BRDE

O Lar de Idoso José Montenegro foi contemplado e adquiriu duas câmaras frias para armazenar os alimentos doados

O Lar de Idosos José Montenegro, em Campina da Lagoa, no interior do Paraná, é uma instituição sem fins lucrativos destinada ao acolhimento institucional de idosos. Como depende 100% de doações, o lar costuma receber, também, muitos alimentos de seus doadores.

Sem o equipamento necessário para armazenar alimentos perecíveis, o Lar de Idosos José Montenegro desperdiçava muitas das doações que recebia. “Nós recebíamos uma grande quantidade de alimentos, como frutas, verduras e legumes de agricultores, sem contar as carnes doadas pelas granjas. O desperdício era grande por não termos onde guardar”, afirma Aparecida Maceno da Silva, presidente da instituição.

O lar passou, portanto, a priorizar a necessidade de uma câmara fria que garantisse a boa qualidade dos alimentos recebidos, bem como minimizasse os gastos financeiros, podendo investir na melhoria da qualidade de vida dos idosos. Além disso, com o equipamento, a equipe previu que poderia eliminar por completo as possíveis perdas de alimentos, possibilitando, até, o aumento no número de doações recebidas.

Por meio do Fundo Municipal do Idoso, o Lar foi contemplado em 2019 com um projeto de duas câmaras frias, uma para refrigeração e outra para congelamento. “Hoje nossa realidade mudou por conta desses equipamentos, pois temos armazenamento de qualidade e com maior prazo para consumirmos tudo o que temos guardado. Isso gerou grande economia para nossa Instituição e nossos idosos estão bem alimentados”, afirma Aparecida.

O projeto foi contemplado por meio de Incentivos Fiscais do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). “O projeto do BRDE veio para nos proporcionar qualidade em tudo que servimos para a alimentação dos nossos pequenos do reino..é assim que chamamos nossos idosos. Nossa eterna gratidão em meu nome e de toda diretoria e equipe de funcionários”, finalizou a presidente.

Agradecido por fazer parte desta história, o presidente do BRDE, Wilson Bley, destaca a importância de apoiar projetos como o do Lar de Idosos José Montenegro. “Por mais que esta pareça uma instituição pequena, são vidas que estamos ajudando, dando uma melhor condição. São pessoas que passaram por muitas coisas e merecem bem-estar neste momento”, conclui o presidente.

Incentivos fiscais
Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A iniciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No ano de 2020, foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

O novo acordo enfatiza inovação, capacitação e adoção de novas tecnologias sob princípios de sustentabilidade como perspectiva para apoio a projetos do setor público e privado

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) assinou na tarde desta segunda-feira (06/12), na sede da instituição em Curitiba, novo acordo de cooperação técnica com a Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Cultura (FUNPAR). Além de prever ações conjuntas de apoio técnico e creditício aos municípios paranaenses, o acordo enfatiza processos de inovação, capacitação e adoção de novas tecnologias, segundo princípios de sustentabilidade.

A ação conjunta é voltada ao apoio técnico a projetos de prefeituras destinados à gestão de políticas públicas, incluindo mediação e efetividade, planejamento urbano e regional, modernização da administração tributária e melhoria da qualidade do gasto público, tecnologias aplicadas aos serviços urbanos, saneamento, entre outras áreas de atuação prioritárias. O acordo também prevê análise de projetos da iniciativa privada que atuam nas áreas já citadas, em parcerias com o poder público, ou em áreas como eficiência energética, energia fotovoltaica e inovação corporativa.

Assinaram o acordo, pelo BRDE, o diretor-presidente, Wilson Bley Lipski, e o diretor administrativo, Luiz Carlos Borges da Silveira; e pela FUNPAR, o diretor-superintendente, João da Silva Dias, e o diretor de programas, Luís Henrique Cavalcanti Fragomeni. Como testemunhas, assinaram o documento a vice-reitora da UFPR, Graciela Bolzón de Muniz, e o diretor de Administração e Finanças da FUNPAR, Enio Fabrício Ponczek.

A FUNPAR oferece serviços aos municípios, como a elaboração de planos diretor e de mobilidade, pré-requisitos para acessar diversas linhas de financiamento operadas pelo BRDE.

Retomada de parceria

A solenidade para a formalização do acordo incluiu a manifestação de ambas as partes sobre o contexto de elaboração do acordo, sua necessidade e importância. Primeiramente, a equipe da gerência de Planejamento do BRDE, representada pela gerente do setor, Lisiane Maldaner Astarita de Limas, apresentou a perspectiva técnica da renovação do acordo com a FUNPAR. “Estamos elencando os municípios de interesse conforme dados de população e viabilidade de execução, que possuem capacidade de endividamento. Para nós, o trabalho da FUNPAR é essencial pois complementa tecnicamente. O que vamos entregar para os municípios vai ser muito melhor esse é o maior ganho dessa nova parceria, reestabelecer os trabalhos conjuntos”, analisou.

