BRDE

Novo acordo permitirá prestar apoio às PMEs afetadas pela Covid-19 nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. O empréstimo enquadra-se na resposta da Equipe Europa à Covid-19

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) anunciaram, nesta segunda-feira (22/3), a disponibilização de financiamento dirigido especificamente às pequenas e médias empresas (PMEs) nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, no Brasil, afetadas pela pandemia da Covid-19.

O novo acordo vem alterar um contrato assinado em 2018, no sentido de permitir maior flexibilidade às duas instituições e de ampliar os critérios de elegibilidade do atual empréstimo-quadro BRDE CLIMATE ACTION FL, no montante de 80 milhões de EUR, com o objetivo de apoiar e acelerar a concessão de empréstimos a empresas do setor privado, confrontadas com a crise da Covid-19 na América Latina, especialmente no Brasil.

Esta flexibilidade permitirá acelerar o acesso das PMEs e, em particular, das microempresas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, a financiamento no montante de 15 milhões de EUR. Algo próximo de R$ 100 milhões pela cotação do dia, essa liberação inicial será destinada para capital de giro de MPEs, além da possibilidade de crédito para investimento. Trata-se da primeira ação do BEI no Brasil desde o início de 2021.

O BEI e o BRDE estabeleceram uma parceria para apoiar diversos projetos de ação climática no Brasil, incluindo nos domínios da energia solar fotovoltaica, das pequenas centrais hidroelétricas e de outras fontes de energia renováveis. No contexto da Covid-19, a parceria foi adaptada para ajudar a dar resposta às necessidades específicas das PME nesta nova situação difícil, ao permitir maior rapidez no desembolso dos empréstimos às empresas.

No âmbito do empréstimo-quadro BRDE CLIMATE ACTION FL, até 30 milhões de EUR serão destinados ao financiamento de projetos urbanos, apoiados pelo FELICITY. O FELICITY é um mecanismo de preparação de projetos financiado pela Iniciativa Internacional de Proteção do Clima (IKI), promovida pela Alemanha, e implementado em cooperação com a GIZ. O FELICITY presta assistência aos promotores de projetos em áreas urbanas na elaboração de estudos de viabilidade e outras medidas de preparação e capacitação para apresentar ao BRDE.

Ricardo Mourinho Félix, vice-presidente do BEI responsável pela América Latina, afirmou: “Promover o empreendedorismo é fundamental para o crescimento sustentável, especialmente nestes tempos difíceis. Congratulamo-nos por anunciar este acordo de alteração celebrado com o BRDE para disponibilizar apoio financeiro adicional às pequenas empresas afetadas pela COVID-19 no Brasil. Este financiamento no âmbito da Covid-19 visa acelerar a absorção e afetação de fundos destinados às empresas brasileiras pelo BRDE. Em colaboração com a Equipe Europa, o acordo realça as nossas prioridades na América Latina, ajudando a promover o desenvolvimento econômico sustentável e inclusivo, ao fomentar o investimento produtivo”.

Vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix 

O embaixador da União Europeia no Brasil, embaixador Ignacio Ybáñez Rubio, igualmente salientou a importância em apoiar as empresas do setor privado, especialmente as PMEs como principais motores da criação de empregos. “Trata-se de um dos principais objetivos da UE e dos seus Estados-Membros. É também uma parte importante da sua agenda de cooperação com os países parceiros. No atual contexto pandêmico, é ainda mais importante alinhar esforços para garantir uma recuperação sustentável dos negócios e reduzir ao máximo as consequências socioeconômicas negativas implícitas derivadas de uma desaceleração da atividade econômica. Temos o orgulho de confirmar que apoiamos a criação deste mecanismo desde o início, uma vez que esta ação faz parte do mandato de empréstimo externo do BEI, que inclui uma garantia da UE. Aplaudimos a conclusão deste acordo que, além do objetivo do contrato original de dar prioridade à ação climática, que está em linha com a abordagem atual do Acordo Verde da UE, também traz a possibilidade de usar até 15 milhões de euros do empréstimo aprovado para prestar apoio às PMEs impactadas pelo Covid-19 nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.”

Embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez Rubio

Para a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, o acordo com o BEI é resultado de um grande esforço das duas instituições e chega num momento crucial para os micro e pequenos empresários. “O estágio atual da pandemia acabou acentuando as dificuldades que muitas atividades já vêm enfrentando há um ano. Auxiliar nessa travessia significa a sobrevivência de muitas empresas de pequeno porte, mas acima de tudo representa manutenção de empregos e renda, uma melhor perspectiva na hora da retomada”, salientou ela.

Presidente do BRDE, Leany Lemos

O diretor de Planejamento do BRDE, Luiz Corrêa Noronha, conduziu o encontro on line e fez um breve histórico das tratativas que levaram à parceria com o BEI.  Representante da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), agência alemã de cooperação internacional, Johannes Kissel, também se pronunciou, como responsável pelos programas de energias renováveis e eficiência energética apoiados no Brasil.

 

 

A partir de um fundo constituído de recursos próprios com o propósito de fortalecer as atividades de empresas, produtores rurais e cooperativas, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) alcançou a cifra de R$ 851,7 milhões em contratos de financiamento em plena crise provocada pela pandemia de Covid-19. Através do programa BRDE Promove Sul, o banco procurou fomentar o desenvolvimento produtivo, sustentável e social nos três estados da região Sul a partir de prioridades identificadas pelos governos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

“De um total de R$ 900 milhões disponibilizados, conseguimos em um ano de programa contratar 94% do fundo, o que reforça o papel estratégico do banco neste momento de tantos desafios”, destacou a diretora-presidente, Leany Lemos. O BRDE Promove Sul destinou R$ 300 milhões a cada um dos três estados, com oferta de crédito de longo prazo para aumentar a capacidade de investimento dos empreendedores e, desta maneira, gerar renda e manter empregos.

“Num momento de tantos desafios, o BRDE se mostrou, mais uma vez, um banco com um papel estratégico para atuar no desenvolvimento econômico de sua região. Isso é muito positivo para todos”, destacou o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE no Paraná, Wilson Bley.

Crédito Emergencial

Para o diretor Financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, os recursos chegaram ao mercado num momento decisivo. “Sabemos que havia um ambiente de retomada, mas também o início de uma crise provocada pela pandemia. Era o momento em que os empreendedores precisavam de suporte financeiro para manter ou ampliar seus negócios, por isso o BRDE não mediu esforços para ser um parceiro, garantindo recursos do próprio caixa”, reforçou ele.

Grande parte dos valores financiados através do programa se transformaram, em outra frente de atuação BRDE, numa linha emergencial de crédito com objetivo de auxiliar na recuperação da economia diante dos impactos da pandemia de Covid-19.

Por intermédio do Recupera Sul, oferecendo para capital de giro na modalidade de microcrédito (através de parceiros operacionais) e crédito empresarial de forma direta, o banco já ultrapassou a cifra de R$ 520 milhões em operações nos três estados do Sul. Essa linha emergencial está operando há quase um ano buscando socorrer aqueles setores da economia mais afetados pela crise sanitária e apoiar os projetos para uma retomada nos pós-pandemia.

Além de anunciar um programa de financiamento destinado exclusivamente às mulheres empreendedoras, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) dá outro importante passo em defesa da igualdade de gênero e no combate a qualquer situação discriminatória.  A diretoria do banco aprovou a criação da Estratégia BRDE – Diversidade. Trata-se de uma ação voltada a garantir a igualdade de oportunidades considerando as identidades de raça, etnia, cor, sexo, expressão de gênero, religião, deficiência e qualquer outra condição, tanto no âmbito interno da organização, quanto no relacionamento com os clientes e a sociedade.

Ao anunciar a novidade durante a programação pela Semana da Mulher, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, observou que agora será criada uma Comissão Pró-Equidade e de Valorização da Diversidade para que, dentro de 90 dias, apresente uma proposta de plano de ação para atender a esse compromisso. “Queremos o BRDE reconhecido como uma organização que está alinhada com os princípios fundamentais de respeito à diversidade, que atue na inclusão e na liberdade de expressão e que atue fortemente contra a discriminação”, destacou Leany Lemos.

