BRDE

Os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná atingem resultados 25% superiores ao ano anterior e o maior volume de negócios ultrapassando o recorde de 2013

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) atingiu em 2021 seu recorde histórico de negócios, com 4,14 bilhões movimentados em contratações, ultrapassando os números do ano anterior em 25%. Também foram superadas as projeções de contratos no mesmo período: o total de 8.428, enquanto em 2020 foram firmados 4.553. Esse foi o melhor desempenho na história do banco, no ano em que completou 60 anos de sua existência. Em 2013 era registrada a melhor marca até então, quando as aplicações chegaram a R$ 3,76 bilhões.

Para o diretor-presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, em um ano ainda desafiador, por questões ligadas a pandemia da COVID-19, as estratégias de financiamento e liberação de recursos, entre outras ações “permitiram superar as metas estabelecidas e tornou 2021 um ano de resultados concretos e robustos, o que demonstrou o compromisso da instituição com o crescimento econômico e social, mesmo na adversidade”, refletiu Bley. “Há muitas parcerias com cooperativas de crédito, com operações de segundo piso, que nos dá uma pulverização desses recursos, uma redução do tíquete médio, traçando um perfil menos sisudo e mais acessível às necessidades da sociedade” – completou o presidente.

Os setores de Comércio e Serviço representaram cerca de 32% dos contratos firmados no BRDE, enquanto a Agropecuária atingiu em torno de 25%; a indústria e infraestrutura próximo aos 22% cada uma.

Quanto ao porte de investimentos, R$ 638 milhões foram destinados aos produtores rurais e R$ 824 milhões para micro e pequenas empresas. “É importante destacar também as captações das fontes de recursos: o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) representou 59%; BRDE 10,7% e Ministério do Turismo com apoio ao setor com R$ 287 milhões” , enfatizou Bley.

A Linha do Tempo do BRDE

Paraná

Foto: Marco Chameski

Agência do BRDE em Curitiba-PR. Foto: Marco Chameski

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) do Paraná ultrapassou a meta de contratações estipulada para 2021 e alcançou R$ 1,430 bilhões. Com esses números, o banco alcançou resultados 16% acima do volume de contratos do ano passado no Estado. “No Paraná, destaque para a superação da meta orçamentária em R$ 298 milhões e superação da meta gerencial motivada pela diretoria paranaense, que era de R$ 1,25 bilhões, o que representou R$ 180 milhões aplicados a mais em relação ao que se planejava. Isto foi possível com as conquistas de limites junto ao BNDES e fontes externas, além da disponibilidade de recursos próprios e do FUNGETUR para o setor de turismo”, ressaltou o diretor-administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira.

Em janeiro, o BRDE assinou um aditivo contratual com o Ministério do Turismo para administrar o Fundo Geral de Turismo, o FUNGETUR, quando foram adicionados mais R$ 100 milhões em investimentos no turismo da Região Sul do País, chegando ao total de R$ 646 milhões. Foram direcionados até agora R$ 181 milhões para o Paraná.

No Dia Internacional da Mulher foi criado o BRDE Empreendedoras do Sul, destinado às mulheres que empreendem. Do montante destinado ao Paraná, foram movimentados R$ 48,08 milhões em aprovações este ano, e efetivados R$ 33,8 milhões em contratos.

Em abril houve o lançamento do Banco do Agricultor Paranaense, para alavancar investimentos por meio da equalização de taxa de juros em diversas atividades agropecuárias, além de promover inovação tecnológica, sustentabilidade, geração de emprego e melhoria da competitividade do produto paranaense.

Dentro do valor total contratado, o BRDE liberou R$ 614,5 milhões em financiamento para projetos de cooperativas paranaenses. Outro fato relevante de 2021 foi a lei sancionada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, que autorizou a captação de recursos de até EUR 134,6 mil em infraestrutura e sustentabilidade.

E no fim do ano, foi realizado o Final Pitch do BRDE Labs, uma ação que envolveu nove startups finalistas no Paraná, de 177 inscritos no começo do programa, com apresentação de soluções para indústrias, em inovação e tecnologia.