Na sequência, falaram os gestores da FUNPAR, começando pelo superintendente, Prof. Dr. João da Silva Dias, que ressaltou a importância do novo acordo sobretudo pela credibilidade do BRDE e por ser uma possibilidade de resposta a questão de quem financia os projetos sobre os quais a fundação se debruça. “Estamos trabalhando na relação que nos foi passada, de 77 municípios, e estamos complementando os dados. Vamos abordar os gestores municipais de uma forma técnica que aponta se ele fizer tal ação, a economia estimada é essa, e seu retorno do investimento é tal”, afirmou.

Já o diretor de programas da FUNPAR, Luís Henrique Cavalcanti Fragomeni, falou do quanto se sentia feliz com a confirmação dessa parceria, principalmente ao ver a disposição das equipes em cooperar neste trabalho. E acrescentou que a FUNPAR traz para essa parceria uma visão de apoio municipal e a preocupação com a efetividade do trabalho com legado de capacitação. “O diferente da FUNPAR no mercado é que ela desenha e entrega aquilo que o município ou que o setor privado pode alcançar e fica também avaliando os resultados pós-entrega. Na equipe, dos dois lados, vejo grande motivação”, completou.

O diretor-presidente do BRDE, Wilson Bley, manifestou a felicidade de estreitar novamente os vínculos dessa parceria. “A felicidade de ter uma instituição com o peso da FUNPAR conosco e assim poder executar boas políticas públicas, construir bons resultados, para a transformação dos nossos estados, em especial aqui do Paraná”, comemorou. Na sequência, Bley fez breve relato sobre os planos do BRDE para facilitar o acesso dos municípios às soluções de planejamento, como a criação de um laboratório das cidades que possa oferecer modelos de projetos-padrão.

Também listou as iniciativas do BRDE de busca de recursos em instituições internacionais e assim poder destinar cerca de R$ 2 bilhões a serem aplicados no próximo ano. “Sabemos que sem critérios bem estabelecidos, corre-se o risco de que esses recursos sejam utilizados para fins eleitoreiros e não a fim de construir um novo modelo de cidade. Vamos precisar e queremos ter muita responsabilidade de entregar esse crédito, e como banco público, um banco de fomento, temos que agregar outros valores”, acrescentou.

E por fim, Bley falou sobre o desafio do BRDE em se tornar o maior e melhor banco regional do Brasil, merecedor do título de banco verde, e as medidas que a instituição traça e executa para isso. “Estamos trabalhando na criação de um fundo verde para que possamos apoiar projetos verdes através de editais de credenciamento de oferta dentro de critérios estritamente objetivos. Inicialmente como fundo perdido. Em paralelo, vamos ter precificações diferenciadas para os mutuários que assumam o compromisso, de forma contratual, de mitigar ou de neutralizar os gazes causadores do efeito estufa. Então existem inúmeras iniciativas aqui que vamos priorizar para ser um banco verde mesmo”, declarou antes de fazer agradecimentos às equipes das duas instituições.

A vice-reitora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Prof(a). Dra. Graciela Inês Bolzon de Muniz, esteve presente na solenidade. “O importante desse convenio assinado neste momento, com a universidade como participe, sendo a instituição que reúne pesquisadores, com o suporte do governo, para juntamente com o banco e a sociedade, solucionar os problemas que precisamos acerca da sustentabilidade e economia verde”, afirmou.

Acompanharam a assinatura deste acordo o superintendente da Agencia de Curitiba do BRDE, Paulo Cesar Starke Junior, a analista de planejamento, Simone Marques de Toledo Camargo, o gerente geral da Rádio UniFM (FUNPAR), Jackson Gomes Júnior, e a assessora da Diretoria da FUNPAR, Aderlene Inês de Lara.

Com veia empreendedora, Joraci e Sônia Boza acreditaram nos seus sonhos e correram atrás, toda a dedicação transformou um pequeno mercado, em uma rede com cinco supermercados na Fazenda Rio Grande

O Supermercado Boza, foi inaugurado em 27 de novembro de 1993, por Joraci e Sônia Boza, mas a história do Supermercado Boza começa antes desta data, quando o jovem casal ainda namorava e sonhava em conquistar seu próprio negócio. Na época, Joraci trabalhava como pedreiro e Sônia como auxiliar de contabilidade em um escritório.

Lá no início do sonho, os fundadores não pensavam em ter um mercado, pelo fato da estrutura dos mercados serem maiores, assim como a necessidade de investimento. “A gente pensava numa lojinha de roupa, numa papelaria, uma coisinha pequena que desse para trabalhar e eu continuar no meu trabalho” relembra Joraci.