A partir desta iniciativa, acrescentou a presidente, o BRDE renova seu alinhamento perante os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), onde a igualdade de gênero está presente com a finalidade de promover o desenvolvimento econômico, social, cultural e política de maneira equânime. “A partir da valorização da diversidade, o BRDE amplia seu compromisso de atuar de maneira inclusiva e capaz de compreender e atender as necessidades atuais da nossa sociedade”, frisou ela.

O banco apoiou o projeto com o valor de R$ 40 mil; Esses são recursos de renúncia fiscal para projetos enquadrados na Lei de Incentivo à Cultura.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), apoiou com R$ 40 mil para  a reestruturação do Museu Imigrante Holandês, em Arapoti, no interior do Paraná. O valor faz parte de recursos fiscais para projetos enquadrados na Lei de Incentivo à Cultura. Mantido pela Associação Parque Histórico de Arapoti, o propósito do museu é preservar e comunicar a história da colonização holandesa na cidade.

O valor que o BRDE creditou é referente ao projeto de reestruturação do Museu Imigrante Holandês, que representa o conjunto de investimentos necessários para a elaboração do plano museológico. Ou seja, o tratamento técnico (higienização, conservação preventiva, arrolamento e acondicionamento) do acervo existente e a equipagem do museu contemplando os setores administrativos e técnicos da instituição, com a implantação da reserva técnica.

“É sempre um orgulho fazer parte de projetos culturais que resgatem e mantenham a tradição do imigrante no Brasil. Esse povo faz parte da história do paranaense e, por isso, é tão importante que esse projeto seja mantido, para levar cultura aos moradores atuais da região”, acredita o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley.

Para o vice-presidente da Associação Parque Histórico de Arapoti, Erik Bosch, o apoio serviu de ânimo para continuação do projeto. “Com o apoio do BRDE, tivemos uma injeção de ânimo para continuar com nosso projeto de revitalização do acervo e manter a cultura por meio de ações artísticas, culturais e educativas. O BRDE tem sido parceiro de todos os grandes investimentos da Capal e seus cooperados, e foi o primeiro parceiro a apoiar nosso Museu”.

Holanda no Brasil

Arapoti, localizada entre os Campos Gerais e o Norte Pioneiro do Paraná, foi o local de fundação de uma colônia holandesa no Brasil. A atual estrutura do museu foi construída em 1963 e lá é possível encontrar objetos, fotografias e documentos que ilustram como era a vida dos imigrantes nos primeiros anos de colonização, bem como as mudanças que ocorreram ao longo do tempo.

São itens que ilustram o foi trazido da Holanda, móveis e utensílios usados na vida doméstica, ferramentas do trabalho agropecuário (que também retratam a evolução da agricultura e da pecuária), objetos relacionados às atividades educativas, esportivas, religiosas e culturais da colônia.

O Museu Imigrante Holandês fica na Rua Geert Leffers, s/nº – Vila Evangélica, na cidade de Arapoti. O preço do ingresso para visitação é de R$ 5. Por causa da pandemia, é necessário consultar se o local está aberto por meio do telefone (43) 99926-9466 ou e-mail museuimigranteholandes@gmail.com.

Para conhecer os incentivos fiscais do BRDE, acesse  https://www.brde.com.br/incentivos-fiscais/.

 

 SOBRE O BRDE

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE – é uma instituição de fomento criada pelos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com o objetivo de fazer o Sul do Brasil prosperar. É signatário do Pacto Global da ONU e opera em sintonia com os ODS. O BRDE também conta com recursos internacionais da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e Banco Europeu de Investimento (BEI) para o financiamento de projetos voltados à produção e consumo sustentáveis. É agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA/Ancine) em todo o território nacional. Apoia projetos culturais, sociais e esportivos que beneficiam milhares de pessoas e instituições, por meio das leis de incentivo. Somente de janeiro a setembro de 2020, financiou R$ 2,2 bilhões para projetos na Região Sul que beneficiam todos os portes de empresas e setores da economia. A instituição oferece crédito de longo prazo para viabilizar investimentos a empresas de todos os setores e portes, cooperativas, produtores rurais e prefeituras, mantendo acordos com instituições internacionais de fomento para ampliar as fontes de recursos à disposição dos clientes.

