BRDE

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) atingiu a marca de R$ 900 milhões em contratos no Paraná, em menos de nove meses – de janeiro até o início de setembro. Nos três estados do Sul, o valor chega a R$ 2,2 bilhões em contratos.

Na análise aprofundada dos contratos celebrados até o momento no Paraná, o BRDE apresentou aumento de 320% nos financiamentos de projetos de micro e pequenas empresas e 75% para médias empresas paranaenses.

Os projetos de eficiência energética e energias renováveis também têm destaque: tiveram aumento de 36% em relação ao mesmo período de 2019, atingindo R$ 294 milhões em contratos no Estado. Já o Recupera Sul, Programa emergencial de crédito para recuperação da economia da região Sul, atingiu, por sua vez, a marca de R$240 milhões em contratos.

“Os números são expressivos e mostram que o BRDE esteve, mais do que nunca, ao lado do paranaense. Continuaremos trabalhando arduamente para manter e elevar estes marcos, fazendo ainda mais diferença na economia do Estado”, diz o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski.

NA REGIÃO – Nos três estados, o montante de R$ 2,2 bilhões em menos de nove meses deste ano já é superior ao valor total de 2019Se considerado o mesmo período do ano anterior, o crescimento em créditos contratados é de mais de 65%. No que diz respeito a recursos próprios, o aumento, comparado ao ano passado, ultrapassa 170%.

Avanços que, segundo Wilson Bley Lipski, demonstram a rápida resposta do Banco diante da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.  “Na crise, não nos escondemos. Pelo contrário, criamos o Programa Recupera Sul, destinamos créditos para a recuperação das empresas e montamos uma força-tarefa em parceria com o Governo do Paraná e outros parceiros para promover a manutenção e geração de empregos no Estado”, Lipski.

Ele ressalta que, além disso, foi aumentada a possibilidade de crédito com recursos próprios e com novos contratos como, por exemplo, AFD (Agência Francesa de Desenvolvimento), CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina), FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), Fungetur (Fundo Geral do Turismo) e Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira).

Mais informações sobre programas, linhas de crédito e atuação do BRDE no Paraná e nos outros dois estados do Sul no site www.brde.com.br/

Depois do sucesso no Brasil, onde foi exibido em diversas salas de cinemas e plataformas digitais (VOD), o documentário Alex Câmera 10, que retrata a carreira do ex-jogador paranaense Alex, vai ganhar o Mundo.

O filme começou a ser exibido em 63 países de língua inglesa, entre eles, Estados Unidos, Inglaterra, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul pela Amazon Prime, que possui 150 milhões de assinantes em todo o mundo. Estima-se que um terço disso, mais de 50 milhões, estão nessa área de abrangência.

O futebol brasileiro sempre encantou o mundo e agora muitos países poderão ver essa homenagem que fizemos ao Alex, um dos maiores camisas 10 dos últimos tempos, ídolo no Brasil e na Turquia”, disse o diretor executivo do filme, Adriano Rattmann.

APOIO – A distribuição do filme Alex Câmera 10 foi possível com o investimento do BRDE, Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e Ancine.

O aporte faz parte da linha de crédito emergencial do FSA elaborada pela Ancine e operada pelo BRDE e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com objetivo de auxiliar o setor de produção audiovisual, tão impactado pela pandemia.

“O BRDE compreende a relevância de apoiar a cultura brasileira através do setor audiovisual”, afirma Wilson Bley Lipski, vice-presidente e diretor de Operações do banco. “Os R$ 400 milhões que serão destinados ao cinema representam a manutenção de empregos e a sobrevivência de diversas empresas do ramo, que são tão importantes, tanto para a cultura, quanto para a economia do Brasil”, afirma.

“Um filme passa por várias etapas e sem dúvida a distribuição é uma das mais importantes”, afirma Adriano Rattmann. “Por isso a confiança e o investimento do BRDE e do Governo do Estado em nosso projeto foi muito importante para levarmos para o mundo a história de um dos maiores jogadores da história Paraná”, declarou.

