BRDE

A entrega da Medalha Assis Brasil foi um dos momentos mais importantes da cerimônia de abertura oficial da 40ª Expointer, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, no sábado (26). A honraria é a mais prestigiosa distinção do Estado do Rio Grande do Sul concedida a pessoas que tenham se destacado por serviços de excepcional mérito no setor da Agricultura e Pecuária.
Receberam o título, das mãos do governador do Estado José Ivo Sartori, Odacir Klein, diretor-presidente do BRDE, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e João Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União – TCU.
Odacir Klein foi por duas ocasiões secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado do Rio Grande do Sul (1988 e 2003-2006). Também foi presidente da Federação das Cooperativas de Trigo e Soja do Rio Grande do Sul – FECOTRIGO/RS (1989-1991); presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho – Abramilho (2007 – 2011); presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene – UBRABIO (2007 – 2015); coordenador do Fórum Nacional do Milho (2011 – 2015), além de ministro de Estado dos Transportes (1995-1996).
Prestigiaram o evento o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha; os ministros do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra; e do Trabalho e Emprego, Ronaldo Nogueira; os senadores Ana Amélia Lemos e Lasier Martins; o vice-governador José Paulo Cairoli; o secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo; o secretário do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Tarcisio Minetto; o prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal; e representantes dos poderes e instituições; deputados federais e estaduais.

O Núcleo de Agronegócio do jornal Gazeta do Povo deu a largada na noite desta quinta-feira (24) à Expedição Suinocultura 2017, no Museu Oscar Niemayer (MON), onde acontece o 5º Fórum de Agricultura da América Latina. O fórum e a expedição são apoiados pelo BRDE.
O diretor de Operações João Luiz Regiani representou o banco no lançamento da expedição, que chega a sua segunda edição. “É uma satisfação para o BRDE ser novamente parceiro de uma iniciativa importante como a Expedição Suinocultura”, disse o diretor.
“Estamos aqui porque o BRDE acredita no agronegócio e não mede esforços para apoiar todos os setores produtivos da economia. Do agronegócio se desdobram linhas da cadeia produtiva do estado, e sem dúvida esta expedição vem a proporcionar o aperfeiçoamento significativo da suinocultura”, destacou.
“Estamos chamando o roteiro da Expedição Suinocultura de a Nova Fronteira da Pecuária Nacional, porque é uma proteína animal em forte crescimento. Batemos recorde de exportação e de volume no ano passado. E nós vamos a campo investigar esse setor”, afirmou o coordenador do Núcleo de Agronegócio, Giovani Ferreira.
A expedição percorrerá seis estados com a maior produção de carne suína no país: Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais. Os seis estados representam mais de 90%da produção brasileira do produto.
“Estamos analisando as tendências desse produto. A carne suína é a proteína animal mais consumida do mundo”, disse Giovani Ferreira, destacando que a ideia é a quebrar paradigmas: “É uma carne que já atende a necessidade do consumidor. Não é apenas o pernil de fim de ano. Ela já é uma opção diária”, acrescentou.

O vice-presidente e diretor Administrativo Orlando Pessuti e o diretor de Operações João Regiani, gerentes e técnicos do BRDE participam nesta quinta (24) e sexta-feira (25), em Curitiba, do 5º Fórum de Agricultura da América do Sul. O fórum é uma promoção do Núcleo de Agronegócio do jornal Gazeta do Povo e tem apoio do BRDE.
A conferência de abertura do fórum teve a participação do diretor Orlando Pessuti e do gerente de Relações Institucionais e Gestão Rural do BNDES, Tiago Peroba, como mediação do coordenador do evento, Giovani Ferreira. Antes da conferência, os presentes acompanharam por vídeo a saudação do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevedo.
Pessuti disse ser um orgulho para o BRDE participar do fórum, principalmente pela sintonia da missão do banco com o futuro do campo, tema central do encontro, baseado no tripé sucessão, gestão e tecnologia. “Ouso colocar no tema o crédito, citando como exemplo as cooperativas do Sul, que não seriam o que são hoje sem o apoio de instituições comprometidas com o desenvolvimento, como o BRDE”, afirmou.
