BRDE

BRDE disponibiliza recursos de até R$ 20 mil para pequenas empresas 

 

Em 2021, foram abertas, no Brasil, 682,7 mil microempresas, recorde da série histórica para o segmento. Já as empresas de pequeno porte abertas foram 121,9 mil, segundo levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Pensando em aproximar a instituição dessa parcela da sociedade, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) já liberou mais de R$ 148 milhões para operações de segundo piso, destinadas a pequenos e microempreendedores.

Nesse tipo de operação, o BRDE contrata uma operação com outra instituição financeira e repassa os recursos para esta, que se obriga a destinar os recursos dentro das condições estabelecidas pelo BRDE e aceitas por ela: microcréditos de até R$ 20 mil. Desta forma, em relação ao cliente final, a instituição financeira que destinou o recurso é de primeiro piso e o BRDE, origem dos recursos, é de segundo piso. “A ideia é aproximar o banco da sociedade, esse é o nosso compromisso: tornar o financiamento uma realidade possível para os micro e pequenos empreendedores, que movimentam a economia local e geram desenvolvimento nas cidades”, explicou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

A instituição financeira Rapidium, Sociedade de Crédito ao Microempreendedor e à Empresa de Pequeno Porte, recebeu R$ 900 mil em repasses do BRDE nessa aproximação. Foi através dela que Bruno Carvalho, proprietário da Carvalho Metais, Centro de Reciclagem de Metais Ferrosos e Não Ferrosos que funciona em Curitiba, conseguiu o investimento para comprar a trituradora de cobre, fundamental para o crescimento do seu negócio.

Bruno destacou a facilidade em conseguir os recursos do BRDE pela Rapidium e o suporte recebido ao longo do financiamento com as documentações necessárias. “O acesso ao microcrédito foi bem importante para continuar com o crescimento da empresa, porque muitos bancos são bem burocráticos para liberar os financiamentos, e a Rapidium correu atrás, fez o possível para que conseguíssemos. Por isso eu indico muito para as pequenas empresas que precisam de microcrédito”, ressaltou.

Facilitar o acesso é o objetivo da parceria, segundo o sócio-diretor da Rapidium, Flávio Locatelli Junior. “Queremos levar recursos onde o empreendedor atua e, muitas vezes, tem dificuldade de acesso a créditos. Como resultado, a parceria injeta recursos na economia local, promove a sustentação do próprio negócio e da família do empreendedor e, em alguns casos, gera até mesmo emprego e renda para a comunidade”.

 

Sócio-diretor da Rapidium, Flávio Locatelli Junior

 

A Rapidium atua no Paraná e em Santa Catarina e já está em processo de renovação da parceria com o BRDE, aguardando novo repasse de R$ 2,5 milhões. “Tivemos resultados fantásticos, a parceria é muito exitosa e, desde o início, as perspectivas foram atendidas com o objetivo de fazer chegar o recurso de forma orientada aos empreendedores de pequenas cidades”, ressaltou Flávio.

Até agora, o BRDE fez outras quatro operações de segundo piso, em que destinou, em 2021,  R$ 120 milhões para CRESOL e R$ 10 milhões para a Fomento PR.  Em 2022, estão em liberação, além dos R$ 2,5 milhões para a Rapidium, R$ 15 milhões para a SICREDI.

Para o diretor-presidente da Fomento Paraná, Heraldo Neves, a atuação organizada e complementar do BRDE com a Fomento Paraná no Sistema Paranaense de Fomento tem se mostrado muito importante como política de apoio aos pequenos negócios. “As linhas de microcrédito da Fomento Paraná hoje chegam a todos os cantos do estado, principalmente por meio de parcerias em quase 300 municípios, com agentes de crédito presentes em Salas do Empreendedor e Agências do Trabalhador, e isso faz com que os recursos repassados pelo BRDE também possam chegar a esses locais, proporcionando que o crédito gere novos negócios, empregos e renda para as pessoas”, afirma Neves.

 

Bruno Carvalho, proprietário da Carvalho Metais, Centro de Reciclagem de Metais Ferrosos e Não Ferrosos

Propósito da ação está em compartilhar conhecimentos das áreas de crédito, investimentos, finanças de forma clara e objetivo por meio de  gravações curtas no canal do Youtube

 

O Programa BRDE Explica, do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, é uma iniciativa que tem como propósito transformar os colaboradores do banco em geradores de conteúdo, por meio da divulgação de minipalestras e levando esse conhecimento para fora das fronteiras do BRDE. “Isso proporciona melhor comunicação entre o Banco, funcionários, mercado financeiro e sociedade, além de dar autoridade para a equipe falar sobre o que realmente entende”, explicou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski. O BRDE Explica começou sua fase de gravações na agência de Curitiba, nessa segunda-feira (27), com objetivo de apresentar os colaboradores como porta-vozes da instituição, dando a eles a oportunidade e autoridade de transmitir e compartilhar os seus conhecimentos.    