60 anos do BRDE

Em junho o BRDE completou 60 anos, com carteira de crédito de R$ 13,5 bilhões, o que lhe colocou no ranking de melhores bancos públicos com apoio aos produtores rurais.

Foto: Hedeson Alves

Troféu BRDE 60 anos: homenagem concedida em 2021 aos parceiros do banco. Foto: Hedeson Alves

No mês seguinte, BRDE e Sicredi realizaram 2.236 contratações, totalizando R$ 68 milhões. O ticket médio é de R$ 30 mil, sendo a maioria financiamentos pelo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

Através do programa BRDE Promove Sul, o banco procurou fomentar o desenvolvimento produtivo, sustentável e social nos três estados da região Sul.

O BRDE e Banco Europeu de Investimento (BEI), disponibilizam financiamento para pequenas e médias (PMEs) empresas afetadas pela pandemia, nos três estados do Sul.

O BRDE estreou no Plano Safra 2020/21 com equalização de juros a pequenos e médios agricultores, usando recursos próprios.

No mês de agosto é lançada websérie com a Agência Francesa de Desenvolvimento, sobre projetos de energia limpa. A parceria totalizou 45 projetos na região Sul do Brasil, a partir de um fundo de 50 milhões de euros.

Em novembro, o Ministério do Turismo confirmou a disponibilidade de mais R$ 85,7 milhões para operações de financiamento às empresas do setor turístico nos três estados do Sul. No total de R$ 414,8 milhões, que a pasta federal se comprometeu com crédito emergencial diante dos impactos da pandemia.

Santa Catarina

Foto: ASCOM - BRDE SC

Entrada da agência do BRDE em Florianópolis-SC.

Os valores em contratos firmados em Santa Catarina totalizam R$ 1,44 bilhão. O montante em recursos representa um aumento de quase 45% em relação a 2020. A quantidade de contratos e recursos para os setores do agronegócio, infraestrutura, comércio e serviços alavancaram este crescimento expressivo. Das 8,4 mil operações realizadas pelo BRDE, a agência catarinense operou 5,4 mil contratos, fortalecendo a política de pulverização dos recursos e a necessidade atual de atendimento aos pequenos negócios.

“Com a pandemia ajustamos nosso foco, buscando viabilizar crédito especialmente para capital de giro, focado no micro e pequeno empreendedor. Nossa prioridade foi a pulverização do crédito, sobretudo para alcançar o maior número de empreendedores do estado, favorecendo uma política de abrangência social e de desenvolvimento, diretriz liderada pelo governador Carlos Moisés”, ressalta o vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Marcelo Haendchen Dutra.

Os setores do comércio e serviços absorveram um terço de todo crédito ofertado pelo BRDE no estado. Foram R$ 472 milhões, 117% a mais que o setor recebeu em 2020. O agronegócio recebeu investimentos de R$ 353 milhões, número que equivale a um crescimento de 147%, comparado ao ano anterior. No setor de infraestrutura o valor dos contratos feitos pelo BRDE aumentou 66% – recursos que financiaram obras de saneamento, asfalto e até geração de energia limpa, seja com usinas fotovoltaicas ou PCH´s.

O diretor financeiro do BRDE, Eduardo Pinho Moreira, reforça os resultados positivos alcançados, apesar das dificuldades enfrentadas. “Nós mostramos uma capacidade de crescimento muito grande, apoiando empresas e pessoas físicas nesse momento de dificuldade. Das três agências do BRDE, a de Santa Catarina foi a que mais realizou contratos com valores abaixo de R$ 100 mil, democratizando assim o crédito”, explica.

SC Mais Renda Empresarial

 

Em agosto, o BRDE começou a operar o programa de crédito emergencial. As operações realizadas pelo banco, desde o início dos atendimentos do programa contrataram R$ 240,5 milhões para micros, pequenos empresários e microempreendedores individuais catarinenses (MEIs) dos setores mais impactados pela pandemia. São quase 4 mil contratos distribuídos em 218 municípios – o que corresponde a 74% do território catarinense. Além dos financiamentos a juro zero, subsidiado pelo Governo do Estado, o impacto na manutenção dos empregos também é destaque: são quase 15 mil empregos preservados.