Os fundadores contam que não foi fácil juntar dinheiro para o investimento, ainda mais naquela época, “você juntava e juntava dinheiro, vinha lá 20, 30% [de inflação] ao mês, detonava o dinheiro da gente, mesmo que investisse em poupança, comprasse alguma coisa” explicam. Foram aproximadamente cinco anos para juntar o dinheiro e em 1990, compraram a sociedade de um pequeno mercado na Fazenda Rio Grande. “Ao todo, a loja tinha cerca de 200 metros, só um balcãozinho de açougue, não tinha panificadora, não tinha hortifrúti, não tinha iogurte, não tinha nada” contam.

Supermercado Boza

Foram três anos tentando deixar o mercado aberto, porém, em 1993, decidiram abrir mão da sociedade e montar o tão sonhado “próprio negócio”. Foi quando compraram o terreno, que fica em frente ao Supermercado Boza do bairro Eucalipto. “Eu sempre tive vontade de montar um comércio, quando conheci a Sônia, ela embarcou na ideia”, afirma Joraci.

O Boza está no mercado há 28 anos, o sucesso e dimensão do supermercado foi construída de degrau em degrau. Primeiro abriram a loja 1, no Bairro Eucalipto, localizado na Avenida Paineira, 270. A loja 2, no Bairro Gralha Azul, que fica na Avenida Portugal, 892. A loja 3, no Bairro Santa Terezinha, na Rua Rio Piquiri, 964. A Loja 4, no Bairro Iguaçu, localizado na Rua Rio Amazonas, 1052. E, a loja 5, no Bairro Nossa Senhora Aparecida, na Avenida Nossa Senhora Aparecida, 799.

É impossível não citar que a loja 5, no Bairro Nossa Senhora Aparecida, está instalada exatamente no terreno em que Joraci e Sônia iniciaram sua carreira em supermercados, lá em 1990. Os antigos donos do comércio que estava ali antes do Boza, assim como o proprietário do terreno, já haviam oferecido o espaço para Joraci diversas vezes, mas nos momentos que foram oferecidos, os administradores do Boza não tinham condições, até que em 2019 deu certo. Joraci afirma que não era o foco abrir novamente um investimento naquela área, mas confessa, “depois do negócio fechado nós até falamos ‘poxa vida, estamos aqui onde estávamos há trinta anos’ mas não era uma questão de honra”, aponta Joraci.

Desde o início do Boza, os administradores sempre deram preferência na contratação dos fazendenses. Essa iniciativa começou junto com o Boza, pois, os fundadores, que moram na Fazenda Rio Grande, perceberam a falta de empregos e excesso de mão de obra. Se até hoje, diversos fazendenses precisam se deslocar até Curitiba para trabalhar, imagine como era há 30 anos. Além disso, a facilidade na locomoção dos colaboradores é indiscutível.

O Boza é muito ligado com a comunidade, por essa razão, apoia diversos projetos sociais da região, como por exemplo, o Vale da Bênção, que recebe hortifrútis que não podem mais ser vendidos, mas podem ser consumidos. “Com um pouquinho aqui e um pouquinho ali, nós conseguimos ajudar a nossa comunidade” afirma Sônia.

Novos investimentos

Em 2015, o Boza começou a pensar em reformas para a melhoria do atendimento. Foi quando o Cesar Proença se uniu a equipe do Boza e, com toda sua experiência, acreditou e incentivou os fundadores à montarem um projeto e buscar recursos. Joraci conta que no início, achou que não daria certo, pois o valor do investimento seria alto. Foi quando Cesar os convenceu a entrar em contato com o BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul).

O BRDE foi acionado, mandou sua equipe para conhecer o supermercado e decidiu ajudar. O primeiro investimento serviu para realizar a reforma e transformar o Boza Eucalipto, em 2016. Já em 2018, o BRDE ajudou o Boza em uma reforma pequena, mas muito significativa, e em 2019, esteve do lado dos fundadores na aquisição da quinta loja.

Joraci conta que o BRDE é um banco diferente, e que sua experiência com o Banco foi ótima “ele nos ajudou muito, sempre foi atencioso, conseguiu aprovar nossos projetos com um tempo bom, não tivemos dificuldades. Os considero como parceiros mesmo”, afirmou o fundador. Ele também contou que a experiência com o BRDE é incomparável às experiências com outros Bancos, o BRDE é um Banco que aposta no empreendedor e não tenta tirar dinheiro dos seus parceiros. Eles analisam o projeto, se o projeto for aceito e o compromisso, entre empreendedor e banco, cumprido, o empreendedor só precisará entrar em contato com o banco novamente se quiser efetivar outros projetos. Diferente dos bancos que, após a contratação de algum tipo de investimento, ligam quase que diariamente oferecendo seguro, consórcio, capitalização e muitas outras coisas.

A família Boza apostou no Supermercado, e atualmente conta com aproximadamente 500 colaboradores, as filhas do casal fundador, assim como um sobrinho e o irmão de Sônia, trabalham na rede Boza. Eles geram emprego para Fazenda Rio Grande, ajudando no bem estar de diversos fazendeses. Por fim, a família Boza deixa uma mensagem à sociedade: ACREDITE NOS SEUS SONHOS! TRACE SEU OBJETIVO! CORRA ATRÁS DA REALIZAÇÃO!

