BRDE

Neste mês da mulher, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) destaca o trabalho das mulheres que estão à frente de cargos estratégicos do Banco e que são responsáveis por dar vida à instituição que também contribui para o desenvolvimento de muitas empreendedoras brasileiras. 

Hoje, 30% dos cargos estratégicos do BRDE são ocupados por elas. Isso significa que das 153 funcionárias do Banco, 25 delas lideram suas equipes. Em 2020, Leany Lemos tornou-se a primeira mulher a assumir a diretoria e a presidência do BRDE. Essas conquistas deram ao Banco o selo Women On Board, que valoriza a existência de ambientes corporativos com a presença de mulheres na liderança máxima das empresas, em conselhos de Administração ou Consultivo. 

“O Banco tem mulheres fantásticas em papéis de liderança, que dão o seu melhor pelo desenvolvimento da região, do Brasil e do mundo, porque quando a gente muda o local, a gente muda o global também. Temos muito orgulho disso e continuamos trabalhando para que nenhum homem e nenhuma mulher sejam impedidos de desenvolver seus talentos simplesmente por uma questão de gênero”, afirmou Leany.

E nesse cenário de transformação do papel da mulher, as colaboradoras do BRDE contam suas jornadas de crescimento.

“Quando a gente tem a oportunidade, agarramos e fazemos nosso nome” – Fernanda Santos Silva, Gerente de Operações Adjunta

Fernanda Silva, Gerente de Operações Adjunta do Paraná, acredita que os espaços estão sendo conquistados pelas mulheres, devido à competência delas. “Eu vejo isso na prática. A mulher tende a ter uma postura motivacional mais forte do que o homem, mais generosidade, paciência, ela costuma pensar em todos os aspectos, se colocar no lugar do outro”, diz. 

Responsável pelas operações com micro e pequenas empresas e relacionadas ao Fundo Setorial Audiovisual (FSA), a Engenheira Agrônoma e Civil diz que sempre teve referências de mulheres em cargos de liderança no BRDE. “Me inspirei e ainda me inspiro nelas, porque são muito competentes, e é gratificante ver o Banco como exemplo nesse movimento”, conta. 

Fernanda também percebe um crescimento da presença de clientes mulheres. Para ela, esse é um processo sem volta: “Se as mulheres são mais da metade da população, tem que ter essa representatividade em todos os setores da sociedade”, defende. Ela acredita que, com igualdade de condições, não haverá mais barreiras.

Silvia Daniela da Silva Monteiro, Gerente Adjunta de Operações de Florianópolis

 

“Para avançarmos ainda mais, faltam oportunidades mesmo. Existem pessoas com visões que impedem o avanço das mulheres” – Silvia Daniela da Silva Monteiro, Gerente Adjunta de Operações de Florianópolis

Silvia Daniela da Silva Monteiro, gerente adjunta de Operações, lidera uma equipe de nove pessoas e cuida dos projetos de análise de crédito dos setores de inovação e indústria, na agência do BRDE de Florianópolis. Formada em Administração, Silvia está há 23 anos no Banco. Hoje, ela é a única mulher em sua gerência. “Se me perguntam como os meus colegas me veem, eu respondo que sem nenhuma diferença. O grande problema é ter acesso”, reafirma.  

Para ela, as mulheres costumam usufruir da empatia e da habilidade de fazer mais atividades ao mesmo tempo que são ensinadas a elas ao longo da vida nos cargos estratégicos que ocupam. Porém, destaca que ainda há muitos preconceitos na sociedade relacionados à maternidade e à capacidade das mulheres de se doarem para seus cargos. 

“Eu fui convidada para ser gerente logo que entrei de licença maternidade pela segunda vez. E, desde a primeira licença, quando retornei, segui com minhas tarefas normalmente. Ou seja, eu sou um exemplo de que essas questões não influenciam em nossa competência”, conta.

Vera Regina Ferreira Carvalho, Superintendente de Gestão de Riscos, Controles Internos e Compliance

 

“Os avanços precisam se manter e isso deve ser encarado como algo normal. Aí sim teremos avançado” – Vera Regina Ferreira Carvalho, Superintendente de Gestão de Riscos, Controles Internos e Compliance do BRDE

Vera Regina Ferreira Carvalho, Superintendente de Gestão de Riscos, Controles Internos e Compliance, acredita que, especialmente na área em que atua, “observar qualquer questão por diversos pontos de vista sempre é enriquecedor para os processos”. Por isso, destaca essa habilidade de pensar no coletivo das mulheres como ponto forte delas, bem como a resiliência. Para ela, o avanço na presença das mulheres no mundo empresarial é perceptível e acompanha essa evolução em todas as carreiras: 

“Sou economista de formação e em diversas cadeiras era a única mulher, mesmo em turmas de 70 pessoas. Ouvi piadas de que ali não era meu lugar, mas fui aprendendo a reagir e a fazer tudo com dedicação, muito estudo e sempre dar o meu melhor, pois eu sabia que seria testada. Depois, durante muitos anos fui professora de diversas disciplinas na área de economia e havia sempre muitas mulheres na turma”, relata.