Redes sociais: @brdeoficial

Objetivo é apoiar empresas que tenham presença feminina no comando a gerarem renda e empregos na região Sul

Com foco no estímulo ao empreendedorismo feminino e contribuir com o desenvolvimento econômico e social na região Sul do país, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) irá disponibilizar um programa de crédito exclusivo para empresas lideradas por mulheres. O anúncio do BRDE Empreendedoras do Sul ocorreu nesta segunda-feira (8/3), durante atividade organizada pelo banco para marcar o Dia Internacional da Mulher. Durante a semana estão programadas palestras diárias abordando temas da atualidade com impacto nas questões de gênero.
“Será um programa com condições atrativas e por meio de uma análise de crédito simplificada para que as mulheres empreendedoras tenham do BRDE o efetivo apoio para suas empresas, quer sejam elas grandes, médias e pequenas”, antecipou a diretora-presidente do banco, Leany Lemos. O financiamento será destinado para aquelas empresas que tenham mulheres como donas ou sócias detendo no mínimo 50% do capital social.
Os últimos detalhes do programa serão definidos em reunião de diretoria do BRDE nesta terça-feira (9), possibilitando o lançamento do novo produto já nos próximos dias. A ideia é disponibilizar financiamento para apoiar investimentos fixos a serem realizados na região Sul e capital de giro para empresas sediadas nos três estados de atuação do banco: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Semana da Mulher
Dentro das comemorações do Dia Internacional da Mulher, o BRDE organizou um ciclo de palestras, com transmissões diárias a partir das 14 horas pelo canal do Youtube (@brdeoficial). No primeiro dia, a participação foi da jornalista Kelly Matos, que atua há 15 anos no Grupo RBS. Nesta terça-feira (9/3) a convidada é a vice-presidente executiva do Banco Santander Brasil, Patricia Audi. Ela é responsável pelas áreas de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do banco, mas vem de uma longa experiência no setor público.

Para marcar as comemorações pelo Dia Internacional da Mulher, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está organizando uma série de palestras abordando temas da atualidade com impacto nas questões de gênero.  Com transmissões diárias a partir desta segunda-feira (8/3) e até a próxima sexta-feira (12/3), sempre iniciando às 14 horas, as lives terão a presença de mulheres com atuação em diferentes áreas, tratando de temas como a presença feminina em postos de liderança das organizações, ativismo, a questão da violência e os paradigmas que são enfrentados para alcançar o reconhecimento no seu meio profissional.

As palestras serão transmitidas pelo canal do banco no Youtube (@brdeoficial). No primeiro dia, a convidada é a jornalista Kelly Matos, que atua há 15 anos no Grupo RBS. Sempre com posições afirmativas em defesa dos direitos das mulheres, a jornalista vai tratar da importância e o significado do voluntariado para quem atua em diferentes causas sociais. No dia seguinte (9/3), o ciclo terá a participação da vice-presidente executiva do Banco Santander Brasil, Patricia Audi. Ela é responsável pelas áreas de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do banco, mas vem de uma longa experiência no setor público.

Parceiro estratégico ao desenvolvimento econômico e social da região do Sul do país, o BRDE está próximo de chegar aos 60 anos e, ao longo dessa trajetória, pela primeira vez tem uma mulher integrando a direção do banco. “Por isso, as comemorações pelo Dia da Mulher têm um significado muito especial e remetem a uma reflexão sobre o papel da mulher na sociedade contemporânea e sobre equidade, assim como nos permite compartilhar histórias que servem de inspiração a todos e todas nós”, destaca a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos.