“Atravessamos no país uma crise econômica, ética e moral, mas mesmo assim o BRDE vem avançando”, acrescentou Pessuti, lembrando os bons resultados do Banco em 2016 e no primeiro semestre deste ano. “Estamos juntos, o BRDE é parceiro do agronegócio e demais setores produtivos, e assim vai deixando sua marca de trabalho no Paraná e toda Região Sul”.
Tiago Peroba, do BNDES, disse que o agronegócio ganhou enorme importância nas operações da instituição nos últimos anos, com destaque para as áreas de gestão e tecnologia, o que levou o banco a destinar R$ 218 bilhões ao setor agropecuário, no ano agrícola de 2017/18, para custeio, comercialização e investimentos. Peroba elogiou a atuação do BRDE, citando o banco como grande parceiro.
Peroba adiantou também os novos projetos do BNDES, entre eles o Cartão BNDES Agro, que será apresentado oficialmente na Expointer, em Esteio (RS), que começa neste sábado (26). O novo cartão é voltado à agropecuária e poderá financiar pessoas jurídicas e pessoas físicas que atuam no setor. Outros projetos são: o Canal Desenvolvedor MPME, o BNDES Online e o APP Agro.
Censo agropecuário – Durante o fórum, o diretor-executivo e vice-presidente do IBGE, Fernando José Abrantes, anunciou para 1º de outubro o início do Censo Agropecuário, que terá a duração de cinco meses, com 18 mil pesquisadores em campo, usando computadores de mão, pela primeira vez. Foi assinado um termo de compromisso e colaboração do IBGE com a Ocepar, Fetaep, Faep e governo do Paraná.
Futuro do campo – O Fórum de Agricultura da América do Sul reúne especialistas de 10 países e um público aproximado de 500 pessoas. O tema deste ano é “Sucessão, Gestão e Tecnologia – É o campo do futuro em transformação”. O fórum já está consolidado entre os principais espaços para discussão de perspectivas e desafios do setor agrícola no continente.
A proposta é discutir e debater as tendências do agronegócio mundial e globalizado a partir da realidade, potencial e liderança da América do Sul. Participam do fórum 30 palestrantes e representantes de toda cadeia do agronegócio, entre empresários, técnicos do setor, cooperativas, produtores rurais, lideranças e autoridades.
As conferências e painéis do evento abordam grandes temas como Mercados Agrícolas; Comércio Internacional; Tecnologia e Agricultura Digital; Gestão e Sucessão; Infraestrutura; Novas fronteiras; Cooperativas de Nova Geração; A Rússia das carnes e do trigo; Clima, a variável e a mitigação e América do Sul Rural.
No primeiro dia do fórum, os participantes acompanharam as apresentações do economista do IPEA José Eustáquio Vieira Filho e do diretor-técnico da Fundação Hanns Neumann, o equatoriano Max Uchoa, que falaram sobre sucessão no campo. O segundo dia começou com o painel “Cooperativas: uma plataforma para o Brasil”, seguido do fórum de presidentes de cooperativas.

Começou nesta terça-feira (15), em Castro, na Região dos Campos Gerais, a feira Agroleite 2017, organizada pela Castrolanda – Cooperativa Agroindustrial Ltda, com apoio do BRDE. A Agroleite é um dos mais importantes eventos técnicos da cadeia do leite no país, com foco na geração de conhecimento e negócios.
Participaram da abertura da Agroleite o vice-presidente e diretor Administrativo Orlando Pessuti, gerentes, técnicos e assessores da Agência Paraná do BRDE. O Banco tem estande próprio na feira, para atendimento de parceiros e futuros clientes. O evento acontece todos os anos, no mês de agosto, em Castro, a capital do leite.
O presidente da Castrolanda, Frans Borg, disse na abertura da Agroleite que o evento deverá superar os números de 2016, quando a feira recebeu mais de 50 mil visitantes e gerou negócios no valor de R$ 46 milhões, apesar das dificuldades da economia. “A proposta da Agroleite é reunir todos os elos da cadeia do leite para que possamos compartilhar nossas necessidades e tornar essa cadeia competitiva dentro e fora do país”, afirmou Frans Borg.