Apesar dos benefícios representados pela presença de mulheres em cargos estratégicos nas empresas, ainda há um caminho pela frente até que a igualdade seja alcançada. O preconceito e a dupla, por vezes tripla, jornada ainda são alguns dos desafios a serem percorridos. Entretanto, é por meio da participação cada vez maior das mulheres em empresas tão importantes quanto o BRDE que eles serão superados, porque lugar de mulher é no mundo empresarial, no BRDE, em cargos estratégicos e onde ela quiser. 

Visão

O presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, tem a visão de que habilidades específicas das mulheres contribuem para melhorar o ambiente de trabalho. “A mulher geralmente traz a experiência da inteligência emocional nas relações profissionais, o que torna o ambiente mais leve e equilibra eventuais conflitos. Na maioria dos casos, se mostra mais disposta ao aprendizado e ensina com paciência. Todas essas características somadas à competência da função, agregam para que ocupem seu espaço merecidamente”, analisou.  

No esforço para realizar novas cooperações financeiras e fortalecer a captação de recursos externos, diretores do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) concluíram, nesta quarta-feira (16/3), uma rodada de encontros de dois dias com importantes instituições financeiras internacionais. O objetivo é alavancar a oferta de crédito que o BRDE disponibiliza aos empreendedores da região Sul do país, com prioridade para linhas voltadas às pequenas empresas e microcrédito e projetos com benefício climático.

Com a participação dos diretores Otomar Vivian (Planejamento) e Leany Lemos (Operações), a rodada de reuniões em Brasília contou com apoio da equipe técnica do banco. O primeiro encontro bilateral, ainda na terça-feira (15/3), foi com o vice-presidente do Banco Europeu de Investimentos (BEI), Ricardo Mourinho Félix. O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, esteve presente na reunião.

A cooperação financeira em andamento com o BEI prevê um aporte total de 80 milhões de euros para apoio a projetos com foco em energia renovável, eficiência energética e mobilidade urbana nos três estados do Sul. Deste volume, as operações liberadas já se aproximam dos 15 milhões de euros e a reunião tratou dos prazos de execução do contrato e a possibilidade de cofinanciamento por parte de outras instituições.

Reunião com BEI abriu rodada de encontros com bancos internacionais

Agenda climática
Já na audiência com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a pauta tratou do andamento de operações relacionados aos programas que o BRDE  desenvolve em favor da retomada da economia. No caso específico, foram tratados detalhes dos programas de Promoção ao Desenvolvimento Local da Região Sul (ProSul) e o Emergencial de Mitigação dos Efeitos Econômicos do Coronavírus (Prosul Emergencial).  É o A reunião contou a participação do representante do BID no Brasil, Morgan Doyle.

O encontro com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) tratou da ampliação da linha de crédito já em operação no valor de US$ 70 milhões para financiar empreendimentos na região Sul. Deste volume, US$ 62,9 milhões já foram liberados, contemplando projetos voltados ao aumento da produtividade das empresas da região Sul, inovação, eficiência energética/energias renováveis e agronegócio. Estiveram presentes o diretor do Escritório no Brasil do CAF, Jayme Holguín e o diretor-executivo de Operações com o Setor Público, Marcelo dos Santos.

Já com um histórico de atuação em parceria, BRDE e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) avançaram mais etapa para a realização de uma nova operação, prevista em 120 milhões de euros. Na reunião técnica realizada na manhã desta quarta-feira, com a participação da diretora regional da AFD no Cone Sul, Laetitia Duffay, as duas instituições discutiram pontos do contrato que prevê financiamento para setores que o BRE já opera. Neste caso, o BRDE atuaria preferencialmente em parceria com cooperativas de crédito.

BRDE e AFD já atuam em parceria através de dois contratos de empréstimos, em apoio a projetos voltados especialmente à geração de energia com fontes renováveis e melhorias de eficiência na iluminação pública das cidades. Os contratos são destinados a financiar propostas alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas.