O programa é dividido em duas séries, “Desmitificando o Crédito” e “Construindo o projeto de investimento”; e alguns colaboradores contam um pouco de diferentes assuntos dentro dos dois temas. Uma das apresentações foi feita pela chefe de escritório regional, Thais Grandi, a primeira a gravar para o tema “Desmitificando o Crédito”. Ela falou sobre crédito: conceito, tipos e elementos, prazos, carência, sistema de cálculo, taxa de juros, além de incluir questões sobre tributos, tarifas e garantias. O analista de planejamento eco-financeiro, Paulo Marques, abordou o assunto de alinhamento do investimento, que a empresa deseja financiar, com a estratégia de negócio da empresa, para o segundo tema, “Construindo o projeto de investimento”.

É possível assistir ao programa acessando o canal do Youtube do BRDE em data a ser definida.

 

Mariana Schuchovski considera a força do ESG (Governanças ambiental, social e corporativa) a melhor forma das empresas demonstrarem compromisso com a sustentabilidade

Doutora em Ciências Florestais pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e North Carolina State University (EUA), pesquisadora, consultora em treinamentos de Sustentabilidade, Meio Ambiente e Florestas, presidente da Rede Mulher Florestal entre outras funções ligadas ao Empreendedorismo, Mariana Schuchovski realizou live na tarde dessa segunda-feira (27/06) no canal oficial do Youtube do Banco Regional de Desenvolvimento do extremo Sul (BRDE), no Programa BRDE Cenários. Ela destacou a força do movimento de ESG (tradução para Governança ambiental, social e corporativa, nas empresas, “como forma de demonstrar seu compromisso com a sustentabilidade”.

Com uma análise que tenta descomplicar o tema sustentabilidade nas empresas, Mariana destacou que nos últimos dois anos, o movimento ESG ganhou a atenção dos setores que priorizam as boas práticas, com monitoramento dos riscos e como podem atuar nas questão ambiental e social com mais impactos, a exemplo de ações propostas pelo BRDE, como o programa de inovação e aceleração de startups, BRDE Labs, que esse ano trabalha com o tema no Paraná.

O programa tem como propósito, compartilhar temas que conectam setores da economia, novos negócios, tendências de mercado, inovação, entre outros assuntos que dialogam com o banco e a sociedade. A live está disponível no Youtube do BRDE e é apresentado todos os meses.

Com mais de 30 anos, a parceria contribui para o desenvolvimento de pequenos produtores da região

 

A parceria entre o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e o Sicredi rendeu R$ 101 milhões em investimentos no Paraná, entre julho de 2021 e maio de 2022. Quase metade dos recursos tem origem no Banco do Agricultor Paranaense, parceria entre o BRDE, o Governo do Estado e a Fomento Paraná, e representa mais de R$ 1,4 milhão em economia para o produtor com subsídio do governo paranaense.

“A união entre BRDE, Fomento, Governo Estadual e Sicredi tem rendido bons frutos ao longo dos anos e, cada vez mais, se preocupa com o movimento do banco em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU”, ressaltou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski. “A agricultura tem uma grande participação na economia paranaense e a presença do Estado, com assistência técnica, com crédito subsidiado, para estimular a produção e a melhoria da produtividade, especialmente para a agricultura familiar, é muito importante para o desenvolvimento e a geração de renda, que são objetivos da Fomento Paraná, afirma o diretor-presidente da Fomento Paraná, Heraldo Neves.

Para o secretário da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, “a agricultura paranaense vive de parcerias com vários setores, sendo que o Banco do Agricultor Paranaense é uma delas, o que garante ser um projeto inteligente, eficaz, inclusivo e participativo. O Estado cumpre, assim, uma de suas missões, que é atender com prioridade aqueles que mais necessitam e que teriam maiores dificuldades de crescer se não pudessem contar essa mão”.

 

O papel socioambiental da parceria 

Durante o período, foram 450 projetos atendidos com linhas de crédito que promovem a sustentabilidade, inovação, a coletividade ou a bioeconomia. O Banco do Agricultor, programa destinado a pequenos produtores rurais com financiamentos que podem chegar a juro zero, representa 47% das contratações, tendo como principais finalidades a irrigação e a geração de energia fotovoltaica no campo. “Esses R$ 101 milhões são reflexo de uma parceria histórica que vem financiando o produtor rural, e também de uma estratégia de ambas instituições de atender pequenos empreendedores urbanos. Ou seja, para fomentar o desenvolvimento com investimentos a longo prazo, cumprindo, assim, a função social do BRDE”, considerou Paulo Cesar Starke, superintendente do BRDE.  

