BRDE

Projetos prioritários para o desenvolvimento do Estado contarão com recursos de R$ 300 milhões do Banco Regional de Desenvolvimento Econômico do Extremo Sul (BRDE). O governador Carlos Massa Ratinho Junior e o diretor de Operações da agência paranaense do BRDE, Wilson Bley Lipski, lançaram nesta terça-feira (17) o Promove Sul, um fundo rotativo permanente para o apoio de projetos em diversas áreas.

Os recursos serão destinados ao financiamento de projetos ligados às áreas de energias renováveis, inovação, turismo, expansões consideradas grandes geradoras de emprego, bovinocultura, agricultura familiar e agroindústrias, micro e pequenas cooperativas, micro, pequenas e médias empresas, armazenagens, Parcerias Público-Privadas (PPPs) e concessões.

RECURSOS PRÓPRIOS – O Promove Sul é composto por recursos próprios do BRDE. De acordo com o Bley, o banco reavaliou toda a política de concessão de crédito e separou R$ 900 milhões do fluxo financeiro – R$ 300 milhões para cada estado do Sul – para constituir o fundo, que vai apoiar estratégias próprias para o desenvolvimento dos estados.

No Paraná, o fundo vai apoiar, além de outras áreas, o Banco do Agricultor Paranaense. “No Paraná, haverá um direcionamento para as áreas de inovação, turismo e agricultura. Tão logo tenhamos a lei com o equacionamento dos juros, utilizaremos esse fundo para apoiar a agricultura do Estado”, explicou Bley. “Desta forma, conseguimos apoiar de forma mais contundente o desenvolvimento econômico dos estados”, disse.

TRATOR SOLIDÁRIO – Na solenidade, o BRDE também renovou o convênio com a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento para o programa Trato Solidário, que possibilita o financiamento com preços mais acessíveis de tratores, pulverizadores e colhedoras para agricultores familiares paranaenses.

Criado em 2007, o Trator Solidário já financiou cerca de 13 mil maquinários agrícolas para pequenos produtores paranaenses. O programa é fruto de uma parceria entre a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater, Fomento Paraná, agentes financeiros e cooperativas de crédito, além de fabricantes de implementos, equipamentos, tratores e máquinas agrícolas.

Os equipamentos adquiridos por meio do programa têm redução entre 15% e 20% no valor em relação ao preço de mercado. Só no ano passado, o Trator Solidário proporcionou economia de cerca de R$ 17 milhões para os agricultores familiares paranaenses. Eles adquiriram 820 máquinas agrícolas entre tratores, pulverizadores e colhedoras. O valor é resultado do desconto negociado pelo Estado com as fabricantes e concessionárias.

O secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, explicou que o BRDE é o agente articulador, financiador e apoiador do Trator Solidário, que permitiu a entrada das cooperativas de crédito como agentes financeiros do programa. “Ele cumpre um bom papel ao permitir que o agricultor familiar acesse equipamentos modernos e mais eficientes ao menor preço do Brasil”, disse.

A renovação possibilitará grandes avanços ao programa, entre eles a expansão do número de agentes financeiros, com a entrada da Credialiança, que se junta ao BRDE, Fomento Paraná, Cresol e Sicredi no processo de contratação, visando abranger um número cada vez maior de produtores rurais. “Criamos uma capilaridade no Estado junto com esses parceiros, que permitiu chegar a 7 mil agricultores familiares, que são nossos clientes no programa”, explicou o diretor do BRDE.

Ratinho Junior destacou que as entidades financeiras do Estado, como o BRDE e a Fomento Paraná, são fundamentais para dar suporte à economia e ao desenvolvimento. “Neste momento em que enfrentaremos uma crise, com pelos menos quatro meses de muita tensão na economia, as instituições financeiras serão mais importantes do que nunca para fazer com que o impacto seja o menor possível”, disse.

“Essas instituições atuarão para alavancar os investimentos e aportar recursos para o pequeno agricultor, o comércio e o turismo, setores da economia que são estratégicos para a geração de emprego”, afirmou o governador. “O nosso foco para o BRDE é justamente criar linhas de crédito facilitadas, com juros baixos, para fazer com que o dinheiro chegue para quem produz e gera emprego. Será o momento de pisar no acelerador para apoiar a economia”, destacou.

