BRDE

Empresas lideradas por mulheres e produtoras rurais podem acessar a financiamento para capital de giro e investimento

Com o objetivo de apoiar empresas que tenham mulheres no comando, gerar novas oportunidades e assim reduzir as desigualdades, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está disponibilizando, a partir desta quinta-feira (25/3), um programa de crédito voltado exclusivamente ao empreendedorismo feminino. Com possibilidade de financiamento para investimentos fixos e capital de giro, incluindo micro e pequenas empresas, o programa BRDE Empreendedoras do Sul vai atender clientes interessadas nos três estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Além de recursos próprios, o BRDE vai se valer de outros fundigns nacionais e de captação de recursos em organismos internacionais para atender a demanda. O programa é direcionado para empresas de diferentes portes que tenham ao menos 50% do seu capital social de sócias mulheres. A oferta de crédito para capital de giro é reservada apenas para pessoas jurídicas e com receita operacional bruta de até o máximo de R$ 90 milhões no ano anterior ao pedido.

Produtoras rurais poderão acessar as linhas repassadas pelo BRDE através do Plano Safra. Já as microempreendedoras individuais e pessoas físicas poderão ter o apoio através de parcerias do banco com outras instituições que atuam com programas de microcrédito, como as cooperativas.

“O programa Empreendedoras do Sul significa um grande esforço da instituição que vai além do seu papel de agente do desenvolvimento do Sul do país. Fomentar o empreendedorismo das mulheres representa um passo importante em termos de inserção social”, definiu a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos. Ao realizar o anúncio do programa durante as atividades da Semana da Mulher, Leany Lemos já antecipava que a oferta exclusiva de crédito teria condições atrativas e por meio de uma análise simplificada dos pedidos de financiamento. “É para que as mulheres tenham do BRDE o efetivo apoio para suas empresas”, destacou ela.

Através do programa, o BRDE está se comprometendo também a reduzir as tarifas de análise e fiscalização dos contratos, assim como do percentual de comissão interna. Com isso, o custo final do financiamento ficará, em média, entre taxa Selic mais 4,5% ao ano nos casos de crédito para capital de giro e de Selic mais 4%, quando destinando a investimento fixo.

O que é possível financiar

Destinado a auxiliar as empresas lideradas por mulheres reorganizarem suas finanças e comprar matéria-prima, por exemplo, o crédito para capital de giro está limitado a 20% do faturamento bruto registrado no ano anterior ao pedido. Já para investimento fixo, não há limite fixado no programa. O valor máximo de apoio será definido a partir do projeto e da capacidade de pagamento calculada pelo banco, permitindo a empresa investimentos de longo prazo, buscando a expansão, modernização e inovação da sua atividade, incluindo a produção e o consumo sustentável. Será possível financiar obras de construção ou reforma, compra de equipamentos nacionais ou do exterior, adaptações de tecnologia e para capital de giro associado ao projeto.

Como acessar

Para solicitar o financiamento, as empresas devem acessar o site www.brde.com.br, no ambiente do Internet Banking (IB) – https://ib.brde.com.br/Usuario/Login. Todos as operações serão através da plataforma digital e a documentação deverá ser inserida (upload) também através do site. O app do BRDE também traz as informações sobre o programa.

 

 

Novo acordo permitirá prestar apoio às PMEs afetadas pela Covid-19 nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O empréstimo enquadra-se na resposta da Equipe Europa à Covid-19

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) anunciaram, nesta segunda-feira (22/3), a disponibilização de financiamento dirigido especificamente às pequenas e médias empresas (PMEs) nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, no Brasil, afetadas pela pandemia da Covid-19.

O novo acordo vem alterar um contrato assinado em 2018, no sentido de permitir maior flexibilidade às duas instituições e de ampliar os critérios de elegibilidade do atual empréstimo-quadro BRDE CLIMATE ACTION FL, no montante de 80 milhões de EUR, com o objetivo de apoiar e acelerar a concessão de empréstimos a empresas do setor privado, confrontadas com a crise da Covid-19 na América Latina, especialmente no Brasil.

Esta flexibilidade permitirá acelerar o acesso das PMEs e, em particular, das microempresas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, a financiamento no montante de 15 milhões de EUR. Algo próximo de R$ 100 milhões pela cotação do dia, essa liberação inicial será destinada para capital de giro de MPEs, além da possibilidade de crédito para investimento. Trata-se da primeira ação do BEI no Brasil desde o início de 2021.

O BEI e o BRDE estabeleceram uma parceria para apoiar diversos projetos de ação climática no Brasil, incluindo nos domínios da energia solar fotovoltaica, das pequenas centrais hidroelétricas e de outras fontes de energia renováveis. No contexto da Covid-19, a parceria foi adaptada para ajudar a dar resposta às necessidades específicas das PME nesta nova situação difícil, ao permitir maior rapidez no desembolso dos empréstimos às empresas.

No âmbito do empréstimo-quadro BRDE CLIMATE ACTION FL, até 30 milhões de EUR serão destinados ao financiamento de projetos urbanos, apoiados pelo FELICITY. O FELICITY é um mecanismo de preparação de projetos financiado pela Iniciativa Internacional de Proteção do Clima (IKI), promovida pela Alemanha, e implementado em cooperação com a GIZ. O FELICITY presta assistência aos promotores de projetos em áreas urbanas na elaboração de estudos de viabilidade e outras medidas de preparação e capacitação para apresentar ao BRDE.

Ricardo Mourinho Félix, vice-presidente do BEI responsável pela América Latina, afirmou: “Promover o empreendedorismo é fundamental para o crescimento sustentável, especialmente nestes tempos difíceis. Congratulamo-nos por anunciar este acordo de alteração celebrado com o BRDE para disponibilizar apoio financeiro adicional às pequenas empresas afetadas pela COVID-19 no Brasil. Este financiamento no âmbito da Covid-19 visa acelerar a absorção e afetação de fundos destinados às empresas brasileiras pelo BRDE. Em colaboração com a Equipe Europa, o acordo realça as nossas prioridades na América Latina, ajudando a promover o desenvolvimento econômico sustentável e inclusivo, ao fomentar o investimento produtivo”.

Vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix 

O embaixador da União Europeia no Brasil, embaixador Ignacio Ybáñez Rubio, igualmente salientou a importância em apoiar as empresas do setor privado, especialmente as PMEs como principais motores da criação de empregos. “Trata-se de um dos principais objetivos da UE e dos seus Estados-Membros. É também uma parte importante da sua agenda de cooperação com os países parceiros. No atual contexto pandêmico, é ainda mais importante alinhar esforços para garantir uma recuperação sustentável dos negócios e reduzir ao máximo as consequências socioeconômicas negativas implícitas derivadas de uma desaceleração da atividade econômica. Temos o orgulho de confirmar que apoiamos a criação deste mecanismo desde o início, uma vez que esta ação faz parte do mandato de empréstimo externo do BEI, que inclui uma garantia da UE. Aplaudimos a conclusão deste acordo que, além do objetivo do contrato original de dar prioridade à ação climática, que está em linha com a abordagem atual do Acordo Verde da UE, também traz a possibilidade de usar até 15 milhões de euros do empréstimo aprovado para prestar apoio às PMEs impactadas pelo Covid-19 nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.”

Embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez Rubio

Para a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, o acordo com o BEI é resultado de um grande esforço das duas instituições e chega num momento crucial para os micro e pequenos empresários. “O estágio atual da pandemia acabou acentuando as dificuldades que muitas atividades já vêm enfrentando há um ano. Auxiliar nessa travessia significa a sobrevivência de muitas empresas de pequeno porte, mas acima de tudo representa manutenção de empregos e renda, uma melhor perspectiva na hora da retomada”, salientou ela.

Presidente do BRDE, Leany Lemos

O diretor de Planejamento do BRDE, Luiz Corrêa Noronha, conduziu o encontro on line e fez um breve histórico das tratativas que levaram à parceria com o BEI.  Representante da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), agência alemã de cooperação internacional, Johannes Kissel, também se pronunciou, como responsável pelos programas de energias renováveis e eficiência energética apoiados no Brasil.

 

 

A partir de um fundo constituído de recursos próprios com o propósito de fortalecer as atividades de empresas, produtores rurais e cooperativas, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) alcançou a cifra de R$ 851,7 milhões em contratos de financiamento em plena crise provocada pela pandemia de Covid-19. Através do programa BRDE Promove Sul, o banco procurou fomentar o desenvolvimento produtivo, sustentável e social nos três estados da região Sul a partir de prioridades identificadas pelos governos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

“De um total de R$ 900 milhões disponibilizados, conseguimos em um ano de programa contratar 94% do fundo, o que reforça o papel estratégico do banco neste momento de tantos desafios”, destacou a diretora-presidente, Leany Lemos. O BRDE Promove Sul destinou R$ 300 milhões a cada um dos três estados, com oferta de crédito de longo prazo para aumentar a capacidade de investimento dos empreendedores e, desta maneira, gerar renda e manter empregos.

“Num momento de tantos desafios, o BRDE se mostrou, mais uma vez, um banco com um papel estratégico para atuar no desenvolvimento econômico de sua região. Isso é muito positivo para todos”, destacou o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE no Paraná, Wilson Bley.

Crédito Emergencial

Para o diretor Financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, os recursos chegaram ao mercado num momento decisivo. “Sabemos que havia um ambiente de retomada, mas também o início de uma crise provocada pela pandemia. Era o momento em que os empreendedores precisavam de suporte financeiro para manter ou ampliar seus negócios, por isso o BRDE não mediu esforços para ser um parceiro, garantindo recursos do próprio caixa”, reforçou ele.

Grande parte dos valores financiados através do programa se transformaram, em outra frente de atuação BRDE, numa linha emergencial de crédito com objetivo de auxiliar na recuperação da economia diante dos impactos da pandemia de Covid-19.

Por intermédio do Recupera Sul, oferecendo para capital de giro na modalidade de microcrédito (através de parceiros operacionais) e crédito empresarial de forma direta, o banco já ultrapassou a cifra de R$ 520 milhões em operações nos três estados do Sul. Essa linha emergencial está operando há quase um ano buscando socorrer aqueles setores da economia mais afetados pela crise sanitária e apoiar os projetos para uma retomada nos pós-pandemia.

Além de anunciar um programa de financiamento destinado exclusivamente às mulheres empreendedoras, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) dá outro importante passo em defesa da igualdade de gênero e no combate a qualquer situação discriminatória.  A diretoria do banco aprovou a criação da Estratégia BRDE – Diversidade. Trata-se de uma ação voltada a garantir a igualdade de oportunidades considerando as identidades de raça, etnia, cor, sexo, expressão de gênero, religião, deficiência e qualquer outra condição, tanto no âmbito interno da organização, quanto no relacionamento com os clientes e a sociedade.

Ao anunciar a novidade durante a programação pela Semana da Mulher, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, observou que agora será criada uma Comissão Pró-Equidade e de Valorização da Diversidade para que, dentro de 90 dias, apresente uma proposta de plano de ação para atender a esse compromisso. “Queremos o BRDE reconhecido como uma organização que está alinhada com os princípios fundamentais de respeito à diversidade, que atue na inclusão e na liberdade de expressão e que atue fortemente contra a discriminação”, destacou Leany Lemos.

A partir desta iniciativa, acrescentou a presidente, o BRDE renova seu alinhamento perante os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), onde a igualdade de gênero está presente com a finalidade de promover o desenvolvimento econômico, social, cultural e política de maneira equânime. “A partir da valorização da diversidade, o BRDE amplia seu compromisso de atuar de maneira inclusiva e capaz de compreender e atender as necessidades atuais da nossa sociedade”, frisou ela.

Objetivo é apoiar empresas que tenham presença feminina no comando a gerarem renda e empregos na região Sul

Com foco no estímulo ao empreendedorismo feminino e contribuir com o desenvolvimento econômico e social na região Sul do país, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) irá disponibilizar um programa de crédito exclusivo para empresas lideradas por mulheres. O anúncio do BRDE Empreendedoras do Sul ocorreu nesta segunda-feira (8/3), durante atividade organizada pelo banco para marcar o Dia Internacional da Mulher. Durante a semana estão programadas palestras diárias abordando temas da atualidade com impacto nas questões de gênero.
“Será um programa com condições atrativas e por meio de uma análise de crédito simplificada para que as mulheres empreendedoras tenham do BRDE o efetivo apoio para suas empresas, quer sejam elas grandes, médias e pequenas”, antecipou a diretora-presidente do banco, Leany Lemos. O financiamento será destinado para aquelas empresas que tenham mulheres como donas ou sócias detendo no mínimo 50% do capital social.
Os últimos detalhes do programa serão definidos em reunião de diretoria do BRDE nesta terça-feira (9), possibilitando o lançamento do novo produto já nos próximos dias. A ideia é disponibilizar financiamento para apoiar investimentos fixos a serem realizados na região Sul e capital de giro para empresas sediadas nos três estados de atuação do banco: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Semana da Mulher
Dentro das comemorações do Dia Internacional da Mulher, o BRDE organizou um ciclo de palestras, com transmissões diárias a partir das 14 horas pelo canal do Youtube (@brdeoficial). No primeiro dia, a participação foi da jornalista Kelly Matos, que atua há 15 anos no Grupo RBS. Nesta terça-feira (9/3) a convidada é a vice-presidente executiva do Banco Santander Brasil, Patricia Audi. Ela é responsável pelas áreas de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do banco, mas vem de uma longa experiência no setor público.

Para marcar as comemorações pelo Dia Internacional da Mulher, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está organizando uma série de palestras abordando temas da atualidade com impacto nas questões de gênero.  Com transmissões diárias a partir desta segunda-feira (8/3) e até a próxima sexta-feira (12/3), sempre iniciando às 14 horas, as lives terão a presença de mulheres com atuação em diferentes áreas, tratando de temas como a presença feminina em postos de liderança das organizações, ativismo, a questão da violência e os paradigmas que são enfrentados para alcançar o reconhecimento no seu meio profissional.

As palestras serão transmitidas pelo canal do banco no Youtube (@brdeoficial). No primeiro dia, a convidada é a jornalista Kelly Matos, que atua há 15 anos no Grupo RBS. Sempre com posições afirmativas em defesa dos direitos das mulheres, a jornalista vai tratar da importância e o significado do voluntariado para quem atua em diferentes causas sociais. No dia seguinte (9/3), o ciclo terá a participação da vice-presidente executiva do Banco Santander Brasil, Patricia Audi. Ela é responsável pelas áreas de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do banco, mas vem de uma longa experiência no setor público.

Parceiro estratégico ao desenvolvimento econômico e social da região do Sul do país, o BRDE está próximo de chegar aos 60 anos e, ao longo dessa trajetória, pela primeira vez tem uma mulher integrando a direção do banco. “Por isso, as comemorações pelo Dia da Mulher têm um significado muito especial e remetem a uma reflexão sobre o papel da mulher na sociedade contemporânea e sobre equidade, assim como nos permite compartilhar histórias que servem de inspiração a todos e todas nós”, destaca a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos.

Paradigmas

Na quarta-feira (10/3), está prevista a palestra da delegada Nadine Anflor, primeira mulher a ocupar a chefia da Polícia Civil no Rio Grande do Sul em mais de 177 anos da instituição. Já quinta-feira 11/3), será a vez da cientista política, escritora e consultora Débora Thomé falar como a mulher ocupando lugar de liderança por impactar na sua organização, “na vida pessoal e no mundo”.

O ciclo encerra na sexta-feira (12/3) com a participação da empresária gaúcha Maristela Cusin Longhi, com forte atuação no segmento da indústria moveleira. Ela é sócia diretora da Multimóveis e tem uma longa trajetória em entidades do setor. É a primeira mulher a estar à frente do Conselho de Administração nos 96 anos de história do Tacchini Sistema de Saúde, de Bento Gonçalves (RS) e também preside atualmente a Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário.

As transmissões são abertas ao público e com duração máxima prevista de 30 minutos.

Serviço

PROGRAMAÇÃO SEMANA DA MULHER BRDE

Transmissão: canal do Youtube (@brdeoficial)

Palestras/Lives

Dia 8/3 – 14 horas

Kelly Mattos, Jornalista – Tema: “É ativismo, voluntariado… é inspiração”

Dia 9/3 – 14 horas

Patrícia Audi, Vice-Presidente Executiva do Santander do Brasil – Tema: “A mulher nos espaços de poder – desafios e conquistas”

Dia 10/3 – 14 horas

Nadine Anflor – Delegada e Chefe da Polícia Civil do RS – Tema: “Liderança feminina e as forças de Segurança Pública”

Dia 11/3 – 14 horas

Débora Thomé – Cientista Política, Escritora e Consultora – Tema: “Mulheres e liderança – como transformar você, sua empresa e o mundo”

Dia 12/3 – 14 horas

Maristela Cusin Longhi – Diretora da Multimóveis, Presidente da Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário e Vice- Presidente do CIERGS – Tema: “Quebrando Paradigmas”

Ação dá maior agilidade na oferta de crédito para projetos de desenvolvimento da região Sul

Dentro do processo de diversificação de suas fontes de captação de recursos, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) realizou essa semana sua primeira operação no mercado de capitais desde a década de 80. Ao efetivar a venda de R$ 10 milhões em Recibos de Depósitos Bancários (RDBs), o BRDE faz sua estreia na emissão e oferta de títulos dentro de um projeto piloto que prevê captação global de R$ 30 milhões. A operação foi fechada pela Agência de Curitiba e teve como comprador um cliente já com um longo histórico de relacionamento com o banco no estado do Paraná.

A ida ao mercado através da emissão de RDBs fez parte uma estratégia do BRDE definida no início de 2020 e autorizada ainda no mês de dezembro. Como projeto piloto, através da modalidade de depósito a prazo, a operação prevê a captação de até R$ 10 milhões por cada uma das três agências do banco. “É um marco importante para o banco e reflete, além de uma estratégia iniciada nos últimos anos em termos de diversificação de funding, um esforço muito grande de diferentes áreas da organização”, salienta a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos.

Os recursos serão alocados no Fundo BRDE de Promoção ao Desenvolvimento Produtivo, Sustentável e Social dos Estados da Região (BRDE Promove Sul) e serão aplicados no fundo rotativo estadual de respectiva agência que realizou a venda dos RDBs.

“Essa diversificação de funding é muito importante para a independência do banco. Isso mostra toda a estratégia que o BRDE vem traçando nos últimos anos para conquistar esse resultado agora”, comemora o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley. Ainda segundo o vice-presidente, isso garante maior agilidade na oferta de crédito para projetos de desenvolvimento da região Sul.

O projeto de emissão de RDB´s é conduzido pela equipe da Diretoria Financeira do banco, conta com o apoio de outros setores e tem como público alvo clientes ou instituições parcerias do BRDE devidamente habilitados conforme regras da Comissão de Valores Mobiliários. Para o diretor Financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, “esta ação reflete a dedicação das equipes do banco empenhadas no trabalho de ampliar a diversificação de oferta de recursos, contribuindo para desenvolver a Região Sul”.

“A ida ao mercado através da emissão de RDBs faz parte da estratégia do BRDE de ampliação da captação de recursos nacionais e internacionais. A se confirmar a tendência atual de disponibilidade de recursos, essa estratégia de diversificação para o mercado se ampliará nos próximos anos”, complementa o diretor de Planejamento, Luiz Corrêa Noronha. A emissão dos títulos tem valor unitário de R$ 1 mil e, por se tratar de uma primeira experiência da instituição com essa natureza, está direcionada a um único investidor interessado em cada agência.

 

O novo app tem o objetivo de aproximar o BRDE das pessoas e facilitar o acesso a todas as opções de crédito, solicitações de financiamentos e consultas ao andamento de suas operações com o banco

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) lançou, nesta terça-feira (23), um aplicativo com o objetivo de aproximar e facilitar cada vez mais o contato dos clientes com a instituição. Através do app, será possível solicitar financiamentos, conhecer todas as linhas de crédito do BRDE, consultar extratos e saldos de operações, acessar as informações das parcelas de financiamentos e tirar dúvidas. A plataforma já está disponível para os sistemas iOS (AppStore) e Android (PlayStore).

Desenvolvida em parceria com a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), a ferramenta vai funcionar como uma espécie de internet banking para quem já é cliente do BRDE, onde será possível acessar a conta e todas as informações de contrato e parcelas. Para quem ainda não é cliente, o aplicativo permite acessar todos os produtos que o banco oferece.

O lançamento do aplicativo aconteceu durante a reunião online que mobilizou os funcionários dos três estados de atuação do banco: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Na oportunidade, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, salientou que a necessidade de ampliar a oferta de serviços digitais aos clientes está em grandes desafios estratégicos da instituição. “Somos um banco que apoia projetos com grande impacto ao desenvolvimento econômico e social da região Sul, grande parte deles voltados à inovação. Portanto, é preciso que, internamente, tenhamos essa mesma visão, que assegura novas soluções no relacionamento com clientes e demais parceiros”, acrescentou ela.

O vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley, observou que, em seus 60 anos de atuação, o banco vem assumindo um compromisso com a inovação, sempre buscando novas formas de incentivar o desenvolvimento de seus parceiros e o seu próprio. “Além de buscar cada vez mais liberar créditos voltados à inovação, ajudar o estado do Paraná a estar sempre à frente em desenvolvimento e tecnologia, nós buscamos o nosso desenvolvimento, digitalizando processos e agora com o novo aplicativo facilitando a aproximação com nossos clientes”, completou Bley.

O diretor financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, destaca que “o lançamento do aplicativo reforça ainda mais uma nova lógica de atuação, mais prática e 100% digital. E não poderia ser num ano mais significativo, quando o banco completa 60 anos. O projeto marca a modernização da instituição que busca sempre a inovação alinhada ao desenvolvimento da região Sul do país, fazendo com que a tecnologia colabore diretamente na melhoria de vida das pessoas”.

Para o presidente da Celepar, Leandro Victorino de Moura, o BRDE está entre os líderes nacionais que apoiam microempreendedores e empresas inovadoras. “O banco é um grande aliado nosso para fomentar a inovação dentro do nosso Estado. Essa parceria da Celepar com o BRDE está disponibilizando uma solução que vai permitir ampliar ainda mais o acesso ao crédito e fomentar o empreendedorismo”, diz Moura.

O lançamento contou com a participação dos demais integrantes da Diretoria do BRDE; do diretor de Tecnologia da Celepar, Aníbal Mendes, assim como representantes da Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) do banco, que igualmente atuaram diretamente no projeto do aplicativo e fizeram uma apresentação técnica da ferramenta.

A segunda edição do Programa BRDE LABS RS inicia com a publicação do edital

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) publicou, nesta quinta-feira (18/02), edital com a finalidade de selecionar a Aceleradora ou Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) que executará as atividades da segunda edição do BRDE LABS no Rio Grande do Sul.

Lançado em 2019, este programa de apoio à inovação promove a aceleração de startups com foco em melhorias na gestão e estruturação das empresas de forma a alavancar recursos futuros ou parcerias que contribuam para seu desenvolvimento operacional.

O processo de aceleração conduzido pela instituição selecionada terá duração de quatro meses e beneficiará de 10 a 14 startups, devendo iniciar no máximo até 01/08/21. A metodologia de criação e aceleração será definida pela Aceleradora ou ICT, e abordará aspectos como modelo de diagnóstico e acompanhamento das startups, capacitações, workshops, consultorias técnicas e de negócios, mentorias e oportunidades de conexão com o mercado e os potenciais investidores.

Serão priorizadas as seguintes áreas de interesse: Agronegócio, Saúde, Indústria 4.0 – IoT, Tecnologia da Informação, Logística e Meio Ambiente, a exemplo da edição anterior. Em 2020, inscreveram-se no BRDE LABS 188 startups com atuação no Estado. Dessas, 30 participaram da etapa de pré-aceleração e doze foram selecionadas para a aceleração. Ao final, as três que apresentaram o melhor desempenho durante o programa foram premiadas, sendo uma com atuação em Saúde e duas em Agronegócio.

