BRDE

Oferecer oportunidade de transformação social é a missão que o Instituto Guga Kuerten carrega consigo ao longo de seus quase 21 anos de trajetória. Através de projetos que visam a inclusão social de crianças e adolescentes em estado de vulnerabilidade econômica, social e educacional, o Instituto inspirado na trajetória de Guga no tênis, atua na região da grande Florianópolis, capital de Santa Catarina.  Tricampeão do torneio de Roland-Garros, Guga é considerado o maior tenista brasileiro na modalidade masculina.

O programa Campeões da Vida  é uma das iniciativas desenvolvidas pela instituição apoiada pela lei de incentivo fiscal ao esporte (LIE) e que tem como objetivo promover a esses jovens, por meio de ações educacionais e esportivas, desenvolvimento pessoal e social. Atualmente 400 crianças e adolescentes são beneficiados diretamente pelo programa, além de uma parte desse atendimento ser direcionado a pessoas com deficiência cadastradas na  Coepad (Cooperativa de Pais e Amigos da Pessoa com Deficiência).

Programa é inspirado na trajetória do tenista Guga Kuerten

Os educandos do projeto são atendidos no período do contraturno escolar, com atendimentos que acontecem duas vezes por semana nos cinco núcleos da região (Saco Grande, Itacurubi, Biguaçu, São José e Palhoça). Atividades como aulas de tênis e esportes complementares (futebol de campo, voleibol, basquetebol, badminton, futebol de areia, futsal, rugby, vôlei de praia, beach tennis e frisbee), fazem parte do rol de oficinas ofertadas pelo projeto além de outras ações culturais e pedagógicas.

Parceria com o BRDE

De acordo com a superintendente executiva do Instituto, Silvana Silveira Medeiros, o apoio do BRDE, assim como o de outras empresas parceiras, é de essencial para o programa, permitindo que a entidade consiga dar continuidade a seu trabalho “É de suma importância para que a gente possa manter os profissionais do atendimento direto dos nossos educandos. Então a gente sempre torce para a continuidade e renovação dessas parcerias” , ressalta Silvana. O BRDE iniciou seu apoio ao projeto da região em 2019,  onde repassou R$ 17 mil para o instituto. Já no final do ano de 2020 o Banco contribuiu com cerca de R$ 30 mil usados nas atividades ao longo deste ano.

Leis de Incentivos  

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A iniciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível. O prazo de inscrições se encerra no próximo dia 30 de setembro. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Primeiro convidado do BRDE Cenários, economista salienta necessidade do país investir em educação básica e seguir agenda de reformas

Para que nos próximos anos a economia brasileira possa apresentar um ritmo de crescimento mais constante, o grande desafio está em promover ganhos de produtividade. “Para isso é preciso investir nas pessoas, ampliando a educação básica e assim termos profissionais mais qualificados, e seguir uma agenda de reformas no Brasil”, apontou o economista Mansueto Almeida Júnior. Segundo ele, mesmo com a retomada positiva da atividade econômica que se percebe desde o mês de abril e o aumento de arrecadação, a situação fiscal ainda segue muito grave, com as contas públicas do país apresentando déficit primário recorrente desde 2013.

A análise sobre um cenário que se mostrava de muitas incertezas no primeiro trimestre, diante do agravamento da pandemia de Covid-19, ocorreu durante a primeira edição do BRDE Cenários, na tarde desta quarta-feira (14/7). Convidado para a edição que abriu o ciclo de palestras do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Mansueto destacou que a segunda onda da doença foi muito mais grave, porém os impactos na economia resultaram menores. “As empresas se adaptaram melhor aos protocolos e aprenderam a trabalhar no on line. Com isso, o mercado já trabalha com um crescimento do PIB no Brasil ao redor de 5,5%. É uma recuperação forte, voltando ao patamar pré-pandemia”, observou.

Mansueto identificou duas situações do cenário mundial que representam impactos positivos para o desempenho da economia do país. “Com as commodities agrícolas e de mineral em alta e o mundo podendo crescer 6%, não tem como o Brasil não se recuperar”, destacou. Mas para que o Brasil não fique apenas no que ele chama de “recuperação cíclica”, o economista advertiu para a necessidade de avançar na agenda de reformas, com destaque para as áreas fiscal e “uma reforma tributária ampla”, além de maiores investimentos na educação básica, na saúde e no estímulo à inovação.

