BRDE

No segundo dia do seminário Energias Renováveis e Desenvolvimento, importantes agentes financeiros apresentaram suas políticas de apoio a projetos que ampliam a participação de fontes limpas na matriz energética do Brasil. O painel trouxe um leque de ações, incluindo a formação de fundings internacionais, que também permitem financiamento de iniciativas que representam ganhos em termos de eficiência energética e redução de impactos climáticos. O evento é organizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), com transmissão aberta pelo canal de Youtube.

Como um dos grandes líderes globais no financiamento na geração de energias renováveis, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem uma participação direta em cerca de 70% na expansão da matriz energética do país nos últimos 20 anos. Da capacidade de produção atual a partir da geração hídrica, 51% fazem parte da carteira do banco, percentual que chega a 86% na fonte eólica e  35%, na geração solar. Conforme relatou a gerente da Área de Energia do BNDES, Ana Raquel Paiva Martins, a instituição teve êxito em buscar parceiros internacionais e assim atrair investidores para projetos que, apenas em 2020, representaram R$ 72,9 bilhões em parques eólicos no Brasil, que já é a segunda maior fatia da matriz nacional. “O sucesso da fonte eólica se reflete na indústria, pela exigência de conteúdo local mínimo”, observou Ana Raquel.

A diretora-geral do Escritório Regional das Américas do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), Cláudia Prates, destacou que a instituição tem como base de atuação a inovação e a sustentabilidade. Da carteira de US$ 28,8 bilhões do banco, o Brasil responde por quase 18%. “O Brasil tem a matriz energética mais limpa na comparação com os demais membros do banco. Mas o país vem ganhando espaço, em especial depois de 2019, quando foi criado o escritório local”, mencionou.

Claudia Prates – NDB

A representante do NDB destacou também a parceria com o BRDE em projetos vinculados aos Objetivos do Desenvolvimento Social (ODS) e citou financiamento em projetos de energias solar e eólica na região Sul.

Banco do Clima

Com 70% dos projetos financiados necessariamente alinhados com o Acordo de Paris, no sentido da redução da emissão de gases que impactam na mudança climática do planeta, o Banco Europeu de Investimentos (BEI) está presente em mais de 170 países. “Temos um objetivo de chegarmos a 2025 com no mínimo 50% dos nossos projetos ligados à agenda do clima”, frisou a representante do BEI no Brasil e Bolívia, Joana Sarmento. Além de financiar projetos com fontes renováveis, segundo ela, o banco agregou o apoio a iniciativas que apresentam maior eficiência energética, agricultora de baixo carbono, melhorias no transporte público e saneamento.

Joana Sarmento – BEI

Atuando no financiamento a estados e municípios do Brasil há 26 anos, o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) também trabalha em parceria com o BRDE. “Isso amplia nossa capilaridade, uma parceria com tem um potencial muito grande”, frisou o representante da CAF no Brasil, Jaime Holguín. Ele mencionou que a instituição já acumula US$ 20 bilhões de carteira em financiamento para infraestrutura em diferentes pontos da América Latina, onde as energias renováveis ganham relevância,  entre elas a aposta firme na energia eólica no nordeste do Brasil.

Jaime Holguín – CAF

O painel que reuniu as instituições financeiras encerrou com a participação da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). Segundo o gerente de projetos no Brasil, Victor Bielly, um diferencial da linha de atuação da AFD é incluir a assistência técnica nos projetos financiados. “Com isso, os investimentos em fontes de energia hidráulica, fotovoltaica e inclusive biomassa têm um impacto em escala macroeconômica”, destacou Bielly.

Victor Bielly – AFD

Para o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, o tema da geração de energia exige bastante reflexão. “Essa mesma reflexão temos internamente no BRDE. Queremos apoiar projetos renováveis”, disse ele na abertura do painel. O diretor Administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira, fechou o segundo dia do seminário, que nesta quarta-feira (18/8) tem seu fechamento com a participação de entidades que representam as empresas do setor para tratar da demanda do setor de energia renovável no Brasil..