*Texto de Stella Jacopetti (Assessoria Supermercado Boza)

A exposição estará aberta para visitas de 8 e 17 de dezembro

No dia 08 de dezembro, abre no Espaço Cultural BRDE- Palacete dos Leões a “I Mostra Visões da Arte”. A mostra é uma realização da Academia de Cultura de Curitiba (ACCUR) em parceria com a Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná (APAP/PR), tendo como parceiros correalizadores a Associação Comercial do Paraná (ACP) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

A exposição coletiva reúne uma seleção pinturas, desenhos, gravuras e esculturas de artistas associados à ACCUR e APAP/PR, os quais foram selecionados por uma comissão julgadora. O edital contemplou uma premiação em dinheiro, sendo R$ 6 mil para o 1º lugar, R$ 2 mil para o segundo e R$ 1 mil para o terceiro.

“Em sua 1ª edição, a referida mostra tem como objetivo valorizar a produção dos artistas. Além disso, queremos que o BRDE seja um provedor de cultura, possibilitando o acesso de obras representativas do panorama artístico”, afirma o diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira.

Destacando, também, a parceria com as instituições, Waltraud Sékula, representante da ACCUR, fala sobre o fortalecimento do setor por meio desses apoios. “Estamos buscando novos caminhos para apoiar e divulgar a arte paranaense e, felizmente, parcerias relevantes estão sendo construídas. Indubitavelmente todos nós nos fortalecemos”, destaca.

“Será um grande privilégio realizarmos a exposição I Mostra “Visões da Arte” num local que em si já traz grande representatividade para os artistas”, complementa a vice-presidente da APAP/PR, Sabine Feres, sobre o local da mostra e a parceria com o BRDE.

A ACP, que também é parceira do evento, comenta sobre a Mostra. “A Associação Comercial do Paraná, com esta parceria, procura dar sua contribuição ao desenvolvimento da arte paranaense e ajudar a promover nosso ambiente cultural. Parabenizamos a Academia de Cultura de Curitiba e a Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná pela iniciativa”, afirma Camilo Turmina, presidente da ACP.

Visitas

As visitas à exposição ocorrem entre os dias 08 e 17 de dezembro, de terça a sexta-feira, das 13h às 18h. O agendamento pelo site brde.com.br/palacete. A entrada no local é gratuita.

Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões

A I Mostra “Visões da Arte” acontecerá no Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, edificação centenária projetada pelo engenheiro Cândido de Abreu para ser a residência do casal Maria Clara Abreu de Leão (1870-1935) e Agostinho Ermelino de Leão Júnior (1866-1907), empresários de destaque e fundadores da empresa Leão Jr. Desde 2005, o Palacete Leão Jr. é mantido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul como Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões.

SOBRE O BRDE

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE – é uma instituição de fomento criada pelos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com o objetivo de fazer o Sul do Brasil prosperar. É signatário do Pacto Global da ONU e opera em sintonia com os ODS. O BRDE também conta com recursos internacionais da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e Banco Europeu de Investimento (BEI) para o financiamento de projetos voltados à produção e consumo sustentáveis. É agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA/Ancine) em todo o território nacional. Apoia projetos culturais, sociais e esportivos que beneficiam milhares de pessoas e instituições, por meio das leis de incentivo. Em 2020, financiou R$ 2,2 bilhões para projetos na Região Sul que beneficiam todos os portes de empresas e setores da economia. A instituição oferece crédito de longo prazo para viabilizar investimentos a empresas de todos os setores e portes, cooperativas, produtores rurais e prefeituras, mantendo acordos com instituições internacionais de fomento para ampliar as fontes de recursos à disposição dos clientes.

Ministério do Turismo confirma liberação de R$ 85 milhões e banco busca outros R$ 100 milhões para a Região Sul

Em comunicado enviado nesta quinta-feira (26/11), o Ministério do Turismo confirmou ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) a disponibilidade de R$ 85,7 milhões para operações de financiamento às empresas que operam no setor turístico nos três estados do Sul. O valor complementa um total de R$ 414,8 milhões que o Ministério se comprometeu com o banco como crédito emergencial diante dos impactos da pandemia. A liberação chega um dia após audiência da diretora de Operações do BRDE, Leany Lemos, na sede do MTur, em Brasília, e com participação on line do diretor-presidente do banco, Wilson Bley.

No encontro com a secretária nacional de Atração de Investimentos e Parcerias do MTur, Débora Moraes da Cunha Gonçalves, os diretores do BRDE salientaram que existe uma forte demanda do setor por crédito para novos investimentos agora com a retomada gradativa do fluxo de turistas. Desde do início da pandemia, o banco já conseguiu superar a marca de R$ 329 milhões em operações para empresas dos três estados. Ao todo foram 1.385 financiamentos em menos de dois anos que o crédito emergencial foi disponibilizado.