O diretor Orlando Pessuti disse que o BRDE participa da Agroleite com a expectativa de atender produtores rurais, cooperados e empreendedores do agronegócio, com as melhores condições de financiamento.
“A Agroleite é sempre um evento muito esperado, porque aqui está o que há de melhor no mundo em relação à cadeia do leite”, disse o presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Sistema Ocepar), José Roberto Ricken.
O secretário da Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, destacou a importância da Agroleite e os resultados da cadeia produtiva do leite no Estado. “O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, produzindo 4,8 bilhões de litros por ano, com um faturamento bruto de R$ 6 bilhões”, informou o secretário.
Com o tema “Tempos Modernos”, a Agroleite 2017 tem uma programação bastante variada, incluindo encontros técnicos, exposições, e oferta de serviços. São 180 empresas expositoras distribuídas pelo Parque Dario Macedo, onde foi instalada a Vila Holandesa, uma das grandes atrações do evento. São 21 sobrados construídos em estilo holandês, uma referência à origem das famílias que fundaram a cooperativa Castrolanda.
A programação técnica da feira terá os fóruns da pecuária leiteira, do feijão, da agricultura e da suinocultura e dois grandes painéis: da ovinocultura e da mulher cooperativista. O evento terminará no sábado (19).

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE e a Cooperativa Central Aurora Alimentos assinaram no dia 4 de agosto um contrato de financiamento para a aquisição de duas unidades de abates, sendo uma de frangos e outra de suínos, pela cooperativa. O investimento da Aurora na compra será de R$ 108.437.500,00, dos quais R$ 49.593.000,00 serão financiados pelo BRDE em parceria com o BNDES, por meio do Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária – PRODECOOP.
A assinatura aconteceu durante a reunião de transferência da presidência do CODESUL para o governador catarinense João Raimundo Colombo. O CODESUL reúne os governadores de SC, RS, PR e MS para pensar e implantar ações de desenvolvimento na região.
A Aurora conta hoje com 13 cooperativas afiliadas, que congregam mais de 72 mil famílias. A cooperativa tem 15 plantas de processamento de proteína animal, duas de laticínios e seis fábricas de rações. Nas suas unidades trabalham mais de 26 mil colaboradores diretos. Mais oito mil pessoas trabalham nas cooperativas filiadas.
Suas unidades estão localizadas nos quatro estados que compõem o CODESUL – Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.
AS UNIDADES – A Aurora passa a ser proprietária dos ativos antes arrendados da Cotrel, localizados em Erechim, no Rio Grande do Sul. A Unidade de Abate e Industrialização de Suínos tem capacidade para processar 418 mil cabeças/ano, e a Unidade Abate e Industrialização de Aves tem capacidade para abater 26,7 milhões de cabeças/ano. Os dois frigoríficos respondem em conjunto por 7,8% da receita operacional bruta do conglomerado Aurora e sustentam 2.496 empregos diretos, que representam R$ 52,3 milhões em salários e R$ 11,6 milhões em encargos sociais.
O vice-presidente da cooperativa, Neivor Canton, explica que a incorporação será imediata, com a continuidade normal das atividades que vinham sendo desenvolvidas, já que a Aurora já operava as duas plantas por arrendamento. “Temos um compromisso com os nossos cooperados e com os empregos. São mais de 2,4 mil famílias impactadas pela compra, que terão sua renda garantida”, explica.
De acordo com a diretoria do BRDE, Aurora Alimentos tem mantido estreita relação com o Banco nas suas demandas por crédito de longo prazo. Além de operar nos quatro estados do CODESUL, a cooperativa tem demonstrado sua capacidade de geração de emprego e renda, favorecendo a manutenção dos agricultores familiares, seus cooperados, no campo. A diretoria do banco avalia que é muito importante para a economia da Região Sul que os produtores rurais busquem agregar valor à sua produção. As cooperativas têm investido em unidades de processamento e beneficiamento, contribuindo para o desenvolvimento econômico da região Sul.