Fonte: AEN

Foto: Rodrigo Felix Real

 

Durante a última semana, número de inscritos bateu os recordes do Programa

 

Vem muito mais startups por aí… Pelo menos é o que indicam os índices de inscrições para o Programa BRDE Labs, promovido pelo BRDE em parceria com a Hot Milk, aceleradora da PUC-PR.

Só na última semana, houve um aumento de 48% nas inscrições finalizadas, o que representa a inclusão de 25 novas startups no Programa. Além disso, 43 outras startups também realizaram a pré-inscrição, um crescimento de 73% no cenário geral.

No total, o Programa já conta com 68 startups com inscrições finalizadas e 103 pré-inscritas. Números importantes que consolidam a importância de trabalharmos para fomentar ainda mais a inovação no Estado.

Sobre o BRDE Labs

O Programa BRDE Labs tem como objetivo oferecer apoio, capacitação e aporte de recursos às startups que desenvolvem soluções para diversas áreas, mas com foco no agronegócio e na indústria 4.0. O edital é aberto para startups de todo o Brasil, porém, os espaços de aceleração estarão sediados nas unidades da PUC-PR em Toledo e Londrina. Dentro do Programa, ocorrerá o processo de aceleração das startups, aproximando-as das instituições de ensino e de potenciais clientes, além de fomentar a inovação no Paraná, sempre com o apoio e mentoria de representantes de cooperativas agroindustriais e empresas do Paraná.

As inscrições no Programa estão abertas até o dia 06 de abril e podem ser realizadas no site https://www.brdelabs.com.br/.

Com a inauguração da loja, foram gerados mais de 40 postos de empregos diretos na cidade

Depois de receber mais de R$2 mi em investimentos do BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, a rede Nichele inaugurou mais uma unidade, dessa vez, no município de Araucária, região metropolitana de Curitiba. A sétima loja da rede tem mais de 3 mil m² e conta com extensa área de vendas, além de espaço para depósito, instalações sanitárias e DML no andar térreo, copa, sala de treinamento, gerência, vestiários, espaço para os funcionários e 57 vagas de estacionamento.

A rede recebeu o financiamento por meio do Programa BRDE Desenvolve Sul, que opera com recursos próprios para todos os portes de empreendimentos e setores da economia. As operações do Programa chegaram mais de R$426 milhões em investimentos entre Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, até o momento.

Com a inauguração da nova loja, a rede Nichele prospera e segue fomentando o desenvolvimento econômico – só em Araucária, foram gerados mais de 40 postos de empregos diretos e outros 100 indiretos.

Em 2019, o município recebeu mais de R$4 milhões de investimentos do BRDE, por meio do Programa Avançar Cidades

Foi dada a largada nas obras de pavimentação e serviços complementares em diversas vias da cidade de Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba. Em 2019, o município firmou com o BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, o Contrato de Financiamento no valor de R$ 4,4 para a realização das obras.

Segundo o Secretário de Projetos e Captação de Recursos da prefeitura de Campina Grande do Sul, Levi Renato Camargo, os investimentos foram essenciais e, agora, as obras iniciadas poderão promover diversas melhorias no município.

“Na realidade da gestão municipal, um dos maiores problemas é a questão da infraestrutura. Já há algum tempo, estávamos tentando promover obras de melhorias asfálticas, mas a verba era insuficiente. Com a inclusão do BRDE no Programa Avançar Cidades, conseguimos mais celeridade nos processos e logo recebemos os investimentos. Com as obras, além da melhoria no asfalto e das ruas, esperamos melhorar outros aspectos da área urbana, fomentando o desenvolvimento da nossa cidade”, garante o secretário.

As obras foram iniciadas em março, após a conclusão do processo licitatório e contratação da empresa licitada. A previsão é que as melhorias sejam concluídas em até 180 dias.