Para o gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi (PR/SP/RJ), Gilson Nogueira Farias, a renovação da matriz energética é uma das contribuições sociais dessa parceria. “Esperamos continuar contribuindo para com essa renovação da matriz energética que beneficia a todos, melhora a qualidade de vida, agrega renda e contribui para o meio ambiente”, destacou.

 

Gilson Nogueira Farias, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ

 

O BRDE foi o primeiro banco do país a operar o Fundo Clima, uma das linhas mais utilizadas nas operações realizadas através da parceria com o Sicredi, para financiamento de projetos de pessoas físicas e jurídicas destinados à instalação de sistemas fotovoltaicos e de aquecimento solar. 

Além disso, Gilson lembra que o Banco Agricultor oferece ainda mais subsídios para contratos voltados a municípios cujo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é menor. “Quando menor é o IDH do município, maior é o subsídio oferecido pelo Governo pelo Banco do Agricultor, a fim de incentivar ainda mais a utilização de recursos renováveis nessas cidades. Assim, agrega-se mais renda, viabilizando projetos”, explicou.

“Onde há contribuição para o desenvolvimento dos pequenos produtores agrícolas e urbanos e estímulo a criação de projetos sustentáveis, como a instalação de placas solares, cumprimos nossa função social e nos aproximamos do comportamento verde que queremos realizar no dia a dia da sociedade”, concluiu Bley.

 

Show Rural de 2022, realizado em fevereiro, quando o BRDE fez o repasse de mais recursos para a SICREDI Central PR/SP/RJ, para financiamento aos associados empreendedores rurais e urbanos das cooperativas filiadas da Central, no Paraná

Show Rural de 2022, realizado em fevereiro, quando o BRDE fez o repasse de mais recursos para a SICREDI Central PR/SP/RJ, para financiamento aos associados empreendedores rurais e urbanos das cooperativas filiadas da Central, no Paraná

Startups podem se inscrever para participar do programa até 29 de julho

 

A relação entre ESG (Environmental, Social and Governance) e inovação foi o tema central da palestra proferida pela professora Fernanda Fedér Paraná, na segunda live da etapa de sensibilização no Paraná do BRDE Labs 2022, programa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Em palestra transmitida ao vivo no canal do YouTube BRDE Oficial, na tarde desta quinta-feira (23/06), Fernanda sistematizou e sintetizou conceitos, explicou o contexto histórico dos impactos ambientais, justificativas para mudanças no sistema econômico com base em dados, decisões e atitudes possíveis para as empresas implementarem de maneira efetiva gestão voltada para sustentabilidade.

A consultora traçou um paralelo do momento atual com a chamada “era da qualidade total”, no pós segunda guerra mundial, em que passou-se a exigir garantias de qualidade dos produtos industriais até o ponto em que isso foi incorporado aos hábitos dos consumidores e, por consequência, às práticas das empresas.

“A gente não questiona mais a qualidade dos produtos. E a sustentabilidade está passando por esse mesmo momento, que não é recente, de discussão das questões sociais e ambientais em que isso se torna novo”, observou. Fernanda acredita que chegará um momento em que, assim como ocorreu com os padrões de qualidade, não será mais necessário exigir questões de sustentabilidade, pois já vão estar incorporadas ao processo produtivo.

Parte da palestra foi dedicada a apresentação de exemplos do meio empresarial de inovação e sustentabilidade que podem ser espelhados e melhorados por outras organizações.  Fernanda é consultora de Sustentabilidade e D&I na Gaia – Negócios de Impacto e professora da HOTMILK Academy e já atuou prestando consultoria a diversas empresas nas questões de sustentabilidade.

 

 

Inscrições abertas – A terceira edição do BRDE Labs está com inscrições abertas desde 13 de junho e encerram no próximo dia 29.

As startups que queiram desenvolver soluções ESG para nove empresas parceiras, já selecionadas em seus setores no estado do Paraná, podem se inscrever no site do programa: https://www.brdelabs.com.br/pr/ .

 

Fundo de Aval da Lapa no valor de R$ 500 mil é entregue para garantir recursos aos microempreendedores

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) participou do Start Lapa, iniciativa da Prefeitura da Lapa e da Associação Comercial, Industrial e Agropecuária da Lapa (Acial), com o Sebrae-PR – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, secretarias e instituições do Governo do Estado, a fim de estimular o empreendedorismo e a retomada econômica da região. O evento teve início pela manhã dessa quinta-feira (23), na Praça Central, na Alameda David Carneiro.

O Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE) fez prospecção de novos negócios, por meio de seus programas, oferecendo linhas de crédito, especialmente aquelas voltadas ao turismo, agronegócio e operações empresariais, uma vez que a região apresenta potencial para esses segmentos.

No período da tarde, o vice-governador Darci Piana, o presidente e o diretor administrativo do BRDE, Wilson Bley Lipski e Luiz Carlos Borges da Silveira, respectivamente, com autoridades locais e do Governo Estadual, deram continuidade ao evento, na Câmara Municipal da Lapa, abordando temas sobre a integração e desenvolvimento regional e o fomento de oportunidades para toda comunidade lapeana. Na ocasião, foi entregue em cheque simbólico de R$ 500 mil, que representa o Fundo de Aval da Lapa, recurso no qual possibilita pequenos empreendedores a garantia para quem não tem acesso aos créditos convencionais.

“Esse fundo atende o perfil do trabalhador e pequeno empreendedor da Lapa, e demonstra a confiança do poder público aos empresários locais, para construírem essa sociedade e representação de desenvolvimento que queremos, em parcerias sólidas para trazer um ambiente de vida e mais progresso nessa cidade”, analisou Bley. Borges da Silveira ressaltou “o potencial turístico histórico, religioso e cultural, como incremento da Lapa”.

Parcerias – A Secretaria de Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) em parceria com o Sebrae levou o ônibus da Agência do Trabalhador Itinerante, com disponibilidade de 68 vagas de emprego nas áreas de agropecuária, transporte, alimentação, serviços e comércio, como parte do programa Emprega Mais Paraná. O mutirão de cadastramento da segunda fase do programa Recomeça Paraná, com 100 vagas, e uma apresentação do programa Cartão Futuro aos empresários da região. “O Recomeça Paraná além de oferecer capacitação voltada para o empreendedorismo, disponibiliza um incentivo de R$ 900,00 para os formados colocarem o conhecimento em prática”, explicou o secretário Rogério Carboni.

“Este é mais um importante incremento do Governo do Estado, , de trazer aos empreendedores lapeanos a oportunidade de uma capacitação com incentivo. Eu agradeço o Governo por este olhar para nossa cidade”, destacou o prefeito Diego Ribas.

A participação do Governo também acontece por meio da Fomento Paraná, com a oferta de linhas de crédito para pequenos e médios empresários; da Celepar, com palestras sobre cibersegurança; e a TV Paraná Turismo. Representando o setor produtivo, o Sebrae-PR faz a distribuição de Kits de Empreendedorismo.

Desde 2019, banco já destinou mais de R$ 10 milhões para projetos sociais via leis de incentivo fiscal

 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul lançou nesta segunda-feira (20), o edital do processo seletivo de incentivos fiscais de 2022. O anúncio foi feito por transmissão ao vivo no Youtube do BRDE e as inscrições vão até o dia 31 de agosto. Desde 2019, o banco já destinou mais de R$ 10 milhões para projetos sociais via leis de incentivo fiscal.

Participaram do evento o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, o diretor de Planejamento, Otomar Vivian e representantes de instituições contempladas por editais anteriores. Na abertura, o presidente destacou a responsabilidade de conceder recursos que contribuirão para a transformação da sociedade. “Para isso criamos critérios extremamente objetivos, a fim de que as decisões sejam técnicas. Acreditamos que o poder público deve ser responsável por promover políticas públicas de transformação social, mas também entendemos que a parceria com a sociedade civil deve acontecer, por isso esta é uma contribuição necessária”, disse.

Bley acrescentou que o propósito do BRDE é gerar desenvolvimento econômico e social. “Por trás das empresas e dos financiamentos que fazemos, existem pessoas, e são elas que transformam a sociedade. Queremos que os resultados que vemos ao longo dos anos a partir dos incentivos fiscais se renovem”, completou.

Nesse sentido, Otomar lembrou que o banco é signatário do Pacto 2030 e tem como compromisso os Objetivos Sustentáveis (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). “Temos como princípio a agenda ESG – Environmental, social, and corporate governance. É um compromisso do BRDE produzir resultados que ajudam a transformar a sociedade e torná-la mais desenvolvida socialmente”, destacou. Além disso, o diretor reforçou a responsabilidade do edital e a certeza da boa aplicação dos recursos.