Um dos momentos marcantes do filme se passa no Teatro Guaíra, onde o jogador tem um reencontro com as principais bolas que fizeram parte de sua carreira ao som do poema inédito “A Bola” do poeta e músico paranaense Marcos Prado, falecido em 1996.

No Brasil o filme está disponível na Vivo, iTunes, Google Play, NOW e Amazon Prime.

Alex Câmera 10 –  O filme Alex Câmera 10, de Adriano Rattmann e Cauê Serur, começou a ser produzido quando o jogador retornou da Turquia e optou, entre várias propostas, em jogar seus últimos anos de carreira pelo time que o revelou.

A obra mostra desde a chegada do jogador com calorosa recepção da torcida alviverde com mais de 10 mil pessoas no estádio Couto Pereira e acompanha o jogador pelos dois últimos anos da carreira desfilando seu futebol de Norte a Sul do país em 2013 e 2014.

No roteiro, momentos marcantes como o primeiro título com a camisa do Coritiba, um tetracampeonato estadual, algo que não acontecia há 40 anos; o gol 400 e o jogo mil da carreira, além da homenagem em seu jogo de despedida.

O mês de setembro começou com concerto virtual na Orquestra Sinfônica do Paraná em homenagem aos trabalhadores do campo. A obra apresentada nesta terça-feira (01) foi O Cio da Terra, de Chico Buarque e Milton Nascimento. O vídeo está disponível nas redes sociais do BRDE e do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná.

Os músicos da OSP gravaram cada uma de suas partes em suas próprias casas. A regência, também remota, é do maestro-titular Stefan Geiger. O vídeo teve a realização do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e o apoio do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná.

Os concertos virtuais da OSP são um sucesso de público desde março. O primeiro da série foi O Trenzinho do Caipira, seguido por Carinhoso, uma homenagem aos profissionais de saúde, Parabéns pra Você, em comemoração ao aniversário da OSP, e O Bêbado e a Equilibrista, em homenagem a Aldir Blanc.

Os homenageados do novo concerto são os trabalhadores do campo, que assim como os profissionais da saúde merecem reconhecimento por manterem o País funcionando mesmo em tempos de crise.

O BRDE é agente financeiro repassador de recursos do Plano Safra, viabilizando crédito ao setor agrícola paranaense há 59 anos. O Paraná vai receber R$ 460 milhões por meio do Sistema Paranaense de Fomento, valor que será integralmente destinado a financiar a próxima safra. Este projeto visa aproximar a marca do banco com o pequeno agricultor, consolidando o BRDE como banco do agricultor.

O concerto virtual O Cio da Terra contou com o apoio do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná, Palco Paraná, Centro Cultural Teatro Guaíra, Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura e Governo do Estado. A realização é do BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul).

Onde assistir:

https://www.youtube.com/brdeoficial 

https://www.facebook.com/brdeoficial/

https://www.instagram.com/brdeoficial/

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) reafirma o compromisso com o desenvolvimento sustentável do Paraná. Nos últimos meses, pelo menos três projetos ligados a esta temática foram aprovados e receberão financiamento do banco.

Com recursos da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), por meio do Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis, que financia projetos de impacto positivo sobre o meio ambiente e o clima, o BRDE tem apoiado projetos ligados às energias limpas e renováveis; gestão de resíduos e reciclagem; uso racional e eficiente da água; agronegócio sustentável e cidades sustentáveis.

Recentemente, três municípios comemoraram a conquista de recursos: Roncador, Barbosa Ferraz e Assis Chateubriand. No primeiro, o projeto contemplado consiste na substituição dos 1.596 pontos do parque de iluminação pública, atualmente formado por luminárias com lâmpadas de vapor de sódio, por luminárias em LED. Integralmente financiado pelo BRDE PCS, o valor passa de R$ 2,4 milhões.

Em Barbosa Ferraz, o projeto também diz respeito à iluminação pública. Por lá, aproximadamente 1,8 mil pontos de iluminação foram trocados por luminárias de LED. O valor do projeto, também financiado de forma integral, é de cerca de R$ 2,1 milhões.