 

Rio Grande do Sul

Com operações efetivadas para os mais diferentes setores da economia gaúcha, o banco atingiu a marca de R$ 1,428 bilhão em financiamentos ao longo de 2021. O crescimento é de 24,5% se comparado com as contratações fechadas no ano passado para o RS, quando o volume de crédito ficou em R$ 1,147 bilhão.

Reflexo do momento positivo que viveu o agronegócio ao longo do ano e da sua importância ao desenvolvimento regional, o setor responde por mais de R$ 345,6 milhões das operações de crédito. O total destinado a atender produtores rurais e cooperativas gaúchas ficou R$ 54 milhões acima do registrado em 2020. O maior incremento em termos de contratações, porém, foi registrado pelo setor da indústria de transformação, que fechou 2021 com um volume de R$ 391,2 milhões em financiamentos do BRDE no estado. É um salto de R$ 103 milhões diante do ano anterior.

Na avaliação da diretora de Operações do BRDE, Leany Lemos, os resultados positivos refletiram a forte atuação do banco num período de retomada da economia, sua capacidade de dialogar com os parceiros e a diversificação dos recursos. “Atingimos resultados históricos no estado em toda a região Sul, o que reforça o nosso papel estratégico em apoiar setores com maior capacidade de inovação e geração de empregos”, destacou a diretora. Ela ressaltou, também, a restruturação que o banco promoveu em 2021 na sua matriz de programas e linhas de crédito, tornando a instituição ainda mais aderente à realidade global, aos critérios ESG e a Agenda 2030. “Somos um banco comprometido com a sustentabilidade”, acrescentou.

Empreendedorismo das mulheres

Na nova matriz foram criados, por exemplo, programas específicos de Sustentabilidade Ambiental, de Sustentabilidade Social, de Energias Renováveis e Mulheres Empreendedoras. Os projetos de geração de energia somaram financiamentos na ordem R$ 124 milhões. A principal contratação foi a respeito da implantação de uma pequena Central Hidrelétrica (PCH), no município de Tio Hugo, projeto liderado pela Coprel – Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento, com financiamento do BRDE de R$ 81 milhões.

Como primeira mulher a presidir o banco em 60 anos de trajetória, Leany Lemos lançou no mês de abril, o programa BRDE Empreendedoras do Sul, com o objetivo de apoiar empresas que tenham mulheres no comando (ou com mínimo de 40% de sócias) e produtoras rurais. O programa oferece financiamento para investimentos fixos e capital de giro, ambos disponíveis no valor de até R$ 1 milhão e fechou 2021 superando a marca de R$ 43 milhões em financiamentos autorizados apenas no RS.

Capital de Giro

Além de crédito para investimentos para as quais o banco se valeu de diferentes fundings, os contratos incluem linhas de capital de giro, algo que ganhou espaço entre as operações por conta dos impactos da pandemia. Conforme o diretor de Planejamento, Otomar Vivian, o BRDE se mostrou um importante aliado diante dos desafios do ano passado. Do total das contratações de 2021, mais de R$ 375 milhões foram para médias, micro e pequenas empresas que atuam no RS.

“A grande missão do BRDE é ser um instrumento de apoio aos projetos estratégicos para a economia regional, geralmente de médio e longo prazo. Somos uma instituição de fomento, porém o banco se mostrou sintonizado com as demandas de diferentes setores, em especial de quem mais sofreu os impactos da pandemia”, enalteceu Vivian. As linhas para capital de giro e microcrédito, disponibilizadas através de programas como Recupera Sul e Empreendedoras do Sul, valeram ao banco a conquista do Prêmio Banking Transformation 2021, na categoria inovação.

O diretor de Planejamento destacou, ainda, um importante crescimento em 2021 das operações celebradas com prefeituras, que totalizaram R$ 30,6 milhões para projetos de infraestrutura urbana, melhorias no sistema de iluminação pública e obras de saneamento. “Queremos estreitar ainda mais essa relação de parceria com as prefeituras, pois são investimentos com impactos muito positivos para a população de cada cidade”, avaliou ele.

