BRDE

Foi um sucesso a participação do BRDE no Show Rural Coopavel 2017, promovido pela Coopavel Cooperativa Agroindustrial, em Cascavel. Nos cinco dias do evento, a equipe técnica do Banco atendeu produtores rurais, empresários do setor de agroindústria, fabricantes de máquinas e equipamentos agrícolas e até empreendedores interessados em financiamento para projetos de energia.
“Os resultados do Show Rural indicam que será grande a demanda por financiamento a empresas e ao agronegócio ao longo do ano”, avalia o prospector de novos negócios da Agência Paraná, Sérgio Hekave. O BRDE liberou durante a feira R$ 13 milhões em financiamentos a produtores rurais e empresas do Paraná e Mato Grosso do Sul.
Os recursos liberados na feira serão investidos nos setores da avicultura, gastronomia, cooperativista e de máquinas e equipamentos agrícolas. Os investimentos fazem parte do volume de R$ 1,16 bilhão liberados pela Agência Paraná em 2016. Nas três agências do Banco, os financiamentos em 2016 somaram R$ 3 bilhões.
A liberação do crédito foi feita com a entrega de cheques simbólicos, pelo governador Beto Richa e diretores do BRDE, e assinatura de contratos. Foram beneficiados a empresa Paradouro Big Peixe, de Cascavel, a Cooperativa Frimesa, de Medianeira, os produtores rurais Ivan Carlos Orlando, de Toledo e Márcio Montagner Lago, de Mato Grosso do Sul, a empresa La Mucca do Brasil S.A e avicultores também de Mato Grosso do Sul, com recursos do FCO.
O Show Rural Coopavel, a maior feira do agronegócio no Paraná, com repercussão internacional, aconteceu de 6 a 10 de fevereiro, com recorde de público e faturamento. Mais de 240 mil pessoas visitaram a feira. A Coopavel estimou, no último dia do evento, um faturamento de R$ 2 bilhões, ultrapassando a previsão inicial, de R$ 1,5 bilhão.
Codesul – A primeira reunião do ano do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul) aconteceu durante o Show Rural. Participaram os governadores do Paraná, Beto Richa – presidente do Codesul -, de Santa Catarina, Raimundo Colombo, do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, e do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja.
Participaram o presidente do BRDE, Odacir Klein, os diretores Orlando Pessuti e Renato Vianna e o secretário-executivo do Codesul, Antonio Carlos Bettega. Na reunião, os governadores assinaram resolução que trata da inspeção de produtos industrializados de origem animal na região. A resolução permitirá que produtos industrializados em um dos estados do Sul possam ser comercializados em outro estado da região.
O presidente do BRDE, Odacir Klein, anunciou na reunião as novas condições de financiamento a projetos em Mato Grosso do Sul. As novas regras eliminam algumas exigências, permitindo a ampliação das operações.
Depois da reunião, o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, conversou no estande do BRDE com cooperativas do Paraná que atuam naquele estado. Participaram os presidentes da C.Vale, Alfredo Lang, da Frimesa, Valter Vanzela, da Copagril, Ricardo Chapla, o vice-presidente da Lar, Lauro Soethe, e o superintendente administrativo da Coamo, Antônio Sérgio Gabriel.
O governador destacou na reunião a importância do setor cooperativista para o desenvolvimento do agronegócio em seu estado. Foram discutidos vários assuntos de interesse das cooperativas que precisam do apoio do governo de Mato Grosso do Sul, como os aspectos de infraestrutura e operacionalização da safra.
Azambuja e seus secretários se comprometeram em analisar os pleitos apresentados, diante da importância que representam para a maior eficiência do escoamento da produção e geração de divisas para aquele estado.
Produto animal – Ainda durante a reunião do Codesul, os governadores do Paraná Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul assinaram resolução sobre o projeto de lei que autoriza a equivalência dos serviços estaduais de inspeção de produtos de origem animal entre os membros da entidade.
O projeto de lei, que será enviado aos poderes legislativos dos estados, vai permitir o reconhecimento bilateral na fiscalização de produtos de origem animal. Isso significa que um alimento vistoriado em Santa Catarina não precisaria ser verificado novamente no Paraná, desde que seja feito um acordo entre os dois estados.
Comil – A equipe do BRDE presente na feira prestou uma homenagem à empresa Comil Silos e Secadores, que completou 60 anos de funcionamento durante o Show Rural. A empresa, com sede em Cascavel, é cliente antiga do Banco.