 O conteúdo do segundo dia do evento está disponível no seguinte endereço: https://youtu.be/OwSaszIRm7c

 

Primeiro dia do seminário organizado pelo BRDE abordou as ações do setor público

Responsável por quase 64% da matriz energética do Brasil, o que o coloca como o segundo maior gerador do mundo, as hidrelétricas já não conseguem acompanhar o mesmo crescimento da demanda de energia do país. Com isso, entre as fontes renováveis, a energia eólica e a fotovoltaica tiveram crescimento expressivo no ano passado e apresentam enorme potencial de crescimento na próxima década.

É o que aponta um estudo do Ministério de Minas e Energia, apresentado nesta segunda-feira (16/8), no primeiro dia do seminário Energias Renováveis e Desenvolvimento. Organizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o evento prosseguirá até a próxima quarta-feira (18/6) abordando os principais desafios para incentivar a geração de energia por fontes renováveis, as alternativas em termos de financiamento e o quanto a demanda de diferentes setores produtivos trazem de impacto ao desenvolvimento regional e nacional.

Conforme a secretária executiva do Ministério de Minas e Energia, Marisete Fátima Dadald Pereira, as fontes renováveis ganham de importância como papel de complementariedade ao sistema nacional, em especial diante do crescimento de demanda e em períodos de escassez hídrica, como o que o país enfrenta no momento. “Em um ano, a participação da energia solar cresceu mais de 60%. O mercado livre do setor contribuiu para isso, e há uma mudança do perfil do consumidor, que vem buscando sua própria geração”, observou a secretária. Ela confirmou que o leilão que o Ministério realizada agora em setembro vai contemplar projetos que se valem de fonte eólica, resíduos sólidos urbanos e o hidrogênio.

Diretor do Departamento de Informações e Estudos Energéticos do Ministério, André Luiz Rodrigues Osório demonstrou que a energia eólica já responde por quase 10% da capacidade instalada no país. Segundo, até 2030 a previsão é que a geração de energia que se vale dos ventos passe dos atuais 15,9 Giga Watts (GW) de capacidade instalada, para 32,2 GW. O saldo com a energia solar é mais significativo ainda:  de 3,1 para 8,4 GW. O crescimento dessas duas fontes deverá compensar a redução da participação hidrelétrica na matriz brasileira.

Conforme o diretor, o país tem uma forte projeção de investimentos para a próxima década, que chegam a cifra de R$ 2,68 trilhões. “Temos um compromisso de elevar para 86% as fontes de geração renováveis da nossa matriz elétrica”, destacou André Osório.

Ações nos Estados

Com o objetivo de debater as políticas do setor público, o painel reuniu também a participação dos governos estaduais do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Secretário-adjunto de Meio Ambiente e Infraestrutura do RS (SEMA), Guilherme de Souza salientou de uma transição energética e destacou que o estado apresenta 81% de suas fontes renováveis e onde a geração eólica já responde por 20% em termos de potência instalada. Souza elencou as ações do governo gaúcho em termos de privatizações como uma agenda importante: “precisamos do parceiro privado para investir”, resumiu. O diretor do Departamento de Energia da SEMA, Eberson José Thimmig Silveira, apresentou detalhes da política que o governo vem adotando para incentivar os investimentos no setor.

Guilherme de Souza

Representando o governo do Paraná, o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, destacou o esforço do governo local em criar o programa Invest Paraná. “Buscamos unificar num único ambiente a segurança técnica e jurídica a quem quer investir. Descomplicar a vida do empreender, mas respeitando as questões de sustentabilidade”, descreveu o secretário. Ele apresentou indicadores que apontam para o crescimento de novos projetos de geração de energia licenciados  apenas nos últimos dois anos.

Márcio Nunes

Já o secretário Executivo do Meio Ambiente (SEMA), Leonardo Schorcht Bracony Porto Ferreira, trouxe um relato da capacidade instalada da matriz energética de Santa Catarina e mencionou o esforço de gradativamente substituir o carvão como fonte geradora no estado, que ainda tem importância para o sistema local, mas que precisa ser substituída por novos modelos por razões ambientais.  “Estamos trabalhando por uma transição energética que seja justa. O estado vem avançando muito em termos de pequenas hidrelétricas e há uma previsão de crescimento para os próximos anos”, observou, salientando que o SC trabalha para cumprir os acordos internacionais.