No município de Assis Chateubriand a construção de um abrigo para estacionamento da frota de veículos leves e pesados do município, assim como a instalação de sistema de geração de energia fotovoltaica de 214,4 kilo-Watt-pico (kWp), recebeu investimento de mais de R$ 1,8 milhão pelas linhas AFD e BNDES.

SOBRE A AFD – A Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) recentemente celebrou o financiamento de 70 milhões de euros – cerca de R$ 425 milhões – para o BRDE. Historicamente, desde 2018, o banco conta com empréstimos da agência, direcionando os recursos para o Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis.

Hoje, esta é a linha mais demandada no BRDE, que procura atender e incentivar o financiamento de projetos alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da ONU. Entre eles, estão itens como educação de qualidade; igualdade de gênero; cidades e comunidades sustentáveis; produção e consumo sustentáveis, paz e justiça, entre outros.

A etapa de pré-aceleração do programa BRDE Labs no Paraná acaba de ser concluída. Dez startups foram escolhidas para a próxima fase, a de aceleração. O projeto tem como objetivo oferecer apoio, capacitação e aporte de recursos às startups que desenvolvem soluções para diversas áreas e conta com a parceria da Hotmilk, aceleradora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e curadora do programa.

Ao todo 179 startups se inscreveram no BRDE Labs.  Através de variadas etapas avaliativas, as 10 startups escolhidas para a fase de aceleração foram: Transceder.Dev, Traive, Tecexpert Brasil, Agroraptor, Extractify, Manfing, Haka Bioprocessos, Pecsmart, Silos, Ylive.

Dentre os projetos selecionados, soluções tecnológicas para o agronegócio se destacaram, como por exemplo o monitoramento e automação de lavouras através de drones para diagnóstico de precisão nas tomadas de decisão no manejo das lavouras; a automação do processo de classificação de grãos através de visão computacional nas cooperativas, aumentando a agilidade e confiabilidade deste processo; e uma proposta de monitoramento de granjas combinando métricas zootécnicas, biometria e gerenciamento de dados, com foco no aumento da produtividade e bem estar animal.

As finalistas do programa receberão capacitação em áreas como liderança, OKRs, modelos de negócios, vendas, marketing, propriedade intelectual e captação de investimento.

Visando o desenvolvimento dos empreendedores, estão incluídos no processo de aceleração a participação em 6 workshops de capacitação, o apoio para a implantação das Provas de Conceito (PoCs) junto às cooperativas participantes, e auxílio para criação de um plano de desenvolvimento individualizado, com apoio de mentores para aceleração de seus negócios. Através das conexões feitas no projeto, as startups poderão fechar parcerias com as cooperativas ligadas ao BRDE Labs e receber aporte de Fundos em que o BRDE é cotista. Por meio deste programa, o BRDE busca acrescentar aos empreendedores experiência de mercado, conhecimento prático de empreendedorismo e visa proporcionar oportunidades de implementação dos projetos, fomentando a inovação sustentável.

Desde o ano passado, o BRDE vem implementando diversas melhorias através do internet banking, sistema on-line de acesso aos processos bancários. A digitalização de grande parte dos procedimentos do Banco tem causado um efeito de agilidade e desburocratização de etapas, facilitando as interações com os clientes do Banco e os retornos às solicitações feitas.

Além disso, esse processo de digitalização tem permitido o envio de documentos e certidões no formato digital por novos solicitantes. Segundo Wilson Bley, vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, a implementação desse sistema significa um avanço muito importante, principalmente no contexto atual gerado pelo coronavírus. Inclusive, o vice-presidente explicou que o projeto sofreu aceleração em sua conclusão, de forma a auxiliar nas respostas e resolutivas dadas aos solicitantes que buscam o Banco como uma alternativa em meio à crise.

Os novos pedidos de financiamento podem ser feitos diretamente na plataforma do BRDE e a documentação necessária para análise será enviada digitalmente por este canal. O acesso pode ser feito por https://www.brde.com.br/solicitar-financiamento/ , na aba de solicitação de financiamento online.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) inaugura, em 2020, a segunda etapa de captação de recursos internacionais junto à Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), que já viabilizou investimentos sustentáveis nos três estados da Região Sul. A celebração do contrato de financiamento, no valor de 70 milhões de euros – cerca de R$ 425 milhões –, foi realizada no dia 11 de agosto em evento on-line transmitido pelo YouTube @brdeoficial.