Foi entregue uma placa comemorativa à proprietária da Comil, Iracele Mascarello, com os dizeres: “A diretoria e funcionários do BRDE prestam sua homenagem à Comil Silos e Secadores pelos 60 anos contribuindo para a geração de renda no campo”.
Entre as operações da Comil com o BRDE estão financiamentos para exportação, investimentos fixos e produtores rurais clientes da empresa. A Comil é vice-líder no mercado de equipamentos agrícolas destinados ao setor de armazenagem, tem 500 funcionários e um parque fabril com 18.500 metros quadrados.
DSCN2248
DSCN2294
DSCN2322
DSCN2363

Desenvolver novos produtos e serviços ou aprimorar aqueles já existentes é uma necessidade para as empresas de hoje, independentemente do setor de atuação ou porte. E para financiar os projetos de inovação, o BRDE disponibiliza o Inovacred, linha de crédito da FINEP voltado para empresas de micro, pequeno e médio porte.
O Programa Inovacred tem por objetivo financiar empresas que querem investir na inovação de produtos, de processos, de organizações e de marketing. No Paraná, o BRDE é agente financeiro credenciado pela FINEP para operar os recursos do Inovacred. Atualmente, o banco é o líder nacional em repasses da FINEP.
Os valores financiados pelo BRDE através do Inovacred variam de R$ 150 mil a R$ 3 milhões (micro e pequenas empresas) e de R$ 150 mil a R$ 10 milhões, para empresas de médio porte, podendo chegar a 90% do valor do projeto, no caso de microempresas, e 80% para pequenas e médias empresas.
Energia – Uma das empresas que teve projetos financiados pelo BRDE por meio do Inovacred é a Smartgreen, de Curitiba. Fundada em 1998, a empresa desenvolve soluções baseadas na tecnologia wireless para gestão de energia via Internet. Hoje a Smartgreen possui parceria com o Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (Lactec) e Companhia Paranaense de Energia (Copel).
A empresa recebeu financiamento de R$ 2,5 milhões para aprimoramentos de um sistema de automação de iluminação pública, mediação de energia e cidades inteligentes. O projeto vai permitir que prefeituras, distribuidoras e empreiteiras possam automatizar a gestão de energia.
O projeto também poderá ser aplicado pelas distribuidoras para medição de consumo de energia. No total, o investimento será de R$ 3,2 milhões. “O Inovacred foi fundamental para realização de alguns projetos inovadores que necessitavam de capital intensivo para se concretizar. E vale ressaltar o apoio que tivemos da equipe do BRDE desde o pré-projeto até a liberação dos recursos”, diz o diretor da SmartGreen Rafael Ferraz Dalla Riva.
No campo – Projetos de inovação também podem ter o campo como alvo. Em 2016, um dos projetos financiados através do Inovacred foi o da Associação de Suinocultores de Marechal Cândido Rondon, no Oeste paranaense. A associação foi fundada em 1986 e presta assistência técnica aos suinocultores da região, possuindo um centro de inseminação de suínos para promover o melhoramento genético do plantel.
A entidade obteve um financiamento de R$ 423,2 mil do BRDE para a implantação de uma nova central de sêmen que contará com processos totalmente automatizados, tecnologia ainda inédita para a região. Segundo informações da associação, no Brasil existem apenas cinco centrais de inseminação com a tecnologia proposta.
A transferência da tecnologia irá acontecer através da aquisição de diversos equipamentos importados e do treinamento dos Para saber mais, acesse o site www.brde.com.br ou entre em contato com a Agência Paraná pelo e-mail brdepr@brde.com.br ou o telefone (41) 3219-8150.
SAIBA MAIS
Inovacred
Para aplicação em desenvolvimento de novos produtos, serviços e processos ou no aprimoramento daqueles já existentes. Pode também financiar inovação em marketing ou inovação organizacional.
Público-alvo
Micro, pequenas e médias empresas.
Encargos
TJLP, para micro e pequenas empresas;
TJLP + 1% ao ano, para médias empresas.
Valor financiado
Até 90% para microempresa, mínimo R$ 150 mil e máximo R$ 3 milhões.
Até 80% para pequena empresa, mínimo R$ 150 mil e máximo R$ 3 milhões.
Até 80% para média empresa, mínimo R$ 150 mil e máximo R$ 10 milhões.
