BRDE

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) participa nesta semana em Quito, no Equador, da terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável (Habitat III). O evento começou na segunda-feira (17) e segue até quinta-feira (20). O diretor de Operações João Luiz Agner Regiani representa o BRDE no encontro.
A Habitat III é promovida pela Organização das Nações Unidas e Fundo Mundial para o Desenvolvimento das Cidades (FMDV) e reúne 15 chefes de Estado, 150 ministros, centenas de prefeitos, assim como representantes da sociedade civil, governos nacionais e locais, instituições de fomento e bancos de desenvolvimento. No total, são 36 mil participantes de todo o mundo discutindo como adotar uma nova agenda urbana para os próximos 20 anos.
O BRDE já havia participado em março deste ano da reunião temática “Financiar o Desenvolvimento Sustentável”, na Cidade do México, evento preparatório da Habitat III. Na ocasião, o banco, juntamente com outras instituições mundiais de fomento, incluindo Banco Mundial, KfW Bankengruppe [banco alemão de fomento], Agência Francesa de Desenvolvimento e Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento de Capital, participou das discussões e elaboração de propostas para a construção de um sistema financeiro de fomento capaz de atender a necessidade de expansão e melhoria da infraestrutura das cidades.
“O BRDE tem ampla expertise na área de financiamento a projetos sustentáveis, sendo um dos pioneiros a exigir adequação dos projetos à legislação ambiental para a concessão de crédito”, explica o diretor Regiani. Ele lembra ainda que o BRDE instituiu o Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis justamente para disponibilizar crédito com condições especiais para empreendimentos que minimizem impactos ambientais, como os de geração de energia limpa, eficiência energética, racionalização do uso da água e destinação adequada de resíduos. “Poucas instituições financeiras no mundo podem se orgulhar de atuar tanto junto aos empreendedores privados quanto dos governos municipais para promover o desenvolvimento urbano sustentável e o BRDE é uma delas”, disse Regiani.
PREFEITOS – Pouco antes da abertura oficial da Habitat III, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu aos prefeitos do mundo que adotem a nova agenda global para o desenvolvimento sustentável. “O papel de vocês está crescendo a cada ano (…). Vocês enfrentam demandas imediatas diárias de suas populações: por habitação, transporte, infraestrutura e serviços básicos”, lembrou o secretário-geral.
O desenvolvimento urbano é visto como cada vez mais importante para as Nações Unidas, uma vez que a população urbana mundial deve praticamente dobrar até 2050, exigindo atenção e planejamento dos gestores públicos para atender a necessidade de serviços e infraestrutura para o bem-estar das comunidades.
“Não podemos esquecer de que para garantir a qualidade de vida das populações urbanas é necessário haver infraestrutura, assim como incentivo ao crescimento das economias locais. As instituições financeiras de fomento de todo o mundo têm um importante papel nesse processo e precisam participar de discussões como a Habitat III”, finaliza Regiani.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) financiará a aquisição de soluções tecnológicas para empresas de todos os tamanhos. O financiamento será feito por meio do programa BNDES Soluções Tecnológicas, produto voltado ao mercado de comercialização de tecnologia no país.
O BNDES Soluções Tecnológicas foi lançado nesta terça-feira (18), na Agência do BRDE em Curitiba. O Banco foi escolhido pelo BNDES para ser o agente financeiro da nova linha de crédito na Região Sul. A linha, além de financiar a aquisição de soluções tecnológicas, será um canal de comunicação entre compradores e fornecedores.
“É uma oportunidade para as empresas incorporarem novas tecnologias a seus produtos e processos”, disse a gerente de Planejamento da Agência Paraná do BRDE, Tatiana Henn. “O novo produto é muito amplo, com um grande poder de mercado, porque oferece soluções em tecnologia para várias áreas da economia”, acrescentou.
A nova linha foi apresentada a parceiros e clientes do BRDE no Paraná pelos técnicos do BNDES Edson Moret e Raphael Azeredo, da equipe responsável pela operação do programa. “É um novo produto, que está ganhando escala, que aos poucos se tornará tão importante quando o cartão BNDES e o Finame”, destacou Azeredo.
Azeredo contou que o BNDES Soluções Tecnológicas surgiu depois de uma ampla análise de mercado, que apontou o surgimento de novas tecnologias, porém sem mercado para comercialização. “O programa chega para aproximar fornecedores de compradores de soluções tecnológicas”, acrescentou.
O QUE É UMA SOLUÇÃO TECNOLÓGICA
Solução tecnológica é o serviço de aplicação de uma tecnologia orientada a satisfazer as necessidades de criação/modificação/melhoria de produto ou processo das empresas e demais instituições. A tecnologia a ser fornecida deve estar disponível para aplicação imediata, ou seja, pronta para ser aplicada no mercado e gerar a solução tecnológica a que se propõe.
Para que a tecnologia seja considerada disponível para aplicação imediata, as etapas de pesquisa e de seu desenvolvimento devem ter sido cumpridas. Uma solução tecnológica depende da soma de diversos itens, como mão de obra especializada, testes, insumos e custos com licenciamento.
COMO FUNCIONA O BNDES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS
As soluções tecnológicas que podem ser financiadas são oferecidas por universidades, empresas de base tecnológica e outras instituições fornecedoras de tecnologia/know-how credenciadas ao BNDES.
Empresas e instituições de todos os portes e setores da economia que estiverem interessadas em adquirir soluções tecnológicas podem solicitar o financiamento para contratar as soluções de seu interesse e incorporar, assim, novas tecnologias aos seus produtos e processos.
Há soluções tecnológicas credenciadas nas mais diversas áreas do conhecimento e disponíveis para aplicação nos mais diversos setores da economia. Os fornecedores podem se credenciar e cadastrar suas soluções, dando maior visibilidade as suas tecnologias e aumentando as chances de futuros negócios.
ITENS QUE PODEM SER FINANCIADOS
– Serviços prestados por mão de obra especializada (própria ou terceirizada), referentes à aplicação e adaptação/customização da tecnologia às necessidades específicas do cliente final.
– Serviços tecnológicos, também conhecidos como serviços de Tecnologia Industrial Básica (TIB), que uma vez fornecidos não geram modificação no produto ou no processo da empresa contratante do serviço.
– Pagamento de royalties referentes ao licenciamento da tecnologia que será aplicada para gerar a solução tecnológica. O pagamento será realizado pelo comprador da solução tecnológica (licenciado) ao fornecedor (licenciante).
– Serviços de modificação da posição relativa dos departamentos, seções, equipamentos ou quaisquer outros itens que integrem os processos de uma organização.
– Serviços de treinamento/capacitação para o usuário final da tecnologia. Este item se refere aos materiais e insumos necessários para implementar a solução. Não serão financiados valores relacionados ao fornecimento de máquinas, equipamentos, peças e componentes.
Para mais informações sobre linhas de financiamento consulte o site: www.brde.com.br ou entre em contato com a Agência Paraná pelo telefone (41) 3219-8000 ou e-mail brdepr@brde.com.br.