Das empresas que buscam acessar o programa BRDE Turismo, o banco registra uma demanda de financiamentos que alcança R$ 325 milhões. Por isso, os diretores do banco renovaram o pedido de liberação de outros R$ 100 milhões já empenhamos pelo Ministério. “Há uma grande procura por novos investimentos diante da retomada do setor. Quando falamos em turismo doméstico, a região Sul do país tem grandes atrativos e o banco quer ser parceiro nesta retomada que beneficia uma cadeira muito ampla, gerando oportunidades de novos empregos e investimentos para fazer a economia rodar”, observou Leany Lemos.

Liberação dos R$ 85 milhões um dia após audiência em Brasília

Através do programa BRDE Turismo, o banco oferece empréstimos com carência de até 60 meses para investimentos fixos, como é caso de projetos de implantação, ampliação, modernização e reforma de empreendimentos turísticos. O prazo do financiamento é de até 25 anos. Desde que passou a operar o programa em parceria com o Ministério do Turismo, em 2017, o BRDE já registra mais de R$ 431 milhões em financiamentos liberados. “Mas nossa expectativa é chegarmos ao total do montante que ajustamos com o Ministério, que é de R$ 646 milhões, pois o fortalecimento do turismo tem um papel estratégico no crescimento econômico da Região Sul”, frisou o diretor-presidente, Wilson Bley.

Para compra de equipamentos e capital de giro isolado (recursos que ajudam no fluxo de caixa das empresas), o programa do BRDE estabelece como prazo de financiamento em 72 meses e carência de um ano. Em todas as situações, os juros são de 5% ao ano, mais taxa Selic.

Como acessar

Para solicitar o financiamento, as empresas devem acessar o site www.brde.com.br, no ambiente do Internet Banking (IB) – https://ib.brde.com.br/Usuario/Login. Todos as operações serão através da plataforma digital e a documentação deverá ser inserida (upload) também através do site. O app do BRDE também traz as informações sobre o programa.

 

Pensando em proporcionar melhores condições de tratamento para o idoso com câncer em processo de radioterapia e hemodiálise, o Hospital São José de Criciúma aposta na modernidade e na obtenção de equipamentos tecnológicos para trazer mais eficácia, celeridade, e menos efeitos colaterais para os pacientes.

A radioterapia apesar de ter um alto custo de implantação, é responsável por 40% das chances de cura dos pacientes em tratamento de câncer, e investir em tecnologia nestes procedimentos significa otimizar o tempo e o número de sessões disponibilizada para cada indivíduo, acelerando assim a fila de espera dos que aguardam por cirurgias oncológicas.

Essa inovação tecnológica e todos os seus benefícios chegam ao Hospital São José de Criciúma com a compra de novos Braços Robóticos para o Setor de Radioterapia. Esse equipamento é acoplado com Acelerador linear e tem como função a realização de tomografias computadorizadas de alta resolução que auxiliam na assertividade da irradiação.

Segundo a assistente de captação de recursos do Hospital, Cleomara Bez Fontana, a eficácia da compra do equipamento vai refletir nos números de sessões realizadas por cada pessoa “o paciente viria 25 vezes para o tratamento. Com os braços robóticos, em cinco sessões o tratamento estará finalizado”. A compra do equipamento também reflete na demanda de atendimentos que o hospital pretende alcançar “o projeto prevê atender 180 pacientes totalizando 3.600 no mês”.

A aquisição do equipamento só foi possível com o apoio do BRDE através das leis de incentivo fiscal. Neste ano o banco repassou cerca de 30.000 reais ao projeto. Ter o suporte de instituições que apoiem o investimento em tecnologias na área da saúde, assim como o BRDE, é crucial para que mais pacientes possam ter a máxima qualidade em seus tratamentos e atendimentos.

 

LEIS DE INCENTIVO

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Diretor-presidente Wilson Bley representou o banco, que é um tradicional apoiador do projeto

Nesta quinta-feira (18), o diretor-presidente, Wilson Bley Lipski, e o diretor administrativo, Luiz Carlos Borges da Silveira, representaram o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) no evento de encerramento do Agrinho, maior programa de responsabilidade social do Sistema FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná), que conta com o apoio do banco.

O Programa Agrinho foi concebido em 1995 e colocado em prática em 1996, com o objetivo de levar às escolas da rede pública de ensino uma proposta pedagógica baseada em visão complexa, na inter e transdisciplinaridade e na pedagogia da pesquisa. Anualmente, o programa envolve a participação de aproximadamente 800 mil crianças e mais de 50 mil professores da educação infantil, do ensino fundamental e da educação especial, estando presente em todos os municípios do Estado.

O BRDE é um tradicional apoiador do Agrinho, tendo em vista seu compromisso com ações de responsabilidade socioambiental, alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, o banco faz questão de patrocinar projetos como esse que contribuem para a formação de professores e alunos sobre noções de temas como meio ambiente, saúde, cultura, trabalho, direitos e obrigações, promovendo a cidadania e melhorando a qualidade de vida das famílias.