Cooperação vence prêmio na categoria Instituições Financeiras de Desenvolvimento

Através do apoio estratégico para financiar projetos alinhados à produção e ao consumo sustentáveis, a parceria entre o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) acaba se conquistar o primeiro lugar em uma das categorias da 1ª edição do Prêmio SAIN-ABDE. Com investimentos que já ultrapassam R$ 450 milhões, a cooperação técnica e financeira entre as duas instituições já contabiliza 78 projetos financiados na região Sul do país, a partir de um volume de 120 milhões de euros destinados a financiar propostas também alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas.

O anúncio da premiação ocorreu na noite desta terça-feira (15/03), no encerramento do primeiro dia do Fórum Desenvolvimento ABDE 2022.  “É uma conquista que simboliza o quanto as duas instituições estão comprometidas com a Agenda 2030 e que, num curto espaço de tempo, já apresenta resultados positivos em favor da sustentabilidade. Isso nos anima para futuras parcerias”, destacou a diretora de Operações do BRDE, Leany Lemos, presente ao Fórum que acontece em Brasília. A primeira cooperação foi formalizada em 2018, mas ainda em 2021  BRDE a AFD estabeleceram uma nova parceria, agora no montante de 70 milhões de euros, que é parte de um esforço conjunto para estimular a retomada da economia sustentável nos três estados do Sul.

A parceria entre BRDE e a Agência Francesa tem apoiado, principalmente, projetos em especial voltados à geração de energia com fontes renováveis e melhorias de eficiência na iluminação pública das cidades. No ano passado, as duas instituições lançaram a websérie denominada de Parcerias no Desenvolvimento Sustentável da Região Sul, reunindo exemplos de empresas privadas que buscaram financiamento do BRDE para implantar usinas de geração fotovoltaicas e a partir de fontes hídricas, assim como das prefeituras dos três Estados. A série de vídeos está disponível no canal de Youtube do banco (@BRDEoficial).

Fórum

Promovido pela Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), o evento tem uma programação de dois dias discutindo, num formato híbrido, os caminhos para as agendas do desenvolvimento sustentável para o país. O Fórum reúne membros do SNF, organismos internacionais, gestores públicos, órgãos representantes da sociedade civil e especialistas.

Nesta quarta-feira (16/03), segundo dia da programação, a diretora de Operações do BRDE participou do painel que abordou a mobilização para o desenvolvimento de cidades sustentáveis e inteligentes. Leany Lemos relatou que o banco buscou no ano passado criar uma nova matriz dos macroprogramas para acentuar o alinhamento aos ODS, com produtos específicos para energias renováveis, sustentabilidade social e ambiental, e de apoio aos jovens e mulheres empreendedoras.

O Fórum marcou também o lançamento do Plano ABDE 2030, que elenca propostas de políticas públicas, com ênfase na temática do financiamento, que contribuam para um desenvolvimento mais sustentável, inclusivo e inovador para o Brasil. Considerando a trajetória percorrida pela Associação nos últimos anos, o Plano ABDE 2030 está alinhado aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, em consonância com o Acordo de Paris e com a Agenda de Ação de Addis Abeb e será encaminhado aos candidatos à presidência, órgãos do Governo Federal e presidentes da Câmara e do Senado.

Volume é quase 10% acima das operações fechadas na última edição da feira

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está fechando a participação na Expodireto Cotrijal 2022 com um total de R$ 136,4 milhões em novos projetos para o fortalecimento do agronegócio gaúcho. O total é quase 10% superior às operações encaminhadas há dois anos, quando da última edição da feira que ocorre no município de Não-Me-Toque. Entre os pedidos apresentados através do programa Meu Agro é BRDE, a maior demanda é para investimentos ampliar a capacidade de armazenagem de grãos, que atingiu R$ 42 milhões das solicitações de crédito recebidas pelo banco (31% do total).

Os projetos para realização de obras em empreendimentos agroindustriais somam outros R$ 32,7 milhões (24% dos pedidos), seguido da aquisição de máquinas (R$ 30 milhões – 22%). Como já é tradicional, a Expodireto é o espaço onde os produtores conhecem as novidades em termos de tratores, colheitadeiras e outros implementos agrícolas. “O resultado é extremamente satisfatório diante dos desafios que o agronegócio está passado, por conta de todos os impactos da estiagem e do aumento dos custos nos insumos que se aceleraram com a guerra entre Rússia e Ucrânia. Mas a Expodireto tem esse simbolismo de identificar nos desafios um leque de novas oportunidades”, destacou o diretor de Planejamento do banco, Otomar Vivian.