Leonardo Porto Ferreira

Financiamentos

Na abertura do primeiro dia do seminário, a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, destacou que os projetos de fontes renováveis de energia são tema estratégico para o Banco, mas igualmente para o desenvolvimento da região Sul. “Trata-se de um debate relevante neste momento e o BRDE já tem na sua carteira de operações uma presença forte de apoio a projetos de energia renovável”, acrescentou. O diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, igualmente destacou a qualidade das palestras ao longo do dia.

O seminário tem transmissão pelo canal de Youtube do BRDE. Nesta tyerça-feira (17/8), serão debatidas as linhas de financiamento, diretrizes e prioridades das para seleção de projetos, alternativas inovadoras de acesso a recursos para projetos sustentáveis de energia, com a participação do BNDES, Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), Banco Europeu de Investimento (BEI), Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD)  e  Banco de Desenvolvimento da América Latina CAF).

O conteúdo do primeiro dia do evento está disponível no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=nH7QbJyspPY

Desde 2018, Lar Santa Maria da Paz já foi contemplada com cerca de R$ 65 mil via Lei de Incentivos

Localizado no município de Tijucas, litoral de Santa Catarina, o Lar Santa Maria da Paz atende idosos, preferencialmente aqueles com algum grau de dependência que exija a presença de cuidadores. Sua missão é acolher e garantir assistência material, moral, social e espiritual a esses idosos. Fundada incialmente pelas irmãs do Sagrado Coração de Jesus em 1910, em Curitiba (PR), a instituição hoje é gerenciada pela Associação Casa Irmã Dulce, que está atuando como dirigente desde 2014.

Através de projetos elaborados pela Associação e apoiados pelas leis de incentivo fiscal do idoso, o lar recebe apoio financeiro de empresas parceiras. O BRDE é parceiro da instituição desde 2018. Através do projeto “Ampliação da capacidade de atendimento da instituição”, o Banco destinou um total de R$ 44,7 mil. O lar propõe diversas atividades e programas que melhoram a qualidade no seu atendimento e fazem com que os idosos presentes tenham a melhor experiência possível. Além de um atendimento qualificado e especializado 24 horas por dia por meio de equipes multidisciplinar qualificadas

De acordo com a primeira-secretária da Associação, Tainá Terezinha Coelho, o apoio foi de extrema importância. “Foi uma conquista que ultrapassou as expectativas da instituição, pois além de aumentar a capacidade de atendimento em 2020, quando iniciou-se a pandemia, essa nova área foi utilizada para receber os idosos sintomáticos e afastá-los dos demais”, relatou ela.

No ano seguinte o Banco continuou com o apoio repassando cerca de R$ 20,5 mil para o programa “Aquisição de equipamentos para lavanderia”, que permitiu o aumento na qualidade da higienização das roupas, redução no consumo de água e luz e, consequentemente, uma redução nas contas.

“O apoio do BRDE é fundamental para a execução de projetos sociais que têm alto impacto na qualidade de vida dos idosos que habitam o lar. São poucas instituições com processo de apoio a projetos sociais que, anualmente, publica com transparência o processo de cadastramento e seleção dos projetos a serem apoiados. Sem esse apoio anual não teríamos condições de executar projetos importantes, somos gratos pela confiança e suporte financeiro do BRDE”, salientou Tainá Coelho.  Ela ainda ressalta que todos esses projetos apoiados geram uma melhora na qualidade de vida dos idosos do lar e os auxiliam a continuar entregando à sociedade um atendimento socioassistencial de ponta.

Leis de Incentivos

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A inciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

No mês de junho, o banco publicou o edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. As instituições têm até dia 30 de setembro para encaminhar proposta ao patrocínio. No ano passado foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Agora o banco já soma R$ 20 milhões em projeto piloto que diversifica as fontes via oferta de títulos

Seis meses depois de ir ao mercado de capitais através de um projeto piloto com foco na diversificação de suas fontes de captação de recursos através da oferta de títulos, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) fechou nessa semana sua segunda operação.  Com o mesmo valor da primeira oferta, o banco efetivou a venda de mais R$ 10 milhões em Recibos de Depósitos Bancários (RDBs) a um único comprador, através da Agência de Porto Alegre.

