BRDE

É com enorme tristeza que o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) lamenta o falecimento de Paulino Capelin Fachin, presidente da Coasul Cooperativa Agroindustrial.

Afastado de seu cargo para um tratamento de saúde, ele faleceu na noite de quinta-feira (08). Parceiro do banco, o Sr. Paulino sempre teve um ótimo envolvimento com o BRDE, demonstrando muita emoção e paixão.

Sua trajetória e seu trabalho por onde atuou serão sempre reconhecidos. Em nome do BRDE, externamos nossos sentimentos de pesar e desejos de conforto aos familiares e amigos.

Parceria visa desenvolvimento de novos projetos para intensificar investimentos em coleta e tratamento de esgoto

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) assinaram na manhã desta quinta-feira (8) um Acordo de Cooperação Técnica. Essa cooperação visa o desenvolvimento de projetos de investimentos a fim de alavancar recursos que intensifiquem os avanços no atendimento com coleta e tratamento de esgoto no Paraná. Atualmente, 77% da população atendida pela Sanepar tem acesso a esse serviço.

O vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, destacou que a cooperação entre as instituições do Estado é uma estratégia do Governo do Paraná. “Essa soma de esforços vai trazer resultados ainda melhores para a Sanepar”, disse.

A diretora de Investimentos da Sanepar, Leura Conte de Oliveira, afirma que a parceria irá contribuir para alcançar as metas de universalização do esgotamento sanitário estabelecidas no novo marco do saneamento. “O BRDE é um parceiro estratégico, que tem muito a contribuir na estruturação de modelos de negócios”, afirmou.

 

Banco está alinhado com as diretrizes dos ODS

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) participou de uma reunião virtual de apresentação do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para o Paraná, na manhã desta quinta-feira (08).

Sendo o primeiro estado brasileiro a passar para a segunda fase do OCDE, o Paraná se destacou em diferentes pontos para isso, como as estratégias políticas e programas colocados em prática para que o estado se adeque aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) como ferramenta para diminuir as disparidades territoriais.

O BRDE, como forma de manter a igualdade social nas regiões em que atua, também é direcionado pelas diretrizes dos ODS. “É gratificante ver que o Paraná também está sendo reconhecido como um estado responsável, o que também é fruto do trabalho do BRDE na região”, afirma o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley.

Além do diretor do banco, participaram membros da OCDE, como Stefano Marta, Coordenador do Programa Abordagem Territorial dos ODS na OCDE, Lorenz Gross, analista político na OCDE, e Aline Matta, Policy Analyst.

Cooperação com a Associação que atua na América Latina e Caribe prevê uma série de atividades conjuntas

Principal referência de apoio a projetos com impacto econômico e social no Sul do Brasil, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) reassumiu a condição de membro ativo da Associação Latino-Americana de Instituições Financeiras para o Desenvolvimento (ALIDE). Um protocolo de cooperação entre o BRDE e a Associação que congrega os bancos de fomento da América Latina e Caribe estabeleceu uma série de iniciativas conjuntas de apoio ao financiamento para empresas privadas e o setor público.

A partir do protocolo, a ALIDE disponibilizará o acesso à uma rede de informações regionais e internacionais, bem como programas de assistência técnica e a participação em pesquisas e estudos, integrar comitês técnicos. “Esse compartilhamento ganha uma dimensão importante diante dos desafios do BRDE de atuar em apoio a empreendimentos de diferentes áreas, desde o agronegócio até a geração de energia limpas, passando pelo turismo, a inovação, saneamento, indústrias e o microcrédito”, destaca a diretora-presidente, Leany Lemos.

Ao completar 60 anos agora em junho, o BRDE se consolida entre os maiores bancos em tamanho de carteira de crédito do Brasil, com R$ 13,5 bilhões. A instituição fechou 2020 com mais de R$ 3,3 bilhões em crédito para investimentos e capital de giro a empreendedores dos três estados acionistas – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, além da parceria com Mato Grosso do Sul.

Na assinatura do protocolo de cooperação, a ALIDE foi representada pelo secretário-geral Edgardo Alvarez. Com sede em Lima, capital do Peru, a Associação iniciou suas atividades em 1968.

O lançamento foi feito pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior nesta segunda-feira (05), no Palácio Iguaçu

Na manhã desta segunda-feira (05), os diretores do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) participaram do lançamento do Paraná Energia Sustentável, feito pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, no Palácio Iguaçu.

