei Federal 10.741 (Estatuto do Idoso) e Lei Federal 12.213 (Fundo Nacional do Idoso);

Lei Federal 12.715/2012 e Decreto 7.988/2013 – Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) e Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas).

Para outras informações:

Rio Grande do Sul: duvida.incentivofiscalRS@brde.com.br

Santa Catarina: duvida.incentivofiscalSC@brde.com.br

Paraná: duvida.incentivofiscalPR@brde.com.b

 

Convidado da 3ª edição do BRDE Cenários, consultor econômico avaliou impactos da pandemia na renda das famílias mais pobres

Mesmo com uma alta carga tributária e gastos sociais em bom volume, o Brasil não consegue enfrentar o problema histórico das desigualdades de renda das famílias. Uma das saídas apontadas pelo consultor econômico do Senado, Pedro Fernando Nery, é destinar maiores investimentos na infância, a exemplo de países que criaram um incentivo universal infantil. “Numa comparação global, o Brasil está ente os mais desiguais e o estado brasileiro acaba gastando muito com quem ganha mais e gasta pouco, com as famílias que ganham menos. Ou seja, uma estrutura de proteção social que não está bem calibrada”, apontou ele, durante participação na terceira edição do BRDE Cenários, nesta quarta-feira (22/9).

Uma das razões para o Brasil não superar a desigualdade, na visão de Pedro Nery, é o gasto público muito baixo na infância em comparação a outras nações. “Existe uma carência enorme por creches e pré-escola no país e precisamos de programas de transferência de renda para famílias com filhos, e não apenas para as mais pobres. Toda a criança teria o direito de receber um auxílio, salvo aquelas muito ricas”, insistiu.

O retorno para o investimento público na infância se reflete nas diferentes fases da vida adulta, sendo um cidadão adulto mais produtivo, gerando bens e serviços, acrescentou o consultor econômico. “Investir na infância e na primeira-infância, em particular, representa uma quebra estrutural da pobreza”, resumiu.

Conforme um estudo que apresentou na sua palestra, Pedro Nery demonstrou que o país convive com um contingente estimado em 17 milhões de crianças e jovens que estão fora das políticas de proteção social. “Existe esse fosso de cobertura para as crianças brasileiras que não se encontram entre aquelas tão miseráveis a ponto de estarem no Bolsa Família ou entre as mais ricas, que declaram Imposto de Renda e que acaba, pelo modelo de dedução, recebendo uma transferência em média de R$ 50 por mês”, descreveu.

Consultou avaliou impactos da crise entre os mais pobres

Com o tema “Desigualdade em V”, a palestra de Pedro Nery abordou os impactos da pandemia na renda das famílias e o quanto o programa Auxílio Emergencial conseguiu marcas históricas na redução da pobreza e da extrema pobreza no país. Ele demonstrou, no entanto, que a redução do valor de ajuda federal representa um retorno muito acentuado da situação anterior. “A crise atingiu as famílias de forma muito desigual. É uma verdadeira ´montanha russa´ na vida dos mais pobres”, lamentou. Pedro Nery lembrou que uma fatia da população que trabalhava no mercado informal hoje está vivendo uma situação de “desemprego oculto”, algo entre 10 a 12 milhões de pessoas.

Promovido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o ciclo de palestras tem por finalidade abordar temas sobre a conjuntura econômica e fiscal do país, tendências de mercado e o papel das instituições de fomento. Na abertura do evento, a diretora-presidente, Leany Lemos, destacou que o banco tem na sua missão um olhar atento para a questão social. “É importante debater como um banco de fomento deve se interessar no tema da desigualdade e mitigar esse problema do país”, frisou a presidente.

A palestra teve transmissão no canal de Youtube do banco e segue disponível para que não acompanhou ao vivo: https://www.youtube.com/watch?v=VAJ6MeViIzM

Pedro Fernando Nery é o convidado da próxima edição do ciclo de palestras promovido pelo banco

Depois de atenuar ao longo de 2020 os efeitos da pandemia de Covid-19 especialmente nas famílias mais pobres, o programa de socorro federal em uma escala menor pode fazer a desigualdade de renda retornar na mesma velocidade. Para debater o impacto de transferências como o Auxílio Emergencial e o risco de milhões de pessoas retornarem a viver na pobreza ou extrema pobreza, o BRDE Cenários terá, na edição desta quarta-feira (22/9), a participação do professor e consultor econômico do Senado Federal, Pedro Fernando Nery. A palestra iniciará às14 horas, com transmissão pelo canal de Youtube do banco.

“O impacto do Auxílio Emergencial em 2020 foi muito poderoso. A pobreza e a pobreza extrema caíram para o menor nível já registrado”, menciona Pedro Nery. Porém, alerta ele, com a redução do programa a desigualdade de renda deverá subir para um patamar maior do que antes e numa velocidade rápida. O tema da sua palestra será “Desigualdade em V”.

Colunista do jornal O Estado de São Paulo, o convidado do BRDE Cenários é Doutor, Mestre e Bacharel em Economia pela Universidade de Brasília. No Senado, atua como consultor na área de Economia do Trabalho, Renda e Previdência.

Promovido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o ciclo de palestras tem por finalidade abordar temas sobre a conjunta econômica e fiscal do país, tendências de mercado e o papel das instituições de fomento. “Somos uma instituição cuja missão é apoiar o desenvolvimento econômico e social, por isso o tema da desigualdade de renda das famílias merece essa reflexão”, comentou a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos. O evento é aberto ao público e não exige prévia inscrição.

O Banco

O BRDE completou 60 anos agora em no mês de junho, se consolidando entre os maiores bancos em tamanho de carteira de crédito do Brasil, com R$ 13,5 bilhões. O Banco fechou 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul.

Prazo para que as instituições encaminhem proposta ao banco termina no dia 30 deste mês

Restam poucos dias para que entidades interessadas em ter o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) por meio de leis de incentivo fiscal encaminhem seus projetos. O prazo para inscrição termina no próximo dia 30 deste mês e todo o processo de cadastramento deve ser realizado através do Portal de Incentivos. O formulário está disponível exclusivamente na forma digital.

O edital para seleção pública foi lançado em 17 de junho, durante as comemorações dos 60 anos de atuação do BRDE na região Sul do país. No ano passado, foram selecionados 106 projetos, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Os projetos selecionados terão os recursos disponibilizados até o dia 28 de dezembro deste ano.

A inciativa do banco constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná. Desde 2015, o BRDE já disponibilizou mais de R$ 23,7 milhões para instituições dos três Estados

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar projetos por meio dos seguintes mecanismos de renúncia fiscal:

Para outras informações: