BRDE

Tour com a fundadora Anna-Sophie Croukamp mostra a beleza da Mata Atlântica, conservação das espécies e investimentos turísticos da região

O encontro de diretores do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro e parceiros do banco, na manhã desta terça-feira (08), no Parque das Aves, em Foz, foi uma demonstração de sinergia no grupo, que realizou um tour com monitoria da fundadora do local, a veterinária Anna-Sophie Croukamp.

A trilha com espécies da Mata Atlântica, seu histórico de preservação ambiental, além da infraestrutura para visitantes, levantou a discussão sobre fomento de turismo local e os aportes do BRDE no setor, com projeções para planos futuros nessa área, incluindo a proposta do “banco verde”. O presidente do BRDE, Wilson Bley Lispki ressaltou sobre “o alinhamento do banco e estratégia na entrega de créditos e a discussão com o Ministério do Turismo para abertura de mais um aporte via Fungetur (linha de crédito destinada à empresas do setor do turismo, com diferenciado) e dessa forma, o BRDE se consolidar como o maior e melhor banco de desenvolvimento”.

Através do financiamento realizado com o BRDE em 2021, foram captados R$ 3 milhões em Capital de Giro, através da Fungetur para o Parque das Aves. Esses recursos foram utilizados para reforçar o caixa da empresa, uma vez que o volume de visitantes no ano de 2021 ainda sofria os efeitos da pandemia.

Bley também falou sobre a perspectiva da criação do “fundo verde”, para apoio de projetos que tragam efetivamente o mote da sustentabilidade e possibilidade de investimentos em ações que estejam de acordo com as diretrizes do COP26 de neutralização das emissões de carbono.

Chico Brasileiro disse que “o BRDE com suas operações de crédito e fundos ao segmento, proporciona visibilidade para Foz e à exemplo da trilha percorrida no Parque das Aves, proporciona à população uma experiência ambiental e sócio-ambiental”. Anna- Sophie completou com o histórico do parque, quando chegou com seu marido, Dennis Cruokamp e depois de ganharem um papagaio-do-congo, começara a criar mais aves da mesma espécie. “Em 1993 compramos 16 hectares ao lado do Parque Nacional do Iguaçu e em 94 inauguravam o parque”, concluiu.

Também estiveram presentes, Luiz Carlos Borges da Silveira, diretor administrativo do BRDE, Otomar Oleques Vivian, diretor de Planejamento do BRDE, Eduardo Pinho Moreira, diretor financeiro do BRDE, Adriano Azeredo da Inovva, e Jurema Fernandes da Movie Cars.

Com a intenção de fomentar futuros projetos no setor do Agro, Tecnologia e Inovação, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Fundação Parque Tecnológico de Itaipu assinaram na tarde desta segunda-feira (07), um protocolo de intenções, a fim de ratificar o compromisso de promover ações nessas áreas, por meio de Acordo de Cooperação Técnica.

Na parceria, o BRDE busca ações conjuntas para desenvolver e apoiar programas, projetos e ações de comum interesse, com ênfase nos processos de inovação, capacitação de novas tecnologias, segundo princípios de sustentabilidade e efetividade.

A assinatura aconteceu no espaço PTI do Show Rural em Cascavel. O diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira, falou sobre o papel do banco em seus programas de aceleração de startups e eventos de tecnologia e inovação: “ O BRDE faz um trabalho de referência nessas áreas e com apoio de parceiros da região Oeste, contribuímos juntos para os avanços tecnológicos que precisam ser atualizados”.

O diretor superintendente do PTI-BR General Eduardo Garrido, comentou a respeito das possibilidades de startups e programas de inovação busquem mecanismos de financiamento. “Essa parceria tem o sentido de criar condições, para alavancar propostas dessas empresas de tecnologia para transformar sonho em realidade, ideias em produto, gerando emprego, renda e qualidade de vida do cidadão”, concluiu.

No evento também participaram o gerente de tecnologia da informação da Coopavel, Rogério Aver e diretor de expansão do Exohub, Michel Costa.

SHOW RURAL – Nesta segunda-feira (7), o Hospital do Câncer Uopeccan de Cascavel recebeu a visita da direção do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), que destinou R$ 558.751,95 à instituição de saúde.

Para o diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira, a ação é uma forma de reconhecer o trabalho de excelência oferecido pelo Uopeccan. “O Hospital do Câncer Uopeccan é referência para as cidades de Cascavel e Umuarama e suas comunidades vizinhas e os recursos destinados pelo Banco são apenas reconhecimento disto”, afirmou.

Os recursos são de incentivo fiscal e serão aplicados em ações do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica – Pronon (R$ 446.399,57) e Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência – Pronas (R$ 112.352.38). A unidade do Uopeccan em Umuarama (Noroeste) também foi beneficiada.

Entre as dezenas de operações de crédito, financiamento e repasse de recursos para projetos sociais, culturais e esportivos realizadas pelo BRDE, os incentivos fiscais – mecanismo de renúncia fiscal – tiveram aplicação de R$ 3,7 milhões, em 95 propostas em todo o Paraná, nos últimos três anos. Saiba mais sobre os incentivos fiscais do BRDE aqui.

PRONON E PRONAS – O Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) foi criado pelo Ministério da Saúde para incentivar ações e serviços desenvolvidos por entidades, associações e fundações privadas sem fins lucrativos, que atuam no campo da oncologia.

O projeto com o BRDE tem como objetivo contribuir para a aquisição do equipamento de tomografia de alta complexidade de 64 canais.

No “Uopeccan para todos”, por intermédio do Pronas, o intuito é ofertar curso de Libras aos colaboradores da saúde da 12ª Regional de Saúde de Umuarama.

O Hospital do Câncer Uopeccan, com sede em Cascavel (Oeste) e unidade em Umuarama (Noroeste), receberá R$ 558.751,95 do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Os recursos são de incentivo fiscal e serão aplicados em ações do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica – Pronon (R$ 446.399,57) e Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência – Pronas (R$ 112.352.38).

Na próxima segunda-feira (7), o Uopeccan de Cascavel recebe a visita institucional da direção do BRDE. Está prevista na agenda a participação da diretoria e gerência da Uopeccan.

Segundo o presidente do Conselho do Superior da hospital, Ciro Antonio Kreuz, iniciativas como essa são essenciais para continuar oferecendo atendimento humanizado e de qualidade aos pacientes.

“Com esse apoio vamos conseguir mais inclusão social, através da capacitação em Libras de profissionais da saúde da 12ª Regional de Saúde de Umuarama, facilitando a comunicação entre a equipe multidisciplinar e os pacientes. Além do equipamento de tomografia, que trará mais agilidade e precisão na realização dos nossos serviços”, diz.

Entre as dezenas de operações de crédito, financiamento e repasse de recursos para projetos sociais, culturais e esportivos realizadas pelo BRDE, os incentivos fiscais – mecanismo de renúncia fiscal – tiveram aplicação de R$ 3,7 milhões, em 95 propostas em todo o Paraná, nos últimos três anos.

“Os recursos destinados por meio dos incentivos fiscais ao Hospital do Câncer Uopeccan é o reconhecimento deste trabalho imprescindível para as cidades de Cascavel e Umuarama e suas comunidades vizinhas, num atendimento de referência”, comenta o diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira.

 

PRONON E PRONAS – O Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) foi criado pelo Ministério da Saúde para incentivar ações e serviços desenvolvidos por entidades, associações e fundações privadas sem fins lucrativos, que atuam no campo da oncologia.

O projeto com o BRDE tem como objetivo contribuir para a aquisição do equipamento de tomografia de alta complexidade de 64 canais.

No “Uopeccan para todos”, por intermédio do Pronas, o intuito é ofertar curso de Libras aos colaboradores da saúde da 12ª Regional de Saúde de Umuarama.

São empresas, cooperativas e produtores rurais com projetos de modernização e expansão de atividades agroindustriais, melhorias e investimentos em estrutura de fazendas de produção agrícola, irrigação, armazenagem, logística, geração e transmissão de energia.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vai assinar 20 contratos com clientes do Paraná e Mato Grosso do Sul, durante o Show Rural, que acontece em Cascavel, de 07 a 11 de fevereiro. São empresas, cooperativas e produtores rurais com projetos de modernização e expansão de atividades agroindustriais, melhorias e investimentos em estrutura de fazendas de produção agrícola, irrigação, armazenagem, logística, geração e transmissão de energia. Os investimentos somam R$ 200 milhões.

“O princípio maior do BRDE, determinado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, trata da pulverização dos recursos, que nós pudéssemos alcançar nossa capacidade de financiamento a todos os perfis que precisam de crédito. E vale enaltecer e valorizar as parcerias com as cooperativas de crédito que fazem com que essa capilaridade se realize na prática, trazendo desenvolvimento econômico e emprego ao Paraná”, comentou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

As operações envolvem parcerias, financiamentos, linhas de crédito, e produtos e serviços do BRDE no setor do agronegócio, que movimentou 60% das contratações em 2021, ano em que o banco atingiu R$ 1,4 bilhões de contratos. “O BRDE é parceiro no setor produtivo nos três estados do Sul e nossa aptidão em entregar e receber bons créditos. Esse é o objetivo da presença no Show Rural 2022”, concluiu.

PROGRAMAÇÃO

Além das assinaturas dos contratos, estão programadas para acontecer no Show Rural a reunião da Diretoria do BRDE com os diretores dos três estados do Sul; um repasse de R$ 558 mil por meio do PRONON e Pronas, via lei de incentivos fiscais, ao Hospital do Câncer UOPECCAN; e a assinatura do Protocolo de Intenções no Parque da Aves, numa linha de financiamento realizado com o BRDE, com R$ 3 milhões em capital de giro pelo Fungetur.

Num stand de 100 metros quadrados, a equipe do BRDE composta pela diretoria, gerentes, atendimento e comunicação vai promover diversas atividades com clientes, parceiros e visitantes, a fim de apresentar as operações em projetos e investimentos, máquinas e equipamentos, inovação, energia renovável, infraestrutura, turismo e agronegócio.

Financiamentos são destinados principalmente aos pequenos e médios produtores rurais da região

Os investimentos destinados ao setor da Agropecuária no Paraná representaram 24,2% dos contratos firmados pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o que equivale a aproximadamente R$ 317 milhões, em 2021. Desse total, mais de R$ 37 milhões ajudaram a alavancar a agricultura e a pecuária do Norte Pioneiro. E, na contratação das agências dos três Estados da Região Sul, cerca de R$ um bilhão foi destinado ao setor. No Paraná, 504 contratos foram fechados com produtores rurais, num investimento aproximado de R$ 170 milhões.

Trabalhador rural desde os 12 anos, Adão Valério Vigar, hoje com 53, morador de Leópolis, no Norte Pioneiro, conhece os avanços que a tecnologia trouxe para o campo. Para modernizar a produção, o pequeno agricultor se tornou associado à CrediAliança, parceira do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), desde 2003. No ano passado, ele conseguiu por meio dessa parceria, financiamento para comprar uma ensiladeira, equipamento usado para triturar a massa verde descartada de culturas como o milho.

Parceria

A conquista de Adão é resultado da parceria de 20 anos entre o BRDE e a cooperativa. O convênio funciona através de um Termo de Cooperação Técnica entre as instituições e tem como objetivo financiar os associados através das linhas e recursos do BNDES. Ivan Marcos Wentz, presidente da instituição, faz uma retrospectiva dos avanços desse período.

“Em termos financeiros, reconhecemos a importância agregada no resultado da cooperativa, mas sem dúvida o maior ganho é poder atender nosso quadro social em suas necessidades. Com isso, conseguimos fomentar a produção e a produtividade rural, bem como sua circulação e industrialização”, ressalta Ivan. O diretor ainda destaca a adimplência das operações desde o início da parceria, que demonstra o sucesso dos critérios nas análises do crédito e o comprometimento com a modernização dos associados.

Para o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski , “mais do que financiar R$ 4 bilhões em 2021, o que o BRDE fez, foi possibilitar o investimento de produtores como o Adão, que podem hoje mostrar os equipamentos adquiridos e as conquistas na melhora da produtividade do campo. E isso em parceria com instituições do nosso Paraná como a Credialiança, conveniada que faz chegar na ponta o que sozinhos não é possível. Desenvolvimento, cooperação e produção, são nossas metas!”, concluiu.

Adão, que produz principalmente soja e milho, reconhece o convênio como fundamental para o desenvolvimento de pequenos produtores da região. “Se um não acreditar no outro, não tem negócio. Comprar a ensiladeira dessa forma foi um ótimo investimento, fiquei contente, pois o prazo é bom, os juros são bons, as parcelas ficaram acessíveis. Já estou usando a máquina e a primeira parcela só pago em abril”, contou.

Segundo Ivan, a parceria tem importância no desenvolvimento financeiro e na produtividade, pois permite modernizar e alavancar as atividades dos associados. “Com isso, nosso Paraná ganha com a geração e a industrialização da cadeia do agronegócio, setor importante na produção de alimentos do nosso país”, concluiu.

Os financiamentos visam atender todo o quadro social da cooperativa, o que envolve atividades agrícolas, pecuárias, leiteiras, fruticulturas e outras. Para saber mais sobre os programas e linhas de crédito no Norte Pioneiro e em outras regiões do Estado, fale direto com a equipe BRDE pelo WhatsApp.

Foram injetados R$ 151 milhões às cooperativas de produção ano passado; região Oeste recebeu 29% dos financiamentos nesse período

 

Nos últimos três anos, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) financiou aproximadamente um bilhão em investimentos na produção agropecuária paranaense. O Agronegócio, que inclui agroindústrias e outras empresas do setor, representa cerca de 60% da carteira do banco. O (BRDE) superou todas as expectativas de contratações em 2021, com uma carteira de crédito que o colocou entre as 500 empresas maiores do Sul do Brasil e terceira instituição financeira da região, conforme divulgado no evento “500 Maiores do Sul”, do Grupo Amanhã, realizado em novembro passado.

Em 2021, os contratos no Paraná totalizaram R$ 1,4 bilhões, com 29,5% desse valor destinado à produção agropecuária e R$ 151 milhões a investimentos das cooperativas de produção. Ainda, deste total, 29% dos financiamentos foram contratados para projetos na região Oeste do estado.

Além disso, o banco equalizou os desafios da pandemia e bateu a meta histórica no ano passado, com R$ 4,14 bilhões de contratos nos estados de atuação (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul), ano em que completou 60 anos de sua fundação. Em 2013 era registrada a melhor marca até então, quando as aplicações chegaram a R$ 3,76 bilhões.

O porte de investimentos destinados aos produtores rurais foi de R$ 638 milhões. “Firmamos parcerias com cooperativas de crédito, em operações de segundo piso, que nos dá uma pulverização desses recursos, uma redução do tíquete médio, traçando um perfil menos sisudo e mais acessível às necessidades da sociedade” – detalhou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

 

Ações em destaque – Ainda em 2021, o BRDE e Sicredi realizaram 2.236 contratações, totalizando R$ 68 milhões. O ticket médio é de R$ 30 mil, sendo a maioria financiamentos pelo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

A inserção no Plano nos anos 2020/21, permitiu ao BRDE a equalização de juros a pequenos e médios agricultores, usando recursos próprios.

Há quase um ano em parceria com a Fomento Paraná, o BRDE lançou o Banco do Agricultor Paranaense, para incrementar as estratégias do Paraná com o agronegócio mundial e teve repasses que somaram mais de R$ 60 milhões desde a sua criação. Foram 373 projetos apoiados no estado.

 

Banco do Agricultor Paranaense – Projeto de irrigação em Paranavaí faz a diferença

Foto: José Gabriel Jesus

O projeto de irrigação de 97 hectares de plantação de laranja em Paranavaí, na propriedade de Vilmar Pasquali recebe assistência técnica de profissionais da UNICAMPO, que é uma cooperativa que presta esse serviço. Os recursos foram financiados pelo BRDE via Banco do Agricultor Paranaense, com convênio do Sicredi. Houve a aquisição de dois sistemas de irrigação por gotejamento, que introduz a tecnologia para o produtor rural, elevando seu status para empresário inovador.

O técnico em Agropecuária que dá suporte ao projeto, José Gabriel Jesus, contou que em 2021 Vilmar o procurou no escritório UNICAMPO com a proposta em mãos. “A partir disso fomos atrás de recursos e chegamos até o BRDE para fazer esse financiamento, através do Banco do Agricultor, com subvenção de taxas de juros para irrigação e outras ações. Já está em funcionamento e é de extrema importância essa irrigação, porque na cultura do citrus, seu desenvolvimento depende de água, para enchimento do fruto, floração e no atual cenário, com muitas intempéries climáticas, ele desvia de problemas como a seca, além de maior produtividade”, analisa o técnico. “Essas linhas de financiamento são importantes ao desenvolvimento da Agricultura, tanto para seu Vilmar como para outros produtores rurais, pois com o acesso a essas operações, ele consegue se desenvolver e aumentar sua demanda”, concluiu.

 

Copacol e BRDE, uma parceria com incrementos no Agro

Uma das principais cooperativas agropecuárias do Brasil, a Copacol tem o apoio do BRDE na ampliação do abatedouro de aves em Cafelândia. De acordo com o projeto, a capacidade de abate foi incrementada com a média de 380 mil aves diárias, em execução desde 2018 e com aportes de recursos do banco em diversas etapas.

Outro investimento recente, se trata de aquisição de equipamentos para cortes, automação e embalagem de congelados. O contrato com o BRDE ainda contempla construção de depósitos de calcário com 1,5 mil metros quadrados e substituição de máquinas de limpeza na unidade Central Santa Cruz. Todo esse incremento impacta na melhora da logística de recebimento e entrega de calcário e no beneficiamento de grãos.

O diretor-presidente da Copacol, Valter Pitol prestou seu depoimento sobe o financiamento com o BRDE:

“Para crescer e oferecer oportunidades é preciso planejar e investir continuamente. Em nosso Planejamento Estratégico contamos com a importante parceria do BRDE, participando da expansão da Cooperativa e garantindo melhores resultados a cada um dos nossos 6,7 mil cooperados. Em 2021 atingimos R$ 7,9 bilhões em faturamento e temos a meta de chegar a R$ 10 bilhões até 2025, diversificando as atividades em grãos, aves, suínos, leite e peixes, sempre com o compromisso de produzir alimentos com excelência. Além disso, o apoio do BRDE aos nossos produtores, financiando projetos de obras e melhorias, é fundamental para o desenvolvimento e a evolução das propriedades.

O mais recente investimento feito em parceria com o BRDE na Unidade Industrial de Aves possibilita melhorar as condições de operação e aumentar a geração de emprego. Com esse apoio temos a segurança de continuar investindo, gerando desenvolvimento a todos, seja no campo ou na cidade. É uma relação de confiança de décadas, com grandes metas pela frente, que serão alcançadas graças à parceria com o BRDE”, finalizou Pitol.

Mais informações sobre as linhas de crédito, financiamento e investimento do BRDE, com a equipe que atende diretamente pelo WhatsApp.

 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) busca iniciativas e estuda soluções, a fim de reduzir os impactos da severa estiagem da Região Sul do país. Diante desse quadro que afeta diretamente a produção agrícola, a diretoria do banco está em comunicação com o Banco Nacional de Desenvolvimento  Econômico e Social (BNDES), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e outros agentes setoriais e  governamentais, em demonstração e apoio para estratégias conjuntas e suporte nesse momento, além de diagnósticos e monitoramento da situação nas regiões mais atingidas com a seca.

De acordo com levantamento dos governos dos três estados, 295 municípios estão em estado de emergência ou calamidade pública e outros 178 estão ameaçados de entrar nesse perfil. A falta de chuvas atinge drasticamente o setor agrícola e os produtores rurais, o que afeta a contribuição do setor primário ao PIB da Região Sul do país.

* Matéria da Band News Curitiba – 96,3 FM

Mais de quatro bilhões de reais de recursos devem ser aplicados neste ano no Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, o BRDE, nos três estados da região sul. A boa expectativa vem do resultado atingido no ano passado, que superou a meta de 2021. Só no Paraná foram movimentados um bilhão e quatrocentos milhões de reais de contratações. Com esses números, o banco atingiu resultado 15% superior do volume previsto. De acordo com o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, o desafio agora é procurar outros meios de oferecer mais formas de créditos aos paranaenses.

Ele ressalta que o Governo do Estado, empresas, cooperativas, a indústria e as operações do BRDE contribuem para dar potência ao fomento de negócios e serviços, especialmente depois do período mais crítico causado pela pandemia.

Os setores de comércio/serviço representaram 32,5% dos contratos firmados no BRDE Paraná, enquanto agropecuária atingiu em torno de 29%; a indústria chegou a 20% e infraestrutura próximo aos 17%.

No Paraná, 177 startups se inscreverem no programa do BRDE em 2021 com foco na indústria; esse ano o tema será ESG

 

O programa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), que une empresas e startups a fim de acelerar o desenvolvimento do Paraná teve como destaque um modelo de gestão que é tendência: a inovação aberta. “O objetivo desse modelo é promover a colaboração com pessoas e organizações externas à empresa, expandindo os horizontes dos negócios, assim como propõe o BRDE Labs”, explicou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Cada ano, o programa tem um tema central que guia a escolha das empresas e, consequentemente, das startups. Em 2021, o foco foi a indústria do Paraná. As startups inscritas apresentaram propostas para nove empresas âncoras, que testaram as soluções dentro do próprio sistema. Até o momento, dois contratos foram assinados e sete estão em fase de negociação. Em 2022, o tema será ESG – Environmental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança, em português).

A experiência do BRDE Labs foi um divisor de águas na história da Specrux. A startup da área de monitoramento e processamento de dados, incubada na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), trabalhou em conjunto com a empresa âncora Enaex, líder em produção de explosivos e serviços de fragmentação de rocha. Ambas apontam a valorização da inovação aberta como ponto forte do programa.

 

Equipe da Specrux | Foto: divulgação

 

“Além de todas as mentorias que o programa nos forneceu gratuitamente, o contato com a Enaex foi um casamento perfeito: eles tinham problemas complexos, nós tínhamos vontade e técnica para resolvê-los”, conta Conrado Chiarello, cientista de dados da Specrux.

O desafio proposto pela Enaex foi testar a tecnologia de monitoramento da Specrux do nível de explosivos em diversos tanques. “Temos mais de 50 tanques em que fazemos as inspeções manualmente, e com o BRDE Labs aprovamos uma tecnologia que torna possível acompanhar esses dados à distância. A tecnologia já está validada e agora a gente precisa estabilizar um projeto padrão para digitalizar todos os nossos tanques estacionários, é isso que estamos fazendo”, explica Antoine Moreau, Líder de Inovação na Enaex Brasil.

Além disso, Antoine acredita que o BRDE cumpre seu papel como apoiador da inovação no Paraná e no Brasil ao ter programas que unem empresas e startups, ajudam a identificar problemas e encontrar soluções e viabilizam financeiramente projetos inovadores. “Nesse caso, empresas como BRDE são fundamentais. São agentes do ecossistema que, sem eles, o país conseguiria rodar um conjunto muito menor de projetos estratégicos. “A lógica do BRDE Labs é uma lógica vencedora”, conclui.

 

Local onde o sistema de monitoramento de dados foi instalado. O Sistema é composto por um módulo de energia elétrica, baseado em captação de energia fotovoltaica. A energia elétrica é direcionada para alimentação do sensor instalado em nossa área de tanques estacionários | Foto: divulgação

 

O projeto está em fase de contratação de um MVP (Minimum Viable Product = Produto Mínimo Viável), um modelo com o projeto detalhado e padronizado para instalar a tecnologia nas 50 unidades. As quatro primeiras serão instaladas até o final de junho | Foto: divulgação

 

Criado com o objetivo de acelerar o ambiente de inovação da Região Sul do Brasil, o BRDE Labs une empresas consolidadas a startups que possuem soluções inovadoras. Apenas em 2021, no Paraná, o programa teve 177 startups inscritas; 18 delas passaram pela fase de pré-aceleração e nove, pela de aceleração.

O objetivo central do programa é estimular a inovação, com isso, o BRDE Labs do Paraná também atuou na formação de profissionais. No último ano, foram 54 horas de treinamento, mais de 150 pessoas formadas e mais de 20 horas de conteúdos conduzidos por 27 palestrantes e transmitidos por lives que tiveram mais de 4 mil espectadores. Os participantes destacaram a mudança de paradigma que essa experiência em inovação aberta provocou para as empresas.

 

Acelerando a inovação: Hotmilk

O BRDE Labs 2021 foi desenvolvido em parceria com a Hotmilk, aceleradora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Trabalhar com ideias embrionárias, que buscam solucionar problemas, necessidades e desejos das pessoas e de outras empresas é o foco de uma aceleradora.

“Empresas que trabalham com aceleração de startups têm uma importância gigante para inovação, não apenas no Paraná, mas em todo o território nacional e arrisco dizer, que também em todo o planeta. É através da empresa aceleradora que empreendedores buscam parceria para validar e desenvolver seus negócios. Contando com um ecossistema repleto de diversidade e apoio, as empresas aceleradoras são verdadeiros motores de inovação”, sintetiza João Paulo Moreira, Head de Open Innovation da Hotmilk.
No programa do BRDE, a empresa foi responsável por formar os profissionais através das lives e mentorias e aproximar as startups das grandes empresas participantes do programa para solucionar os desafios listados. Por outro lado, João Paulo destaca que a participação no BRDE Labs representou mais um degrau no caminho da empresa rumo à inovação aberta.

 

Foto: divulgação

 

“Entre as vantagens dessa participação está a conexão entre as pessoas, novas empresas, startups… Cada movimento que fazemos de inovação aberta aumenta o nosso leque de transformação, que é o que queremos: levar cada vez mais transformação positiva através da inovação”, acredita.

 

Aperfeiçoamento de processos e novas parcerias: experiência Agidesk

O BRDE Labs intensificou a expansão da startup de Porto Alegre, focada em soluções odontológicas. Criada há 2 anos, a Agidesk é especialista no gerenciamento de processos de Tecnologia da Informação, Recursos Humanos, Marketing, Manutenção, Jurídico e Financeiro. A partir do programa, a startup fechou negócio com a Ibema, indústria de papéis da região.

“Fizemos a implantação do sistema inicialmente na área de TI e após apenas 2 semanas rodando a solução, fomos procurados por outras áreas de negócios que também tiveram o interesse no gerenciamento de processos e atendimentos nos seus departamentos”, conta Veridiana Caveiro, co-fundadora da Agidesk.

O programa permitiu ainda o aperfeiçoamento de processos já existentes na empresa, mas que passaram por um redesenho com a ajuda de experientes mentores que participaram do BRDE Labs. Por fim, a participação da startup também foi importante para ampliar a aproximação com outras empresas consolidadas do Paraná, que compõem o ecossistema de inovação do Estado.

Mais sobre BRDE Labs neste site.