A ida ao mercado através da emissão de RDBs fez parte uma estratégia do BRDE que prevê a captação global de R$ 30 milhões, através da modalidade de depósito a prazo. Um primeiro lote foi ofertado ainda no mês de fevereiro, através da Agência de Curitiba. De acordo com o projeto piloto, os recursos serão alocados no Fundo BRDE de Promoção ao Desenvolvimento Produtivo, Sustentável e Social dos Estados da Região (BRDE Promove Sul) e serão aplicados no fundo rotativo estadual de respectiva agência que realizou a venda dos RDBs.

“Trata-se de um grande esforço da equipe técnica do banco para que possamos seguir na nossa estratégia em favor da diversificação de funding. Além disso, é uma demonstração de solidez e de confiança que a instituição conquistou junto ao mercado”, destacou o diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian. Ele salienta que a captação de R$ 10 milhões vai servir como mais um reforço para apoiar, através da concessão de crédito, novos projetos de desenvolvimento econômico no Rio Grande do Sul.

O projeto de emissão de RDB´s é conduzido pela equipe da Diretoria Financeira do banco e tem como público alvo clientes ou instituições parceiras do BRDE devidamente habilitados conforme regras da Comissão de Valores Mobiliários. Para o diretor Financeiro do BRDE, Vladimir Fey, essa diversificação de funding é muito importante para a independência do banco. “Isso mostra todo planejamento que o BRDE vem traçando nos últimos anos para conquistar esse resultado agora. Essa estratégia de diversificação para o mercado deve se ampliar nos próximos anos, destaca ele.

Toda a operação segue normas do Banco Central do Brasil. A emissão dos títulos tem valor unitário de R$ 1 mil e, por se tratar de uma primeira experiência da instituição com essa natureza, está direcionada a um único investidor interessado em cada agência. O banco já viveu uma primeira experiência no mercado de capitais, mas isso no início da década de 80.

Liberação do crédito emergencial visa a auxiliar micro e pequenos empreendedores após os prejuízos econômicos e sociais provocados pela Covid-19.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) iniciou a liberação das primeiras operações de crédito vinculadas ao Programa SC Mais Renda Empresarial. Em menos de uma semana do início dos atendimentos, o valor em financiamento para micro e pequenos empresários catarinenses já chega a R$ 2,1 milhões. “De forma prática, já estamos atendendo os primeiros empreendedores, respondendo a iniciativa lançada pelo Governo do Estado de auxiliar as empresas com oferta de crédito, prazo e subsídio integral”, destaca o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito do banco, Marcelo Haendchen Dutra.

A empresária Luciana Heidt é proprietária de uma floricultura em Cunha Porã, no Oeste catarinense. Ela sentiu os efeitos da crise e agora com os recursos disponibilizados pelo BRDE, através do SC Mais Renda Empresarial, vai conseguir investir em infraestrutura, novos produtos e ainda manter o emprego dos 32 funcionários. “Em 29 anos de empresa nunca tínhamos tido acesso a um recurso como este com juro zero e facilidade de pagamento. O programa chega em boa hora dando perspectiva de crescimento do nosso negócio. Agradeço por acreditarem no empreendedorismo catarinense”, comemora. O financiamento de R$ 100 mil foi feito através da Sicoob de Cunha Porã, uma das instituições credenciadas pelo BRDE.

Com o objetivo de auxiliar os empreendedores na busca dos recursos de forma mais ágil, o banco firmou parceria com as cooperativas de crédito em todas as regiões catarinenses. “No site do banco há uma lista das instituições credenciadas para que o empresário tenha o atendimento mais próximo do seu negócio. As garantias serão negociadas diretamente com a instituição onde o financiamento será solicitado”, explica o diretor financeiro, Vladimir Arthur Fey.

No BRDE, além dos recursos próprios, serão utilizadas linhas do BNDES e do Fungetur – o Fundo Geral do Turismo do Ministério do Turismo (Mtur) com crédito para empresas ligadas ao setor.  “Com essa medida, mais empregos serão mantidos e a economia aquecida. São ações como essa que fazem Santa Catarina ter o menor índice de desemprego do Brasil”, reforça Fey.