Carência de até 24 meses e prazo total de até 96 meses.

DSC_1185DSC_1169
O BRDE estará presente no Show Rural Coopavel 2017, organizado pela Coopavel Cooperativa Agroindustrial, que acontecerá de 6 a 10 de fevereiro, em Cascavel, com estande próprio e equipe técnica para reforçar parcerias e atender clientes e futuros clientes nos cinco dias do evento.
Neste ano, será realizada durante a feira a primeira reunião de 2017 do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul), com a presença dos governadores do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, respectivamente Beto Richa, Raimundo Colombo, José Ivo Sartori e Reinaldo Azambuja.
Estarão também presentes na reunião do Codesul toda a diretoria do BRDE e o governador de Tucumán e presidente da Zona de Integração do Centro Oeste Sul-Americano (Zicosur), Juan Luis Manzur. A Zicosur é o bloco econômico que reúne seis países da América Latina – Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Paraguai e Peru.
Durante o Show Rural, também serão assinados contratos do BRDE com empresas e produtores rurais da região de Cascavel em valores que passam de R$ 50 milhões. São financiamentos a diversos setores da economia, entre eles de engenharia, alimentação, máquinas agrícolas, serviços, armazenagem e cooperativista.
“O Show Rural é a grande vitrine do BRDE logo no início do ano, uma oportunidade para reforçar parcerias e apresentar as linhas de créditos que estarão disponíveis ao agronegócio e empresas de todos os portes”, afirma a gerente de Planejamento e Novos Negócios da Agência Paraná, Tatiana Henn.
Financiamentos – Em 2016, o BRDE liberou durante o Show Rural R$ 188 milhões em financiamentos. Foram assinados 15 contratos com empresas, cooperativas e produtores das regiões Oeste e dos Campos Gerais do Paraná e do Mato Grosso do Sul.

Quem entra na Agência Paraná pode ver em exposição várias placas de reconhecimento de entidades ao trabalho realizado pelo BRDE na área de responsabilidade social. As homenagens expostas representam apenas algumas das muitas que a Agência tem recebido ao longo dos anos.
As entidades reconhecem a importância das contribuições feitas pelo BRDE por meio das leis de incentivo fiscal. Apenas no ano passado, 37 projetos no Paraná foram aprovados, totalizando R$ 2,1 milhões em recursos.
Os projetos foram apoiados via Lei Rouanet – para ações culturais –, Lei de Incentivo ao Audiovisual e Lei de Incentivo ao Esporte, os fundos para Infância e Adolescência (FIA) e Municipal do Idoso e os programas Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS) e Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON).
Desde 2002 o BRDE constituiu um Núcleo de Responsabilidade Social, com o objetivo de incentivar ações institucionais com impactos sociais e ambientais positivos para agentes com os quais o Banco interage.
Entre os diversos eixos de atuação do programa, destaca-se o plano social e de envolvimento do BRDE com a comunidade, incluindo o uso dos mecanismos de renúncia fiscal para destinar recursos significativos a projetos sociais, culturais e desportivos que beneficiam diretamente crianças, adolescentes, idosos e pessoas com necessidades especiais.
Parceria – Entre as homenagens recebidas pela Agência Paraná está o certificado de Empresa Parceira da Associação Franciscana de Educação ao Cidadão Especial (AFECE). Em 2015, o Banco apoiou via incentivos fiscais (PRONAS), o projeto REDI, contribuindo para a ampliação dos serviços de reabilitação e habilitação da entidade, que passaram de 2.500 atendimentos mensais para 5.775.
O certificado entregue ao BRDE, como agradecimento ao apoio, diz: “A AFECE certifica que o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul contribuiu com o atendimento dos 225 cidadãos com deficiência intelectual de Curitiba e Região Metropolitana, nas áreas da educação, saúde e assistência social”.
Em 2016, o BRDE também apoiou a AFECE, desta vez por meio do Fundo da Infância e Adolescência (FIA). Os recursos foram para o projeto Gente Especial, que prevê a ampliação do atendimento a crianças e adolescentes entre dois anos e 18 anos, com sessões diárias de fisioterapia, fonoaudiologia terapia ocupacional, serviço social, nutrição, hidroterapia, cinoterapia (com a presença de cães) e psicologia escolar e clínica.