Paradigmas

Na quarta-feira (10/3), está prevista a palestra da delegada Nadine Anflor, primeira mulher a ocupar a chefia da Polícia Civil no Rio Grande do Sul em mais de 177 anos da instituição. Já quinta-feira 11/3), será a vez da cientista política, escritora e consultora Débora Thomé falar como a mulher ocupando lugar de liderança por impactar na sua organização, “na vida pessoal e no mundo”.

O ciclo encerra na sexta-feira (12/3) com a participação da empresária gaúcha Maristela Cusin Longhi, com forte atuação no segmento da indústria moveleira. Ela é sócia diretora da Multimóveis e tem uma longa trajetória em entidades do setor. É a primeira mulher a estar à frente do Conselho de Administração nos 96 anos de história do Tacchini Sistema de Saúde, de Bento Gonçalves (RS) e também preside atualmente a Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário.

As transmissões são abertas ao público e com duração máxima prevista de 30 minutos.

Serviço

PROGRAMAÇÃO SEMANA DA MULHER BRDE

Transmissão: canal do Youtube (@brdeoficial)

Palestras/Lives

Dia 8/3 – 14 horas

Kelly Mattos, Jornalista – Tema: “É ativismo, voluntariado… é inspiração”

Dia 9/3 – 14 horas

Patrícia Audi, Vice-Presidente Executiva do Santander do Brasil – Tema: “A mulher nos espaços de poder – desafios e conquistas”

Dia 10/3 – 14 horas

Nadine Anflor – Delegada e Chefe da Polícia Civil do RS – Tema: “Liderança feminina e as forças de Segurança Pública”

Dia 11/3 – 14 horas

Débora Thomé – Cientista Política, Escritora e Consultora – Tema: “Mulheres e liderança – como transformar você, sua empresa e o mundo”

Dia 12/3 – 14 horas

Maristela Cusin Longhi – Diretora da Multimóveis, Presidente da Abimóvel – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário e Vice- Presidente do CIERGS – Tema: “Quebrando Paradigmas”

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) continua liberando crédito a diversas empresas no Sul do País e anuncia R$ 105 milhões para novos projetos de inovação, por meio da Inovacred, uma linha de crédito que favorece iniciativas voltadas à inovação, desenvolvimento e aprimoramento de produtos, processos e serviços. O montante destina-se a empreendedores do Paraná.

Desde 2013, o BRDE é o maior repassador da Finep no Brasil, com mais de R$ 572 milhões em crédito. A Financiadora de Estudos e Projetos, vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação, é uma empresa de fomento à ciência, tecnologia e inovação em empresas, universidades, institutos tecnológicos e outras instituições públicas ou privadas.

Em parceria com o Governo do Estado, o BRDE estimula a inovação com essa linha voltada a empresas com receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões. O crédito serve para modernizar maquinário, produtos, processos e outros.

Entre os itens financiáveis estão projetos como obras civis e instalações, equipamentos nacionais e importados, softwares, P&D interno, aquisição externa de P&D e introdução das inovações tecnológicas no mercado.

Para o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley, essas linhas de crédito são um instrumento importante para promover a inovação da região Sul do País. “São financiamentos com juros, condições, tarifas e acompanhamentos diferenciados. Incentivos importantes que nos permitem fomentar a inovação”, disse.

Em 2020, o banco creditou projetos de empresas de diversos ramos que tinham a inovação como objetivo. A Teles Hidráulica, localizada na cidade de Paiçandu, fabrica cilindros hidráulicos para equipamentos agrícolas. A empresa recebeu o crédito para o projeto de aquisição de duas células (equipamento).

“Esses cilindros servem para realizar uma soldagem de alta qualidade. Isso aumenta, além da qualidade, a repetibilidade e produtividade do setor de soldagem, uma das principais etapas do processo da Teles Hidráulica”, afirmou o diretor da empresa, Paulo Teles.

Outro parceiro do BRDE que foi beneficiado pela Inovacred foi a Circuibras, empresa de produção de placas de circuito impresso. Localizada em Araucária, buscou o investimento para aplicar em tecnologia, pesquisa e desenvolvimento.