Demais setores

Somados os segmentos do comércio, alojamento e alimentação, foram mais de R$ 149 milhões em crédito para as empresas do RS. O setor da saúde, fechou em R$ 130 milhões em crédito no estado, com destaque ao financiamento assinado com a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre – contrato para tornar viável o projeto de expansão do complexo hospitalar. A construção do novo Hospital Nora Teixeira, com 15 pavimentos, incluindo espaço para uma nova Emergência SUS, a unidade contará com 270 novos leitos de internação.

Desafios 2022

De acordo com avaliação do diretor-presidente do BRDE, “manter o nível de aplicação num contexto de alta de juros e incertezas quanto à capacidade do país crescer em 2022 é o maior desafio do BRDE, além da disponibilidade de recursos específicos para o agronegócio. Nosso olhar deve se voltar para a aceleração na captação de recursos diferenciados, no mercado nacional e internacional, e no foco contínuo no fomento ao financiamento de longo prazo a projetos de investimento”. E concluiu: “nosso otimismo é grande e vamos trabalhar para que continuemos gerando emprego e renda acima da média nacional”.

Apoio do banco ao Pró-Biblioteca vem desde 2018 e já representa um acervo literário com mais de 200 títulos

Dados da pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil” mostram que as vendas de livros cresceram no Brasil durante o período mais agudo da pandemia. No primeiro semestre de 2021, o aumento foi de 46,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Porém, esse incremento na leitura não se reflete em todas as camadas da sociedade brasileira: a mesma pesquisa mostra que os 52% da população com hábito regular da leitura estão concentrados nas classes A e B. A falta de acesso e estímulo são alguns dos principais fatores que explicam essa desigualdade.

Com o intuito de ser uma porta de entrada para o mundo dos livros nos lugares em que eles não costumam chegar, nasceu o projeto Pró-Biblioteca, apoiado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) desde 2018. De lá para cá, o Banco já destinou R$ 200 mil que foram revertidos em muitas bibliotecas nas escolas da rede estadual e penitenciárias do Rio Grande do Sul, assim como em unidades da Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (FASE).

O projeto

O Pró-Biblioteca nasceu em 2018 com o intuito de incentivar a literatura e a educação, por meio da doação de acervos literários para formação, ampliação e atualização de bibliotecas públicas, escolares e comunitárias. Desde o início, o projeto conta com o apoio do BRDE, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei nº 8.313 de 23 de dezembro de 1991), conhecida também por Lei Rouanet, que promove incentivos culturais em todo o Brasil.

“O projeto consiste na doação de um acervo bibliográfico de 200 títulos. A curadoria dos livros é feita pela L&PM Editores e a seleção das instituições que receberão esses livros é feita pelo próprio BRDE. Assim, nós realizamos a entrega dos títulos, extremamente atualizados e diversificados, principalmente em escolas”, explica Adriane Laste, responsável pelo relacionamento com os patrocinadores do projeto.

BRDE é parceiro do projeto desde 2018

O programa já beneficiou 1.242 escolas em 260 municípios, quase cinco milhões de pessoas em todo o país e contou com mais 40 patrocinadores, entre eles o BRDE. Além da doação dos livros  infantis, infantojuvenis e de literatura em geral (nacional e estrangeira), o Pró-Biblioteca organiza encontros de Contação de Histórias abertos à comunidade, realizados em locais públicos e com acessibilidade.

 Acesso universal à cultura

As instituições beneficiadas são majoritariamente escolas públicas, mas não se limitam a elas. Numa primeira leva de doações, o BRDE contemplou em 2020, em parceria com o projeto Pró-Biblioteca, um total de dois mil livros para dez penitenciárias gaúchas.

Já no ano passado, foram dois momentos de doações. O último marcou o encerramento da 7ª edição Mostra Literária do BRDE, no mês de novembro, quando foram destinadas mais dez novas coleções, incluindo a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Porto Alegre.

 

Escolas públicas, penitenciárias e instituições que cuidam de menores e mulheres vítimas de violência foram contempladas com as coleções

Sem o apoio do Banco, esse movimento não seria possível, segundo Adriane. “A participação do Banco é muito importante, porque o BRDE é nosso parceiro antigo, ele já patrocinou outras edições do Pró-Biblioteca e viabiliza atitudes como essa”, disse.