Hoje atuando como economista-chefe do BTG Pactual, Mansueto reconhece, no entanto, que o país vem conseguindo importantes avanços. “Há cinco anos, se alguém previsse que, após um impeachment, o país conseguiria aprovar mudanças na Previdência e ampliar concessões, mandaria internar. Nesse ano ainda, foi possível aprovar um orçamento sem afastar o teto de gastos”, recordou.

Mansueto comandou a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) até julho do ano passado alerta para a necessidade de conter o tamanho do gasto público, ainda mais para uma economia emergente como a do Brasil. “Temos a maior carga tributária na comparação com os demais países da América Latina porque o nosso gasto público é muito grande”, resumiu. Ele alertou ainda para o quanto a questão de energia e a volta da inflação representam ameaças para a economia.

Economista defende necessidade do país avançar na educação básica e reformas

Para a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, a palestra de Mansueto reforçou a importância do país se voltar para agendas como maiores investimentos em educação e no crescimento de produtividade. “São diretrizes com as quais o Banco se identifica muito, como no caso de apoio a projetos de inovação em diferentes segmentos”, comentou. A palestra foi transmitida via no canal do Youtube do banco, onde seu conteúdo segue disponível (YouTube/brdeoficial).

Próxima edição
Leany Lemos já anunciou a convidada da segunda edição do BRDE Cenários, que está marcada para o próximo dia 4 de agosto. Será a consultora econômica Zeina Latif. Ela já atuou como economista-chefe da XP Investimentos e é colunista do jornal O Globo.

Ex-secretário do Tesouro Nacional é o convidado da primeira edição do BRDE Cenários, que acontece na quarta-feira

O economista Mansueto Almeida Júnior, que comandou a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) até julho do ano passado, é o palestrante convidado para a primeira edição do BRDE Cenários. Trata-se de um ciclo de palestras e debates organizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), com o objetivo de abordar temas sobre a conjunta econômica e fiscal do país, tendências de mercado e o papel das instituições e fomento. A primeira edição ocorre na próxima quarta-feira (dia 14/7), a partir das 14 horas, com transmissão via canal do Youtube do banco (YouTube/brdeoficial).

Atual economista-chefe do BTG Pactual, Mansueto vai abordar na sua palestra os desafios da agenda de reformas e os eventuais impactos no desenvolvimento da economia brasileira. Ele é considerado um dos principais especialistas do país em finanças públicas. O evento é aberto ao público e não exige prévia inscrição.

Economista vai abordar agenda de reformas

Conforme a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, a iniciativa em promover um ciclo de debates busca compartilhar diferentes visões sobre os desafios para a economia do país e, em especial, na região Sul. “Queremos estimular o debate sobre temas de interesse atual, mas acima de tudo buscando projetar caminhos e reforçar o nosso papel estratégico em apoiar projetos com impacto econômico e social, sempre com um olhar na inovação e com a pauta da sustentabilidade presente”, observou a presidente.

A inspiração para lançar o BRDE Cenários surgiu durante as atividades da semana de aniversário da instituição. Entre os eventos organizados para a marcar os 60 anos do banco, a palestra com o economista Persio Arida, integrante da equipe que idealizou o Plano Real e reconhecido como um dos grandes estudiosos sobre a inflação brasileira, foi um dos destaques da programação.

O BRDE completou seis décadas de trajetória no último dia 15 de junho, se consolidando entre os maiores bancos em tamanho de carteira de crédito do Brasil, com R$ 13,5 bilhões. O banco fechou 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul.

Desde 2017, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, o projeto ‘A Arte de Pertencer’ tem o apoio Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). Idealizado e executado pelo Pertence, do Rio Grande do Sul, o projeto desenvolve ações de capacitação e treinamento pessoal para pessoas com deficiência, possibilitando acesso à cultura e suas práticas artísticas, além de benefícios físicos e mentais dos participantes e suas famílias, melhorando assim, a qualidade de vida.

No ano passado, os R$ 30 mil repassados, por causa da pandemia do coronavírus foram investidos em ferramentas que permitiram manter o atendimento para crianças, jovens e adultos com deficiência, com diversas atividades para assim manter uma rotina, cada um em sua residência. Isso inclui, contratação de edição de vídeo, acessibilidade, aparelhos para gravação, materiais usados em oficinas, entre outros. Desde 2017, o banco já destinou em R$ 65 mil em favor do projeto. Segundo o presidente do Pertence, Victor Daniel Freiberg, o projeto ‘A Arte de Pertencer’ já impactou em torno de 400 famílias e que só é viável por conta de parceiros como o BRDE, que acreditam na transformação, na inclusão e em um mundo melhor. “Temos muito orgulho pelas centenas de vidas que transformamos juntos até o momento e temos a certeza de que com a nossa parceria transformaremos muito mais”, ressalta o presidente do Pertence.

Cultura como inclusão social

 Fundado em 2011, o Pertence tem como objetivo criar experiências memoráveis e proporcionar o sentimento de pertencer, amizade e protagonismo da pessoa com deficiência intelectual. O projeto ‘A Arte de Pertencer’, proporciona experiências socioculturais e potencializa as capacidades expressivas e de interação, através do acesso à cultura, do convívio e aprendizado mútuo. Promove e garante seus direitos, visando sua consciência de cidadania, pertencimento e inserção social através do acesso à cultura. Por meio de metodologias ativas, estimula os participantes a explorarem suas potencialidades através da arte.

Por conta da Covid-q19, atividades são realizadas em formato on line

Devido à pandemia, a 3ª edição do projeto gaúcho, que se encaminha para a finalização, acontece em formato virtual possibilitando a sociabilização sem fronteiras e permitindo participantes de todo o país. “A pandemia nos mostrou que com a ajuda das empresas e o apoio da sociedade, nada pode nos parar, ao contrário, tudo nos fortalece e nos dá mais ânimo para correr atrás dos nossos sonhos e objetivos”, destaca Freiberg.

Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No dia 17 de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. O prazo de inscrições vai até o dia 30 de setembro.  No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Cooperação com a Associação que atua na América Latina e Caribe prevê uma série de atividades conjuntas

Principal referência de apoio a projetos com impacto econômico e social no Sul do Brasil, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) reassumiu a condição de membro ativo da Associação Latino-Americana de Instituições Financeiras para o Desenvolvimento (ALIDE). Um protocolo de cooperação entre o BRDE e a Associação que congrega os bancos de fomento da América Latina e Caribe estabeleceu uma série de iniciativas conjuntas de apoio ao financiamento para empresas privadas e o setor público.

A partir do protocolo, a ALIDE disponibilizará o acesso à uma rede de informações regionais e internacionais, bem como programas de assistência técnica e a participação em pesquisas e estudos, integrar comitês técnicos. “Esse compartilhamento ganha uma dimensão importante diante dos desafios do BRDE de atuar em apoio a empreendimentos de diferentes áreas, desde o agronegócio até a geração de energia limpas, passando pelo turismo, a inovação, saneamento, indústrias e o microcrédito”, destaca a diretora-presidente, Leany Lemos.

Ao completar 60 anos agora em junho, o BRDE se consolida entre os maiores bancos em tamanho de carteira de crédito do Brasil, com R$ 13,5 bilhões. A instituição fechou 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul.

Na assinatura do protocolo de cooperação, a ALIDE foi representada pelo secretário-geral Edgardo Alvarez. Com sede em Lima, capital do Peru, a Associação iniciou suas atividades em 1968.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) fechou o primeiro semestre com uma classificação de risco de longo prazo, escala nacional, em A.br, com perspectiva estável. A avaliação acaba de ser conferida pela Moody´s Local, agência de rating que presta serviços a diferentes instituições financeiras do Brasil, entre elas o BRDE e outros bancos públicos ou de fomento.

Entre os pontos positivos, o relatório da agência aponta que o BRDE fechou o último exercício (dezembro de 2020) com um índice de atrasos nos pagamentos (inadimplência) sobre a carteira de crédito de apenas 0,4%. “A avaliação demonstra que o banco tem uma gestão bastante sólida e atua com critérios na avaliação dos projetos, o que reforça a confiança junto aos nossos parceiros, como o BNDES e as instituições internacionais”, destaca a diretora-presidente, Leany Lemos.

Ela observa que a classificação de rating é importante para reforçar a credibilidade do Banco na sua estratégia de diversificação de fontes para captação de recursos, o que inclui possibilidades no futuro de atuar junto ao mercado de capitais (emissão de RDB´s). “Nos últimos anos, o BRDE vem avançando muito nessa diversificação de fundings através de operações com parceiros internacionais, o que reforça o nosso alinhamento com a pauta da sustentabilidade”, acrescentou a presidente.

No relatório que emitiu ao mercado, a Moody´s observou que “o rating do BRDE reflete o papel estabelecido do banco na promoção do desenvolvimento nos estados relativamente prósperos do sul do Brasil, a posição como um dos maiores repassadores dos recursos do BNDES para o setor agrícola e níveis sólidos de capitalização”. A agência conclui indicando que a “perspectiva estável reflete a expectativa de manutenção dos fundamentos de crédito consistentes com o atual nível de rating ao longo dos próximos 12-18 meses”.

O BRDE fechou 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul. Entre os maiores bancos em tamanho de carteira de crédito do Brasil, com R$ 13,5 bilhões, a instituição acaba de celebrar 60 anos de trajetória no último dia 15 de junho.

As empresas interessadas podem se inscrever no programa de apoio à inovação do BRDE até 23 de julho 

No período de 5 a 23 de julho, startups com atuação no Rio Grande do Sul podem se inscrever para a seleção do programa BRDE Labs, iniciativa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O programa tem como foco qualificar a gestão e a estruturação das startups por meio de um processo de aceleração, com duração de quatro meses, que busca também alavancar recursos e parcerias que contribuam para o seu êxito operacional. O Feevale Techpark, o parque tecnológico da Universidade Feevale, é o responsável pela metodologia e a condução dos trabalhos da segunda edição do BRDE Labs no Estado.

Inscrições no site conteudo.feevale.br/lp-brde-labs 

Neste ano, empresas clientes do BRDE participam desde o início da aceleração na condição de âncoras, contribuindo com sua experiência para identificar gargalos e propor os desafios a serem solucionados pelas startups. São elas: CCGL, Coagrisol, Fida, Santa Casa de Porto Alegre e Xalingo. A aproximação das startups com empresas já consolidadas no mercado é um dos aspectos mais relevantes do BRDE Labs.

A aceleração se desenvolverá de agosto a dezembro, quando serão contempladas as seguintes fases: validação, product market fit, go to market, crescimento e monitoramento e mentorias. Entre os benefícios para as startups participantes estão: mentoria com especialistas, workshops de monitoramento e desenvolvimento, conexões e networking e infraestrutura de apoio no Hub One Porto Alegre.

Serão priorizadas verticais como Agronegócio, Saúde, Indústria 4.0, IoT, Tecnologia da Informação, Logística e Meio Ambiente. As startups participantes do processo de aceleração (de 10 a 14) terão seu desempenho avaliado ao longo do programa. Ao final, as cinco melhor classificadas receberão premiação em dinheiro.

Sobre o BRDE LABS

Lançado em 2020 com a finalidade de fomentar inovação e desenvolvimento regional, o Programa BRDE LABS tem foco na gestão e na estruturação das empresas startups, buscando alavancar recursos e parcerias que contribuam para o seu êxito operacional. Na primeira edição no Rio Grande do Sul, o Programa teve 188 startups inscritas. Dessas, 30 participaram da etapa de pré-aceleração e 12 foram escolhidas para a aceleração realizada entre agosto e novembro, 100% em meio virtual em função da pandemia. Foram premiadas as três startups que demonstraram o melhor desempenho, segundo a avaliação do comitê técnico e da banca: Palma Sistemas, DigiFarmz e Elysios se destacaram entre as finalistas por apresentarem soluções inovadoras, perfil empreendedor e evolução durante o programa.

 Sobre o Hub One Porto Alegre 

A aceleração das empresas selecionadas pelo Programa BRDE LABS ocorrerá na unidade do Feevale Techpark em Porto Alegre (Rua Cândido Silveira, 198, Bairro Auxiliadora). Trata-se de um espaço que integra universidade e empresas para a criação de produtos diversificados e soluções conectadas com o mercado. O Hub é compartilhado com parceiros estratégicos para gerar negócios, fomentar projetos e desenvolver tecnologias, potencializando a cultura de inovação.

Melhorar a qualidade de vida da população idosa e reduzir a sobrecarga juntos aos hospitais públicos. São com esses objetivos que a Associação Hospitalar São José de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, desenvolve o projeto 60+, que conta com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) com repasses financeiros através das leis de incentivos.

