BRDE

Num ano difícil para a economia nacional, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) tem garantido recursos para que centenas de empreendedores paranaenses continuem a investir em seus negócios.
Em novembro, a agência paranaense do banco atingiu a marca de R$ 1 bilhão em contratações. O valor refere-se a um total de 1.625 contratos de financiamentos assinados entre janeiro e novembro de 2016.
Na avaliação do superintendente da Agência Paraná do BRDE, Paulo Cesar Starke Junior, o resultado indica que a demanda por financiamentos tem-se mantido equivalente à do ano passado, quando o BRDE atingiu seu recorde histórico de aplicações, de R$ 3,35 bilhões, dos quais R$ 1,5 bilhão foi contratado pela agência paranaense do banco.
Mas o perfil das demandas se modificou em relação a 2015, com o aumento no número de solicitações de capital de giro, que normalmente eram supridas por bancos comerciais.
“Como os bancos privados comerciais saíram do mercado, diminuindo a oferta de crédito, o BRDE precisou suprir parte dessa demanda. Assim, já alcançamos R$ 1 bilhão em contratações em novembro e até o final do ano devemos nos aproximar da meta inicial de R$ 1,3 bilhão em financiamentos”, explica Starke.
ÔNIBUS – Empresas de todos os portes e setores da economia obtiveram recursos do BRDE entre janeiro e novembro deste ano. Uma delas foi a Mascarello Ônibus, com sede em Cascavel, no Paraná, que financiou neste ano R$ 10 milhões pelo BRDE. A empresa é a primeira do segmento instalada no Paraná e integra o Grupo Mascarello, que engloba também a Comil Silos e a Mascor Empreendimentos Imobiliários. No total, o grupo emprega 1.700 pessoas, além de gerar centenas de empregos indiretos.
“Nossa parceria com o BRDE existe desde nossa primeira fábrica, inaugurada em 2003. A partir daí todos os nossos grandes projetos buscaram apoio do banco. É uma parceria para sempre”, diz a presidente do Grupo Mascarello Iracele Mascarello.
Com produção diária de 12 ônibus por dia, sendo metade destinada à exportação para países da América Central e do Sul, a empresa pretende consolidar e ampliar sua lista de clientes internacionais, atingido também países como Guatemala e Honduras.
EXPORTAÇÕES – A Mascarello vai impulsionar suas exportações através da linha de crédito BNDES EXIM, específica para financiamento à exportação de bens de fabricação nacional, como máquinas, equipamentos, bens de consumo e serviços a eles associados. Empresas de todos os portes que visem o mercado externo podem solicitar os financiamentos.
“Há uma circular do BNDES que traz a relação dos produtos financiáveis pelo programa. A equipe do BRDE faz a consulta e verifica se a empresa de enquadra no BNDES EXIM. Também há casos em que o empresário vem ao banco sem conhecer o programa e são os técnicos que fazem a sugestão. O banco sempre busca encontrar a linha de crédito mais adequada às necessidades do empresário e com as melhores condições”, lembra o vice-presidente e diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti.
MICRO E PEQUENAS – O BRDE também tem financiado diversos projetos de micro e pequenas empresas. Entre janeiro e novembro, foram assinados 87 contratos, totalizando R$ 94,316 milhões. Além de ser uma instituição de crédito capaz de atender praticamente todas as demandas do segmento, o banco tem conquistado clientes pelo tratamento diferenciado. Na agência paranaense do BRDE até uma gerência especializada foi criada para atendimento às micro e pequenas empresas, oferecendo além de crédito orientação e apoio técnico.
“Ao contrário de outras instituições de crédito que em momentos de instabilidade financeira têm dificuldade em manter o crédito, o BRDE garante os financiamentos a quem precisa de recursos para produzir mais e melhor, independentemente do porte ou segmento”, explica o diretor de operações do banco, João Luiz Agner Regiani.
contrato

O BNDES vai alterar sua política de concessão de crédito para facilitar o acesso das empresas aos financiamentos. O impacto esperado é um aumento projetado de 20% nos desembolsos para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), um acréscimo de R$ 5,4 bilhões, o que deve contribuir para a retomada do crescimento econômico e manutenção e geração de emprego e renda.