“Reforço que estamos focados em promover o desenvolvimento sustentável da região, por meio de atividades alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Com o apoio ao Agrinho, atuamos na promoção de saúde, bem-estar e educação de qualidade, pilares dos ODS. Faz parte do nosso Plano de Comunicação 2021 e cumpriremos com o nosso objetivo”, afirmou.

Os concursos de desenho, redação, projeto pedagógico e Escola Agrinho foram realizados de forma online em 2021 e tiveram como tema “Do campo à cidade: saúde é prioridade”. O programa, que mobiliza anualmente cerca de 10 mil professores e mais de 50 mil alunos do ensino básico de escolas públicas e privadas do Estado do Paraná, tem previsão do valor de R$ 1.915.790,00 (um milhão, novecentos e quinze mil, setecentos e noventa reais), considerando a capacitação de professores na modalidade a distância (EAD), a produção de materiais de orientação, incentivo e divulgação das campanhas, jogos interativos online além, é claro do concurso e os mais de 400 prêmios (entre tablets, notebooks e projetores multimídia).

Iniciativa valoriza líderes que contribuem para o desenvolvimento do RS e conta com o apoio do BRDE

O Prêmio Líderes & Vencedores 2021 conheceu os ganhadores em suas seis categorias em cerimônia híbrida, realizada na noite desta terça-feira (9/11), no Teatro Dante Barone, em Porto Alegre. Iniciativa da Assembleia Legislativa e Federasul, a premiação busca valorizar projetos, empresas e líderes empreendedores que contribuem para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. Realizado desde 1995, o evento conta com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

A 27ª edição do Prêmio Líderes & Vencedores veio com uma inovação: houve apenas um vencedor por categoria, conhecido após a abertura de um envelope lacrado pelo critério do maior número de indicações recebidas pelas comissões julgadoras (na primeira fase da premiação, jornalistas de todo Estado presidentes das 172 entidades filiadas à Federasul fizeram as indicações). Coube ao diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, fazer o anúncio entre os três finalistas do vencedor na Categoria Referência Educacional. Levou o troféu a ONG Coletivo Autônomo Morro da Cruz, da capital gaúcha.

“Trata-se de um reconhecimento muito especial. Esse prêmio tem um histórico em reconhecer empreendedores e empresas de diferentes tamanhos, mas igualmente lideranças políticas e de atuação social cuja liderança traga impacto ao desenvolvimento econômico e social ao nosso Estado”, destacou Vivian. Ele próprio vencedor do Líderes &Vencedores na edição de 1995, quando presidia o Instituto de Previdência do Estado (IPERGS), o diretor destaca que o reconhecimento deste ano traz um significado especial, pois enaltece o esforço de diferentes áreas na retomada após a crise da pandemia de Covid-19 e seus impactos na sociedade.

O evento híbrido foi transmitido pelas redes sociais das duas entidades promotoras e pela TV Assembleia, e contou com a participação do presidente da Assembleia, deputado Gabriel Souza, do presidente da Federasul, Anderson Trautman Cardoso, de lideranças empresarias e políticas, além de convidados dos finalistas dos finalistas da premiação. O troféu destacou as categorias Expressão Cultural, Destaque Comunitário, Referência Educacional, Sucesso Empresarial – Micro e Pequena Empresa, Sucesso Empresarial – Média e Grande Empresa e Mérito Político.

A mostra Narrativas e Poéticas do Mate integra as ações do programa Circuito Ampliado – Acervos em Circulação, que tem como objetivo ampliar as percepções sobre o patrimônio ervateiro a partir da perspectiva histórica, antropológica, artística e cultural.

No Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, em Curitiba, o público pode conhecer a importância da erva-mate na história do Paraná. A exposição Narrativas Poéticas do Mate integra as ações do programa Circuito Ampliado – Acervos em Circulação, uma cooperação institucional entre o espaço e o Museu Paranaense (Mupa) que tem como objetivo ampliar as percepções sobre o patrimônio ervateiro a partir da perspectiva histórica, antropológica, artística e cultural.

A mostra está inserida no contexto de representação simbólica e territorial do espaço cultural do banco, que é a antiga residência de Maria Clara Abreu de Leão e Agostinho Ermelino de Leão Jr., empresários da erva-mate e fundadores da icônica marca de chá Matte Leão. Lá é possível visitar um conjunto de objetos provenientes de acervos institucionais e coleções particulares, além de obras que potencializam a visualidade ervateira.

O diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira, representou o banco na cerimônia de abertura, ocasião em que enalteceu a importância do incentivo à cultura, a preservação do patrimônio cultural e o significado da erva-mate para o estado. “Na história do desenvolvimento do Paraná, a erva mate foi durante muito tempo a mais importante cultura agrícola. O Palacete dos Leões representa essa época. E hoje, sob os cuidados do BRDE, essa exposição que contribui para resgatar essas memórias e comunicar à sociedade os fatos e personagens cruciais para as conquistas do nosso estado”, declarou.