“Estamos muito contentes em contribuir com o desenvolvimento do Paraná. Campina Grande do Sul é um dos municípios que recebeu recursos do BRDE por meio do Programa Avançar Cidades e, com obras desse porte, melhora-se a infraestrutura e a economia do Estado”, reforça o diretor do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Sobre o Programa

O Programa Avançar Cidades é operado no âmbito do Programa BRDE Municípios e financia projetos voltados à melhoria da circulação de pessoas, incluindo qualificação viária, transporte público coletivo sobre pneus, transporte não motorizado e elaboração de planos de mobilidade urbana, com recursos do FGTS. Estão incluídos no Programa, financiamentos para obras de pavimentação de itinerários de transporte público urbano ou pavimentação de vias de um bairro ou de ligação entre bairros; infraestrutura cicloviária; medidas de moderação de tráfego; iluminação pública; arborização; redes de abastecimento de água e redes de coleta de esgotamento sanitário.

No Paraná, o Avançar Cidades tem o BRDE como agente financeiro da operação. Em 2019, o BRDE realizou contratações no valor de R$ 2,4 bilhões e liberações que totalizaram R$ 2,3 bilhões. Deste total o Programa BRDE Municípios representou mais de R$153 milhões.

O Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, em Curitiba, dedicou sua programação de exposições de março às mulheres na arte. Ao longo do mês serão inauguradas duas individuais: das artistas Cristina Agostinho e Carmen Fortes. Ambas as exposições são inéditas e contam com textos de mulheres que atuam no campo da curadoria e da crítica de arte.

 

A primeira mostra agendada é ASAS, da artista Cristina Agostinho e com texto da curadora, pesquisadora e crítica de arte Ana Rocha. ASAS abrirá nesta quarta-feira, 4 de março, apresentando pinturas, objetos e trabalhos bordados em seda. “Na exposição ASAS, Cristina Agostinho nos envolve em um conto onírico, cheio de símbolos e um vocabulário próprio, no qual os vestidos e as pinturas são costurados pela mitologia e pelo universo do feminino. Como o próprio título sugere, somos convidados a alçar voo em seu universo particular, a tecer uma relação com sua própria imagem e desenhos que a linha conduz sobre e através do tecido e a tinta sobre a tela.”, escreve Ana Rocha em seu texto crítico elaborado para a exposição.

 

A exposição MECANISMO, primeira individual da artista Carmen Fortes, será inaugurada na quinta-feira, 12 de março, na Sala da Torre. MECANISMO apresenta pinturas em acrílica numa exposição com texto crítico da pesquisadora e professora Astrid Façanha. “Ao reunir, no mesmo espaço, vestígios de um ambiente que embaralha passado e presente e revela o protagonismo de elementos triviais misturados a uma natureza deslocada de seu habitat, Carmen Fortes orquestra um conjunto caótico onde cada objeto tem seu espaço, mas também se sobrepõe um ao outro, em um jogo aleatório na composição pictórica. Não que o resultado seja mero fruto do exercício de olhar, é possível identificar um engajamento político na intenção inconsciente da artista que chama atenção para o consumo exacerbado, o descarte aleatório de objetos, a obsolescência programada, sem falar na presença desconcertante dos objetos inanimados como testemunhas de uma vivência ausente.”, analisa Astrid Façanha sobre o trabalho da artista.

 

 

Regularmente, o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões realiza uma convocatória pública para selecionar projetos expositivos que passam a integrar seu calendário de atividades. “Há 15 anos, o Espaço Cultural BRDE no Paraná mantém uma programação de exposições de arte contemporânea, recebendo propostas artísticas de âmbitos local, regional e nacional, além de estabelecer parcerias com museus e outras instituições culturais”, explica Rafaela Tasca, coordenadora do Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões.  “É uma programação que celebra uma presença muito importante não somente de mulheres artistas, mas também de profissionais que atuam no campo da curadoria e crítica da arte.”, complementa Rafaela.

 

 

Sobre Cristina Agostinho

Natural de Portugal, Cristina Agostinho vive e trabalha em Maringá, PR. Formada em Artes Visuais na Belas Artes de Lisboa e pela FAAP – Fundação Armando Alvares Penteado, iniciou sua carreira artística na década de 1990 em São Paulo. Realizou exposições individuais e coletivas, entre as quais “Os treze” (Palácio dos Coruchéus – Lisboa,1989), “Cristina Agostinho e Sandra Cinto” (Casa Triângulo – São Paulo, 1993), “Imãs” (Casa Andrade Muricy – Curitiba, 2008) e “Estamos aqui” (MAC-PR, Curitiba, 2019). Seu trabalho “Bandeirola 4”  integra o acervo do Museu de Arte Contemporânea do Paraná.

 

 

 

Sobre Carmen Fortes

O interesse de Carmen Fortes pelo universo da arte remonta a sua infância quando reproduzia as obras de grandes mestres da pintura a partir dos livros de arte colecionados por seu pai. Em sua poética há referências aos vitrais medievais, à perspectiva renascentista, às vanguardas européias – em especial o Fauvismo e o Cubismo, ao Nouveau Realism francês e a Pop Art. Porém, é na pintura de gênero holandesa, com suas naturezas mortas e cenas extraídas da banalidade doméstica, que Carmen percebeu a possibilidade de uma reinvenção contemporânea desse gênero. Decidida a se dedicar exclusivamente à arte, ingressou no curso de Pintura da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap). Participou de coletivas, entre elas “Mulheres Artistas” (Museu de Arte de Cascavel, 2019) e do 44º Salão de Artes de Ribeirão Preto (2019) e XXV Salão Curitibano de Artes Visuais (2018). “Mecanismo” é sua primeira individual realizada em 2020 na Sala da Torre do Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões.

 

 

Sobre o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões

Inaugurado em junho de 2005, o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, localizado em Curitiba, é mantido e coordenado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Oferecendo uma programação gratuita, realiza exposições e atividades relacionadas à arte contemporânea, arquitetura, história e patrimônio cultural. Sua programação contempla um programa de exposições temporárias de artistas nacionais e de exposições em parceria com outras instituições culturais.

 

 

Serviço

 

Exposição “ASAS – Cristina Agostinho”

Com texto de Ana Rocha

Abertura: 04 de março de 2020, às 19h

Período expositivo: 05 a 31 de março de 2020

Local: Sala 1 e 2

 

Exposição “MECANISMO – Carmen Fortes”

Com texto de Astrid Façanha

Abertura: 12 de março de 2020, às 19h

Período expositivo: 13 de março a 30 de abril de 2020

Local: Sala da Torre

 

 

Local: Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões

Av. João Gualberto, 570 – Alto da Glória

Curitiba – Paraná

 

Horário de funcionamento:

De segunda a sexta, das 12h30 às 18h30

Entrada gratuita

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE teve papel estratégico no avanço da indústria paranaense em 2019. Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, entre janeiro e dezembro do ano passado, houve crescimento de 5,7% na produção industrial paranaense, colocando o Estado em posição de liderança no País. Diante do resultado, o Paraná foi o que registrou o melhor desempenho industrial de 2019. Neste mesmo período, os investimentos do BRDE no setor industrial ultrapassaram R$ 201,9 milhões, diluídos em 217 liberações de recursos.

No setor de agroindústria foram injetados, só em 2019, cerca de R$147 milhões. A C.Vale, de Palotina, recebeu mais de R$40 milhões. A Frimesa, de Medianeira, teve acesso ao aporte de mais de R$36 milhões. Já a Coopertradição, de Pato Branco, pode fortalecer os negócios por meio do apoio do BRDE, que investiu R$20 milhões na empresa. “Números importantes que movimentam as engrenagens da economia paranaense”, diz o diretor do BRDE, Wilson Bley Lipski.

“Entendemos que o setor agro tem uma grande responsabilidade pelo crescimento do País. Investimos em diversas cooperativas durante o ano de 2019, fortalecendo não só o cooperativismo, mas o ecossistema agroindustrial, visto que os investimentos possibilitaram expansão de unidades, melhorias em infraestrutura e incentivos aos cooperados, o que melhora toda a cadeia produtiva”, enfatiza Bley.

Já na área de alimentos, a El Shadai, de Chopinzinho, recebeu o aporte de mais de R$4 milhões e a SL Cereais e Alimentos de Mauá da Serra, R$9 milhões. “Como banco de desenvolvimento, compreendemos que é essencial distribuir os recursos nos mais variados setores. Desta forma, possibilitamos o crescimento em áreas diversas e movimentamos a economia estadual”, comenta Bley.

Os investimentos fizeram a diferença para o crescimento do setor industrial, avalia o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes). Segundo o Instituto, entre os principais motivos para o avanço da indústria paranaense estão o aumento da qualidade da produção local, com recepção no mercado global; a abertura de novos mercados para alimentos e a diversificação da indústria paranaense. Esses fatores são determinantes para os investimentos do Banco, que destinou recursos para indústrias de vários setores – têxteis, do setor automotivo, moveleiro, cosméticos e eletrônicos, além das agroindústrias.