O programa é mais um passo no alinhamento do desenvolvimento sustentável do estado, por meio de empreendimentos de pequeno porte, que passam a ter uma nova dinâmica para a emissão de licenciamento ambiental, o que permite reduzir o tempo de espera pela permissão.

“Nós queremos um Paraná que cresça e se desenvolva. Mas também queremos que isso ocorra da forma mais responsável possível, com premissas corretas e alinhadas à preservação do meio ambiente. Este é um passo muito importante para nosso estado”, afirma o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley.

Na mesma ocasião, foram entregues 42 veículos dos 21 escritórios regionais vinculados à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest) como forma de reforçar a fiscalização ambiental em todo o Paraná. O investimento foi de R$ 5.226.863,42.

Melhorar a qualidade de vida da população idosa e reduzir a sobrecarga juntos aos hospitais públicos. São com esses objetivos que a Associação Hospitalar São José de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, desenvolve o projeto 60+, que conta com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) com repasses financeiros através das leis de incentivos.

De forma inovadora e sustentável, o projeto da Associação São José trabalha na assistência à saúde da população da faixa etária com mais de 60 anos, o que incluiu apoio psicológico e terapêutico aos idosos em situação vulnerável ou de solidão, socialização para com os seus pares e com a sociedade, além de promover sua reinserção no âmbito familiar. Com isso, há aperfeiçoamento nos serviços de saúde gratuitos já prestado aos idosos da região pelas políticas públicas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Desde o início do apoio do BRDE, em 2018, foram repassados cerca de R$ 55 mil à instituição. Com a verba, o hospital de Jaraguá do Sul investe em equipamentos para assistência hospitalar, assim como em ações de equipes multidisciplinares e sua qualificação na prestação da assistência aos idosos. Até o momento, foram 4.596 pacientes que foram beneficiados diretamente pelo projeto 60+, e 9.192 familiares alcançados indiretamente pelo programa.

“O apoio do BRDE foi de extrema importância para o início e execução do projeto, possibilitando o atingimento do objetivo de qualificação do atendimento ao Idoso. Foram diversas ações, histórias e conquistas vivenciadas e sabemos que o BRDE faz parte dessa transformação e dos resultados que alcançamos”, destaca o coordenador de Captação de Recursos do Hospital São José, Jeferson Ferrari.

Lei de Incentivos

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

É com enorme pesar que o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) lamenta o falecimento de Renato Follador, presidente do Coritiba Foot Ball Club.

Follador era filho de Renatinho, atleta campeão pelo Coritiba na década de 50. Ele também defendeu o clube nos anos 70 e, no final de 2020, assumiu a diretoria do clube Alviverde.

No início deste ano, Follador se reuniu com a diretoria do BRDE para discutir planos de investimentos do mercado no clube.

Sua trajetória e seu trabalho pelo Clube e pela sociedade paranaenses serão sempre lembrados. Em nome do BRDE, externamos nossos sentimentos de pesar e desejos de conforto aos familiares e amigos.

Os diretores do BRDE se reuniram nesta quarta-feira (30) com o presidente da Sicredi Vale Piquiri ABCD PR/SP, Jaime Basso, para receber, em forma de homenagem aos 60 anos de história, um troféu em formato de escada. A instituição começou sua história no final anos 1980, contribuindo com a geração de riquezas para o povo paranaense.

“É uma escada da origem da cooperativa. Ela começou a funcionar em 1988 literalmente embaixo de uma escada. Este troféu é uma réplica de onde começamos e ajuda a destacar onde chegamos”, afirmou Jaime Basso.

O trabalho em conjunto iniciou com um projeto avícola implantado pela C.Vale e a Sicredi. No entanto, havia necessidade de financiamento para produtores rurais, recurso que a cooperativa não podia repassar. Assim nasceu a parceria com o BRDE, oferecendo recursos que geraram confiança e credibilidade.

Com a união, que cresceu ano a ano, a cooperativa conquistou mais associados, contribuindo para o crescimento da região Norte do Paraná. Hoje, nos 43 municípios do Estado, nos oito do ABCD paulista e São Paulo, a cooperativa reúne 180 mil associados. “Quando uma cooperativa se desenvolve, o associado também cresce e, claro, a sociedade”, completou Basso.

Junto ao BRDE, a Sicredi já realizou 2.236 contratações, totalizando R$ 68 milhões. O ticket médio é de R$ 30 mil, sendo a maioria financiamentos pelo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

“Estamos juntos há muito tempo, gerando frutos por onde passamos. Este é nosso objetivo, ajudar instituições e a população a crescer e gerar uma economia cada vez mais forte e igualitária”, disse o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley.