“A exposição integra um programa de circulação de acervos que estruturamos em conjunto com o Museu Paranaense, instituição que mantém um expressivo acervo ervateiro e articulou uma equipe interdisciplinar. O programa viabilizou uma pluralidade de ações, entre elas uma mostra de câmara que faz uma homenagem aos 160 anos do artista Alfredo Andersen, além de uma sala botânica, com exsicatas de erva-mate provenientes do acervo do Museu Botânico de Curitiba”, contextualiza Rafaela Tasca, coordenadora do Espaço Cultural BRDE- Palacete dos Leões.

De acordo com Gabriela Bettega, diretora do Museu Paranaense Mupa, o programa Circuito Ampliado: Acervos em Circulação tem por objetivo estimular a pesquisa em acervos e novos recortes curatoriais. “E mais importante, proporcionar a ampliação de públicos com a circulação de acervos de Curitiba e, assim, contribuir também para a democratização no acesso à cultura”, disse.

Ela afirma, ainda, que o primeiro objeto proposto pelo programa é o fomento a estudos e pesquisas sobre acervos relacionados à erva-mate por meio de duas exposições simultâneas – uma no Mupa e esta no Espaço Cultural BRDE-Palacete dos Leões, ambas colocando em discussão memória, representação, identidade e representatividade tanto da erva-mate em si quanto da sociedade paranaense em sua ampla formação.

PLURALIDADE E ANCESTRALIDADE

A mostra é dividida em eixos temáticos ambientados ao longo das salas do palacete. Um deles, intitulado “Trânsitos Culturais”, apresenta rótulos e medalhas concedidos às comissões paranaenses em feiras internacionais e industriais, entre elas, a Exposição Internacional da Filadélfia de 1876, que contou com a presença do imperador Dom Pedro II. Além da Filadélfia (Pensilvânia), Rio de Janeiro, Turim (Itália) e Bruxelas (Bélgica) foram alguns dos destinos da erva-mate paranaense.

Nessa sala também são apresentados rótulos ervateiros provenientes do acervo do Mupa. “Esses rótulos foram peças que, apesar de sua existência efêmera, foram fundamentais na construção de um imaginário ervateiro. O surgimento da indústria litográfica e a utilização dessa nova técnica, menos artesanal, garantia volume e novos recursos visuais, com formas e cores modernas”, explicou Cecília Bergamo, pesquisadora da equipe de curadoria da mostra.

A sala botânica apresenta duas exsicatas (exemplar vegetal dessecado prensado) de Ilex paraguariensis coletadas pelo professor Gerdt Hatschbach, provenientes do acervo do Museu Botânico de Curitiba, além de um exemplar do livro do naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire traduzido por David Carneiro e uma obra sonora com memórias ervateiras.

“Essa sala faz uma ponte com a exposição Eu Memória, Eu Floresta: História Oculta, em cartaz no Museu Paranaense, a qual reverbera a ancestralidade dessa planta nativa e coloca em perspectiva a ampliação da noção de patrimônio ervateiro”, complementou Rafaela.

ANDERSEN E A ERVA-MATE

Com texto do crítico de arte espanhol Adolfo Montejo Navas, a exposição apresenta uma mostra de câmara com paisagens e cenas do gênero realizadas pelo pintor Alfredo Andersen. “A coincidência dos tempos das coisas, 200 anos do conhecimento científico da erva-mate e 160 do nascimento do pintor, são duas efemérides convergentes em destaque recíproco”, escreveu Navas em seu texto “Alfredo Andersen e a erva-mate (convergência e vice-versa)”.

“Nós do complexo Alfredo Andersen estamos muito felizes e empolgados com a parceria com o BRDE, por meio da Sociedade Amigos de Alfredo Andersen, principalmente pelo fato de essa exposição resgatar a herança cultural do nosso Estado”, afirmou Luiz Gustavo Vidal, diretor do Museu Casa Alfredo Andersen.

ARTE CONTEMPORÂNEA

Para compor a programação, a sala da torre do Palacete recebe o site-specific “Verde é o Verde” da artista Eliane Prolik, “um verde que se cheira, que se materializa no ar”, como descreve o curador Adolfo Montejo Navas.

Também há uma sala dedicada à leitura contemporânea da obra de Andersen com um conjunto de trabalhos das artistas Eliane Prolik e Larissa Schip com releituras das obras de Andersen, entre elas “Vista Geral de Curitiba”, de 1904, e “Sapeco da erva-mate” de 1905. O ambiente será um dos palcos para as atividades da Semana Andersen de 2021.

Os trabalhos instalados das salas contemporâneas ficarão em cartaz até 26 de novembro de 2021 e podem ser visitados com agendamento no site www.brde.com.br/palacete.