Participaram do ato de assinatura Philippe Orliange, Diretor da AFD no Brasil; Olivier da Silva, Encarregado de Negócios da Embaixada da França; Eduardo Leite, Governador do Rio Grande do Sul; Carlos Moisés, Governador de Santa Catarina; Darci Piana, Vice-governador do Paraná; Luiz Corrêa Noronha, Diretor-presidente do BRDE; Wilson Bley Lipski, Vice-presidente e Diretor de Operações do BRDE e Marcelo Haendchen Dutra, Diretor Financeiro do BRDE.

“Este segundo financiamento vem consolidar ainda mais a parceria entre a AFD e o BRDE, sobretudo pela inclusão no projeto de uma análise de desenvolvimento sustentável para toda a carteira do BRDE, permitindo assim o financiamento de ainda mais projetos de alto impacto social e ambiental”, afirmou o Diretor da AFD no Brasil, Philippe Orliange.

Para o Encarregado de Negócios da Embaixada da França, Olivier da Silva, “é necessária não somente a resposta aos tempos atuais, mas também uma resposta às gerações futuras, principalmente ao fortalecer e cumprir com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

“A ampliação da oferta de crédito para a Região Sul é um objetivo constante do BRDE, principalmente no contexto atual de acentuada crise econômica”, informou o Diretor-presidente do BRDE, Luiz Corrêa Noronha. “Nessa nova rodada de recursos franceses, a linha de crédito foi ampliada e contemplará projetos que contribuem positivamente para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas (ONU), em especial os investimentos em saúde, educação e patrimônio cultural. Desse modo, o BRDE busca consolidar sua carteira verde, social e sustentável”.

Histórico

O primeiro empréstimo do BRDE junto à AFD, obtido em 2018, no montante de 50 milhões de euros, aproximadamente R$ 304 milhões, foi direcionado ao Programa BRDE PCS – Produção e Consumo Sustentáveis, que financia projetos de impacto positivo sobre o meio ambiente e o clima. O PCS se tornou a linha de crédito mais demandada no BRDE nos últimos anos, abrangendo cinco eixos prioritários: energias limpas e renováveis; gestão de resíduos e reciclagem; uso racional e eficiente da água; agronegócio sustentável e cidades sustentáveis.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE é um dos principais parceiros da inovação. Tem como uma de suas principais linhas de crédito o Inovacred, que recentemente passou por atualizações. Ocorreram mudanças nas linhas já operadas pelo BRDE e novas linhas foram acrescentadas.

Através do programa BRDE Inova, o Banco é o maior repassador no Brasil dos recursos da Financiadora de Estudos e Projeto (Finep), empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

O Inovacred, disponibilizado desde 2013, é um dos principais instrumentos oferecidos pelo BRDE para promover a inovação no ambiente produtivo na região Sul. Oferece financiamentos de longo prazo para empresas e projetos inovadores com juros, condições, tarifas e acompanhamentos diferenciados. As empresas beneficiárias devem ter receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões. O crédito é direcionado ao desenvolvimento ou aprimoramento de novos produtos, processos e serviços. Também é financiável a inovação organizacional ou de marketing.

Através do Inovacred, linhas complementares são oferecidas pelo BRDE, como os programas Inovacred Expresso, Inovacred Conecta e Inovacred 4.0, que recentemente passaram por atualizações.

Agora, empresas com receita bruta anual de até R$ 300 milhões podem ser beneficiadas com o crédito do Inovacred Conecta, linha que visa estimular a cooperação entre empresas e Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICTs), de forma a levar conhecimento gerado nas ICTs para as empresas brasileiras.

Houve também mudança no Inovacred Expresso, anteriormente o valor limite de financiamento era de R$ 200 mil, agora o aporte pode chegar a R$ 2 milhões. Esse programa tem fluxo operacional simplificado para empresas brasileiras inovadoras, buscando facilitar o acesso ao crédito para micro, pequenas e médias empresas com histórico de inovação.