A proposta é manter-se como referência na produção de placas de circuito impressos com a aquisição e instalação da estação de tratamento de efluentes ETE; climatização e isopainéis; aquisição de robôs de carregamento de placas, com foco no desenvolvimento de Indústria 4.0.

INOVACRED – A linha Inovacred pode ser acessada por empresas com faturamento bruto anual de até R$ 90 milhões. As taxas variam hoje entre TJLP (pura) e TJLP + 1% ao ano, conforme o porte da empresa, e o prazo total alcança até oito anos, incluída carência de até dois anos.

Esta linha financia empresas com projetos inovadores nas áreas de produtos, processos, gestão e marketing, podendo financiar pesquisa, desenvolvimento e testes de conceito, simulações, adaptações de tecnologias, ensaios, certificações, entre outros. Além disso, pode ser acessada para financiar a instalação de empresas dentro de parques tecnológicos.

Empresas que tenham interesse em adquirir o crédito, podem verificar demais informações AQUI ou entrar em contato por meio do Whatsapp do BRDE: (41) 99234-4575.

Ação dá maior agilidade na oferta de crédito para projetos de desenvolvimento da região Sul

Dentro do processo de diversificação de suas fontes de captação de recursos, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) realizou essa semana sua primeira operação no mercado de capitais desde a década de 80. Ao efetivar a venda de R$ 10 milhões em Recibos de Depósitos Bancários (RDBs), o BRDE faz sua estreia na emissão e oferta de títulos dentro de um projeto piloto que prevê captação global de R$ 30 milhões. A operação foi fechada pela Agência de Curitiba e teve como comprador um cliente já com um longo histórico de relacionamento com o banco no estado do Paraná.

A ida ao mercado através da emissão de RDBs fez parte uma estratégia do BRDE definida no início de 2020 e autorizada ainda no mês de dezembro. Como projeto piloto, através da modalidade de depósito a prazo, a operação prevê a captação de até R$ 10 milhões por cada uma das três agências do banco. “É um marco importante para o banco e reflete, além de uma estratégia iniciada nos últimos anos em termos de diversificação de funding, um esforço muito grande de diferentes áreas da organização”, salienta a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos.

Os recursos serão alocados no Fundo BRDE de Promoção ao Desenvolvimento Produtivo, Sustentável e Social dos Estados da Região (BRDE Promove Sul) e serão aplicados no fundo rotativo estadual de respectiva agência que realizou a venda dos RDBs.

“Essa diversificação de funding é muito importante para a independência do banco. Isso mostra toda a estratégia que o BRDE vem traçando nos últimos anos para conquistar esse resultado agora”, comemora o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley. Ainda segundo o vice-presidente, isso garante maior agilidade na oferta de crédito para projetos de desenvolvimento da região Sul.

O projeto de emissão de RDB´s é conduzido pela equipe da Diretoria Financeira do banco, conta com o apoio de outros setores e tem como público alvo clientes ou instituições parcerias do BRDE devidamente habilitados conforme regras da Comissão de Valores Mobiliários. Para o diretor Financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, “esta ação reflete a dedicação das equipes do banco empenhadas no trabalho de ampliar a diversificação de oferta de recursos, contribuindo para desenvolver a Região Sul”.

“A ida ao mercado através da emissão de RDBs faz parte da estratégia do BRDE de ampliação da captação de recursos nacionais e internacionais. A se confirmar a tendência atual de disponibilidade de recursos, essa estratégia de diversificação para o mercado se ampliará nos próximos anos”, complementa o diretor de Planejamento, Luiz Corrêa Noronha. A emissão dos títulos tem valor unitário de R$ 1 mil e, por se tratar de uma primeira experiência da instituição com essa natureza, está direcionada a um único investidor interessado em cada agência.