PROTOCOLO

Em sua reabertura, o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões adotou o agendamento das visitas e a certificação de boas práticas sanitárias pela Local Confiável. São obrigatórios o uso de máscara, a medição da temperatura corporal, seguir as regras de distanciamento, entre outras medidas. Mais informações podem ser encontradas no site www.brde.com.br/palacete e nas redes sociais @EspacoCulturalBrde.

Serviço

Programa Circuito Ampliado – Acervos em Circulação / Em parceria com o Museu Paranaense
Aberta em 27 de outubro de 2021

Andersen e a Erva-Mate
Em parceria com a Sociedade Amigos de Alfredo Andersen
Sala 2
Em cartaz até 26 de novembro de 2021

Verde é o Verde
Instalação da artista Eliane Prolik com curadoria de Adolfo Montejo Navas
Sala da Torre
Em cartaz até 26 de novembro de 2021

Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões
Horário de visitação: de terça a sexta (14h às 17h), somente mediante agendamento: www.brde.com.br/palacete
Av. João Gualberto, 570, Alto da Glória – Curitiba
Entrada gratuita

Iniciativa promove edital para artistas plásticos vinculados às entidades culturais do Paraná

Uma parceria entre o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Associação Comercial do Paraná (ACP) promove o edital “Visões da Arte”, projeto organizado pela Academia de Cultura de Curitiba (ACCUR) e pela Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná (APAP/PR).

O edital tem o objetivo de selecionar artistas associados às duas entidades a participarem de uma exposição coletiva. Os artistas serão selecionados por uma comissão julgadora realizarão a exposição de seus trabalhos entre 07 a 17 de dezembro de 2021, no Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões. Os três primeiros lugares ganham uma premiação em dinheiro.

“Em sua 1ª edição, a referida mostra tem como objetivo valorizar a produção dos artistas. Além disso, queremos que o BRDE seja um provedor de cultura, possibilitando o acesso de obras representativas do panorama artístico”, afirma o diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira.

Destacando, também, a parceria com as instituições, Waltraud Sékula, representante da ACCUR, fala sobre o fortalecimento do setor por meio desses apoios. “Estamos buscando novos caminhos para apoiar e divulgar a arte paranaense e, felizmente, parcerias relevantes estão sendo construídas. Indubitavelmente todos nós nos fortalecemos”, destaca.

“Será um grande privilégio realizarmos a exposição I Mostra “Visões da Arte” num local que em si já traz grande representatividade para os artistas”, complementa a vice-presidente da APAP/PR, Sabine Feres, sobre o local da mostra e a parceria com o BRDE.

A ACP, que também é parceira do evento, comenta sobre a Mostra. “A Associação Comercial do Paraná, com esta parceria, procura dar sua contribuição ao desenvolvimento da arte paranaense e ajudar a promover nosso ambiente cultural. Parabenizamos a Academia de Cultura de Curitiba e a Associação Profissional dos Artistas Plásticos do Paraná pela iniciativa”, afirma Camilo Turmina, presidente da ACP.

 

Inscrições

 

Nesta primeira edição, os artistas visuais poderão participar nas seguintes categorias: pintura, desenho; gravura e escultura. Os três primeiros lugares ganharão prêmios em dinheiro, sendo R$ 6 mil para o 1º lugar, R$ 2 mil para o segundo e R$ 1 mil para o terceiro.

Os artistas associados à ACCUR e a APAP/PR poderão se inscrever de forma gratuita e virtual até o dia 10 de novembro. A inscrição será feita gratuitamente por meio deste formulário disponível no site da APAP/PR. Confira o edital aqui!

 

Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões

 

A I Mostra “Visões da Arte” acontecerá no Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, edificação centenária projetada pelo engenheiro Cândido de Abreu para ser a residência do casal Maria Clara Abreu de Leão (1870-1935) e Agostinho Ermelino de Leão Júnior (1866-1907), empresários de destaque e fundadores da empresa Leão Jr. Desde 2005, o Palacete Leão Jr. é mantido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul como Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões.

 

SOBRE O BRDE

 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE – é uma instituição de fomento criada pelos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com o objetivo de fazer o Sul do Brasil prosperar. É signatário do Pacto Global da ONU e opera em sintonia com os ODS. O BRDE também conta com recursos internacionais da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e Banco Europeu de Investimento (BEI) para o financiamento de projetos voltados à produção e consumo sustentáveis. É agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA/Ancine) em todo o território nacional. Apoia projetos culturais, sociais e esportivos que beneficiam milhares de pessoas e instituições, por meio das leis de incentivo. Em 2020, financiou R$ 2,2 bilhões para projetos na Região Sul que beneficiam todos os portes de empresas e setores da economia. A instituição oferece crédito de longo prazo para viabilizar investimentos a empresas de todos os setores e portes, cooperativas, produtores rurais e prefeituras, mantendo acordos com instituições internacionais de fomento para ampliar as fontes de recursos à disposição dos clientes.