O Inovacred 4.0 passou de no máximo R$ 3 milhões financiáveis a até R$ 10 milhões na atualização. O crédito é disponível para pequenas empresas com faturamento anual até R$ 16 milhões.

Além disso, novas linhas complementares foram adicionadas no programa de fomento da inovação do BRDE, são elas: Inovacred Telecom, Inovacred Conecta Telecom, Inovacred Aquisição Inovadora Telecom Inovacred Aquisição Inovadora Energia e Inovacred Aquisição inovadora Saúde

Para mais informações sobre financiamentos do BRDE à inovação, entre em contato pelo email: brdepr@brde.com.br ou visite o site https://www.brde.com.br/servicos/inovacao/

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) registrou de janeiro a julho mais de R$ 600 milhões em operações de crédito em todo o Paraná, volume 60% superior ao do mesmo período de 2019. O montante compreende investimentos em diversas linhas como agro, inovação, sustentabilidade e recuperação econômica no Paraná.

Outro destaque foi o rápido retorno do Banco diante das incertezas provocadas pela pandemia do novo coronavírus. O BRDE lançou o Programa Recupera Sul, que destinou mais de R$ 300 milhões, por meio de recursos próprios, para os empreendedores paranaenses amenizarem os efeitos da crise.  Com a ação, estima-se que pelo menos 16 mil empregos foram resguardados, evitando um colapso na economia do Estado.

MUDANÇA OPERACIONAL – Além dos números, o Banco também implantou uma mudança operacional. Com as recomendações de distanciamento social e o fortalecimento do universo digital, o BRDE acelerou o processo de digitalização e, ao completar 59 anos, disponibilizou uma plataforma digital que o aproxima do público e oferece soluções diretas e rápidas para financiamentos.

“Esse movimento estava previsto para 2021, mas as circunstâncias nos fizeram acelerar. Hoje, pelo internet banking, o paranaense consegue movimentar processos, solicitar financiamentos e ter atendimento especializado da equipe, tudo a distância e de forma acessível”, explica o diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski. “É uma conquista para o Banco e para os paranaenses”, destaca.

INVESTIMENTOS – No setor agro, os investimentos do Banco ganham destaque. Com o encerramento do último Plano Safra, entre julho de 2019 e junho de 2020, o total de investimentos do BRDE ultrapassou R$ 330 milhões para as mais diversas finalidades como expansão e construção de aviários, investimento em plantio e colheita e aporte para compra de maquinários, por exemplo.

Outros setores são destacados nestes primeiros sete meses de 2020. Considerando o porte de empresas, por exemplo, só para micro, pequenas e médias foram R$ 447 milhões, contra R$192,9 no ano passado – o que representa 132% de crescimento.

No recorte por tipo de projeto, na área de inovação, empresas inovadoras receberam mais de R$ 10,2 mi por meio do Programa BRDE Inova, que financia projetos com recursos da Finep. Entre 2019 e 2020, o volume de financiamentos do programa já soma mais de R$90 milhões, somente por meio da agência paranaense do BRDE.

“Seguimos as orientações dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da ONU, e a sustentabilidade é sempre um aspecto importante nos projetos que financiamos pelo Programa BRDE PCS, por exemplo, que entre janeiro e julho de 2020, registrou contratação de mais de R$184,3 milhões”, ressalta o diretor de operações.

“Valor importante que financia projetos para geração de energia limpa, com foco na instalação e desenvolvimento de sistemas fotovoltaicos, com predominância no agro paranaense”, explica.

SEGUNDO SEMESTRE – Para este segundo semestre, os planos de expansão continuam. Só no Plano Safra 2020-2021, por exemplo, o BRDE já oficializou: pelo menos R$ 460 milhões serão disponibilizados para o Paraná e mais R$100 mil para o Mato Grosso do Sul. Além disso, projetos ligados à inovação, sustentabilidade, empreendedorismo e recuperação econômica também continuarão sendo contemplados.

“Foi um primeiro semestre intenso. Mobilizamos novos fundings, disponibilizamos recursos próprios, criamos uma força-tarefa de atendimento ao paranaense. O ano de 2020 ainda não acabou e continuaremos salvaguardando empregos, auxiliando empresas, oferecendo suporte para o agronegócio e fazendo com que as engrenagens da economia continuem girando”, finaliza o diretor.