De forma inovadora e sustentável, o projeto da Associação São José trabalha na assistência à saúde da população da faixa etária com mais de 60 anos, o que incluiu apoio psicológico e terapêutico aos idosos em situação vulnerável ou de solidão, socialização para com os seus pares e com a sociedade, além de promover sua reinserção no âmbito familiar. Com isso, há aperfeiçoamento nos serviços de saúde gratuitos já prestado aos idosos da região pelas políticas públicas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Desde o início do apoio do BRDE, em 2018, foram repassados cerca de R$ 55 mil à instituição. Com a verba, o hospital de Jaraguá do Sul investe em equipamentos para assistência hospitalar, assim como em ações de equipes multidisciplinares e sua qualificação na prestação da assistência aos idosos. Até o momento, foram 4.596 pacientes que foram beneficiados diretamente pelo projeto 60+, e 9.192 familiares alcançados indiretamente pelo programa.

“O apoio do BRDE foi de extrema importância para o início e execução do projeto, possibilitando o atingimento do objetivo de qualificação do atendimento ao Idoso. Foram diversas ações, histórias e conquistas vivenciadas e sabemos que o BRDE faz parte dessa transformação e dos resultados que alcançamos”, destaca o coordenador de Captação de Recursos do Hospital São José, Jeferson Ferrari.

Lei de Incentivos

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

 

Concebido e realizado pela SVB Par, o empreendimento Pontal Shopping foi lançado nesta quinta-feira (1º/7), em Porto Alegre, em evento virtual transmitido pelo YouTube. O shopping integra o grande complexo multiuso que está em construção na Orla do Guaíba, em localização privilegiada. Do valor total de R$ 235 milhões do investimento na construção do shopping, R$ 50 milhões foram financiados pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.

Serão mais de 28 mil metros quadrados de área bruta locável, com capacidade para abrigar 172 lojas em três pisos, além de salas de cinemas, 21 elevadores e 18 escadas rolantes. O conceito adotado é o Life Center, um local onde o visitante, além de fazer compras, poderá resolver pendências do dia a dia, descansar, fazer refeições e ter momentos de lazer.

“A experiência única do Pontal Shopping é complementada com o pôr do sol mais lindo do Brasil e com o contato direto com a natureza, tanto no parque quanto no interior do Life Center, que terá um projeto paisagístico para garantir conforto e qualidade de vida para todos que nele circularem”, informam os executivos da SVB Par.

O complexo multiuso no qual o Pontal Shopping está localizado contará com hotel, um hub de saúde, consultórios, escritórios, um centro de eventos e ainda um parque público que será totalmente revitalizado, contornando a Orla do GuaíbaA liberação dos espaços para ocupação dos lojistas e dos escritórios deverá iniciar a partir de abril de 2022 e a abertura do complexo para o público está prevista para a primavera de 2022. A expectativa é que seja marcada por um grande evento ao ar livre.

O estágio das obras pode ser acompanhado pelo site https://pontalshopping.com.br/

A diretora-presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Leany Lemos, recebeu em audiência, na manhã desta quarta-feira (30/6), o secretário nacional de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura,  Fernando Kohlmann Schancke. O encontro teve a participação também do diretor de Planejamento do banco, Otomar Vivian, e do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Sul, Edson Brum.

 Na oportunidade, foram abordadas as diferentes ações buscando o fortalecimento da agricultura familiar no país e projetos específicos desenvolvidos no âmbito do RS. Conforme Schancke, houve uma ampliação em termos de operações de crédito e da contratação do seguro rural para as atividades nas pequenas propriedades rurais. Ele está deixando a Secretaria para assumir em breve o cargo de diretor de Projetos do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), organismo que congrega 34 países em apoio ao desenvolvimento agrícola e bem-estar rural.

Através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), desde o ano passado foram cerca de R$ 70 bilhões em crédito concedido, aumento de 21.6% na comparação com a safra 2018/19. Apenas para o RS, foram liberados R$ 17,4 bilhões.

 O Programa de Seguro Rural ampliando a cobertura para mais de 2,6 milhões de hectares no ano passado, quando a média dos últimos períodos ficava em torno de 900 mil hectares. A agricultura familiar reúne cerca de 77% dos estabelecimentos rurais do Brasil e respondem por 23% do PIB Agropecuário.