O BRDE, um dos maiores repassadores de recursos do BNDES do país, está acompanhando as mudanças, que deverão ser detalhadas em janeiro pelo BNDES. O plano de ação será implantado em etapas ao longo de 2017 e início de 2018. Cada medida será detalhada pelo BNDES e entrará em vigor após a emissão de circulares para a formalização de procedimentos junto às instituições financeiras credenciadas, como o BRDE.
Veja abaixo quais as principais medidas que serão adotadas ainda no primeiro trimestre de 2017:
Classificação de porte
O BNDES ampliará de R$ 90 milhões para R$ 300 milhões, com base nos valores de Receita Operacional Bruta (ROB), o limite para enquadramento das MPMEs. Com isso, já em 2017, aproximadamente 1500 empresas poderão obter financiamentos em melhores condições. Haverá também alinhamento do conceito de micro e pequena empresa com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei nº 155/2016).
Novo limite do Cartão BNDES
Para facilitar a aquisição de itens necessários às atividades produtivas, as MPMEs contarão com a elevação do limite máximo do Cartão BNDES de R$ 1 milhão para R$ 2 milhões por agente financeiro emissor. O produto — uma linha de crédito rotativa e pré-aprovada com pagamento em até 48 prestações mensais fixas — poderá ser obtido por MPMEs com ROB de até R$ 300 milhões. No Paraná, o BRDE é um dos agentes credenciados a trabalhar com o Cartão BNDES.
Moderfrota
Os Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Fazenda (MF) deverão autorizar um reforço de R$ 2 bilhões no orçamento do Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota). Os aportes para o orçamento adicional deverão ser concluídos em janeiro de 2017. A linha do programa é voltada para produtores rurais com renda anual de atividades agropecuárias de até R$ 90 milhões.
Maior prazo do Finame
As MPMEs terão outras facilidades para a aquisição de máquinas e equipamentos. Os financiamentos contratados através do Finame terão prazo máximo de pagamento ampliado de 5 para até 10 anos.
Unificação das condições financeiras
Todo o apoio financeiro a projetos de investimento e aquisição de máquinas e equipamentos para MPMEs, contratados por meio dos produtos BNDES FINEM, BNDES Automático e BNDES Finame, terão participação máxima de 80% de TJLP, condição de crédito mais favorável do Banco. Anteriormente, esse percentual variava entre 50% e 80%, dependendo do programa.
Refinanciamento
Também para aumentar a oferta de crédito, serão ampliadas, em fevereiro de 2017, as opções de refinanciamento de saldos vencidos e a vencer de operações contratadas com o BNDES, incluídas as do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI), encerrado em dezembro de 2015. Esse refinanciamento será feito em TJLP e não às taxas fixas originais do PSI. Dessa forma, não haverá equalização de taxa de juros pelo Tesouro Nacional, em linha com o esforço do Governo Federal de reduzir o custo fiscal da União. O agente financeiro repassador também poderá ofertar o serviço aos seus clientes.

Promovido pela Coopavel Cooperativa Agroindustrial, o Show Rural 2017 é considerado uma das maiores feiras de agronegócio do país, reunindo centenas de expositores em Cascavel. Como em anos anteriores, o BRDE também estará presente com estande próprio e equipe de atendimento para receber solicitações de financiamento e esclarecer dúvidas sobre as linhas de crédito e as formas de atuação da instituição.
No total, 502 expositores já confirmaram a participação na feira, incluindo grandes empresas mundiais de pesquisa e de equipamentos, que aproveitam o evento para lançar produtos e tecnologias e antecipam com exclusividade as novidades do mercado para os produtores rurais.
Uma estrutura com 720 mil m2 já está sendo preparada para atender os milhares de visitantes esperados. Na edição de 2016, 235 mil pessoas vindas passaram pela feira. Calcula-se que foram movimentados mais de R$ 2 bilhões em negócios.