Para saber mais sobre as linhas de crédito e atuação do BRDE no Paraná, basta acessar o site www.brde.com.br ou procurar pelo Banco nas redes sociais.

BOX
Banco quer ampliar a parceria com o BNDES

O BRDE quer ampliar a parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para aumentar ainda mais a oferta de crédito na agência paranaense. A ampliação do crédito é considerada essencial para reativar a economia no pós-pandemia de Covid-19. O assunto foi tratado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior em reunião por videoconferência com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, na terça-feira (04.08). Ratinho Junior destacou o apoio que o BNDES já dá ao Paraná e afirmou que neste momento é necessária uma atenção imediata, dada a grande demanda por crédito.

O diretor de Operações do BRDE no Estado, Wilson Bley Lipski explicou que logo no início da pandemia, o Banco criou uma força-tarefa para agilizar os atendimentos de novos pedidos e, também, analisar possibilidades de renegociação entre os contratos vigentes. No total, o BRDE conseguiu enquadrar 1.445 contratos, o que representa mais de 800 clientes, com prioridade para os contratos com micro e pequenas empresas.

Segundo Montezano, a diretoria do BNDES considera o Paraná como parceiro prioritário e afirmou que a condição econômica do Estado permite a ampliação do crédito. No mês passado, disse ele, o BNDES aprovou um limite de crédito de R$ 1 bilhão para o BRDE, válido para o segundo semestre de 2020 para financiar projetos de investimento em diferentes setores nos três estados da Região Sul.

O Governo do Estado formalizou pedido para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) amplie a parceria com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A intenção é passar a oferecer maior volume de recursos na agência paranaense do BRDE, que atende a projetos dos três estados do Sul. A ampliação do crédito é considerada essencial para reativar a economia no pós-pandemia de Covid-19.

A solicitação foi feita pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior nesta terça-feira (04), durante reunião por videoconferência com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano. “O BNDES tem nos ajudado bastante, mas precisamos de uma atenção imediata porque estamos tendo uma demanda muito grande por crédito”, destacou o governador.

Diretor de Operações do BRDE no Estado, Wilson Bley Lipski explicou que as linhas de crédito oferecidas pelo banco chegaram ao limite por causa dos pedidos durante a pandemia do novo coronavírus.

Logo no início da pandemia, o Banco criou uma força-tarefa para agilizar os atendimentos de novos pedidos e, também, analisar possibilidades de renegociação entre os contratos vigentes. No total, o BRDE conseguiu enquadrar 1.445 contratos, o que representa mais de 800 clientes, com prioridade para os contratos com micro e pequenas empresas.

“Estamos sensíveis a esse momento crítico e buscamos alternativas para ajudar os clientes que já tinham contratos vigentes conosco. Por isso a importância em buscar novos fundings para atender aos pedidos que, desde início do ano, somaram mais de R$ 1,3 bilhão em liberações de crédito em todo Sul”, afirmou Lipski. “Tudo que tínhamos de recursos próprios nós colocamos no mercado”, completou.

PRIORITÁRIO – Montezano informou que a diretoria do banco considera o Paraná como parceiro prioritário e que a condição econômica do Estado permite a ampliação do crédito. No mês passado, disse ele, o BNDES aprovou um limite de crédito de R$ 1 bilhão para o BRDE, válido para o segundo semestre de 2020.

O valor é 45% maior que o do semestre anterior, de acordo com o banco nacional, e será utilizado para financiar projetos de investimento em diferentes setores nos três estados da Região Sul. “Contamos com o BRDE nos nossos programas de crédito. Vale o esforço e vamos focar nesta ampliação, ver o que pode ser feito”, disse Montezano.

PRESENÇAS – Participaram também da reunião os secretários Renê Garcia (Fazenda), Michel Micheletto (Administração e Previdência) e Márcio Nunes (Desenvolvimento Sustentável e Turismo), e os presidentes da Compagas, Rafael Lamastra; Copel, Daniel Pimentel Slaviero, e Sanepar, Claudio Stabile.