O programa BNDES Soluções Tecnológicas será lançado nesta terça-feira (18), às 9h30, no Palacete dos Leões, o espaço cultural da Agência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) em Curitiba. As inscrições para o encontro podem ser feitas pelo e-mail brdepr@brde.com.br. As vagas são limitadas.
O BRDE foi escolhido pelo BNDES para ser o agente financeiro da nova linha de crédito no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O novo produto é voltado ao mercado de comercialização de tecnologia no país.
A nova linha de crédito financiará a aquisição de soluções tecnológicas e servirá como canal de comunicação entre compradores e fornecedores. “É uma oportunidade para as empresas incorporarem novas tecnologias a seus produtos e processos”, avalia a gerente de Operações da Agência Paraná do BRDE, Tatiana Henn.
Podem solicitar financiamento empresas e instituições de todos os portes e setores da economia interessados em adquirir soluções tecnológicas. “O BRDE será o agente financeiro que permitirá a aquisição de soluções tecnológicas via financiamento de longo prazo”, diz o superintendente da Agência Paraná, Paulo Cesar Starke Junior.
SERVIÇO
LANÇAMENTO DO PROGRAMA BNDES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS
Data: 18 de outubro de 2016
Horário: 9h30
Local – Palacete dos Leões / BRDE – Avenida João Gualberto, 530 – Alto da Glória

O escritor e jornalista paranaense Aroldo Murá escolheu o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões como palco para o lançamento do oitavo volume da série Vozes do Paraná. Cerca de 400 pessoas participaram do evento.
Durante a noite, o autor foi homenageado pela Academia de Letras José de Alencar (ALJA) com um voto de louvor, em cerimônia que teve como oradores o jornalista Marcio Renato dos Santos e o ex-desembargador e escritor Joatan Carvalho. Após a homenagem, o autor e os biografados se colocaram à disposição dos presentes para autógrafos e fotos.
O livro Vozes do Paraná Volume 8, com 350 páginas, traz o perfil biográfico de 21 personagens que o autor Aroldo Murá considera terem contribuído expressivamente para a vida do Paraná.
Contabilizando os oito volumes de Vozes do Paraná, Aroldo Murá já escreveu o retrato de 197 personalidades paranaenses. O primeiro volume foi lançado em 2008.