“A AFECE é uma nova entidade após o aporte de recursos que recebemos nos últimos anos de grandes parceiros, como o BRDE. É um apoio muito importante, porque contribui com a melhoria na estrutura da unidade, reforço de pessoal e ampliação dos serviços que prestamos a todas essas pessoas”, diz Lucilene Marques, uma das coordenadoras da AFECE.
Outra homenagem foi entregue pela Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas (AAHC). No diploma, a entidade agradece ao BRDE “pelo inestimável apoio realizado em prol do Hospital de Clínicas do Paraná”.
Entidade sem fins lucrativos, a AAHC foi fundada em setembro de 1986, e trabalha para angariar recursos e congregar esforços da comunidade em prol do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Hoje o HC é o maior hospital público do Paraná, com 100% de atendimento via SUS (Sistema Único de Saúde) e o terceiro hospital universitário federal do país.

Como parte de sua política de Responsabilidade Socioambiental, o BRDE apoia projetos via leis de incentivos fiscais que mudam a realidade de milhares de crianças, jovens e adultos, proporcionando maior acesso a serviços de saúde, ao esporte e à cultura. Em 2016, o BRDE apoiou 37 projetos no Paraná, no valor de R$ 2,1 milhões.
Os projetos foram apoiados via Lei Rouanet – para ações culturais -, Lei de Incentivo ao Audiovisual e Lei de Incentivo ao Esporte, os fundos para Infância e Adolescência (FIA) e Municipal do Idoso e os programas Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS) e Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON).
“É gratificante e motivo de orgulho ver que o apoio do BRDE vem transformando para melhor a vida de muitas pessoas”, diz o superintendente da Agência Paraná, Paulo Cesar Starke Junior. O vice-presidente e diretor Administrativo do banco, Orlando Pessuti, lembra que nos três estados do Sul, o apoio do BRDE via incentivos fiscais chegou a R$ 6 milhões.
“Há uma grande diversidade de projetos apoiados em 2016. Desde a construção de um complexo esportivo, oficinas para idosos, compra de equipamentos e novos serviços em hospitais e prática de esgrima em cadeiras de rodas até espetáculos teatrais, circenses e de orquestras”, diz a gerente de Planejamento e Novos Negócios da Agência Paraná, Tatiana Henn.
Medalha – Por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, o BRDE ajudará a equipe de esgrima em cadeira de rodas, da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná, a disputar dois campeonatos brasileiros da modalidade em 2017. A equipe de esgrima existe há 11 anos. Hoje, com 18 atletas, entre jovens e adultos de ambos os sexos, é considerada a maior e mais bem estrutura equipe do gênero no país.
A equipe tem muito orgulho das medalhas conquistadas em grandes torneios, inclusive pela seleção brasileira da modalidade, e da participação nas Paralimpíadas Rio 2016. Entre os atletas, está o bicampeão de esgrima em cadeiras de rodas Clodoaldo Lima Zafatoski, de 32 anos, que pratica o esporte desde 2009.
Clodoaldo também preside a Associação dos Deficientes Físicos do Paraná. “O apoio do BRDE, nosso novo parceiro, só fortalece o projeto de 2017 e amplia as oportunidades de a equipe participar de mais copas e campeonatos, inclusive fora do Brasil, e aumentar nosso quadro de medalhas”, comemora o atleta.
O apoio via incentivos fiscais contribuirá para o aprimoramento das condições físicas, técnicas e psicológicas dos atletas, compra ou substituição de materiais e equipamentos, contratação de equipe de apoio para aperfeiçoamento de técnicas e o custeio para participação da equipe em competições nacionais representativas e de alto rendimento na área paradesportiva.
Gente Especial – Entre as entidades apoiadas por meio do Fundo da Infância e Adolescência (FIA) está a Associação Franciscana de Educação ao Cidadão Especial (AFECE), de Curitiba, que existe há 48 anos. A associação atende atualmente 225 pessoas com deficiência intelectual de alto grau de comprometimento, entre crianças, jovens e adultos.
A AFECE oferece atendimento nas áreas de educação, saúde e assistência social, trabalho feito em conjunto com a Escola São Francisco de Assis, onde trabalham 70 profissionais. Na escola, os educandos passam por situações rotineiras do cotidiano. A proposta é garantir o bem-estar, a dignidade e também promover a autonomia dos educandos.
Em 2016, o apoio do BRDE foi para o projeto Gente Especial, que prevê a ampliação do atendimento a crianças e adolescentes entre 2 anos e 18 anos, com sessões diárias de fisioterapia, fonoaudiologia terapia ocupacional, serviço social, nutrição, hidroterapia, cinoterapia (com a presença de cães) e psicologia escolar e clínica.