A responsável pelo projeto conta que poucas pessoas têm acesso à literatura porque não têm condições de adquirir os títulos. Sendo assim, a presença de bibliotecas públicas em escolas, presídios e outros locais vulneráveis são uma forma de aproximar a cultura da sociedade.

“No Brasil, hoje, existem mais de cento e dez milhões de neoleitores, que são pessoas que aprenderam a ler mas não têm o hábito da leitura. Por isso o Pró-Biblioteca é tão importante, porque o livro e o acesso à cultura dão condições para que as pessoas abram seus horizontes, exercitem a visão do todo, a criatividade, conheçam novos assuntos, e tenham outras oportunidades. Queremos dar condições para as comunidades, instituições mais carentes e mais vulneráveis, para ajudar a reduzir o distanciamento econômico e social que temos na sociedade”, conclui.

Evento de premiação acontece no Instituto Caldeira, em Porto Alegre

As cinco startups premiadas pelo programa BRDE Labs, realizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), em parceria com a Universidade Feevale por meio do Feevale Techpark, serão conhecidas nesta quarta-feira (dia 22/12). O Demoday, evento final do programa, acontece a partir das 9h, no Instituto Caldeira, em Porto Alegre (Tv. São José, 455), e contará com as presenças do governador Eduardo Leite, do reitor da Universidade Feevale, Cleber Prodanov; da diretora de Operações do BRDE,  Leany Lemos; e do diretor de Planejamento do banco, Otomar Vivian, entre outras autoridades.

O evento terá transmissão ao vivo pelos canais do YouTube da Feevale Play: www.youtube.com/feevaleplay e do BRDE www.youtube.com/brdeoficial. Os cinco primeiros colocados receberão prêmios em dinheiro que totalizam R$ 100 mil.

As startups aceleradas pelo BRDE Labs RS são: 2metric, Agidesk, AlterVision, Crops Team, Goclin, Latos, MaxxIntelli, NeedDigital, Nurseme, Pix Force, Prosumir, StartLearning, Zeit e Ziel Biosciences. Desta relação, oito startups participarão da banca final que ocorre um dia antes do evento de premiação.

Sobre o BRDE Labs RS

Iniciado em 30 de agosto, o programa selecionou 14 projetos (entre 66 empresas inscritas) do Rio Grande do Sul nas áreas de saúde, tecnologia da informação, agronegócio, IoT e Indústria 4.0 para participar do processo de aceleração no Feevale Techpark. Nesse período, participaram de 32 cursos, 14 horas de mentorias, 4 horas de imersão com as empresas âncoras e uma rodada de negócios.

Voltado à aceleração de startups, o BRDE Labs tem como foco a gestão e a estruturação das empresas, de forma a alavancar recursos futuros ou parcerias que contribuam para o seu êxito operacional.

Na segunda feira, 13 de dezembro, foi transmitido ao vivo o evento “AGRO 5.0 – Inovação e tendências do agronegócio catarinense”. Realizado pela NSC TV, a LIVE teve como objetivo debater o futuro do agronegócio e suas novas tecnologias em Santa Catarina e no Brasil. Para essa conversa foram convidados respectivos membros das empresas parceiras do projeto: BRDE/SC  e Sicoob SC/RS. Representando o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, estiveram presentes no encontro os líderes de setor: Olavo Gavioli, Gerente Adjunto de Operações Agroindustriais da Agência de Florianópolis e Paulo Cesar Antoniollo, Gerente Regional do Oeste Catarinense.

Um dos principais temas da transmissão foi o investimento em tecnologia no setor do agronegócio. Hoje o produtor rural que quer investir no segmento ou aquele que já está no ramo, precisa levar em consideração que esses dois aspectos andam juntos. Essas inovações estão trazendo inúmeros benefícios para o campo tanto na questão de mão de obra, como na qualidade dos produtos e principalmente na qualidade de vida do trabalhador.

Para investir em equipamentos/instrumentos que potencializem essa indústria, existe um alto custo a ser pago. Tendo em vista este aspecto e visando sobretudo apoiar, principalmente o pequeno produtor, o BRDE juntamente com o SICOOB, disponibiliza linhas de créditos para ajudar no financiamento dessas tecnologias.