OPORTUNIDADE – A unidade brasileira da ATI Brasil – Artigos Técnicos Industriais, foi uma das contempladas com os repasses do BRDE. Em 2019, o sócio presidente da empresa, Mario Petri, solicitou crédito para investimentos na construção de um novo centro de distribuição da empresa, sediada em Curitiba. “Estamos crescendo de 10 a 15% ao ano e precisávamos de uma estrutura mais organizada para o centro de distribuição. Solicitamos o investimento ao BRDE e fomos atendidos. Hoje, a obra está em execução e, a partir dela, pretendemos crescer ainda mais”, relata Petri.

A empresa, com sede em Curitiba, tem filiais em cidades de outros estados como Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Ceará, Pernambuco e Goiás. Com a expansão do centro de distribuição, a ideia é aumentar mais a capilaridade dos negócios, com inauguração de filiais na Bahia, Rio de Janeiro e Paraná.

“Cerca de 90% dos materiais que utilizamos são importados. Eles chegam no Paraná e encaminhamos para o nosso centro de distribuição, que encaminha para as filiais. Com a expansão da unidade, conseguiremos organizar melhor o estoque e poderemos expandir a empresa”, finaliza o empresário. No total, a ATI Brasil – Artigos Técnicos Industriais recebeu R$10 milhões em investimentos do BRDE.

SETORES – Segundo o levantamento do IBGE, os setores da indústria que mais cresceram no Paraná foram: veículos automotores, reboques e carrocerias (25,7%); máquinas e equipamentos (9,5%); indústria geral (5,7%); produtos alimentícios (8,8%); máquinas, aparelhos e materiais elétricos (5,3%); produtos de borracha e material plástico (2,5%); celulose, papel e produtos de papel (1,5%) e produtos de minerais não metálicos (0,8%). “De certa forma, todos os setores destacados receberam algum aporte do BRDE. Com isso, percebemos que, mais uma vez, o banco foi essencial para movimentar a indústria paranaense”, finaliza Bley.

Na mesma solenidade de lançamento do primeiro edital de programa voltado a startups pelo BRDE Labs, nesta quinta-feira (06), durante o Show Rural, em Cascavel, na Região Oeste, o governador Carlos Massa Ratinho Junior anunciou investimentos na ordem de R$ 106 milhões por parte do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Serão R$ 76 milhões destinados a cooperativas e indústria do setor do Estado e outros 30 milhões para reativar um frigorífico em Umuarama, na região Noroeste, com capacidade de abater 200 mil aves/dia, com abertura de cerca de dois mil novos postos de trabalho.

“São indústrias investindo e acreditando no Paraná, gerando emprego e riqueza no Estado. Esse investimento em Umuarama tem um caráter social fantástico. Vai ajudar a fomentar o comércio da cidade e a sustentar cerca de duas mil famílias”, ressaltou Ratinho Junior. “Nós atuamos como um Governo amigo de quem produz e cria emprego e renda”, completou.

O novo frigorífico de aves é resultado de uma parceria entre a C.Vale (Palotina) e Pluma Agroavícola (Cascavel). O grupo empresarial fechou o arrendamento do abatedouro da Averama (Umuarama). Desta fusão surge a marca PlusVal, que começa a operar ainda no primeiro semestre deste ano.

Um convênio entre o BRDE, Sicredi e Plusval permitiu a reabertura da unidade de abates. O projeto vai beneficiar cerca de 50 famílias de produtores rurais, que terão a oportunidade de investir na atividade avícola.

Serão destinados cerca de R$ 30 milhões para financiar investimentos dos produtores rurais na reforma e construção de aviários, que fornecerão matéria-prima para o frigorífico. “É o resgate de uma massa que vai trazer muitos benefícios para a cidade. São novos empregos, aviários, mais produtores se dedicando ao setor, levando desenvolvimento para a região toda”, destacou o presidente da C. Vale, Alfredo Lang.