Qualidade de Vida

A parceria entre as instituições também gerou possibilidade de crescimento e diversificação de atividades de muitos produtores rurais. Assim, conseguiram melhorar sua renda e qualidade de vida, levando filhos à faculdade, cenário bem diferente da simples produção primária.

“Todo o investimento que foi feito pelo BRDE tem um papel importante não só no financiamento dos aviários, mas também na instalação da indústria e da geração de empregos e renda. Se formos analisar o Índice de Desenvolvimento Humano dessa região antes desses investimentos e agora muda completamente. A região está com mais qualidade de vida, mais renda, mais receita, mais empregos. Tudo isso graças a parcerias como essa”, disse o presidente da cooperativa.

Desde sua fundação, em 1988, a Sicredi Vale Piquiri ABCD PR/SP financiou em torno de mil aviários, levando recursos à região da divisa. “Os frangos produzidos nos aviários consomem milho e soja, o que resulta numa riqueza de R$ 1,2 bilhão. Vendendo a carne desse frango, alcançamos a marca de R$ 3 bilhões. É uma cadeia que agrega renda e promove o desenvolvimento”, completou Basso.

INCENTIVO

Dois expoentes paranaenses de esgrima em cadeira de rodas estarão em Tóquio. Eles são do projeto da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná, recebe recursos do Banco, via incentivo fiscal.

O Paraná tem dois atletas de esgrima em cadeira de rodas já confirmados para os Jogos Paralímpicos de Tóquio: Jovane Guissone, que conquistou ouro em Londres, em 2012 e Carminha Oliveira, campeã brasileira na modalidade.
Ambos fazem parte da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná (ADFP), de Curitiba. O projeto da entidade com atletas de esgrima em cadeira de rodas recebe o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), por meio de incentivos fiscais.

“Precisamos apoiar e incentivar esses atletas, fazer com que o sonho deles seja possível. Nós, do BRDE, temos muito orgulho em ver que atletas do projeto chegaram tão longe, trazendo tanto prestígio ao nosso país”, afirma o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley.

Jovane Guissone foi o primeiro atleta brasileiro de esgrima em cadeira de rodas a conquistar o ouro olímpico. Em 2020, foi campeão da etapa da Hungria da Copa do Mundo desta modalidade. Carminha Oliveira conheceu o esporte em 2016 nas Paraolimpíadas do Rio e procurou a ADFP. Ela começou a competir no mesmo ano, no Campeonato Brasileiro de Esgrima em Cadeira de Rodas, onde conquistou o segundo lugar. E nas três últimas competições (2017, 2018 e 2019) ganhou o primeiro lugar. Carminha conquistou a medalha de prata no Regional das Américas de Esgrima em Cadeira de Rodas de 2019, realizado no Canadá.

 

Projeto reúne 18 atletas com experiência em competições

A ADFP é uma organização do terceiro setor, de Curitiba, fundada em 1979, com o objetivo de instituir e coordenar serviços de assistência e reabilitação aos deficientes físicos. Ela auxilia no desenvolvimento, independência e autonomia da Pessoa com Deficiência Física nas suas relações sociais através da reabilitação e habilitação física, social, cultural, profissional e esportiva.

Exemplo

O curitibano Sandro Colaço não participa mais de competições como as Paralimpíadas. Mas sua trajetória no esporte é um exemplo do benefício que o apoio como o do BRDE ao projeto da ADFP proporciona à carreira de atletas. Há 21 anos, a vida de Colaço mudou totalmente. O atual atleta profissional de esgrima em cadeira de rodas sofreu um acidente que o fez perder o movimento das pernas e teve de reaprender, aos poucos, como viver e realizar tarefas simples do dia a dia. Desanimado com a nova forma de levar a vida, procurou a ADFP.

Foi lá que Sandro, e muitos outros atletas, puderam ter contato com novas formas de praticar esportes. Em 2010, ele conheceu a esgrima em cadeira de rodas. “Foi estranho ver um monte de gente mascarada se espetando”, brinca o atleta. Em 2011 teve sua primeira colocação para a seleção brasileira da modalidade.
Colaço participou de 15 competições internacionais, uma delas a Paralimpíadas no Brasil, em 2016. “Foi a realização de um sonho. Minha família toda lá, me vendo competir, foi inexplicável”, relembra.