 

A transformação em curso

Uma das instituições contempladas pelas leis de incentivo fiscal via BRDE é a Associação Franciscana de Ensino ao Cidadão Especial (AFECE), uma entidade sem fins lucrativos que oferece atendimento gratuito nas áreas de Educação, Saúde e Assistência Social. Convidadas para contar sobre essa parceria, as representantes da AFECE Maíra de Oliveira, diretora Geral, e Lucilene Marques, gerente do Departamento de Captação de Recursos e Comunicação, ressaltaram a importância da mobilização da sociedade como um todo. 

A associação, que atua a partir de três esferas (saúde, educação e assistência social), contou com recursos via leis de incentivo para ampliar a atuação e o atendimento às pessoas com deficiência e suas famílias. “Os projetos só foram possíveis pelo PRONAS, que deu a possibilidade de equipar a instituição. E durante a execução dos projetos, o BRDE seguiu nos acompanhando”, contou Maíra.

“O PRONAS, com a ajuda muito significativa do BRDE, possibilitou a ampliação dos nossos atendimentos para mais de 20 especialidades. São mais de 40 mil procedimentos e mais de 2 mil pessoas assistidas, em cerca de 2 anos. Hoje, conseguimos oferecer todas as especialidades em um único espaço, garantindo a reabilitação da pessoa com deficiência. O Brasil precisa de mais empresas como o BRDE, que não ficam à margem dos problemas vividos pelo terceiro setor”, acrescentou Lucilene.

Já na área da educação, o gerente de Engajamento e Mobilização, na Diretoria Executiva de Educação Básica do Marista Escolas Sociais, Rodolfo Schneider, foi responsável por trazer seu depoimento. O grupo, que conta com 18 escolas especiais nos estados do Paraná, de Santa Catarina e São Paulo, oferece educação gratuita e de qualidade para famílias que têm renda média de até 1,5 salários mínimos. “Na verdade, mais da metade (54%) das famílias estão na linha da pobreza e 17% delas estão abaixo da linha da pobreza”, afirmou.

Rodolfo destacou os desafios enfrentados pelo projeto durante a pandemia e a contribuição do BRDE para recuperar os prejuízos sociais desse período. “Ofertar uma educação pública e de qualidade com refeições e atendimento social com as escolas fechadas foi desafiador. Tivemos que levar alimentos, materiais escolares e de limpeza para as famílias. Isso e a recuperação desses conteúdos agora só é possível graças ao apoio do BRDE a projetos de assistência como o nosso”, contou.

 

O edital

O edital é destinado aos proponentes de projetos aprovados para captação de recursos mediante as leis de 100% de isenção fiscal via Fundos da Infância e da Adolescência; com enquadramento no Estatuto do Idoso e Fundo nacional do Idoso; Lei de Incentivo ao Esporte; Lei do Audiovisual; Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet) e do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) e Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS). Desde 2019, o banco já destinou mais de R$ 10 milhões para projetos sociais via leis de incentivo fiscal.

O edital está disponível neste link. Dúvidas e sugestões podem ser enviadas para os seguintes endereços eletrônicos, conforme a agência a que o projeto será submetido:

Em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, colaboradores e parceiros comemoraram os avanços, desafios e propósitos do banco em clima de confraternização

Os 61 anos de criação do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), foram comemorados em clima de retomada dos eventos presenciais, participação de colaboradores “e sentido de propósito, com desafios superados na pandemia, mentalidade do banco ser mais sustentável em suas ações e no posicionamento estratégico nesse diálogo que propomos com vários segmentos da sociedade”, refletiu o presidente Wilson Bley Lipski.

Créditos: Rodolfo Büher

Diretor-presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, em discurso para colaboradores do banco em comemoração de aniversário da instituição. Créditos: Rodolfo Büher

Fundado em 15 de junho de 1961 para atuar no desenvolvimento e crescimento econômico dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o BRDE se tornou referência em financiamentos a longo prazo, a partir de clientes que cresceram com o banco no decorrer do tempo. Do fomento à Agricultura, seu carro-chefe, o BRDE abriu espaço e se alinhou com o tempo, à projetos de cidades, indústria, comércio e infraestrutura. Nos últimos três anos, em meio a transformação digital acelerada pela pandemia, o BRDE buscou ocupar outros espaços. Criou e fez parcerias com programas de empreendedorismo, pulverizou créditos por fundos específicos nacionais e internacionais, criou macroprogramas em inovação, energia renovável, turismo, cultura, e se associou às instituições com visão de crescimento social e econômico.