Tema em debate ao longo dos cinco dias da feira, os projetos destinados à irrigação nas lavouras representaram R$ 23,7 milhões em pedidos recebidos pela equipe do BRDE. Na avaliação do diretor, o clima de confiança na Expodireto 2022 reflete o bom desempenho da safra passada, período em que o BRDE registrou resultados históricos em termos de contratações para novos investimentos no RS, com R$ 1,428 bilhão em financiamentos ao longo de 2021. Deste montante, o agro respondeu por mais de R$ 345,6 milhões das operações de crédito do banco. “Somos parceiros estratégicos de quem produz e inova no campo, pois sabemos do impacto do setor na economia da região Sul e em favor do país”, resumiu Otomar Vivian.

 

NÚMEROS BRDE – EXPODIRETO 2022

Armazenagem………R$ 42.000.000,00 (31%)

Obras………………….R$ 32.700.000,00 (24%)

Máquinas …………….R$ 30.000.000,00 (22%)

Irrigação……………….R$ 23.700.000,00 (17%)

Outros………………….R$ 8.000.000,00 (6%)

TOTAL ………………..R$ 136.400.000,00

 

Cotrijal

No primeiro dia da feira, o BRDE e a Cotrijal – Cooperativa Agropecuária e Industrial divulgaram a aprovação de uma linha de crédito no valor de R$ 50 milhões. O termo foi firmado na presença do governador em exercício, Ranolfo Vieira Júnior. O montante permitirá uma série de investimentos que integram o planejamento da cooperativa para este ano, incluindo reformas e ampliações de instalações industriais e da capacidade de armazenagem de grãos.

Maior cooperativa agropecuária do Estado, com um faturamento de R$ 4,3 bilhões no ano passado, a Cotrijal está presente em 53 municípios gaúchos e reúne quase 19 mil associados. Suas unidades têm uma capacidade atual de armazenar mais de 1,1 milhão de toneladas. As perspectivas para 2022 seguem indicando novo salto em termos de faturamento, uma vez que acaba ser aprovada a incorporação da Coagrisol (Soledade) pela Cotrijal. Juntas as duas cooperativas faturaram R$ 5,8 bilhões em 2021.

Fórum do Leite

Encontro debateu desafios da cadeia leiteira

O BRDE foi um dos patrocinadores do 17º Fórum Estadual do Leite, atividade que ocorreu na quarta-feira (9/03), no auditório central da Expodireto. Com o objetivo de debater os desafios do setor, fortemente atingido pela estiagem, o evento foi organizado pela CCGL e Cotrijal, reunindo técnicos e produtores.

Maior feira de móveis do país retoma em formato presencial na próxima semana

Reconhecida como o maior evento do setor moveleiro do país, a partir desta segunda-feira (14/3) a Movelsul Brasil 2022 volta a reunir na Serra gaúcha toda a cadeia da indústria nacional e compradores do Brasil e do exterior. Na retomada da feira em formato presencial, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) estará mais uma vez presente, oportunizando aos empreendedores do polo de móveis programas de financiamento focados no fortalecimento da indústria e na incorporação de novas tecnologias.

Através dos programas que oferecem apoio via crédito para implantação, ampliação e modernização de instalações, aquisição de máquinas e também capital de giro, o BRDE terá uma estrutura de atendimento junto ao Pavilhão C. O banco igualmente disponibiliza linhas para projetos de inovação, incorporando novas tecnologias no processo de produção, com ganhos de eficiência para manter os níveis de competitividade dos móveis produzidos no Rio Grande do Sul.

Entre as outras possibilidades está o programa BRDE Empreendedoras do Sul, que oferece crédito específico para empresas de todos os portes da região Sul que são lideradas por mulheres ou com participação no quadro societário.  Desde seu lançamento há apenas um ano, o programa já contabiliza R$ 41,3 milhões de crédito disponibilizado neste período para projetos que vão da inovação nos negócios a construções, reformas e ampliação, assim com aquisição de equipamentos e novas tecnologias. O programa não tem valor máximo por operação.

A feira ocorre no Parque de Eventos de Bento Gonçalves e, neste ano, acontecerá de maneira simultânea com a FIMMA, que igualmente retorna depois a última edição cancelada por conta da pandemia de Covid-19. Com a realização conjunta, as duas feiras reunirão as diferentes áreas ligadas ao setor moveleiro, desde indústrias, tecnologia, design, serviços, insumos, acessórios e ferramentas, fabricantes de móveis e varejo nacional e internacional

Dia Internacional da Mulher

Programa lançado há exatamente um ano, opera nos três estados do Sul  e faz mudança para facilitar acesso nas linhas de crédito

 

No Dia Internacional da Mulher, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), anuncia novidade no Programa BRDE Empreendedoras do Sul, que teve aproximadamente R$ 120 milhões de recursos destinados para projetos coordenados por mulheres, no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, exatamente há um de seu lançamento.

O programa é direcionado para empresas de diferentes portes que tenham ao menos 40% do seu capital social de sócias mulheres. A oferta de crédito para capital de giro é reservada apenas para pessoas jurídicas e com receita operacional bruta de até R$ 90 milhões no ano anterior ao pedido. Com a nova mudança, não há valor máximo por operação. ““O BRDE está comprometido com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável  e a Agenda 2030. Uma das metas já conquistadas, foi a criação do Programa Empreendedoras do Sul. Promover o empreendedorismo feminino financiando R$ 120 milhões em um ano de atuação, beneficiando projetos que geram emprego e renda é uma resposta prática do maior banco de desenvolvimento regional do Brasil à sociedade” – analisou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

As microempreendedoras individuais e pessoas físicas poderão ter o apoio através de parcerias do banco com outras instituições que atuam com programas de microcrédito, como as cooperativas.

Do valor total operado pelo Empreendedoras do Sul, o Paraná destinou R$ 44,7 milhões, Santa Catarina R$ 32,4 milhões e Rio Grande do Sul R$ 41,3 mi para micro, pequenos e médios empreendimentos, dirigidos à produção rural, inovação, construções e reformas, compra de equipamentos e adaptações de tecnologia.

 

Os casos em cada Estado – Com o total de 384 contratos nos três estados, firmados no programa em um ano de criação, a possibilidade de recursos para os projetos de trabalho, auxiliam na mudança de vida das mulheres, como no caso do Rio Grande do Sul.

Para que o programa BRDE Empreendedoras do Sul chegasse ao maior número de interessadas, em especial beneficiando pequenas e médias empresas, uma das alternativas é atuar através de instituições parceiras. A exemplo disso, foi o contrato no valor de R$ 700 mil do BRDE com a ICC Serra, instituição que atua em vários municípios do interior do Rio Grande do Sul. Por meio do Banco do Povo, são liberados empréstimos pela modalidade de microcrédito para empreendedoras de diferentes segmentos.

Do total liberado pelo BRDE, a ICC Serra já celebrou 66 contratações, totalizando R$ 636 mil em empréstimos. A grande maioria do crédito beneficiou empresas lideradas por mulheres do setor do comércio (63%), seguido do segmento de serviços (31%).

Para a gerente da ICC Serra, Jaqueline Pattis, o apoio do BRDE foi fundamental para disponibilizar uma linha de microcrédito na compra de matérias-primas, para a aquisição de equipamentos que viabilizam maior produção ou mesmo abrir um novo negócio. “Assim foi possível fomentar a economia dando uma atenção maior às mulheres empreendedoras”, salienta ela.  Conforme a diretora, o programa permitiu inclusive diversificar as atividades, citando o exemplo de uma empresária que atua há 14 anos na venda de roupas de porta em porta por uma equipe de sacoleiras e que, com o financiamento do BRDE, abriu uma cozinha para tele-entrega, viabilizando uma nova fonte de renda.

Na avaliação da diretora de Operações, Leany Lemos, o resultado alcançado no primeiro ano do programa comprova a demanda que existia em termos de maior apoio às mulheres que empreendem e auxiliam no fortalecimento da atividade econômica. “Além representar um caminho para maior inserção social, a iniciativa do banco em incentivar o empreendedorismo das mulheres trouxe impactos positivos nesse momento de retomada em meio à crise da pandemia, além de reafirmar nossos compromissos com o desenvolvimento sustentável”, destacou Leany Lemos, ela que foi a proponente do programa quando estava na presidência do banco (a primeira mulher em 60 anos da instituição) e que foi aprovado por unanimidade pelos demais diretores.  A diretora observa, também que o BRDE Empreendedoras do Sul tem alinhamento direto ao ODS 5, diante de gap de crédito para empresas e projetos liderados por mulheres estimado em US$ 5 bilhões pela ONU.

Para o diretor de Planejamento, Otomar Vivian, tanto o lançamento do programa há um ano, como os ajustes que agora facilitarão o acesso ao crédito, demonstram o esforço interno do banco em estar alinhado com as políticas públicas de cada um dos Estados. “Vivemos ainda um momento de muitos desafios para a economia e, assim como o Empreendedoras do Sul, o BRDE vem atuando em várias frentes para garantir renda e gerar empregos. Somos efetivamente parceiros dos empreendedores e das empreendedoras da região Sul nos seus projetos e resultados”, observou Vivian.

 

Caroline Dellacorte, criadora da PACK ID, de Chapecó (SC)

 

Chapecó, em Santa Catarina – A engenheira de alimentos Caroline Dellacorte da PACK ID, de Chapecó (SC), revelou ter buscado várias formas de melhorar o processo para evitar perdas financeiras que afetavam qualidade dos produtos. Com isso, se aperfeiçoou em modelos de inovação e através de prêmios ganhos com suas propostas de soluções e assim teve acesso a recursos pelas redes de fomento. ‘Hoje atendemos não somente o mercado alimentício, mas também o mercado de fármaco, afinal todos esses produtos precisam ter a sua qualidade e segurança garantida, para que nós como pacientes e consumidores possamos consumir produtos que de fato venham a ter a qualidade e eficácia desejada”, descreveu Caroline.

Ela detalha que apesar de seu modelo de negócio ser SAS (software as a servisse), necessita fazer a compra de equipamentos. “Para cada cliente que eu vendo esse monitoramento, há necessidade de instalar esse dispositivo, que vai ler esses dados e transmitir para a nuvem para que no software ele acompanhe todas as informações, receba os insights, os alertas e os benefícios que a gente oferece para poder ajudá-lo a evitar as perdas dos produtos e a manter a qualidade dos mesmos. O recurso do BRDE foi fundamental para apoiar esse financiamento e dar sequência no nosso projeto e ter uma solução rodando no mercado que cause esses efeitos benéficos na comunidade”, finalizou Caroline.

O vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Marcelo Haendchen Dutra, explica que esse tipo de parceria é a essência do banco como fomentador de desenvolvimento, renda e expansão de negócios.  “Assim como o Governo Carlos Moisés tem trabalhado numa política de inclusão, o BRDE tem se esforçado para continuar sendo uma instituição que vai além de sua atuação para o crescimento de Santa Catarina, mas também como um agente importante dentro desta inserção social”.

“Por meio do programa, o BRDE também agilizou a fiscalização dos contratos, assim como reduziu as tarifas de análise e o percentual de comissão interna. Com as alterações para este ano, esperamos que o número de empresárias e empreendedoras beneficiadas possa ser ainda maior, ajudando no desenvolvimento dos negócios e crescimento do estado”, destaca o diretor financeiro, Eduardo Pinho Moreira.

 

Bruna Havresko, criadora da Modab | Foto: Douglas Camargo

Modab, o e-commerce de Irati, no Paraná – Bruna Havresko, de 32 anos, migrou da fotografia para a criação da Modab, o e-commerce com base em Irati (PR) e que hoje é a maior marca de roupas modeladoras e tecnológicas do Brasil. Em 2013, ela deixou a carreira de fotógrafa e realizou o sonho de “ajudar as pessoas pela moda”, com investimento modesto. Ao passar uma juventude sem se sentir confortável com as roupas tradicionais, Bruna desenvolveu peças que se moldam ao corpo da cliente, tornado o ato de vestir algo prazeroso, além de incrementar um nicho de empreendimento pouco explorado.

Com apoio de recursos do Programa BRDE Empreendedoras do Sul, a Modab pode investir na recomposição de estoque.  “Foi maravilhoso, pois conseguimos a expansão que sempre sonhamos e um papel fundamental nos resultados obtidos, uma vez que o sucesso das novas estratégias se deve em grande parte ao suporte oferecido pelo recurso do BRDE”, descreveu Bruna.

Além de recursos próprios, o BRDE vai se valer de outros fundigns nacionais e de captação de recursos em organismos internacionais para atender a demanda.

Para solicitar o financiamento, as empresas devem acessar o site www.brde.com.br, no ambiente do Internet Banking (IB) – https://ib.brde.com.br/Usuario/Login. Todos as operações serão através da plataforma digital e a documentação deverá ser inserida (upload) também através do site. O app do BRDE também traz as informações sobre o programa.

Investimento permitirá ampliar unidades industriais e de armazenagem da cooperativa

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Cotrijal – Cooperativa Agropecuária e Industrial divulgaram, nesta segunda-feira (7/03), a aprovação de uma linha de crédito no valor de R$ 50 milhões. O termo foi firmado logo após a abertura oficial da Expodireto 2022, que acontece no município de Não-Me-Toque, e contou com a presença do governador em exercício, Ranolfo Vieira Júnior. O montante permitirá uma série de investimentos que integram o planejamento da cooperativa para este ano, incluindo reformas e ampliações de instalações industriais e da capacidade de armazenagem de grãos.

O governador em exercício, Ranolfo Vieira Júnior, salientou que a operação com a Cotrijal reflete a parceria importante do BRDE em favor do desenvolvimento dos três estados do Sul. “Esse é o grande objetivo da existência do banco, fomentar e impulsionar o nosso agronegócio do estado e do país”, destacou o governador.

Maior cooperativa agropecuária do Estado, com um faturamento de R$ 4,3 bilhões no ano passado, a Cotrijal está presente em 53 municípios gaúchos e reúne quase 19 mil associados. Suas unidades têm uma capacidade atual de armazenar mais de 1,1 milhão de toneladas. Mesmo com os efeitos da seca na produção de grãos e leite, as perspectivas para 2022 seguem indicando novo salto em termos de faturamento, uma vez que acaba ser aprovada a incorporação da Coagrisol (Soledade) pela Cotrijal. Juntas as duas cooperativas faturaram R$ 5,8 bilhões em 2021.

A parceria da Cotrijal com o BRDE iniciou na década de 80, destacando-se o apoio para a construção de Unidade de Beneficiamento de Sementes, com capacidade para 600 mil sacas. “Essa nova operação tem todo um simbolismo diante do momento desafiador que estamos passando. Quando muitos acabam se retraindo, a Cotrijal dá uma demonstração de confiança, enfrentando os desafios”, enalteceu o diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, ao salientar que a cooperativa agora está se posicionando entre as maiores do Brasil.

Com o modelo que alia inovação, uso de tecnologias e a gestão que auxilia técnica e economicamente o produtor, a cooperativa se caracteriza por atuar fortemente na melhoria da produtividade, alcançando médias superiores às registrados no RS e no país. “É uma satisfação firmar mais esta parceria do banco. Desde do início, o BRDE sempre demonstrou agilidade em apoiar nossos projetos. E vamos precisar de mais investimentos”, sinalizou o presidente da Cotrijal, Nei Mânica.

O ato de aprovação do financiamento para a Cotrijal ocorreu no estande do BRDE, onde também estiveram presentes o presidente em exercício do Tribunal de Contas do estado (TCE), Marco Peixoto; a secretária estadual da Agricultura, Pecuário e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti; os deputados Marcel Van Hatten (federal) e Ernani Polo (estadual), além do superintendente do BRDE, Maurício Mocelin.

A diretora de Operações do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Leany Lemos, participa da missão oficial aos Estados Unidos organizada pelo governo do Rio Grande do Sul, que ocorre ao longo da próxima semana. Liderada pelo governador Eduardo Leite, a comitiva terá uma série de agendas em três cidades norte-americanas: Nova York, Washington DC e Austin (Texas).

Um dos pontos fortes da agenda são as pautas relacionadas com a inovação e práticas voltadas ao desenvolvimento sustentável. São temas presentes e de maneira cada vez mais forte nos últimos anos, explica a diretora, na estratégia de atuação do banco na região Sul. A participação em feiras de tecnologia e visita a ecossistema de apoio às startups igualmente fazem parte do roteiro da missão governamental.

Entre os dias 7 e 9 de março, o grupo ficará em Nova York. Estão previstas agendas na Universidade de Columbia, no Council of Americas, na Brooklyn Bridge Park e no Centro de Comando Integrado de Nova York (NY Command & Control Center), além de reuniões com bancos internacionais. Ainda na segunda-feira, parte da missão terá encontro com George Gra-Molina, economista-chefe do UNDP-  Bureau for Policy and Programme Support.

Na quarta-feira (9/3), a comitiva segue para Washington DC, onde haverá um encontro com o embaixador Nestor Forster Jr. Além disso, Leite visitará a The United States Chamber of Commerce (USCC), a Câmara de Comércio dos Estados Unidos, e terá reuniões na sede da Organização dos Estados Americanos (OEA), na empresa AES e na sede da Amazon Web Services.

Na quinta-feira (10/3), ainda em Washington, Leite dará uma palestra no think tank Atlantic Council, visitará o Departamento de Estado dos Estados Unidos e a Universidade George Washington. A última agenda na cidade é uma reunião com a diretoria do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A última parada da missão internacional, a partir de sexta-feira (11/12), será a cidade de Austin, no Texas, casa do festival de música, cinema e tecnologia South by Southwest (SXSW). O governador ministrará no evento, no sábado (12/3), uma palestra intitulada “ESG: Pathway to Inclusive Economic Development” (Caminhos para o Desenvolvimento Econômico Inclusivo). Na sexta-feira (11), Leite e a comitiva visitarão a sede da empresa Dell e, no domingo (13/3), o governador fará uma segunda visita à SXSW.