Paulo Antoniollo, afirma que “as linhas de financiamento para inovação e tecnologia, têm característica de permitir ao investidor captar o recurso e ter um tempo até o início do pagamento das parcelas, para que consiga implementar a tecnologia e colocá-la no mercado. Muitas vezes o desenvolvimento de uma nova tecnologia, chega a demorar de 18 a 24 meses, entre a concepção na engenharia da empresa, até a disponibilidade no mercado ao produtor rural, ou agroindústria. Então é necessário que a carência dos financiamentos também tenha um período de pelo menos 12 a 24 meses.”

Ele ressalta ainda, que o banco não apoia somente os produtores rurais e as cooperativas, mas também indústrias que desenvolvem essas novas tecnologias para atender as demandas do agronegócio. “Não podemos esquecer uma outra ótica onde o BRDE atua muito, que é promover o desenvolvimento das soluções tecnológicas para o produtor adotar. O Banco financia muito as AgTechs, ou as indústrias que desenvolvem essas tecnologias. Podemos dizer que hoje o BRDE é o maior repassar nacional do Programa Finep Inovacred, que é o crédito decentralizado da Finep. Então quando falamos em promover o desenvolvimento no campo, através da tecnologia, o BRDE atua nesses dois enfoques: promover as soluções de crédito para o produtor rural adotar a tecnologia, mas também, apoiando o setor tecnológico das empresas que prestam o serviço, promovendo o desenvolvimento de soluções que possam embarcar no campo, permitindo que ele [o produtor], produza mais, melhor, e com menor custo.”

Para quem quer investir em propriedades rurais, de uma forma ou de outra, o investimento repercute em novas tendencias do mercado, ou seja, em projetos de inovação e tecnologia, assim como explica o Gerente Adjunto de Operações Agroindústrias, Olavo Gavioli, “qualquer atividade dentro da propriedade rural, qualquer atividade na agricultura, tem a tecnologia envolvida. Podemos citar desde a gestão da água até a semente do milho, a semente da soja que é plantada, tem uma tecnologia tremenda envolvida. Inclusive os sistemas de gestão da propriedade para o pequeno produtor também. Hoje temos médios produtores que tem um sistema de racionamento automático, com cortinas automáticas, com granjas extremamente modernas, então sem dúvida, em qualquer aspecto de investimento hoje no campo, a tecnologia está envolvida”.

Santa Catarina é protagonista na utilização de tecnologia para revolucionar o setor do agronegócio. Além do evento, a NSC TV exibiu uma série de matérias especiais no Bom Dia SC, produzidas pela jornalista Eveline Poncio. Para quem tiver interesse, é possível conferir as reportagens especiais no canal do G1 em: https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/campo-e-negocios/

Gilnei Roberto dos Santos Vargas foi nomeado diretor-presidente, Administrativo e de Previdência, e Carlos Renato Salami continuou no cargo de diretor Financeiro e de Investimentos

A nova Diretoria Executiva do Conselho Deliberativo da Fundação BRDE de Previdência Complementar (ISBRE) tomou posse nessa quarta-feira (15/12). Gilnei Roberto dos Santos Vargas foi nomeado diretor-presidente, Administrativo e de Previdência, e Carlos Renato Salami continuou no cargo de diretor Financeiro e de Investimentos. A cerimônia foi conduzida pela presidente do Conselho Deliberativo do ISBRE, Lisiane Maldaner Astarita de Limas, e contou com a presença do diretor-presidente do BRDE, Wilson Bley, e demais conselheiros.

“Prometo contribuir para que nossa instituição continue crescendo, se desenvolvendo e tenha uma continuidade para que eu possa ajudar e me dedicar assim como sempre me dediquei nesses 35 anos de BRDE. Pretendo contribuir para que o nosso ISBRE se fortaleça e que, com isso, assegure a todos nós a continuidade de um futuro pós-BRDE”, afirmou Gilnei em seu discurso de posse. O novo diretor-presidente agradeceu ao conselho, demais participantes e ao Banco pela confiança, bem como sua família pelo apoio no novo desafio.