Bley ainda ressaltou sobre uma nova visão do BRDE em sua trilha de se tornar o primeiro banco verde do país. “Estamos nos ajustes finais da criação do fundo verde, que consiste no dinheiro dos resultados operacionais para apoiar a iniciativa privada e a sociedade organizada, por meio de recursos não reembolsáveis (fundo perdido), para que possa haver desenvolvimento de algumas ações que tenham esse viés. A outra é criar uma esteira diferenciada, que exista uma precificação específica para aquele empresário que assumir esse compromisso do carbono zero, da descarbonização, podendo ter um ganho financeiro. Manteremos as duas esteiras a convencional e essa especial, aquelas que tenham esse comportamento se direcionam a esse trabalho”, concluiu.

O vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Marcelo Haendchen Dutra falou sobre os desafios do BRDE e sua missão. “Mesmo diante de inúmeros desafios ao longo desses anos, o BRDE mantém a sua importância para a economia dos estados e apoio aos municípios, através de um corpo técnico engajado em fazer valer os conceitos de missão, visão e valores, que o credenciam como parceiro estratégico e imprescindível na promoção do desenvolvimento, aliado ao firme compromisso de protagonismo na geração de emprego e renda”.

As comemorações – No Rio Grande do Sul, funcionários, estagiários da cantaram o tradicional “Parabéns a você” e distribuíram o primeiro pedaço do bolo aos colaboradores com mais de 40 anos de trabalho dedicado ao banco. A diretora de Operações Leany Lemos disse que a chegada aos 61 anos demonstra o quanto o banco vem evoluindo na sua trajetória em favor do crescimento da região. “Somos cada vez mais um banco comprometido com um modelo de desenvolvimento econômico alinhado às demandas sociais e ambientais. Sem dúvida, o BRDE é hoje o banco da sustentabilidade e um modelo de negócio que já serve de referência internacional. Somos uma instituição que tem na sua essência a parceria, quer seja com milhares de clientes, assim como de outros agentes financeiros, sempre com uma visão de futuro de impactar positivamente a vida das pessoas e do planeta”, frisou.

Créditos: Divulgação BRDE

Diretores e colaboradores em cerimonia de comemoração do aniversário do BRDE na agência de Porto Alegre. Créditos: Divulgação BRDE

“Ao longo desses 61 anos, o BRDE se consolidou como um parceiro de quem produz no campo e na cidade. E a partir das políticas definidas pelos Estados controladores e de uma visão estratégica de desenvolvimento da região Sul, o banco desempenha um papel fundamental em favor dos mais diferentes setores econômicos, dos produtores rurais e das prefeituras, mas com uma crescente preocupação com a sustentabilidade e com responsabilidade social”, frisou o diretor de Planejamento, Otomar Vivian. Ele salienta, também, o quanto o quadro funcional qualificado que o BRDE dispõe é determinante nos resultados que são alcançados a cada projeto que o banco atua como parceiro.

Na agência de Santa Catarina colaboradores, diretoria e estagiários se confraternizaram numa festa com bolo, e muita alegria. E o diretor financeiro Eduardo Pinho Moreira ressaltou a respeito da relação do banco com a sociedade. ”Os 61 anos do BRDE merecem o reconhecimento e a comemoração, porque nesses décadas, o banco serviu de instrumento importante para o desenvolvimento econômico, para geração de emprego e renda nos três estados do sul; então cumpriu sua missão, que é estreitar a relação do banco com a sociedade em todos os níveis da área econômica e completa seus 61 anos com sua missão cumprida”, finalizou.

O coro Ottava Bassa do Projeto Bravíssimo Concertos fez uma apresentação de músicas clássicas, e releituras de hits como Smile e Hallelujah de Leonard Cohen no saguão da agência de Curitiba, que encantou todos os colaboradores e convidados.

Créditos: Rodolfo Büher

Apresentação do coro Ottava Bassa do Projeto Bravíssimo Concertos na agência do BRDE em Curitiba. Créditos: Rodolfo Büher

O grupo musical é composto por voluntários de alto nível artístico, sob o comando do maestro Alexandre Mousquer, com projeto apoiado pelo BRDE via incentivos fiscais (lei Rouanet). A tradicional foto na escadaria do Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões também foi registrada nas comemorações.

O superintendente Paulo Starke Junior comentou sobre a importância da história do banco, a comunicação com os colaboradores e “de viver algo grandioso nesse momento de quebra de paradigmas do banco em se tornar mais próximo à sociedade”.

Fotos: Divulgação BRDE e Rodolfo Büher

Após a live foi aberto edital para inscrição de startups que queiram participar do programa

O BRDE Labs, programa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) para acelerar o desenvolvimento do ambiente de inovação na Região Sul, começou sua terceira edição a partir segunda-feira (dia 13), com o tema ESG – Environmental, social, and corporate governance (traduzido como ambiental, social e governança).