Como funciona o SC Mais Renda Empresarial?

A linha de crédito poderá ser solicitada por micro e pequenas empresas com sede em Santa Catarina e faturamento bruto de até R$ 4,8 milhões por ano, que tenham a atividade principal ou secundária nos setores de turismo, bares, restaurantes, eventos, educação e transportes. É possível solicitar crédito de R$ 10 mil a R$ 100 mil, de acordo com análise realizada pela instituição de crédito. Além dos critérios inerentes a cada conveniado, deverão ser considerados os 24 meses de faturamento anteriores a 31 de dezembro de 2020 ou desde o início das atividades, quando estas forem posteriores a 1º de janeiro de 2019.

Os empreendedores poderão aderir aos financiamentos com 12 meses de carência e 36 meses para amortização. Os juros serão totalmente subsidiados pelo Governo do Estado para aqueles que permanecerem adimplentes. Além do pagamento das parcelas em dia para ter direito aos juros subsidiados, os micros e pequenos empreendedores beneficiados devem manter o quadro de funcionários compatível pelo período da carência concedida.

Mais informações sobre o acesso ao SC Mais Renda Empresarial e outras linhas de crédito estão disponíveis no site www.brde.com.br

 

 

 

Evento inicia na próxima segunda-feira, 16/8, com participação do setor público e principais agentes financeiros de apoio a projetos sustentáveis

Os principais desafios para incentivar a geração de energia por fontes renováveis, as alternativas em termos de financiamento e o quanto a demanda de diferentes setores produtivos trazem de impacto ao desenvolvimento regional e nacional. Esses serão temas que estarão em debate no seminário Energias Renováveis e Desenvolvimento, promovido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e que inicia na próxima segunda-feira (16/8).

Com a participação do Ministério de Minas e Energia e representantes dos governos dos três estados do Sul do país, o evento terá a duração de três dias, sempre a partir das 14 horas e com transmissão aberta pelo canal do Youtube do banco. A programação do primeiro dia vai abordar justamente as políticas públicas de fomento ao setor.

Importantes organismos financeiros internacionais, que já atuam em parceria com o BRDE oferecendo alternativas inovadores de acesso ao crédito, estarão expondo suas diretrizes em termos de apoio a projetos sustentáveis. O BNDES também participará do painel organizado para a terça-feira (17/8).

A partir de recursos captados em fontes do exterior, o banco já opera com linhas de financiamento para implantação e modernização de unidades geradoras de energia hidráulica, solar, eólica e demais energias renováveis, assim como a aquisição de turbinas, geradores fotovoltaicos e aerogeradores. O banco igualmente tem presença em projetos com unidades de produção de biodiesel.

Agenda sustentável

Na avaliação da diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos, a crise hídrica que afeta a produção de energia no Brasil, elevando os custos tanto ao consumidor doméstico e como para as empresas, reforça ainda mais a necessidade de uma maior segurança energética e estimula o debate em torno de fontes alterativas. “Na verdade, esse é um desafio que já vem de algum tempo na agenda de sustentabilidade global e que também representa forte impacto em termos de competitividade. Se tivermos um crescimento mais efetivo da nossa economia, a demanda por energia poderá ser um grande obstáculo”, observou ela.

Além de uma política de apoio a projetos estruturais, Leany Lemos observa que a geração de energia com fontes alternativas em pequenas unidades, tanto nas empresas como e nas propriedades rurais, representa um caminho muito promissor. “São exemplos onde é possível suprir a necessidade de energia, agregando ganhos ambientais e com menor custo”, destaca a presidente.

As principais entidades que representam a geração de energia com fontes renováveis participam do terceiro e último dia do seminário. A ideia do painel de encerramento é mensurar as potencialidades do setor. A participação no evento não exige inscrição prévia.

Confira a programação completa.