COOPERATIVAS – De 2011 a 2016, o BRDE financiou cerca de R$ 5 bilhões para cooperativas de produção dos três estados do Sul. Deste montante, as cooperativas de SC financiaram mais de R$ 1,3 bilhão, as do Paraná financiaram cerca de R$ 2,7 bilhões e as gaúchas mais aproximadamente R$ 1 bilhão.

O histórico Palacete dos Leões, no Alto da Glória, sede do espaço cultural da agência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) em Curitiba, reabrirá sua agenda de exposições e eventos em agosto, de cara nova. O casarão passou por restauros e surge com nova cor, mantendo o azul, mas com uma tonalidade mais escura que a pintura anterior.
A pintura nova do Palacete dos Leões e os todos os reparos feitos no espaço, trabalho que durou mais de dois meses, foram supervisionados e acompanhados pela Coordenação do Patrimônio Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, com a fiscalização da Secretaria do Urbanismo de Curitiba.
Durante a execução dos serviços, foram feitos testes de cores para a apreciação da fiscalização da obra. A pintura em azul mais forte foi definida pela Coordenação do Patrimônio Cultural. A cor escolhida realçou a arquitetura e adereços do prédio histórico, chamando ainda mais a atenção das pessoas que passam pela sede do BRDE.
Arquitetos que acompanharam a obra contam que pesquisas indicam que a cor original do Palacete dos Leões, inaugurado em 1902, era azul, em tonalidade muito próxima da escolhida pela Coordenação do Patrimônio Cultural do Estado. A nova cor ajudará a atrair visitantes e interessados em divulgar sua arte no espaço.
No dia 7 de agosto, está agendada a abertura da Exposição Sopro, mostra com diversos artistas plásticos e curadoria de Elaine Stankiewich. A mostra, no entanto, não marca a reabertura oficial do espaço, porque faltam pequenos serviços externos para o final completo das restaurações e reformas.
Restauração – O palacete passou por uma série de serviços, entre eles recuperação de revestimentos de alvenaria externa e superfícies de elementos decorativos externos, incluindo consertos de trincas e fissuras; impermeabilização dos pisos dos terraços do sótão e torreão e recomposição e pintura de peças de madeira da estrutura de cobertura.
Outros reparos feitos: substituição de telhas; impermeabilização dos pisos da escadaria frontal e adro (área em frente do prédio); impermeabilização e pintura dos pisos da escadaria lateral e varanda; restauração de molduras e coruchéus quebrados; reposição de vidros e recuperação de duas esculturas de leões em cerâmica glasurada.
O casarão histórico passou por outras três restaurações e reparos em sua estrutura. A primeira foi feita pela IBM, em 1986. A segunda foi no ano 2000, sob responsabilidade da empresa Inepar. Em 2004, novos serviços foram feitos, dessa vez coordenados pelo ISBRE, a Fundação BRDE de Previdência Complementar.
História – O Palacete dos Leões abrigou por 80 anos a família e descendentes do industrial Agostinho Ermelino de Leão Júnior. Em 1984, foi adquirido pela IBM do Brasil, que restaurou o casarão e construiu em parte do edifício que hoje é a sede do BRDE em Curitiba.
Ao adquirir o imóvel, há 12 anos, o BRDE transformou o casarão histórico em espaço cultural. “O banco está aliando a força empreendedora da instituição com a promoção da arte e da cultura do Paraná”, diz o superintendente da agência paranaense do BRDE, Paulo Cesar Starke Junior.
Desde então, o Espaço Cultural do BRDE tem intensa programação artística, recebendo exposições individuais e coletivas de pintura, desenho, gravura, fotografia, obras tridimensionais, instalações e outras técnicas, além de apresentações de dança e música. O espaço já foi uma das sedes da Bienal de Curitiba.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, foi o maior investidor ambiental da Região Sul, segundo a 24ª edição do Prêmio Expressão de Ecologia, entregue na última sexta-feira. O ranking Expressão dos Maiores Investidores Ambientais leva em conta os investimentos declarados nos 109 cases de 80 empresas e instituições que concorriam ao prêmio.