COOPERATIVAS – Outros contratos assinados pelo BRDE nesta quinta-feira somam R$ 76 milhões em operações de créditos para cooperativas e agricultores paranaenses. De acordo com o diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley, as operações fomentam o desenvolvimento e crescimento do setor agropecuário no Paraná, além de incentivar o cooperativismo e movimentar a economia, por meio das soluções de crédito do banco.

“São mais de R$ 100 milhões em novos contratos com apoio do BRDE. Ajudamos a transformar uma massa falida, gerando desenvolvimento para o Estado com a geração de muitos empregos”, afirmou o diretor.

Entre as beneficiadas estão a Coopavel Cooperativa Agroindustrial (Cascavel), Cooperativa Tradição (Pato Branco), Lar Cooperativa Agroindustrial Medianeira), Cooperativa Nova Produtiva (Astorga) e Agrocete Indústria de Fertilizantes (Ponta Grossa). “O BRDE é um grande parceiro, um banco de fomento que participa diretamente da vida das cooperativas”, disse Dilvo Grolli, presidente da Coopavel, que organiza o Show Rural.

RONDON – Esse é o segundo frigorífico da Averama reativado no Paraná. Já foi retomada a produção da unidade de Rondon, também no Noroeste, por meio de uma parceria operacional com a Jaguafrangos, de Jaguapitã, que arrendou a unidade. A empresa havia paralisado as atividades em 2016, em plena crise econômica nacional.

A empresa começou a operar neste mês de novembro e já contratou 400 pessoas. A previsão é chegar a 1.500 a partir deste ano. A Jaguafrangos atua no mercado avícola há cerca de 30 anos. Já a Averama tem diversas atividades relacionadas à cadeia do frango em Rondon e Umuarama. Através do arrendamento, a Jaguafrangos assume um turno de abate de aves na unidade da Averama em Rondon.

PRESENÇAS – Participaram da solenidade o chefe da Casa Civil, Guto Silva; os secretários de Estado do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge; do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes; e da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara; o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos; o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano; o presidente da Celepar, Leandro Moura; os deputados estaduais Marcel Micheletto, Nelson Luersen, Soldado Adriano José, Luiz Fernando Guerra, Wilmar Reichembach, Tião Medeiros e Coronel Lee; Gugu Bueno, superintendente de Articulação Regional da Casa Civil; Henrique Domakoski, superintendente de Inovação da Casa Civil; e o diretor de coordenação da Itaipu Binacional, general Luiz Felipe Carbonell.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) lançou nesta quinta-feira (06), no Show Rural em Cascavel (Oeste), o edital de chamamento público do programa BRDE Labs, voltado ao apoio, capacitação e aporte financeiro de startups. Na solenidade, que teve a presença do governador Carlos Massa Ratinho Junior, também foram assinados contratos de crédito com cooperativas agroindustriais.

Lançado em dezembro pelo governador, o BRDE Labs vai apoiar startups que desenvolvem soluções para diversas áreas, mas com foco no agronegócio e na indústria 4.0. O edital é aberto para startups de todo o Brasil, porém, os espaços de aceleração estarão sediados nas unidades da PUC-PR em Toledo e Londrina. Inicialmente, o programa será destinado a empresas de base tecnológica em fase de desenvolvimento e validação do produto.

“São as startups apresentando novas ideias e soluções para o agronegócio, para quem vive no campo. E o BRDE, com essa ajuda, se aproxima cada vez mais do povo paranaense”, afirmou o governador Ratinho Junior. “Com isso, nossa agricultura, o agronegócio fica cada vez mais tecnológico, trocando a enxada pelo smartphone”, acrescentou.

ACELERAÇÃO – Diretor de Operações da agência paranaense do BRDE, Wilson Bley explicou que o BRDE Labs fará a seleção e aceleração de empresas startups, que desenvolvam soluções preferencialmente ao agronegócio, mas também empreendimentos voltados para a indústria 4.0 – IoT (Internet das Coisas), tecnologia da informação, energia, educação, saúde, logística e meio ambiente.

A proposta, reforçou ele, é aproximar empresas inovadoras, academia e potenciais clientes, também levando a inovação ao Interior do Estado. “O BRDE é o banco de fomento da agricultura paranaense, agora voltada para essa agricultura 4.0, gerando emprego e renda em todo o Estado”, destacou Bley.