Para acompanhar o Seminário, acesse:

O Banco já apoiou cinco projetos do Hospital de Clínicas desde 2016

 

Próteses para melhoria na qualidade de vida de pessoas idosas, atenção e assistência a recém-nascidos, pesquisas voltadas às células-tronco, ao diagnóstico de câncer e para tratamento de doenças. Essas são algumas das frentes de atuação para as quais o Hospital de Clínicas, o maior prestador de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) do Paraná, recorreu aos apoios do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Por meio dos Amigos do HC, uma organização sem fins lucrativos e que tem o propósito de realizar ações para melhorar a qualidade de vida dos pacientes do hospital, seus familiares e acompanhantes de tratamento, o Banco apoiou, desde 2016, cinco projetos do HC. “É de extrema importância para a instituição contar com o apoio de parceiros como o BRDE. A contribuição de forma constante em nossos projetos, permite que sigamos investindo em Pesquisa Oncológica, atendimento pediátrico e ao paciente idoso no HC, que é um hospital 100% SUS”, destacou o presidente dos Amigos do HC, Pedro de Paula Filho.

Para o banco, que está sempre apoiando projetos por meio dos incentivos fiscais, fazer parte da história de um hospital tão importante para a população paranaense tem um significado especial. “O Hospital de Clínicas é referência em todo o Paraná. Por isso, temos muito orgulho em investir em projetos e propostas de inovação que trarão diversos benefícios para a sociedade”, afirma o vice-presidente e diretor de operações do BRDE, Wilson Bley.

Equipe do Hospital de Clínica e do BRDE quando da entrega do projeto “Atenção e assistência ao recém-nascido na Maternidade do Complexo Hospital de Clínicas” Foto: Divulgação

Conheça os projetos

1. Atenção e assistência ao recém-nascido na Maternidade do Complexo Hospital de Clínicas

O projeto tem o objetivo de qualificar o atendimento através da atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao puerpério, assegurar à criança o direito ao nascimento seguro, por meio da renovação de equipamentos e mobiliários, a fim de oferecer serviços de qualidade reduzindo a probabilidade de ocorrência de danos à saúde do recém-nascido, além de impactar diretamente na morbidade e mortalidade, especialmente em bebê prematuro.

São aproximadamente 280 recém-nascidos por mês na maternidade do hospital. O auxílio do BRDE vem para auxiliar na renovação de equipamentos, permitindo a melhoria na qualidade do atendimento do paciente recém-nascido no HC.

2. A Prótese de Estenose Aórtica e a qualidade de vida da pessoa idosa

Este projeto de 2016 teve como objetivo oferecer alternativa terapêutica para pacientes idosos portadores de estenose aórtica degenerativa grave sintomática, considerados de alto risco ou inaceitável para a cirurgia de troca valvar, de forma a lhes propiciar uma qualidade de vida adequada, permitindo que permaneçam ativos e independentes. Participaram do projeto 11 pacientes idosos, acima dos 60 anos de idade.

Como o procedimento não é coberto pelo SUS, graças ao projeto, com o incentivo do BRDE, foi possível realizar o sonho de 11 idosos, permitindo o alívio dos sintomas e aumento da sobrevida desses pacientes.

3. Caracterização dos Anticorpos Anti-HLA em Pacientes com Doenças Hemato-Oncológicas

Também de 2016, o projeto de pesquisa tinha como objetivo detectar a presença de anticorpos contra moléculas HLA alogênicas no soro de receptores de células tronco hematopoiéticas. O benefício vindo do banco auxiliou na identificação mais abrangente de anticorpos utilizando estratégias fundamentadas na análise epitôpica.

4. Endoscopia Biliopancreática e Citogenética Molecular no Diagnóstico de Câncer de Pâncreas e trato biliar

O projeto visa avaliar o impacto do emprego de técnicas endoscópicas avançadas e da utilização de citogenética por técnica de Fluorescência por hidridização in situ (FISH) no diagnóstico de tumores biliopancreáticos.  A ideia é replicar essa modalidade diagnóstica para outros centros especializados do Brasil, traduzindo em melhoria dos recursos técnicos e humanos para o diagnóstico de pacientes com tumores biliopancreáticos no âmbito do SUS.

Segundo o HC, o auxílio do BRDE permite desenvolver os profissionais pesquisadores, colocando em prática estudos e pesquisas que qualifiquem os serviços prestados pelo SUS no Paraná e no Brasil.