 

O novo app tem o objetivo de aproximar o BRDE das pessoas e facilitar o acesso a todas as opções de crédito, solicitações de financiamentos e consultas ao andamento de suas operações com o banco

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) lançou, nesta terça-feira (23), um aplicativo com o objetivo de aproximar e facilitar cada vez mais o contato dos clientes com a instituição. Através do app, será possível solicitar financiamentos, conhecer todas as linhas de crédito do BRDE, consultar extratos e saldos de operações, acessar as informações das parcelas de financiamentos e tirar dúvidas. A plataforma já está disponível para os sistemas iOS (AppStore) e Android (PlayStore).

Desenvolvida em parceria com a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), a ferramenta vai funcionar como uma espécie de internet banking para quem já é cliente do BRDE, onde será possível acessar a conta e todas as informações de contrato e parcelas. Para quem ainda não é cliente, o aplicativo permite acessar todos os produtos que o banco oferece.

O lançamento do aplicativo aconteceu durante a reunião online que mobilizou os funcionários dos três estados de atuação do banco: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Na oportunidade, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, salientou que a necessidade de ampliar a oferta de serviços digitais aos clientes está em grandes desafios estratégicos da instituição. “Somos um banco que apoia projetos com grande impacto ao desenvolvimento econômico e social da região Sul, grande parte deles voltados à inovação. Portanto, é preciso que, internamente, tenhamos essa mesma visão, que assegura novas soluções no relacionamento com clientes e demais parceiros”, acrescentou ela.

O vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley, observou que, em seus 60 anos de atuação, o banco vem assumindo um compromisso com a inovação, sempre buscando novas formas de incentivar o desenvolvimento de seus parceiros e o seu próprio. “Além de buscar cada vez mais liberar créditos voltados à inovação, ajudar o estado do Paraná a estar sempre à frente em desenvolvimento e tecnologia, nós buscamos o nosso desenvolvimento, digitalizando processos e agora com o novo aplicativo facilitando a aproximação com nossos clientes”, completou Bley.

O diretor financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, destaca que “o lançamento do aplicativo reforça ainda mais uma nova lógica de atuação, mais prática e 100% digital. E não poderia ser num ano mais significativo, quando o banco completa 60 anos. O projeto marca a modernização da instituição que busca sempre a inovação alinhada ao desenvolvimento da região Sul do país, fazendo com que a tecnologia colabore diretamente na melhoria de vida das pessoas”.

Para o presidente da Celepar, Leandro Victorino de Moura, o BRDE está entre os líderes nacionais que apoiam microempreendedores e empresas inovadoras. “O banco é um grande aliado nosso para fomentar a inovação dentro do nosso Estado. Essa parceria da Celepar com o BRDE está disponibilizando uma solução que vai permitir ampliar ainda mais o acesso ao crédito e fomentar o empreendedorismo”, diz Moura.

O lançamento contou com a participação dos demais integrantes da Diretoria do BRDE; do diretor de Tecnologia da Celepar, Aníbal Mendes, assim como representantes da Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) do banco, que igualmente atuaram diretamente no projeto do aplicativo e fizeram uma apresentação técnica da ferramenta.

Volta gradual com novas exposições, formato híbrido e visitas agendadas

 O Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões anunciou sua reabertura ao público, adotando um plano gradual de volta ao atendimento presencial. As visitas presenciais iniciam-se no dia 22 de fevereiro, com a exposição “O que resta”, da artista Teca Sandrini, individual com oito pinturas, dois desenhos, três esculturas em mármore e um voil que convidam o espectador para um universo de detalhes.

Nas palavras da crítica de arte Maria José Justino, que assina a curadoria da exposição, o trabalho de Teca “é inseparável de sua existência” e os papéis de criadora e criatura se confundem constantemente. “As retinas fatigadas de Sandrini prosseguem executando a sua reforma doméstica. A pintura continua passional, dramática, brutal, moldada quase que exclusivamente pela cor, que inscreve, no branco da tela, traços cruéis e fortes”, escreve Justino em seu texto “Teca Sandrini, água de todas as possibilidades”.