Com apoio do BRDE, a Cooperativa Agrária Agroindustrial, de Entre Rios, distrito de Guarapuava, inaugurou nesta sexta-feira (7) três grandes projetos. O investimento do BRDE foi de R$ 175,7 milhões.
O governador Beto Richa e o ministro da Agricultura Blairo Maggi participaram da inauguração. O assessor de diretoria do BRDE Erikson Chandoa representou os diretores do Banco no evento.
Um dos projetos é a Maltaria III, a terceira torre de malteação da cooperativa. O BRDE financiou parte da nova unidade, com o repasse de R$ 107,6 milhões. A Maltaria III tem capacidade para produzir 130 mil toneladas de malte cervejeiro por ano.
Foi inaugurada também a indústria de processamento de milho da cooperativa, para produção de derivados do grão. A unidade tem capacidade para processar 180 mil toneladas de milho por ano. O investimento do BRDE no projeto foi de R$ 51,3 milhões.
Outro projeto apoiado é a ampliação da Unidade Vitória de armazenagem, que possibilitará um incremento de 60 mil toneladas na capacidade estática de armazenagem de cereais da cooperativa. O investimento do BRDE foi de R$ 16,8 milhões.
A AGRÁRIA
Fundada em 1951, no distrito de Entre Rios, por famílias de imigrantes do Sul da Alemanha, a Cooperativa Agrária Agroindustrial é cliente do BRDE há mais de 30 anos. Tem 600 cooperados e 1.500 colaboradores. O faturamento da Agrária em 2015 foi de R$ 2,5 bilhões.
A cooperativa atua na produção de malte, farinha de trigo, rações, óleo e farelo de soja, grits e flakes de milho, comercialização e armazenagem de cereais, venda de insumos agropecuários e suinocultura.
A partir da agricultura, a Agrária instituiu cadeias produtivas completas, que compreendem desde pesquisa agrícola, realizada pela FAPA (Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária) até a industrialização.
Para dar suporte à produção, a cooperativa conta com uma matriz energética própria, estrutura logística que engloba três unidades de armazenagem, além de um moderno laboratório central que realiza análises em todas as etapas da cadeia produtiva.

Técnicos da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística do Paraná (SEIL) estiveram na agência paranaense do BRDE para uma reunião de apresentação da Rede BIM GOV SUL. A rede abrange os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e prevê diversas ações integradas para implantação da tecnologia BIM na esfera pública estadual da Região Sul.
A Modelagem de Informação da Construção (BIM) é um processo integrado e multidisciplinar que permite, por meio de automatizações, análises qualitativas e quantitativas mais precisas de futuras obras. Na prática, isso implica num controle mais eficiente do andamento de obras públicas, minimizando erros e falhas de projeto, e permitindo mais transparência e eficiência dos gastos públicos.
Diversos países como Finlândia, Dinamarca, Holanda, Singapura e Estados Unidos já adotam a tecnologia BIM. Nos EUA, desde 2006, os edifícios públicos projetados devem usar o BIM na fase de projetos. No Paraná, a adoção da tecnologia está prevista no plano de metas do governo estadual, que está buscando parcerias com órgãos governamentais, empresas de tecnologia, academia e instituições de fomento para viabilizar o processo.
No BRDE, os técnicos da SEIL propuseram que o banco disponibilize uma linha de financiamento específica para modernização de escritórios de projetos de engenharia e arquitetura, para aquisição de máquinas e equipamentos de informática e softwares BIM.
A proposta foi acolhida pelo diretor de Operações do BRDE, João Luiz Agner Regiani, que vai levar a ideia ao demais diretores da instituição. “A modernização da gestão de obras e projetos públicos é uma necessidade para os três estados do Sul e o BRDE, como instituição de fomento focada no desenvolvimento regional, precisa participar dessa discussão”, disse Regiani.
Seminário – Em novembro, será realizado o Segundo Seminário Regional Sul de BIM – “Juntos somos mais fortes” nos dias 3 e 4 de novembro, no Teatro Governador Pedro Ivo, em Florianópolis. O objetivo será compartilhar conhecimentos adquiridos desde de 2014, com o Primeiro Seminário Estadual em Florianópolis e com o Primeiro Seminário Regional em Curitiba, sobre a Rede BIM GOV SUL.
No dia 3 de novembro serão apresentados cases e ações em desenvolvimento nos três estados do Sul, na área governamental e privada. E no dia 4 acontecerá o Encontro Técnico de Soluções em BIM com apresentações por parte do mercado de tecnologia e usuários experientes das mais novas ferramentas, processos e inovação que já fazem parte da arquitetura, engenharia e construção.