 5. Uso de células-tronco mesenquimais para tratamento da doença do enxerto contra hospedeiro refratária

O projeto visa avaliar a segurança e eficácia do uso de células-tronco mesenquimais obtidas de doadores aparentados ou não aparentados HLA compatíveis ou haploidênticos, para tratamento de doença do enxerto contra hospedeiro aguda e crônica refratárias a corticóide e inibidor de calcineurina.

Esta doença tem consequências debilitantes com impacto na qualidade de vida dos pacientes, comprometimento funcional, necessidade de imunossupressão prolongada, levando a infecções graves recorrentes e diminuição da sobrevida. A utilização das células-tronco adultas como uma alternativa de tratamento tem sido amplamente estudada, pois estas células oferecem suporte para o crescimento e diferenciação de células progenitoras hematopoéticas no microambiente da medula óssea.

Incentivos fiscais

Como agente de desenvolvimento social, econômico e cultural da região onde atua, o BRDE tem como política apoiar, através das leis de incentivos fiscais, diferentes projetos sociais, do esporte, da cultura e da saúde. A iniciativa constitui parte de sua política de responsabilidade socioambiental e compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aplicando de forma direta recursos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

O edital de seleção para os projetos que serão contemplados em 2021 já está disponível no próprio site. Os pedidos de apoio aos projetos são recebidos exclusivamente em meio eletrônico, através do Portal de Incentivos, disponibilizado no site do BRDE. No ano de 2020, foram selecionados 106 projetos nos três estados, que totalizaram R$ 4,3 milhões. Desde 2015, foram ao redor de R$ 24 milhões de repasses.

Técnicos e diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) celebraram neste domingo o bom desempenho do vôlei feminino do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Em um jogo emocionante a seleção brasileira perdeu o jogo final para as norte-americanas por 3 sets a 0, parciais de 25/21, 25/20 e 25/14.

Uma das atletas da seleção, a atacante Rosamaria Montibeller, foi revelada pela Associação de Pais e Amigos do Voleibol Neotrentino, que acessou recursos do BRDE via Fundo de Incentivo ao Esporte. O projeto de Nova Trento foi criado em 1999 e, além do esporte, tem caráter social. A iniciativa recebeu aproximadamente R$ 93 mil do BRDE, ao longo de dois anos.

“Exemplos como este confirmam como os recursos das Leis de Incentivo são bem aplicados, com um retorno enorme para todo Estado”, comentou o Diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Marcelo Haendchen Dutra.

Segundo ele, além da escolinha de Nova Trento, os recursos destinados pelo banco apoiaram ao longo dos últimos anos, outros projetos relacionados com modalidades olímpicas: o vôlei da Apan (Blumenau) e da Associação Brusquense de Esporte e Lazer (Brusque); o remo da escolinha do Clube Náutico Martinelli (Florianópolis); a ginástica da Agis (São José); o futsal da Adaf (Saudades); o judô do IEE (Florianópolis) e o tênis do Instituto Guga Kuerten (Florianópolis).

 

HISTÓRICO DE APOIO

Além da Lei de Incentivo ao Esporte, o banco disponibiliza recursos para outras Leis de Incentivo, como o Fundo do Idoso, Fundo da Infância e Adolescência, e Lei de Incentivo à Cultura.

“No acumulado dos últimos seis anos o BRDE destinou R$ 7,9 milhões para 193 projetos culturais, sociais ou esportivos de Santa Catarina. E o cálculo é de que esse recurso impactou mais de 150 mil pessoas diretamente”, comenta o Diretor Financeiro, Vladimir Arthur Fey.

Neste ano, o recebimento de projetos começou no dia 17 de junho e segue até 30 de setembro. Para se habilitar, entidades assistenciais, produtores culturais e ONG´s precisam primeiramente fazer o cadastro e aprovar o projeto para captação. Estando apto, o produtor deve inscrever o projeto no Portal de Incentivos do BRDE até o fim de setembro. Em outubro inicia a fase de seleção, que envolve o corpo técnico do banco. Os indicados terão os recursos disponibilizados até o dia 28 de dezembro deste ano. Os nomes dos projetos e os valores envolvidos serão publicados no site do BRDE, como nos anos anteriores, de forma a garantir transparência ao processo.