INVESTIMENTO E CRÉDITO – O programa será realizado em parceria com a Hot Milk, aceleradora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), com apoio de cooperativas agroindustriais e clientes do BRDE. Após um processo de capacitação, startups consolidadas dentro da aceleradora poderão ter acesso a fundos de investimentos e linhas de créditos operadas pelo BRDE.

Um desses fundos é o Fip Anjo, chamada do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) voltada às startups e no qual o BRDE fez um aporte de R$ 15 milhões, destinado a empresas da região Sul.

“Este programa é uma oportunidade única para trabalharmos em diversas áreas do conhecimento, muito focado no agronegócio. Vamos angariar startups do Brasil inteiro para trabalhar com parceiros do BRDE em todo o Paraná, que trarão resultados excelentes para o Estado”, diz o diretor da Hotmilk, Fernando Bittencourt Luciano.

PRESENÇAS – Participaram da solenidade o chefe da Casa Civil, Guto Silva; os secretários de Estado do Planejamento e Projetos Estruturantes, Valdemar Bernardo Jorge; do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes; e da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara; o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos; o presidente da Associação Comercial e Industrial de Cascavel (Acic), Michel Lopes; o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Fernando Furiatti; o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano; os deputados estaduais Marcel Micheletto, Márcio Pacheco, Nelson Luersen, Soldado Adriano José e Coronel Lee; e Gugu Bueno, superintendente de Articulação Regional da Casa Civil; e o diretor de coordenação da Itaipu Binacional, general Luiz Felipe Carbonell.

 

FONTE: AEN

Evento faz parte de Programa que pretende capacitar e acelerar Startups que desenvolvem soluções para o agronegócio

O programa BRDE Labs, lançado oficialmente em dezembro pelo governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, e o diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, consiste na seleção e aceleração de Startups com foco preferencial em soluções para o Agronegócio.
A iniciativa está sendo realizada com a colaboração da HOT MILK, aceleradora da PUC/PR, e com apoio de Cooperativas Agroindustriais paranaenses e clientes do BRDE. Essa parceria oferece uma oportunidade para as cooperativas e clientes alavancarem seu potencial de crescimento, através de saídas inovadoras para seus principais problemas.
Dentro do escopo do Programa, foi realizado na última quarta-feira (15) o Workshop “Desafios de Inovação no Agronegócio”. Durante o evento, foram apresentados os principais desafios do agronegócio e as tendências do setor para os representantes das cooperativas participantes, como Cocamar, Copacol e Coopavel. Além disso, uma oficina de Design Thinking foi realizada para priorização de demandas de inovação do agro.
O edital de lançamento para a inscrição e participação de startups no BRDE Labs será realizado no Show Rural Coopavel, em Cascavel, no dia 06 de fevereiro, com presença de autoridades, representantes do BRDE e de cooperativas parceiras.

Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul exerce papel de protagonismo na economia paranaense ao priorizar investimentos no agronegócio, cooperativismo, turismo, inovação e em energias renováveis.