“A AFECE é uma nova entidade após o aporte de recursos que recebemos nos últimos anos de grandes parceiros, como o BRDE. É um apoio muito importante, porque contribui com a melhoria na estrutura da unidade, reforço de pessoal e ampliação dos serviços que prestamos a todas essas pessoas”, diz Lucilene Marques, uma das coordenadoras da AFECE.
A equipe da AFECE entidade entende que portadores de deficiência intelectual com alto grau de comprometimento podem ter uma vida melhor, com mais autonomia e uma boa convivência sócia, quando atendidos da maneira correta e quando os profissionais respeitam o quadro e os limites de cada um.
Picadeiro iluminado – Família unida, picadeiro iluminado, magia, emoção e aplausos garantidos. Esse é o cotidiano da família Zanchettini há mais de meio século, quando estreou o primeiro espetáculo do Circo Zanchettini em Curitiba. Geração após geração, a família mantém a tradição de fazer o respeitável público sorrir e se emocionar, mesmo diante das dificuldades e desafios que rondam a arte circense no país.
O BRDE faz parte da trajetória do Circo Zanchettini, em suas andanças pelo Brasil e países vizinhos. A família circense já obteve dois financiamentos no Banco para compra de novas lonas. “Foi o primeiro circo familiar brasileiro a obter financiamentos de longo prazo desse porte”, lembra o superintendente da Agência Paraná, Paulo Cesar Starke Junior.
Em 2016, veio mais um apoio do BRDE ao circo, via leis de incentivos fiscais (Lei Rouanet). O BRDE irá apoiar o novo projeto da família Zanchettini, batizado de Picadeiro Iluminado, que prevê 64 apresentações do circo em Curitiba e cidades da Região Metropolitana e das regiões Norte e Noroeste do Estado.
O novo projeto da família Zanchettini tem o objetivo de democratizar ainda mais o acesso da população aos espetáculos circenses, com a oferta de ingressos a preços bem populares (R$ 10), atraindo públicos de todas as idades. A expectativa da família é atrair um público de mais de 30 mil pessoas. O circo já apresentou sua arte a públicos de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Paraguai, Argentina, Uruguai e Bolívia.
São 48 profissionais no picadeiro, entre artistas e técnicos, que divertem a plateia com a apresentação de trapezistas, acrobatas, palhaços, malabaristas e os surpreendentes motociclistas do Globo da Morte, entre outras atrações. “O Zanchettini é um circo muito família, cheio de alegria. É a pura cultura circense”, afirma o superintendente Paulo Starke.

A primeira etapa das obras de ampliação da rede de esgoto de Matinhos e Pontal do Paraná, no Litoral do Estado, que tem parte do valor financiado pelo BRDE, foi entregue nesta sexta-feira (13), pelo governador Beto Richa. Foram entregues 6 mil ligações de esgoto nos dois municípios, das 25 mil previstas no projeto.
O valor total da obra, que está sendo executada pela empresa Saneamento Litoral Paraná, é de R$ 252 milhões. É o maior investimento em saneamento da história do Litoral paranaense. Na primeira etapa do projeto, foram investidos R$ 70 milhões. O BRDE participa da obra, em parceria com a Caixa Econômica Federal, com o repasse de R$ 58,8 milhões.
A obra representa o primeiro contrato de financiamento do Banco para o setor privado com recursos do FGTS, por meio do programa Saneamento para Todos, do governo federal. O presidente em exercício do BRDE Orlando Pessuti e o diretor de Operações João Luiz Regiani acompanharam a entrega das 6 mil primeiras ligações.
“É uma obra que soma esforços do governo federal e do Governo do Paraná para garantir coleta e tratamento de esgoto, tratamento e distribuição de água de qualidade”, disse Pessuti. “O BRDE trabalha para o desenvolvimento econômico e social dos municípios, financiando projetos estruturantes, que mudam para melhor a vida das pessoas, como essa obra no Litoral do Paraná”, afirmou Regiani.
Pessuti e Regiani acompanharam o governador na vistoria das obras de construção da estação elevatória de esgoto Beltrami, em Pontal do Paraná. Em Matinhos, eles visitaram a Cantina da Nena, imóvel que recebeu a ligação de esgoto número 6.000. A lanchonete funciona desde 1996 e só agora conta com rede de esgotamento sanitário.