Por ser o primeiro grande evento agropecuário do ano, o Show Rural serve como termômetro de mercado e das tendências em tecnologia e serviços relacionados ao campo. O evento também conta com uma intensa programação técnica, com palestras e oficinas gratuitas aos participantes.
História – Em 1988 a Coopavel iniciou o que mais tarde se tornaria o Show Rural. Através de um dia de campo voltado apenas para seus associados, a cooperativa reuniu 15 expositores e um público de 110 pessoas para demonstrar novas técnicas de produção.
Com o passar dos anos, o evento foi aumentando de proporção e em 1995 passou a ser chamado de Show Rural, ampliando sua duração para cinco dias.

Uma das mais belas construções históricas de Curitiba, o Palacete dos Leões, localizado na Avenida João Gualberto, vai ser restaurado. O edital da concorrência para selecionar a empresa que executará as obras de recuperação da parte externa e da cobertura do local já foi publicado pelo BRDE. A abertura dos envelopes com as propostas acontecerá no dia 15 de dezembro. A previsão é que as obras durem seis meses.
A restauração inclui reforço estrutural, recuperação de revestimentos e esquadrias, impermeabilização de pisos e cobertura, pintura externa e também a restauração das duas esculturas de leão em cerâmica glasurada na entrada do prédio. O valor máximo das obras está orçado em R$ 367,7 mil.
O processo para a restauração do espaço foi iniciado no ano passado, com a etapa de avaliação e elaboração do projeto, que prevê detalhadamente tudo o que deverá ser feito, inclusive com a descrição de materiais, cores e técnicas a serem usadas, de forma a preservar todos os detalhes da construção original de 1902.
“Toda a equipe administrativa do BRDE no Paraná se dedicou muito para fazer o melhor neste processo de restauração, desde os responsáveis diretos pelo uso diário do prédio até nosso diretor administrativo Orlando Pessuti”, explica o superintendente da Agência Paraná do BRDE, Paulo Cesar Starke Junior.
Ele ressalta que o edital lançado refere-se apenas à recuperação externa do Palacete e que a previsão é que após a conclusão das obras seja iniciado o processo para restauração da parte interna do prédio. “Contamos com o trabalho técnico de especialistas para fazer o projeto da obra e assim manter o Palacete em condições de sediar exposições e eventos culturais, bem como receber os visitantes que vêm conhecer a beleza do espaço”, diz o superintendente.
O edital de concorrência para a contratação de empresa para a prestação de serviços de restauração do Palacete está disponível no site do BRDE (www.brde.com.br/modalidades/concorrencia) ou pode ser retirado no setor de protocolo da Agência Paraná do BRDE (Avenida João Gualberto, 570), mediante reembolso das despesas de impressão.
Projeto – O responsável técnico pelo projeto de restauração é o arquiteto Jeferson Dantas Navolar, que desde 1985 tem trabalhado nas recuperações feitas no espaço. “Mesmo com bons proprietários, um edifício centenário como Palacete precisa de obras de manutenção devido ao processo de desgaste natural”, explica Navolar.
O arquiteto destaca a importância do prédio, um dos poucos remanescentes das construções do ciclo da erva-mate em Curitiba. Na avaliação dele, o Palacete dos Leões é um dos melhores exemplares da arquitetura do período. Navolar explica que poucos edifícios apresentam tanta riqueza em relação aos detalhes arquitetônicos, vidraçaria, serralheria e revestimentos de parede, todos importados dos melhores fornecedores do mundo da época.
Para o arquiteto, a preservação do espaço garante que as novas gerações possam conhecer uma verdadeira joia da arquitetura paranaense, que se mantém em boas condições graças ao cuidado do BRDE. “O Palacete está em boas mãos. Seria muito difícil ele sobreviver se não tivesse o banco à frente de sua manutenção”, finaliza Navolar.