Wilson Bley destacou a responsabilidade do ISBRE e da nova diretoria: “Fiz questão de estar aqui no momento dessa posse pela responsabilidade que vocês têm de fazer a gestão desse fundo, de serem tutores do futuro dos nossos servidores. Se eles têm esse bom desempenho no dia a dia, é por conta dessa segurança que eles têm do futuro”.

O presidente ressaltou a importância de estar atento aos cenários econômicos, a fim de garantir os ganhos que sustentarão as aposentadorias no futuro, e deixou a diretoria do BRDE à disposição dos empossados: “Desejo sucesso e lembro que o diálogo está extremamente aberto, nossa diretoria é coesa, unida e todas as decisões saem do consenso. Usem dessa característica de portas abertas para juntos construirmos um cenário de diálogo, transparência e aproximação, para construirmos um futuro ainda melhor”, concluiu.

Após a leitura do termo de posse, Lisiane Maldaner Astarita de Limas, presidente do Conselho Deliberativo do ISBRE, agradeceu a todos, em nome do Conselho, pelos últimos dois anos de trabalho e desejou sucesso aos empossados. Segundo ela, foram anos de importantes conquistas da diretoria. Lisiane destacou a revisão do Plano de Benefícios II e pediu a aproximação do BRDE com o ISBRE para que as novas metas sejam atingidas. “Reformamos o estatuto para preparar o ISBRE para novas oportunidades. Agora, a gente vai estudar o Plano Família, para gente trazer novas instituições para junto do ISBRE. Isso é um trabalho que está sendo construído e queremos compartilhar com o BRDE. As condições atuais estão dadas e temos que pensar no futuro. O Gilnei tem a missão de continuar esse trabalho e gostaríamos de pedir o apoio do BRDE para que façamos um entrosamento melhor com o ISBRE”, disse.

Luiz Rogério Isotton, que está deixando o cargo de diretor-presidente, Administrativo e de Previdência, fez um balanço da sua gestão: “Nossa primeira missão concluída foi a revisão do Plano de Benefícios II. Ele foi discutido, aprovado e está chegando. A outra missão concluída foi a revisão do Estatuto. Passamos pela consultoria jurídica, conversamos muitos e vocês aprovaram. São 10 anos de ISBRE, no Comitê Financeiro e na presidência. Agradeço ao Conselho que confiou a uma pessoa jovem um cargo tão importante”, pontuou.

Carlos Renato Salami, diretor Financeiro e de Investimentos que permanece na posição, elogiou o trabalho realizado por Luiz Rogério Isotton e saudou a chegada de Gilnei Roberto dos Santos Vargas ao cargo de diretor-presidente. “Isottton sempre demonstrou valores importantes para qualquer instituição: integridade, comprometimento e institucionalidade. Temos certeza de que o Gilnei, por sua trajetória profissional, vai fortalecer a cultura do ISBRE, que é tão reconhecida no mercado todo e vem agregar o reconhecimento do BRDE como instituição de respeito na sociedade”, completou.

Lisiane Maldaner Astarita de Limas, presidente do Conselho Deliberativo do ISBRE, ressaltou ainda que, hoje, o Plano de Benefícios II tem uma adesão de 93%, mas ainda é possível chegar nos 100% desejados. “Queremos pedir essa aproximação para que o BRDE nos ajude a abrir portas, queremos entender qual é o melhor caminho. O ISBRE tem 930 participantes, ou seja, são, quase 3 mil pessoas impactadas. Somos muito reconhecidos no mercado. Podem contar com o Conselho, porque daremos o respaldo técnico necessário para criarmos projetos bem impactantes”, afirmou.

O mandato de Gilnei Roberto dos Santos Vargas como diretor-presidente, Administrativo e de Previdência se estenderá até fevereiro de 2025, e o de Carlos Renato Salam como Diretor Financeiro e de Investimentos, até março de 2023.