A abertura do BRDE Labs, que tem várias etapas até dezembro, foi transmitida pela live no canal do Youtube do BRDE, com masterclass sobre  Tendências e Inovação – Tudo sobre o consumo de marcas transparentes e responsáveis, com o fundador da CoolHow e professor da Hotmilk Academy e da PUC Minas e Uni-BH, Tiago Belotte. Logo após a live, foras abertas as inscrições para as startups que aceitem os desafios propostos pelas nove empresas âncoras, já selecionadas por meio do site https://www.brdelabs.com.br/pr/. Pela primeira vez, o BRDE também vai ser uma instituição âncora e abre suas inscrições, respeitando os trâmites legais, a partir do dia 15, na quarta-feira pelo mesmo link.

O presidente do BRDE Wilson Bley Lipski  disse que o BRDE Labs faz um movimento baseado em que “a necessidade das ideias se conectam com as startups, motivando a sociedade,  trazendo novos conceitos e adotando inovação em nossas práticas diárias”. Sobre a participação do BRDE agora também como âncora, Bley ressalta todo o aparato para tornar o processo transparente. “Como ente de direito público, o BRDE obedece a lei de licitação, e dessa forma abre o edital BRDE Labs para as startups e a normatiza a possibilidade da contratação na fase final, quando selecionada. Esse é um modelo de inovação que queremos repassar a todos os órgãos públicos”, concluiu.

Parceiros – A aceleradora Hotmilk da PUCPR é parceira do BRDE nesse programa de inovação. Nas edições de 2020 e 2021, 515 startups de todo o Brasil se inscreveram para participar do programa, que teve como temas Agronegócio e Indústria. E esse ano, ESG, com desafios que trabalham objetivos sociais e ambientais, além de maximizar lucros de uma corporação. O reitor da PUC-PR, Irmão Rogério Mateucci, falou sobre a importância de renovar a parceria com o BRDE e “ter um programa com instituições que articulam equipes capacitadas, para aplicar processos de inovação voltados à sociedade, promover crescimento para geração de soluções, criar plataforma e processos construídos para soluções rápidas e co-criar projetos inovadores, com players de inovação”. 

O superintendente de Inovação do Governo do Estado do Paraná, André Telles falou sobre o conceito de inovação. “A partir do momento que você cria um novo produto, processo ou serviço ou melhora algo que já existe, agregando valor para determinado público, isso é inovação”.  E a CEO da Amcham, Deborah Stern Vieitas, lembrou que a entidade tem quatro mil empresas associadas, nos estados do Sul e banco de dados de inovação com mais de três mil startups. “No Paraná, o BRDE é nosso parceiro estratégico, desenvolvendo ações juntos em prol da competitividade da região”, concluiu.

As nove empresas paranaenses selecionadas esse ano são: Bree, Brose, Frísia, Frivatti, Intecso, Marel S/A, Santa Maria, Tuicial e Agrária. Cada uma delas tem sua lista de desafios.

 

Masterclass – Tiago Belotte trouxe uma série de reflexões sobre o cenários de inovação e suas possibilidades. “É importante ter sempre o olhar no presente, aberto, pois os sinais do futuro sempre estão aparecendo”, enfatizou. Ele disse que o tema ESG serve como “uma lente para enxergar as mudanças urgentes das  empresas, da sociedade e do planeta”.

Belotte ainda discutiu uma pesquisa de 2021 sobre valores e propósitos como pilares das decisões de consumo desse século, além de novas direções que profissionais buscam para sua carreira, como melhores salários, aprendizado novo e melhora da qualidade de vida. A masterclass pode ser vista na íntegra pelo canal oficial do Youtube do BRDE https://www.youtube.com/watch?v=MgIvlRSeFbE.

Ação recebe recursos via incentivos fiscais pela Lei de Incentivo à Cultura

O Projeto Vida e Arte é um programa sociocultural de atividades com artes musicais, com o objetivo de incluir culturalmente crianças e adolescentes de Curitiba e propósito de criar bons conceitos de cidadania e convivência social. Fundado pelo Pastor Paulo Davi, o projeto oferece aulas de prática instrumental e teoria musical com o instrumento de orquestra escolhido pelo aluno. Esse trabalho tem o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, por meio da Lei de Incentivo à Cultura 8.313 de 23/12/1991. O recurso auxilia na manutenção de projeto, na compra de novos instrumentos e remuneração dos professores. O próximo edital para inscrição de projetos da lei de incentivos fiscais está previsto para ser aberto final de junho.