Espaço Cultural – Atualmente, o Palacete dos Leões é um dos poucos imóveis históricos localizados na região do Alto da Glória que está bem conservado. O prédio foi construído para abrigar a família de Agostinho Ermelino de Leão, um dos principais nomes do ciclo da erva-mate no Paraná.
O projeto foi assinado pelo engenheiro Cândido Ferreira de Abreu, cunhado do proprietário Leão Júnior e primeiro prefeito de Curitiba eleito por voto direto. A construção terminou em 1902 e foi considerada uma das mais luxuosas da época, tanto que em 1906 foi requisitada para abrigar a comitiva do então presidente Affonso Pena.
Hoje, o Palacete dos Leões funciona como Espaço Cultural do BRDE, recebendo exposições e eventos culturais. Fica aberto para visitação gratuita de segunda a sexta, das 12h30 às 18h30.

O Hospital Erasto Gaertner de Curitiba, referência nacional em pesquisa e tratamento do câncer, terá um robô cirurgião para realização de cirurgias complexas através de procedimentos minimamente invasivos, com menos risco e mais conforto para os pacientes. O Sistema Cirúrgico Robótico do hospital foi inaugurado nesta quinta-feira (8).
Foram investidos R$ 10 milhões para a aquisição do equipamento, por meio do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon), do Ministério da Saúde, que permite a captação de recursos via incentivos fiscais. O BRDE é um dos parceiros do hospital no apoio a projetos incentivados para melhoria e ampliação do atendimento a idosos e crianças.
O superintendente da Agência Paraná do BRDE, Paulo Starke, representou o Banco na inauguração no Erasto Gaertner, que contou também com a presença do governador Beto Richa, de secretários estaduais, da diretoria e funcionários do hospital.
A previsão é que o robô cirurgião, batizado de Da Vinci, comece a funcionar ainda neste mês e seja utilizado em 80 a 100 cirurgias urológicas, ginecológicas e de pescoço e cabeça em 2017. O Erasto Gaertner é primeiro hospital do Paraná e o 25º do Brasil a oferecer o Sistema Cirúrgico Robótico a pacientes do SUS.
“Porém, poucas dessas instituições oferecem esse procedimento para pacientes do SUS. O custo unitário dessa cirurgia é muito alto, de R$ 80 mil a R$ 200 mil, e ainda não está no rol dos procedimentos ofertados pelo SUS. Graças aos recursos arrecadados, que são públicos, vamos oferecer a melhor tecnologia do mundo sem custo aos pacientes”, disse o superintendente do hospital, Adriano Lago.
Nova ala – O hospital planeja construir em breve uma nova ala, o Erastinho, o primeiro hospital do Sul do país a ter um fluxo específico para o atendimento oncológico de crianças e adolescentes. A expectativa é ampliar de 20 para 39 o número de leitos infanto-juvenis, permitindo o atendimento de 300 novos casos por ano. Poderão ser feitas, no local, até 17 mil consultas, 500 cirurgias e mais de 85 mil procedimentos anualmente.

Em 2004, a Fundação Menonitas de Curitiba, que atua no ramo de educação, buscava uma linha de crédito para financiar obras de ampliação e optou pelo Cartão BNDES, após comparação com outras formas de financiamento. Desde então, a Fundação não parou mais de usar o cartão.
A gerente financeira da instituição, Silvane Correa, conta que o valor das tarifas e dos juros foi o fator determinante para a entidade aderir ao Cartão BNDES e obter os R$ 350 mil necessários para as obras. “O que nós conseguimos com o Cartão BNDES ficou muito mais barato. Outras linhas eram mais caras”, diz.
As vantagens do uso do cartão para impulsionar a venda de produtos a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) foram apresentadas numa oficina promovida em novembro pela Agência Paraná do BRDE e a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).
A proposta foi incentivar fabricantes de bens e insumos MPMEs a cadastrarem seus produtos para venda pelo cartão. A analista de projetos da Agência Paraná Thaís Grandi disse que a demanda pela linha de crédito é crescente. “É um crédito rápido e seguro para comprador e vendedor, com financiamento em até 48 meses e juros bastante atrativos, de 1,19% ao mês”.