Estela Sandrini é formada em pintura na Escola de Música e Belas Artes do Paraná e tem especialização em Antropologia Filosófica pela Universidade Federal do Paraná. Trabalhou no ateliê do professor Juan Carlo Labourdette, em Buenos Aires, e no Maryland Institute of Art, nos Estados Unidos. Entre 2011 e 2017, foi diretora cultural do Museu Oscar Niemeyer. Participou de diversas exposições coletivas e individuais no Brasil e no exterior e possui obras em importantes acervos institucionais.

A exposição “O que resta”, de Teca Sandrini, foi selecionada pelo Programa de Artes Visuais do Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões e foi viabilizada por meio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo da Ademilar Consórcio de Imóveis. A exposição conta com um formato híbrido de atividades, com uma programação online para ser acessada nas redes sociais do Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões. As visitas presenciais devem ser agendadas pelo site www.brde.com.br/palacete.

A partir de 1° de março, “Mãe, mar”, exposição da artista Livia Fontana, será apresentada na Sala da Torre, antiga cozinha da fase de moradia do Palacete. O trabalho realizado por Livia é uma reflexão sobre a fotografia na sociedade contemporânea, a partir de uma poética crítica que envolve a manipulação de imagens antigas e atuais, que partem de apropriações e acontecimentos da internet. “É uma exposição sobre a vida cada vez mais vigiada, o imperativo de representar e a impossibilidade de desconexão.” A exposição aborda essa temática a partir da evolução dos usos da fotografia, como em sua série “Loading”, que lida com o estado de ansiedade de imagens que ainda não se formaram. Amélia Correia assina o texto crítico da mostra.

O tema da erva-mate também estará presente na programação, com a exposição “Narrativas e poéticas do mate”, que integra o programa Circuito Ampliado – Acervos em Circulação, uma iniciativa de cooperação institucional idealizada pelo Museu Paranaense e pelo Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões. O programa tem como objetivo incentivar a pesquisa em acervos, estimular novos recortes curatoriais e proporcionar a ampliação de públicos com a circulação de acervos de Curitiba. A primeira iniciativa nesse sentido foi fomentar pesquisas sobre acervos relacionados à erva-mate, buscando amplificar as percepções sobre o patrimônio ervateiro a partir da perspectiva histórica, antropológica, artística e cultural. “Narrativas e poéticas do mate” apresentará um conjunto de rótulos ervateiros provenientes do acervo do Museu Paranaense, uma sala botânica, além de obras do artista Alfredo Andersen relacionadas à erva-mate. Durante a exposição, a Sala da Torre receberá a instalação “O verde é o verde”, da artista Eliane Prolik.

Sobre o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões

Inaugurado em junho de 2005, o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, localizado em Curitiba, é mantido e coordenado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Oferecendo uma programação gratuita, realiza exposições e atividades relacionadas à arte contemporânea, arquitetura, história e patrimônio cultural. Sua programação contempla um programa de mostras temporárias de artistas nacionais e de exposições em parceria com outras instituições culturais.

 

Serviço

Exposição “O que resta” – Teca Sandrini

Com curadoria de Maria José Justino

Período expositivo: de 22 de fevereiro até 31 de março

Local: Salas 1 e 2

 

Exposição “Mãe, mar” – Livia Fontana

Com texto de Amélia Correia

Período expositivo: de 1° a 31 de março

Local: Sala da Torre

 

Exposição “Narrativas e poéticas do mate”

Programa Circuito Ampliado – Acervos em Circulação / Em parceria com o Museu Paranaense

A partir de 12 de abril, por todo o Palacete

Local: Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões

Av. João Gualberto, 570 – Alto da Glória – Curitiba/PR

Entrada gratuita

 

Horário de visitação: horários variados, de segunda a sexta, somente mediante agendamento: www.brde.com.br/palacete.

Os horários para agendamento são semanais e abertos às quintas-feiras, a partir de 14h.

Visita segura

Em sua reabertura, o Palacete adotou o agendamento das visitas. São obrigatórios o uso de máscara durante todo o período no Palacete, a medição da temperatura corporal, seguir as regras de distanciamento social, entre outras medidas. Mais informações podem ser encontradas no site www.brde.com.br/palacete e nas redes sociais @EspacoCulturalBrde.