Saiba mais sobre o EDITAL BRDE 2020/163 em https://www.brde.com.br/licitacoes-e-contratos/

A partir da percepção de importantes lideranças políticas, sindicais e de entidades empresariais, um estudo envolvendo diferentes setores produtivos do Rio Grande do Sul procurou identificar os impactos da pandemia de Covid-19, mas também indicar perspectivas para uma retomada da atividade econômica em 2021. O `Censo 2020-21 – O Rio Grande Após a Pandemia´ contou com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e seus resultados foram apresentados nesta quarta-feira (27/1), em evento realizado na Assembleia Legislativa. Para uma maioria de 53,1% dos segmentos consultados existe uma expectativa de crescimento neste ano por conta de uma retomada da economia, ampliação do consumo e condições climáticas mais favoráveis.

A divulgação do estudo contou com as presenças do presidente da Assembleia gaúcha, deputado Ernani Polo, da diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos; do secretário estadual de Planejamento, Governança e Gestão, Claudio Gastal; do desembargador Francisco José Moesch, representando o Poder Judiciário; do presidente da Famurs, Maneco Hassen, e do defensor público-geral, Antonio Flávio de Oliveira, além de representantes dos demais parceiros que apoiaram o projeto. O projeto foi desenvolvido pela Consultoria Confirma Brasil e as pesquisas realizadas pela equipe do Instituto Pesquisas de Opinião (IPO), entre os dias 3 de dezembro de 2020 e 7 de janeiro de 2021.

A pesquisa indicou que a pandemia trouxe perdas financeiras para 59,4% dos setores produtivos, com uma estimativa média de até dois anos para a recuperação desse impacto. Dos segmentos ouvidos no Censo 2020-21, 82,1% dizem que precisaram recorrer a capital de giro emergencial, majoritariamente (59,2%) utilizado para os compromissos com os salários.

“Foi diante deste contexto da pandemia no dia a dia das empresas que o BRDE agiu rápido ao lançar o programa Recupera Sul, com recursos para capital de giro e também microcrédito. Foram mais de R$ 445 milhões contratados em auxílio dos setores mais afetados pela pandemia, ajudando a preservar empregos”, destacou a presidente Leany Lemos. Para ela, os resultados da pesquisa ajudam a reforçar a política do banco para o desenvolvimento econômico e social dos três estados onde opera: além do RS, Santa Catarina e Paraná.

Retomada

Na comparação com os demais setores, o agronegócio teve percentual menor de perdas (28.7%) e associadas à estiagem que o RS sofreu no ano passado. Mas o setor, segundo o estudo, é apontado como principal âncora de recuperação da economia, incluindo boas perspectivas de crescimento por conta das exportações. “O agro, o que inclui o importante papel das cooperativas, tem no BRDE um grande parceiro, o que reforça mais ainda o nosso papel estratégico nesse momento”, acrescentou Leany Lemos

A pesquisa identificou que os impactos nos setores do comércio e da indústria resultaram da situação geral da economia (consumo reprimido). Porém as perdas foram maiores para o segmento industrial por conta da falta de matéria-prima e produtos.

As empresas ouvidas avaliam que a retomada da produtividade e do nível de competitividade dependerá de uma combinação de fatores, entre eles maior estímulo ao empreendedor e redução da carga tributária. As lideranças ouvidas consideram também importante que os bancos públicos mantenham linhas emergenciais, em especial para micro e pequenas empresas, assim como sugerem políticas públicas para combater o aumento da pobreza, através ações de renda mínima para os mais vulneráveis, programas de moradia e de geração de emprego.

Na avaliação do diretor de Planejamento do BRDE, Luiz Corrêa Noronha, a Assembleia Legislativa e parceiros do Censo 2020-21 estão oferecendo uma importante contribuição para o mapeamento de soluções possíveis diante dos problemas que ainda impactam todos os setores. “A escuta de líderes setoriais e gestores públicos, realizada de forma profissional, é estratégica porque qualifica e joga luz sobre as discussões atuais”, considerou Noronha.

Além do BRDE, o Censo 2020-21 teve o apoio do Banrisul, Badesul – Agência de Fomento e da Federação das Associações dos Municípios do RS (Famurs). Roram realizadas 429 entrevistas, com lideranças que têm representação em áreas como comércio, serviços, indústria, cooperativas e da gestão pública e integram entidades como Farsul, Federasul, Fecomercio, Fiergs, FecoAgro/RS, Fetag/RS e Sebrae/ RS, além de prefeituras.

.