Thaís também destacou a gama de produtos que podem ser adquiridos por essa modalidade de crédito. “Hoje já são mais de 200 mil produtos que podem ser comprados com o cartão”. Podem solicitar o Cartão BNDES micro, pequenas e médias empresas com faturamento de até R$ 90 milhões/ano. Após a solicitação, o prazo para emissão do cartão é de 30 dias.
Entre as empresas autorizadas pelo BNDES a operar com o cartão estão fabricantes de artigos têxteis; eletrodomésticos e eletroportáteis; embalagens; informática; máquinas e equipamentos; inovação; materiais de construção; metalomecânicos; móveis, softwares e setor cultural, entre outros.
Para mais informações sobre o Cartão BNDES acesse o site do www.brde.com.br ou entre em contato com a Agência Paraná pelo telefone (41) 3219-8150 ou brdepr@brde.com.br.

As prefeitas e prefeitos eleitos que assumirão em janeiro de 2017 as prefeituras dos 399 municípios paranaenses vão conhecer em detalhes a atuação do BRDE no Paraná. O Banco participará do Encontro de Líderes Públicos, em Foz do Iguaçu, de 30 de novembro a 2 de dezembro. O encontro reunirá também lideranças, órgãos e secretarias do governo do Estado e representantes de empresas públicas.
O objetivo é capacitar os prefeitos e prefeitas para iniciarem suas gestões com um plano de prioridades a serem executas nos primeiros 100 dias de governo, atuando como estrategistas e articuladores de ações que promovam a melhoria dos indicadores socioeconômicos, o desenvolvimento sustentável e a melhoria do ambiente empreendedor dos municípios paranaenses.
Para esclarecer as principais dúvidas dos prefeitos em relação aos serviços e linhas disponibilizadas pelo BRDE para empresas privadas e também às prefeituras, o Banco preparou um material exclusivo que será entregue a todos os participantes do evento, além de manter um estande próprio para atendimento personalizado.
O BRDE é um dos principais financiadores de negócios no Paraná, tendo contratado R$ R$ 828,2 milhões apenas entre os meses de janeiro e outubro deste ano. Todas as regiões do Paraná contam com empreendimentos financiados pelo Banco.
“É importante que os prefeitos eleitos saibam o que Banco vem fazendo em termos de investimento no Estado. Ao financiar um empreendimento, o BRDE está incrementando a renda das famílias locais e ajudando a aumentar a arrecadação dos municípios”, explica Tatiana Henn, gerente de Planejamento e Novos Negócios do BRDE.
O Banco mantém ainda linhas de financiamento direto às prefeituras, que podem usar os recursos para investir na modernização da administração pública, saneamento e mobilidade, infraestrutura social e urbana e outros projetos que visem à qualidade de vida da sua população, esteja ela em área urbana ou rural.
Todas as informações sobre as linhas de crédito disponibilizadas pelo BRDE para empresas e prefeituras podem ser obtidas pelo e-mail brdepr@brde.com.br ou pelo telefone (41) 3219-8150.

O vice-presidente e diretor Administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, participou neste sábado (26) do encerramento da Expedição Suinocultura 2016, no Mercado Municipal de Curitiba, promovida do Núcleo de Agronegócio Gazeta do Povo, com apoio do Banco. Durante o encerramento, o público presente provou cortes suínos diferenciados, como o filé mignon e a picanha suína, preparados na hora em uma cozinha aberta montada no local.
“Além de saborosa, a degustação exclusiva é uma forma de reforçar a importância do consumidor dentro da cadeia produtiva, que foi um dos principais focos de debate durante os dois meses em que a equipe de técnicos e jornalistas esteve na estrada, durante a expedição”, disse o gerente do Núcleo de Agronegócio Gazeta do Povo, Giovani Ferreira.