A última parada da missão internacional, a partir de sexta-feira (11/12), será a cidade de Austin, no Texas, casa do festival de música, cinema e tecnologia South by Southwest (SXSW). O governador ministrará no evento, no sábado (12/3), uma palestra intitulada “ESG: Pathway to Inclusive Economic Development” (Caminhos para o Desenvolvimento Econômico Inclusivo). Na sexta-feira (11), Leite e a comitiva visitarão a sede da empresa Dell e, no domingo (13/3), o governador fará uma segunda visita à SXSW.

Responsáveis por produzir cerca de 70% do azeite de oliva consumido no país, os produtores gaúchos celebraram, na manhã desta sexta-feira (4/03), a 10ª edição do evento que marca a abertura da colheita das olivas no Rio Grande do Sul. A cerimônia ocorreu na cidade de Viamão e contou com as presenças do governador em exercício, Ranolfo Vieira Júnior, e demais autoridades e lideranças ligadas ao setor da olivicultura.

No ano passado, o RS produziu mais de 200 mil litros do produto e vem atraindo fortes investimentos de novos pomares em diferentes regiões do estado. Entusiasta dos impactos econômicos e sociais que a produção de azeite de oliva está ocasionando, o diretor de Planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Otomar Vivian, participou da abertura da colheita e manifestou-se otimista com o futuro do cultivo em terras gaúchas.

“É um mercado com uma forte expansão e que encontra aqui, além das boas condições do solo, bastante apoio para novos investimentos. O próprio governo do Estado já adotou políticas, através do incentivo à pesquisa, para assegurar o reconhecimento da qualidade premium dos azeites de oliva extravirgem produzidos aqui”, destacou o diretor logos após participar ele próprio da colheita dos primeiros grãos da atual safra.

A abertura da colheita contou também com as presenças da secretária estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti, e do presidente do Instituto Brasileiro da Olivicultura (Ibraoliva), Renato Fernandes, entre outras lideranças do setor. O RS reúne cerca de 190 produtores de oliveiras.

Principais linhas são voltadas a projetos de armazenagem, irrigação e inovação no agronegócio

Parceiro estratégico do agronegócio gaúcho, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) participará da Expodireto Cotrijal 2022 disponibilizando R$ 150 milhões para novos financiamentos. Através do programa Meu Agro é BRDE, o banco estará ofertando crédito para projetos relacionados especialmente à armazenamento de grãos, irrigação e inovação.  A Expodireto acontece ao longo da próxima semana, entre os dias 7 e11 de março, no município de Não-Me-Toque.

O programa Meu Agro é BRDE contempla, igualmente, financiamentos para renovação de máquinas agrícolas e equipamentos, construção de frigoríficos, reflorestamento e de geração de energia, assim como todos os projetos de investimentos no meio rural, desde a agricultura familiar até os grandes projetos de cooperativas de produção. Durante a Expodireto, inclusive, o banco assinará um novo contrato com a Cotrijal, no valor de R$ 50 milhões.

O valor disponibilizado neste ano é superior às contratações realizadas na última edição da feira, há dois anos, quando o BRDE alcançou R$ 120 milhões em novos financiamentos. Se houver uma demanda maior, explica o superintendente regional do BRDE no Rio Grande do Sul, Maurício Mocelin, as propostas serão avaliadas mesmo após o evento. “O BRDE dispõe de um leque de macroprogramas de desenvolvimento que também atendem o setor, como é caso dos projetos de inovação”, acrescentou ele.

O foco da Expodireto 2022 é justamente voltado aos projetos com base tecnológica e de inovação para o campo. Neste sentido, a equipe do BRDE estará acompanhando eventos com a participação de startups que apresentam soluções inovadoras no agronegócio.  O banco opera em várias frentes de apoio a empresas de inovação, através de fundos de venture capital (aporte de recursos), programas de gestão para aceleração de startups e, pra alguns casos, com financiamento direto.

Importância do setor

O BRDE fechou o ano passado com resultados históricos em termos de contratações para novos investimentos no RS. Ao alcançar a marca de R$ 1,428 bilhão em financiamentos ao longo de 2021, o banco registrou um crescimento é de 24,5% se comparado com as contratações fechadas no ano anterior.

Deste montante, o agro respondeu por mais de R$ 345,6 milhões das operações de crédito. O total destinado a atender produtores rurais e cooperativas gaúchas ficou R$ 54 milhões acima do registrado em 2020.

O banco ocupará uma área de 300 metros quadrados na feira, onde recepcionará seus parceiros e clientes. Uma das novidades para este ano é a versão digital da feira, que permitirá os visitantes, de forma virtual, percorrer os principais ambientes do parque. Será um ambiente totalmente tecnológico, onde o público poderá interagir com expositores e acompanhar eventos ao vivo.