O case do BRDE com o programa Produção e Consumo Sustentáveis – BRDE PCS – liderou o ranking, com investimentos de R$ 456 milhões. Juntas, as empresas e entidades apresentaram projetos cujos investimentos somaram mais de R$ 1,2 bilhão.
Segunda colocada no ranking, a BRF investiu R$ 324,6 milhões em projetos sustentáveis, enquanto a Celesc, terceira da lista, investiu R$ 249,4 milhões.
O case do BRDE sobre o programa Produção e Consumo Sustentáveis mostrou os financiamentos concedidos pelo banco de fomento a projetos de empresas da região Sul com viés sustentável. Destacam-se os projetos de geração de energias limpas e de eficiência energética, com R$ 338,3 milhões. Neste montante estão os projetos de pequenas centrais hidrelétricas em SC e no PR e também parques eólicos no RS.
Clientes tradicionais do BRDE como Aurora Alimentos, Engie, Eletrosul e Fundação CERTI, foram ganhadores do prêmio, que está na sua 24ª edição.

A Agência Nacional de Cinema (Ancine) e a Prefeitura de Curitiba lançaram nesta semana o edital Produção Audiovisual FCC/FSA 2017, que prevê investimentos de R$ 2,7 milhões em projetos da área. Do valor total, R$ 1,2 milhão será liberado pelo Fundo Municipal da Cultura de Curitiba e R$ 1,5 milhão virá do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).
O FSA é operacionalizado em todo o país pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), a partir de equipes organizadas em Curitiba e Porto Alegre. Nos próximos cinco anos, o Banco repassará mais R$ 5 bilhões ao setor audiovisual brasileiro.
O gerente adjunto de Operações da Agência Paraná do BRDE, Tiago Pesch, acompanhou o lançamento do edital e falou da evolução da atuação do Banco no FSA. “Em 2013, foram 66 contratos, no valor de R$ 68,2 milhões. Em 2016, o número de contratos saltou para 580 e o valor repassado chegou a R$ 343,8 milhões”.
Os recursos do edital FCC/FSA 2017 são destinados à produção de curtas metragens de ficção e de animação, telefilmes de animação, ficção e documentários, distribuição de filmes e realização de dois festivais de cinema em Curitiba. Os interessados podem fazer as inscrições até às 12h do dia 25 de setembro de 2017, pelo site www.sic.cultura.pr.gov.br.
“O edital vai incentivar a indústria do cinema e apoiar o setor de audiovisual da cidade”, disse o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, no lançamento do edital. “É um momento muito importante para uma indústria que trabalha forte e gera emprego e desenvolvimento, que é a indústria do audiovisual”, afirmou o presidente da FCC, Marcelo Cattani.
SAIBA MAIS SOBRE O FSA
O FSA é um fundo destinado ao desenvolvimento articulado de toda a cadeia produtiva da atividade audiovisual no Brasil. Criado pela Lei Federal nº 11.437, de 28 de dezembro de 2006, e regulamentado pelo Decreto nº 6.299, de 12 de dezembro de 2007, o FSA é uma categoria de programação específica do Fundo Nacional de Cultura (FNC).
O FSA contempla atividades associadas aos diversos segmentos da cadeia produtiva do setor – produção, distribuição/comercialização, exibição, e infraestrutura de serviços – mediante a utilização de diferentes instrumentos financeiros, tais como investimentos, financiamentos, operações de apoio e de equalização de encargos financeiros.
O FSA possui programas direcionados a todos os segmentos da indústria audiovisual, que se constituem em diversas linhas de ação, inauguradas em 2008 e ampliadas em 2013, ancoradas no Regulamento Geral do PRODAV, aprovado pelo Comitê Gestor do FSA. Dentre os programas do Fundo Setorial do Audiovisual, destacam-se:
•PRODECINE – Programa de Apoio do Desenvolvimento do Cinema Brasileiro;
•PRODAV – Programa de Apoio do Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro;
•PROINFRA – Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Infraestrutura.

Estão liberados os recursos do Plano Safra 2017/2018. São R$ 190,25 bilhões destinados aos produtores rurais, montante superior aos R$ 185 bilhões da safra 2016/2017. Os recursos são para operações de investimentos, comercialização e custeio e houve redução de até dois pontos percentuais nas taxas de juros.