Araci Unfireed, proprietária do imóvel, disse que a ligação do esgoto na rede, além de mais conforto e saúde, representa também economia no negócio. “Tínhamos de prever na nossa contabilidade o custo com o caminhão limpa fossa, que é alto. Agora a gente vai conseguir até melhorar o lucro”, disse.
Trabalho conjunto – “O planejamento da Sanepar no Litoral tem dado muito certo. Saneamento é qualidade de vida e saúde. Muitos governantes não gostam de fazer este tipo de obra porque são enterradas, não aparecem, e os recursos são vultuosos”, disse o governador Beto Richa.
O governador destacou a importância da parceria do BRDE com a CAIXA para financiar a obra. “É um trabalho conjunto, que tem avançado e garantido importante desenvolvimento do nosso Litoral”, afirmou Richa.
Os prefeitos de Pontal do Paraná, Marcos Fioravante, e de Matinhos, Ruy Hauer Reichert, comemoram o investimento. “Obra muito importante, que muda o nosso município para sempre, porque Matinhos é turístico. Tínhamos problemas com balneabilidade das águas e essa obra está solucionando”, disse Reichert.
“Vai refletir, não só agora, mas por muitos e muitos anos. O Litoral do Paraná nunca mais será o que era há anos atrás. Isso é muito importante também para a economia dos nossos municípios”, comemorou o prefeito de Matinhos.
População beneficiada – A previsão é entregar a nova rede de esgoto até final de 2018, beneficiando mais de 100 mil moradores, além de veranistas. Com as obras, o índice de coleta e tratamento de esgoto em Matinhos passará dos atuais 52% para 85% da população urbana. No município de Pontal do Paraná, o índice subirá de 26% para 75%.
O projeto prevê a construção de 29 estações elevatórias de esgoto, sendo 14 em Matinhos, entre os balneários de Caiobá e Monções. Em Pontal do Paraná, serão 15 unidades, entre os balneários de Beltrami e Pontal do Sul.
Em Matinhos, serão implantados 274 quilômetros de redes coletoras (14,5 km de remanejamento), 13.584 ligações de esgoto (979 remanejadas) e 14 elevatórias de esgoto. Em Pontal do Paraná, serão 255 quilômetros de redes coletoras, 12.395 ligações e 15 elevatórias.

O BRDE fechou nesta semana a primeira operação de financiamento solicitada pela nova plataforma de Internet Banking do Banco, o BRDE IB.NET. A operação, um convênio operacional com o SICREDI, foi feita na Agência Paraná. O novo sistema, implantado em conjunto pelas três agências do BRDE, é mais moderno que o anterior e de fácil navegação.
Com design limpo, navegação eficiente e intuitiva, o BRDE IB.NET utiliza modernas tecnologias de informação aliadas à experiência no desenvolvimento de soluções adequadas às necessidades das instituições parceiras. O sistema disponibiliza um formulário novo, que incorpora facilidades, ao contrário do anterior, que era muito extenso.
“O novo Internet Banking do BRDE foi construído com o que existe de mais avançado no desenvolvimento de aplicações web, numa combinação do framework.NET e bibliotecas utilizadas por redes sociais, como o Twitter e Facebook”, avalia o analista de sistemas do DETEC/SESIS, Germano Mergel.
“Com o IB.NET tivemos um avanço importante na direção da modernização do BRDE, mas é ainda um passo pequeno diante das restrições tecnológicas que precisam ser superadas”, afirma o analista de projetos Nícolas Philomeno Suhadolnik, da Gerência de Operações da Agência Paraná.
Nícolas destaca entre as diversas funcionalidades do BRDE IB.NET a navegação por páginas com campos agrupados em blocos de acordo com o conteúdo; apresentação dos campos no formulário de acordo com a linha de crédito selecionada e mensagens de ajuda com orientações para o correto preenchimento dos campos.
A equipe do SICREDI que operou o IB.NET aprovou a nova plataforma. Segundo colaboradores da conveniada, como está estruturado por etapas, não há riscos de o sistema cair. “Inserindo carência e prazo, automaticamente o sistema emite as datas das parcelas. Alguns itens vão abrindo conforme o preenchimento dos dados. Meu parecer é positivo”, disse um colaborador.
A nova plataforma está em fase piloto, disponível para um grupo de entidades conveniadas ao Banco. Após um período de avaliação de desempenho e usabilidade, será gradativamente estendido a todos os usuários do BRDE Internet Banking.