Desde 2010, o Projeto Vida e Arte tem dado aos seus alunos uma formação técnica completa na área musical, com aulas de instrumento individual, teoria musical, prática coletiva, além de formarem uma orquestra com alunos atuais e já graduados. Os participantes se reúnem três vezes por semana, para ter aula de uma matéria por dia e, como os alunos entram no programa sem saber muito de música, levam aproximadamente quatro anos para se formar. Mesmo dirigido especialmente para crianças e adolescentes de periferia, o projeto é aberto para toda a comunidade, sem restrição de idade.

O ciclo do projeto – “O projeto é contínuo, mesmo após a sua formação, o aluno permanece no projeto, podendo participar da orquestra e dos concertos musicais. Muitos deles se tornam monitores do próprio projeto, para ajudar os novos alunos”, contou o gestor administrativo do programa, Hélcio Pimentel. Segundo ele, um dos propósitos do Projeto Vida e Arte é tirar crianças e adolescentes de áreas mais vulneráveis, do contato com o tráfico de drogas e melhor aproveitamento da qualidade do tempo livre. “O projeto é para formar cidadãos, não só para ensinar as pessoas a tocarem um instrumento. Sabemos dos benefícios que a música traz, desestressa, aumenta aptidões pessoais, mas a ideia é oportunizar uma melhor qualidade de vida, ampliar horizontes. Temos notado isso através dos relatos de muitos pais, que os filhos têm melhorado no comportamento. Então a motivação não é só ensinar música, mas dar uma oportunidade para a transformação de vidas”, concluiu.

Cerca de três mil crianças e adolescentes já passaram pelo Projeto Vida e Arte, que hoje mantêm núcleos do projeto nos bairros Portão e Uberaba, e um novo em processo de abertura em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, além de planos para abrir mais uma unidade no Parolin. Os estudantes se formam no curso com o preparatório para um vestibular de Belas Artes, já prestado por alguns participantes do projeto após sua graduação, e hoje trabalham profissionalmente na indústria musical. As aulas são ministradas por professores formados, que atendem a uma metodologia voltada não apenas para o ensino da música, em si, mas também para o acolhimento do aluno, de forma a garantir seu desenvolvimento como pessoa, com a família e a sociedade.

“O BRDE é um dos grandes incentivadores do Projeto Vida e Arte. Os nossos professores dedicam praticamente o seu tempo integral no projeto, então para isso eles são remunerados. Além da questão do custo de manutenção de projeto, a compra de novos instrumentos, tudo isso tem uma despesa muito grande. O projeto sobrevive graças aos incentivadores, agradecemos muito, e doações diretas de pessoas físicas. Se não fossem esses apoiadores, entre eles o BRDE, o projeto não existiria hoje.”

O coordenador pedagógico e diretor musical do Projeto Vida e Arte, Douglas Soares, que também é maestro da orquestra do programa, diz que ficou tão impressionado com o impacto das aulas na vida das crianças, que abdicou de sua carreira profissional como produtor musical para trabalhar integralmente no Projeto. “A pessoa entra no projeto totalmente desmotivada pelo meio que vive, pela situação em que se encontra, e nós notamos claramente no rosto e no olhar de cada um a transformação e a motivação que se forma. Elas começam a se sentir capazes, começam a vislumbrar um futuro diferente daqueles que vivenciam onde estão inseridos. Elas são transformadas pela arte.”

A orquestra realiza dois concertos por ano, o próximo acontecerá no dia 21 de junho, às 20h na Primeira Igreja Batista de Curitiba (PIB). Os ingressos para o recital, com tema “Trem da Vida”, já estão disponíveis para compra pela plataforma Disk Ingressos. Para participar do Projeto, o interessado deve entrar em contato com a equipe através do telefone (41) 998851313, redes sociais @projetovidaearteoficial ou pelo endereço eletrônico https://projetovidaearte.org.br/.

Leis de Incentivo Fiscal

Em 2021, o BRDE destinou R$ 4,6 milhões, por meio das leis de incentivo fiscal, igualmente distribuídos entre Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. No Paraná, 37 projetos receberam apoio no valor de aproximadamente R$ 1,8 milhão. “Essa é uma política instituída no banco, que por meio de chamamento público, escolhe bons projetos sociais e culturais para serem apoiados por nossos incentivos. Dessa forma estamos devolvendo à sociedade um pouco daqueles resultados que o banco tem e fazendo com que haja promoção social para todos”, explica o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Para quem deseja cadastrar seu projeto para receber aporte por parte do BRDE, o cadastro inicia em junho e vai até outubro no endereço eletrônico: https://www.brde.com.br/incentivos-fiscais/