Para investimentos em inovação e tecnologia agrícola, por meio do Inovagro, e para investimentos em armazenagem, pelo Programa de Investimento para Construção de Armazéns (PCA), programas que são prioridades do BRDE, a redução foi a máxima: de 8,5% a.a. para 6,5% a.a.
O programa Inovagro, financia inovações e modernizações em tecnologias agrícolas, com o objetivo de aumentar a produtividade das propriedades rurais e melhorar a sua gestão. Atende diversos segmentos, como avicultura, suinocultura e pecuária de leite. As condições de financiamento são as seguintes: taxa de juros de 6,5% a.a, com prazo de até 120 meses e participação de até 100% do investimento.
Para investimentos no segmento avícola, o produtor deve procurar seu integrador. O site do BRDE – https://www.brde.com.br/contato/conveniadas/ – traz a relação dos integradores parceiros do Banco. Já para os demais segmentos, o produtor pode entrar em contato diretamente com o BRDE, pelo e-mail brdepr@brde.com.br ou telefone (41) 3219-8150.
PARA INVESTIMENTOS EM MATO GROSSO DO SUL
Para investimentos rurais localizados em Mato Grosso do Sul, o BRDE disponibiliza a linha FCO Rural. São passíveis de financiamento investimentos em armazenagem, máquinas e implementos, irrigação, instalações agroindustriais, melhoramento genético do rebanho, florestas e outros.
As condições vigentes desta modalidade consistem em taxa de juros de 6,375% ao ano, já considerando o bônus de adimplência, prazo de até 120 meses (prazos superiores podem ser analisados conforme exigência de projeto) e participação de até 100%, conforme localização do projeto. Estão aptos a essa modalidade produtores rurais que faturem até R$ 16 milhões por ano.
Podem ser financiados projetos de produtores rurais do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul interessados em fazer investimentos em Mato Grosso do Sul e também de produtores sul mato-grossenses, ou de outras regiões, que invistam naquele estado e adquiram bens e serviços produzidos na Região Sul.
Para operações de FCO, dúvidas e outras informações sobre as linhas de crédito entre em contato com a Agência Paraná pelo e-mail brdepr@brde.com.br e telefone (41) 3219-8150.

A Agência Paraná do BRDE está recebendo inscrições para apoio a projetos via leis de incentivos fiscais nos três estados do Sul. O prazo de cadastramento de projetos vai até 31 de outubro de 2017. As inscrições devem ser feitas somente por meio eletrônico, pelo portal www.brde.com.br, acessando o banner “Incentivos Fiscais” e em seguida no link “cadastre seu projeto”.
O BRDE apoia projetos sociais, culturais e esportivos com base na apuração do imposto a pagar. Em 2016, o BRDE no Paraná apoiou 37 projetos, no valor superior a R$ 2 milhões. São projetos que ajudam a mudar a realidade de milhares de crianças, jovens e adultos, proporcionando maior acesso a serviços de saúde, ao esporte e à cultura.
Em 2016, entre outros projetos, O BRDE apoiou a equipe de esgrima em cadeiras de rodas da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná. Com o apoio, os 18 atletas da equipe disputam neste ano pelo menos dois campeonatos brasileiros da modalidade, além dos torneios regionais.
A equipe de esgrima em cadeira de rodas disputa torneios e acumula medalhas há 11 anos. É considerada a maior e mais bem estruturada da modalidade no país. Alguns dos atletas disputam pela seleção brasileira da modalidade e participaram das Paralimpíadas Rio 2016, entre eles o bicampeão Clodoaldo Lima Zafatoski.
Podem receber apoio projetos que se enquadrem nos seguintes fundos e programas, de acorde com as respectivas leis:
• Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica – PRONON
• Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência – PRONAS
• Fundos Municipais de Direitos da Criança e do Adolescente
• Fundo do Idoso
• Lei Federal de Incentivo ao Esporte
• Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet)
• Lei do Audiovisual
Para dúvidas e outras informações entre em contato com a Agência Paraná pelo e-mail duvidasincentivosfiscais@brde.com.br.