Importância do projeto

O que auxiliou e motivou os atletas a chegarem às competições foi o projeto da ADFP, que garante a manutenção da equipe, com estrutura necessária, treinadores e colegas, já que, como todos os outros, é um esporte que precisa de prática com outros competidores e tem um alto custo de equipamentos.

Além disso, como princípio, o projeto esportivo é um dos caminhos criados pela ADFP para que a Pessoa com Deficiência tenha uma nova expectativa de vida. “Somos um facilitador de sonhos, tanto para quem pratica, ou para quem assiste nossos atletas competirem. O impacto do nosso projeto é esse, como aconteceu com a Carminha”, diz o coordenador de projetos e voluntário da ADFP, Fábio Ferreira da Silva Ingenito. Ele ainda destaca a importância das empresas se envolverem e apoiarem o projeto. “O paradesporto tem um valor para a vida das pessoas e da sociedade, sem estimativas”, afirma.

O projeto nascido, em 2004, mantém 18 atletas, sendo a maioria com experiência em competições. Atualmente, vem trabalhando para obter grandes conquistas dentro e fora das quadras, sendo uma das melhores equipes esportivas do Brasil em estrutura, número de atletas, vitórias e medalhas nas competições oficiais da modalidade. A pretensão é ranquear 4 atletas entre os 5 melhores do Brasil.

Incentivos Fiscais

O apoio do BRDE, via incentivo fiscal, ajudou a garantir a continuidade do projeto, a conquista de muitas medalhas para a equipe, além de impacto social relevante junto à sociedade e bastante exposição da marca dos patrocinadores.
Para o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley, projetos como esse são extremamente importantes não só para o crescimento do esporte no Brasil, mas também o papel social que a prática proporciona aos atletas.
Bley destaca que como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. “A inciativa constitui parte d política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná”, explica Bley.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível no link www.brde.com.br. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

 

Por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) tem poiado o projeto olímpico desenvolvido pela Sociedade de Ginástica Porto Alegre (Sogipa), que busca oferecer a atletas de alto rendimento melhores condições de treinos. Além de uma preparação de excelência para as competições nacionais e internacionais, a Sogipa está prestes a enviar entre sete e nove atletas para representar o Rio Grande do Sul e o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a partir do próximo dia 23 de julho.

Desenvolvido pela o único clube gaúcho que tem quatro medalhas olímpicas nos esportes individuais, o projeto recebe apoio do BRDE há quatro anos. Desde 2017 foram repassados R$ 167 mil. No ano passado, o valor foi de R$ 40 mil. Os repasses foram usufruídos na criação de uma estrutura de treinos, que compreende alimentação, infraestrutura e manutenção das comissões técnicas, além da própria remuneração aos atletas.

Um dos destaques da equipe é a judoca Mayra Aguiar, campeã pan-americana, mundial e medalhista olímpica. Inicialmente a meta do clube era classificar cinco atletas de duas modalidades diferentes para os jogos olímpicos. No entanto, a expectativa possivelmente será superada, com a expectativa de conquistar ao menos uma medalha. Quem já está coma vaga garantida em Tóquio é o atleta de salto triplo, Almir Júnior.

“Sempre foi uma meta ambiciosa que graças a muito trabalho e ao apoio de parceiros, como o BRDE, estamos próximos de alcançar. O valor repassado dá tranquilidade e segurança para os atletas competirem e se desenvolverem”, destacou o presidente da Sogipa, Carlos Wüppel.

 


Almir Júnior, atleta de salto triplo da Sogipa, já tem vaga garantida em Tóquio

Esporte como inclusão social

A Sogipa sempre encarou o esporte como uma poderosa ferramenta de educação e de inclusão social. O clube trabalha o esporte como ferramenta de promoção na formação das crianças e dos jovens. A oferta de treinos de qualidade, a cobrança da disciplina, respeito, dedicação e empatia, desenvolve as potencialidades dos atletas. Não são todos que atingem o ápice de uma carreira bem-sucedida, disputando e vencendo competições internacionais. Mas, mesmo aqueles que não chegam ao estrelato, tornam-se cidadãos, com abertura de oportunidades para uma vida mais promissora.

Neste sentido, na avaliação de Wüppel, o apoio do BRDE é fundamental para a continuidade desta iniciativa. “Acho que estamos no caminho certo, mas a Sogipa não faria nada disso sozinha,” concluiu.

 Incentivos Fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Na última quinta-feira (17/6), o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.