O primeiro ano do governo Ratinho Junior foi marcado por uma significativa retomada da atividade econômica no Estado. E o BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul -, no Paraná, exerceu papel de protagonismo nessa evolução.
Ao longo de 2019 o BRDE no Paraná viabilizou a oferta de R$ 850 milhões de crédito a empresas paranaense, em vários segmentos econômicos. Mais do que o crédito em si, é o resultado da aplicação desses recursos que faz a diferença. A viabilização do crédito pelo BRDE contribui com a geração de empregos, melhoria dos salários e com o desenvolvimento de negócios que geram prosperidade e contribuem para o crescimento da economia no Paraná.
Apenas no cooperativismo paranaense, foram mais de R$ 387 milhões investidos em projetos prioritariamente voltados para agroindústria, seguido de projetos de melhoria da infraestrutura. O volume total para o segmento considera tanto o financiamento para cooperativas como para cooperados. O papel das cooperativas agropecuárias é organizar atividades econômicas por meio do modelo de associativismo. Ao fortalecer suas atividades, gera-se um estímulo ao aumento da produção e uma melhora no poder de negociação, com condições comerciais mais justas para o produtor rural.
O apoio ao pequeno produtor também é parte integrante desse processo e gera benefícios para todo o setor do agronegócio. Não por acaso, este setor representa 65% de toda a carteira ativa do BRDE no Estado, com mais de R$ 180 milhões em crédito para os agricultores paranaenses apenas em 2019. Como resultado, gera-se impacto positivo em toda a produção do setor, além do aumento na geração de postos de trabalho. Os números positivos do setor evidenciam o acerto dessa estratégia: levantamento sobre a produção do terceiro trimestre divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que o Paraná apresentou crescimento no abate de cabeças de suínos, de frango, na produção de leite e ovos. E segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), vinculado ao Ministério da Economia, o Estado abriu 66.901 novas vagas considerando todos os segmentos até outubro. O secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara explica que “Um fator importante foi o aumento na exportação de proteína animal do Paraná para a China”. “O ambiente político no Estado é muito bom e que, portanto há uma retomada interessante no processo de crescimento”, destaca o Secretário.
Outro segmento onde a atuação do Banco fez a diferença foi o de micro, pequenas e médias empresas. Há tempos, esse segmento vem se consolidando como uma das principais forças no processo de geração de novos postos de trabalho. Com o investimento do BRDE da ordem de R$ 135 milhões para micro e pequenas e mais R$ 261 milhões a médias empresas, empresários de pequenos e médios negócios puderam contar com um apoio determinante para contribuir com os bons números da economia paranaense.
O BRDE também é o principal agente financeiro do Fundo Geral do Turismo (Fungetur). Mesmo atuando somente em três estados, o banco é responsável por 48% do total de operações do Fundo em todo o País, com destaque para o Paraná, onde foram investidos mais de R$ 65 milhões, via Fungetur, em hotéis, pousadas, centros de convenções, parques temáticos e aquáticos em diversas regiões do Estado. O desempenho fez com que o Ministério do Turismo ampliasse o limite disponibilizado ao BRDE para novas contratações, o que se traduzirá em apoio ainda maior ao setor nos próximos anos.
Inovação tem sido palavra de ordem e uma das prioridades do atual Governo do Estado. Por essa razão, o BRDE destinou R$ 81 milhões a projetos ligados à inovação em empresas paranaenses de diversos segmentos. A esse recurso, somam-se ainda R$ 58 milhões destinados para eficiência energética e R$ 165 milhões para o setor de energias renováveis. Foram atendidos projetos que, por natureza, também são inovadores e orientados a aumentar a diversificação da matriz energética do estado e a promover um futuro cada vez mais sustentável e orientado ao uso de energias renováveis e não poluentes. Além de projetos para geração de energia através do sol, denominados sistemas fotovoltaicos que tradicionalmente incorporam o portfólio de investimentos do Banco, em 2019 também foram financiados PCHs (Pequenas Centrais Hidroelétricas) e CGHs (Geradoras Hidroelétricas).
Todos esses resultados, ao longo de 2019, foram potencializados pela visão estratégica do Governador Ratinho Junior, que criou, ao longo do ano, o Sistema Paranaense de Fomento, no qual somam-se ao BRDE, a Fomento Paraná e a Invest Paraná. O SPF tem como objetivo assegurar que as ações de cada uma das instituições envolvidas tenham estreita conexão com a visão que o atual Governo possui para o futuro do Estado, e garantir que as três instituições atuem sempre de forma complementar, sem sobreposição de ações e desperdício de esforços.
O diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, ressalta a importância do trabalho em conjunto: “A criação do Sistema Paranaense de Fomento está possibilitando que, pela somatória de ações das instituições envolvidas, alinhadas à visão estratégica do Governador, o estado do Paraná continue avançando de forma cada vez mais rápida e efetiva, na direção de ser não apenas o estado mais moderno e inovador do Brasil, mas também aquele com mais oportunidades, melhor ambiente para os negócios, e mais justiça social”.
Heraldo Alves das Neves, diretor-presidente da Fomento Paraná, destaca a complementariedade do SPF: “O Sistema Paranaense de Fomento representa um marco na criação de sinergia entre as instituições paranaenses de fomento às atividades econômicas. A atuação de forma complementar e organizada possibilita foco, racionalização de recursos e maior assertividade no implemento e na manutenção de investimentos no Estado do Paraná. Para a Fomento Paraná é importante fazer parte dessa estratégia que tangibiliza a visão do governador Ratinho Junior”.