Num ano difícil para a economia nacional, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) tem garantido recursos para que centenas de empreendedores paranaenses continuem a investir em seus negócios.
Em novembro, a agência paranaense do banco atingiu a marca de R$ 1 bilhão em contratações. O valor refere-se a um total de 1.625 contratos de financiamentos assinados entre janeiro e novembro de 2016.
Na avaliação do superintendente da Agência Paraná do BRDE, Paulo Cesar Starke Junior, o resultado indica que a demanda por financiamentos tem-se mantido equivalente à do ano passado, quando o BRDE atingiu seu recorde histórico de aplicações, de R$ 3,35 bilhões, dos quais R$ 1,5 bilhão foi contratado pela agência paranaense do banco.
Mas o perfil das demandas se modificou em relação a 2015, com o aumento no número de solicitações de capital de giro, que normalmente eram supridas por bancos comerciais.
“Como os bancos privados comerciais saíram do mercado, diminuindo a oferta de crédito, o BRDE precisou suprir parte dessa demanda. Assim, já alcançamos R$ 1 bilhão em contratações em novembro e até o final do ano devemos nos aproximar da meta inicial de R$ 1,3 bilhão em financiamentos”, explica Starke.
ÔNIBUS – Empresas de todos os portes e setores da economia obtiveram recursos do BRDE entre janeiro e novembro deste ano. Uma delas foi a Mascarello Ônibus, com sede em Cascavel, no Paraná, que financiou neste ano R$ 10 milhões pelo BRDE. A empresa é a primeira do segmento instalada no Paraná e integra o Grupo Mascarello, que engloba também a Comil Silos e a Mascor Empreendimentos Imobiliários. No total, o grupo emprega 1.700 pessoas, além de gerar centenas de empregos indiretos.
“Nossa parceria com o BRDE existe desde nossa primeira fábrica, inaugurada em 2003. A partir daí todos os nossos grandes projetos buscaram apoio do banco. É uma parceria para sempre”, diz a presidente do Grupo Mascarello Iracele Mascarello.
Com produção diária de 12 ônibus por dia, sendo metade destinada à exportação para países da América Central e do Sul, a empresa pretende consolidar e ampliar sua lista de clientes internacionais, atingido também países como Guatemala e Honduras.
EXPORTAÇÕES – A Mascarello vai impulsionar suas exportações através da linha de crédito BNDES EXIM, específica para financiamento à exportação de bens de fabricação nacional, como máquinas, equipamentos, bens de consumo e serviços a eles associados. Empresas de todos os portes que visem o mercado externo podem solicitar os financiamentos.
“Há uma circular do BNDES que traz a relação dos produtos financiáveis pelo programa. A equipe do BRDE faz a consulta e verifica se a empresa de enquadra no BNDES EXIM. Também há casos em que o empresário vem ao banco sem conhecer o programa e são os técnicos que fazem a sugestão. O banco sempre busca encontrar a linha de crédito mais adequada às necessidades do empresário e com as melhores condições”, lembra o vice-presidente e diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti.
MICRO E PEQUENAS – O BRDE também tem financiado diversos projetos de micro e pequenas empresas. Entre janeiro e novembro, foram assinados 87 contratos, totalizando R$ 94,316 milhões. Além de ser uma instituição de crédito capaz de atender praticamente todas as demandas do segmento, o banco tem conquistado clientes pelo tratamento diferenciado. Na agência paranaense do BRDE até uma gerência especializada foi criada para atendimento às micro e pequenas empresas, oferecendo além de crédito orientação e apoio técnico.
“Ao contrário de outras instituições de crédito que em momentos de instabilidade financeira têm dificuldade em manter o crédito, o BRDE garante os financiamentos a quem precisa de recursos para produzir mais e melhor, independentemente do porte ou segmento”, explica o diretor de operações do banco, João Luiz Agner Regiani.
contrato

O BNDES vai alterar sua política de concessão de crédito para facilitar o acesso das empresas aos financiamentos. O impacto esperado é um aumento projetado de 20% nos desembolsos para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), um acréscimo de R$ 5,4 bilhões, o que deve contribuir para a retomada do crescimento econômico e manutenção e geração de emprego e renda.