 

Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) apresenta uma classificação de risco de crédito, em escala local e longo prazo, de nota AA (Bra). O grau significa o BRDE estar no mesmo patamar de outras instituições públicas como Banco do Brasil, BNDES e Caixa Econômica Federal. A avaliação acaba de ser emitida pela Fitch Ratings, uma das agências de rating entre as mais conceituadas do mercado financeiro internacional.

No relatório, a Fitch mencionou que o “banco possui um modelo de negócios estável” e destacou as medidas emergências de socorro à economia adotadas durante a pandemia de Covid-19. De maneira específica, a agência salientou o papel do programa BRDE Recupera Sul na retomada da atividade econômica da região Sul do país, “com o objetivo de dar suporte a empresas (principalmente micro e PMEs) e microempreendedores individuais (MEI) afetados direta ou indiretamente pela pandemia de coronavírus”.

O documento identifica, também, o papel do BRDE em termos de apoiar o desenvolvimento nos estados onde atua na concessão de financiamento, em maior escala, para empresas privadas e cooperativas.

“A avaliação demonstra que o BRDE vem cumprindo com seu papel estratégico em  auxiliar diferentes segmentos durante a pandemia e apostar fortemente numa retomada pós-crise. Essa estabilidade em termos de risco em momento de tamanhos desafios, por sua vez, mostra que a instituição tem parâmetros muito sólidos em termos de gestão”, salientou a diretora-presidente, Leany Lemos.

No relatório divulgado na última segunda-feira (2/08), a Fitch descreve que, em 2020, os indicadores de qualidade dos ativos do banco estavam estáveis e “ainda se comparavam favoravelmente com os de pares brasileiros com o mesmo perfil de desempenho” (os créditos na faixa ‘D–H’ da escala do Banco Central corresponderam a 3,9%, contra 3,8% em 2019 e 4,5% em 2018).

Em escala internacional, de longo prazo, a classificação de risco em moeda estrangeria que a Fitch atribuiu ao BRDE é de BB-. A classificação em escala global decorre da própria classificação de risco do Brasil em escala global (mesmo rating ao soberano). Ainda no mês de julho, o BRDE recebeu avaliação positiva de outra agência de rating reconhecida.  Conforme a Moody´s Local, que presta serviços a diferentes instituições financeiras do país, o banco mereceu classifica de longo prazo, escala nacional, em A.br, com perspectiva estável.

Entre os pontos positivos, o relatório da Moody´s apontou que o BRDE fechou o último exercício (dezembro de 2020) com um índice de atrasos nos pagamentos (inadimplência) sobre a carteira de crédito de apenas 0,4%.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) foi uma das instituições participantes do evento virtual realizado nesta quarta-feira (4), a convite da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF/SC). O evento teve o objetivo de divulgar o SC Mais Renda Empresarial – programa voltado a auxiliar micro e pequenos empreendedores no enfrentamento dos prejuízos econômicos e sociais provocados pela Covid-19. O seminário reuniu profissionais de contabilidade do Estado para dar orientação sobre o funcionamento do programa.

Na oportunidade representaram o banco, o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Marcelo Haendchen Dutra, o diretor Financeiro, Vladimir Arthur Fey, e o superintendente da Agência em Florianópolis, Marcone Souza Melo. “Construído por várias mãos, o projeto vem atender a necessidade de Santa Catarina. Um desafio para o BRDE e o órgãos participantes e que contará com a parceria dos profissionais de contabilidade que tem função importante para ajudar o empresário na solicitação correta destes recursos”, ressaltou Fey.

Para os empreendedores que buscarem o crédito junto ao BRDE, no site do banco há uma lista das cooperativas conveniadas. “As garantias serão negociadas diretamente com as instituições onde o financiamento será solicitado. No BRDE, além dos recursos próprios, serão utilizadas linhas do Fungetur e do BNDES”, explica o diretor Marcelo.

O seminário contou com apoio da Federação dos Contabilistas do Estado de Santa Catarina (Fecotesc) e Núcleo de Contadores de São José (Nucont São José-SC).