“É uma alegria e um orgulho para o BRDE estar presente na Expedição da Suinocultura e nesse evento de hoje”, disse o diretor Pessuti. “O BRDE financia a suinocultura de toda região Sul e participa de grandes projetos, como o novo frigorífico da cooperativa Frimesa, em Assis Chateaubriand. E vamos continuar investindo cada vez mais no setor, inclusive para melhorar as condições do produtor de suínos”, acrescentou.
A Expedição Suinocultura 2016 acompanhou de perto a realidade do setor nos quatro principais estados produtores, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Atualmente, a criação de suínos corresponde a 40% da produção mundial de carnes.
No Brasil, porém, o consumo é considerado baixo, na faixa de 15 kg por habitante ao ano. Na Europa, por exemplo, o índice é de 44 kg/habitante/ano. Ao todo, a expedição rodou mais de 8 mil km e visitou 25 cidades nos quatro estados, que respondem por mais de 80% da criação nacional de suínos, com 2,88 milhões de toneladas produzidas.

O BRDE foi uma das empresas homenageadas no evento Parceiros do Ano 2016, do Pequeno Cotolengo de Curitiba, realizado no dia 23 de novembro. Por meio dos programas de incentivo fiscal e campanhas internas, a Agência Paraná tem contribuído para a manutenção das atividades do Pequeno Cotolengo, que oferece acesso acolhimento, saúde e educação para pessoas com deficiência múltiplas e paralisia cerebral.
Instituição beneficente fundada há 51 anos, o Pequeno Cotolengo conta com mais de 200 pessoas acolhidas e presta mais de 43 mil atendimentos anuais em 13 especialidades diferentes, como neurologia, psicologia, psiquiatria, nutrição e hidroterapia. Em 2015, os recursos obtidos por meio dos incentivos fiscais do BRDE foram aplicados no Programa Adote um Leito.
O programa dá continuidade do atendimento qualificado a crianças, adolescentes, adultos e idosos abrigados na entidade, através do custeio de materiais médico-hospitalares, dietas especiais, produtos para confecções de fraldas descartáveis, entre outros itens.
A Agência Paraná também tem incentivado os seus colaboradores a doarem notas fiscais para a entidade, além de divulgar as ações promovidas pelo Pequeno Cotolengo. Outras entidades sociais como a Associação Franciscana de Educação ao Cidadão Especial (AFECE) e Instituto do Câncer de Londrina também receberam recursos do BRDE em 2015 por meio das leis de incentivo fiscal.
Neste ano, as inscrições de projetos para apoio do BRDE por meio das leis de incentivo fiscal terminaram em 31 de outubro e agora estão em fase de avaliação. Após a finalização do processo de seleção, a lista dos contemplados será divulgada no site www.brde.com.br.

O município de Quatro Barras, na Região Metropolitana de Curitiba, está próximo de concluir um grande projeto de pavimentação, financiado através do programa BRDE Municípios. No total, serão 12 vias públicas beneficiadas em cinco bairros diferentes, com extensão total de mais de 43 mil metros quadrados.
Do investimento total de R$ 6,6 milhões, R$ 5,8 milhões foram liberados através do programa BRDE Municípios, realizado em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Paraná, por meio do Paranacidade. O restante, no valor de R$ 828 mil, é contrapartida municipal.
Alguns trechos do projeto já foram concluídos e outros estão em fase de finalização, como a ligação entre a região central do município e o bairro Jardim Menino Deus, um dos mais populosos da cidade. A ligação acontece através da Rua Francisco Sbrissia, já na primeira rotatória de entrada da cidade, em duas vias, totalizando mais de 15 mil metros quadrados de extensão.
Segundo informações da Secretaria de Planejamento Urbano e Obras de Quatro Barras, o trecho está com mais de 60% das obras prontas. O trecho será uma importante via de conexão entre os bairros. Com a obra, além de ampliar os acessos, a mobilidade viária na região será facilitada, estimulando o desenvolvimento local.
Lançado em 2015, o programa BRDE Municípios visa incentivar com recursos financeiros e suporte técnico, projetos de desenvolvimento institucional, saneamento, mobilidade urbana e infraestrutura nos municípios do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.