O BRDE, um dos maiores repassadores de recursos do BNDES do país, está acompanhando as mudanças, que deverão ser detalhadas em janeiro pelo BNDES. O plano de ação será implantado em etapas ao longo de 2017 e início de 2018. Cada medida será detalhada pelo BNDES e entrará em vigor após a emissão de circulares para a formalização de procedimentos junto às instituições financeiras credenciadas, como o BRDE.
Veja abaixo quais as principais medidas que serão adotadas ainda no primeiro trimestre de 2017:
Classificação de porte
O BNDES ampliará de R$ 90 milhões para R$ 300 milhões, com base nos valores de Receita Operacional Bruta (ROB), o limite para enquadramento das MPMEs. Com isso, já em 2017, aproximadamente 1500 empresas poderão obter financiamentos em melhores condições. Haverá também alinhamento do conceito de micro e pequena empresa com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei nº 155/2016).
Novo limite do Cartão BNDES
Para facilitar a aquisição de itens necessários às atividades produtivas, as MPMEs contarão com a elevação do limite máximo do Cartão BNDES de R$ 1 milhão para R$ 2 milhões por agente financeiro emissor. O produto — uma linha de crédito rotativa e pré-aprovada com pagamento em até 48 prestações mensais fixas — poderá ser obtido por MPMEs com ROB de até R$ 300 milhões. No Paraná, o BRDE é um dos agentes credenciados a trabalhar com o Cartão BNDES.
Moderfrota
Os Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e da Fazenda (MF) deverão autorizar um reforço de R$ 2 bilhões no orçamento do Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota). Os aportes para o orçamento adicional deverão ser concluídos em janeiro de 2017. A linha do programa é voltada para produtores rurais com renda anual de atividades agropecuárias de até R$ 90 milhões.
Maior prazo do Finame
As MPMEs terão outras facilidades para a aquisição de máquinas e equipamentos. Os financiamentos contratados através do Finame terão prazo máximo de pagamento ampliado de 5 para até 10 anos.
Unificação das condições financeiras
Todo o apoio financeiro a projetos de investimento e aquisição de máquinas e equipamentos para MPMEs, contratados por meio dos produtos BNDES FINEM, BNDES Automático e BNDES Finame, terão participação máxima de 80% de TJLP, condição de crédito mais favorável do Banco. Anteriormente, esse percentual variava entre 50% e 80%, dependendo do programa.
Refinanciamento
Também para aumentar a oferta de crédito, serão ampliadas, em fevereiro de 2017, as opções de refinanciamento de saldos vencidos e a vencer de operações contratadas com o BNDES, incluídas as do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI), encerrado em dezembro de 2015. Esse refinanciamento será feito em TJLP e não às taxas fixas originais do PSI. Dessa forma, não haverá equalização de taxa de juros pelo Tesouro Nacional, em linha com o esforço do Governo Federal de reduzir o custo fiscal da União. O agente financeiro repassador também poderá ofertar o serviço aos seus clientes.

Promovido pela Coopavel Cooperativa Agroindustrial, o Show Rural 2017 é considerado uma das maiores feiras de agronegócio do país, reunindo centenas de expositores em Cascavel. Como em anos anteriores, o BRDE também estará presente com estande próprio e equipe de atendimento para receber solicitações de financiamento e esclarecer dúvidas sobre as linhas de crédito e as formas de atuação da instituição.
No total, 502 expositores já confirmaram a participação na feira, incluindo grandes empresas mundiais de pesquisa e de equipamentos, que aproveitam o evento para lançar produtos e tecnologias e antecipam com exclusividade as novidades do mercado para os produtores rurais.
Uma estrutura com 720 mil m2 já está sendo preparada para atender os milhares de visitantes esperados. Na edição de 2016, 235 mil pessoas vindas passaram pela feira. Calcula-se que foram movimentados mais de R$ 2 bilhões em negócios.
Por ser o primeiro grande evento agropecuário do ano, o Show Rural serve como termômetro de mercado e das tendências em tecnologia e serviços relacionados ao campo. O evento também conta com uma intensa programação técnica, com palestras e oficinas gratuitas aos participantes.
História – Em 1988 a Coopavel iniciou o que mais tarde se tornaria o Show Rural. Através de um dia de campo voltado apenas para seus associados, a cooperativa reuniu 15 expositores e um público de 110 pessoas para demonstrar novas técnicas de produção.
Com o passar dos anos, o evento foi aumentando de proporção e em 1995 passou a ser chamado de Show Rural, ampliando sua duração para cinco dias.