Evento ocorre nesta sexta-feira e tem o objetivo de fomentar novos negócios

As startups participantes do programa BRDE Labs, realizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) em parceria com a Universidade Feevale por meio do Feevale Techpark, participam, nesta sexta-feira (17/12), da Rodada de Negócios. Em formato virtual, o evento acontece das 14h às 16h, com o objetivo de fomentar novos negócios entre as startups aceleradas pelo programa e conectá-las com empresas estratégicas da região, parceiras da Universidade Feevale, do Feevale Techpark e clientes do BRDE.

Durante a atividade, as 14 startups serão organizadas por salas temáticas (Ambiental e Sustentabilidade, Tecnologia da Informação, Saúde, Indústria 4.0 e Agronegócio), com respectivas agendas de horários. As empresas convidadas – 34 no total – entrarão na sala de interesse conforme as agendas. Cada startup terá 30 minutos para sua apresentação. Confira os participantes:

Startups aceleradas pelo BRDE Labs: 2metric, Agidesk, AlterVision, Crops Team, Goclin, Latos, MaxxIntelli, NeedDigital, Nurseme, Pix Force, Prosumir, StartLearning, Zeit e Ziel Biosciences.

Empresas convidadas para a Rodada de Negócios: Marina Tecnologia, Nanoplus, Rankine, Secullum Softwares, Wirklich, Bhio Supply, Altus, Aniger, Arezzo, Canasia, Dorf Ketal, Grupo Studio, Hercosul Alimentos Ltda, Hubittat, Johann, Miolo, Tramontina, Usaflex, Semant, Co2In Participações Ltda, Castanhal, Ska, Calçados Bibi, Hanish, Novus, Artecola, Sou.Cloud, Cigam, Unimed, Hospital Regina, Sicredi Pioneira, IBTeC, Grupo Herval E Heineken.

Sobre o BRDE Labs

O programa selecionou 14 projetos do Rio Grande do Sul nas áreas de saúde, tecnologia da informação, agronegócio, IoT e Indústria 4.0 para participar do processo de aceleração no Feevale Techpark. Voltado à aceleração de startups, o BRDE Labs tem como foco a gestão e a estruturação das empresas, de forma a alavancar recursos futuros ou parcerias que contribuam para o seu êxito operacional. Ao final do processo, os cinco melhores projetos receberão premiação em dinheiro.

No Rio Grande do Sul, além do Feevale Techpark, selecionado pelo BRDE para executar o trabalho junto às startups, cinco empresas parceiras do banco participam da aceleração como âncoras: CCGL, Coagrisol, Fida, Santa Casa de Porto Alegre e Xalingo. As empresas contribuem com suas experiências para mentorar e propor desafios que possam ser solucionados pelos participantes, uma prática já consolidada no mercado e um dos aspectos mais relevantes do programa. A aceleração terminará em 22 de dezembro deste ano, durante o evento BRDE Labs Demoday.

Projetos contemplam obras em municípios, geração de energia, turismo e agronegócio

Com foco em áreas estratégicas ao desenvolvimento econômico e melhorias na infraestrutura urbana, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) assinou, nesta quarta-feira (15/12), um conjunto de operações que somam mais de R$ 322 milhões em novos investimentos no Rio Grande do Sul. Reunindo setores como cooperativas, empresas geração de energia com fontes renováveis, complexos turísticos e prefeituras, o ato contou com a participação do governador Eduardo Leite. Refletindo o bom momento do agronegócio e a retomada mais forte das atividades, o BRDE deverá fechar 2021 se aproximando da marca de R$ 1,3 bilhão em financiamentos apenas para o RS.

“Essas operações se refletem também em geração de emprego e de renda. Seja nas mãos da iniciativa privada ou das prefeituras, elas  significam obras, investimentos e compra de equipamentos que trazem benefícios tanto para as empresas e seus negócios quanto para a arrecadação para os municípios e para o Estado, movimentando o ciclo virtuoso da economia”, afirmou o governador. Leite destacou., ainda, que o BRDE fecha o ano com esse volume expressivo de operações de financiamento para o Rio Grande do Sul.  “Somado aos investimentos que o Estado está promovendo, faz com que tenhamos a expectativa de um ano de 2022 de grandes resultados para o nosso Estado”, acrescentou.

Leite: expectativa de um 2022 de grandes resultados para RS

Além de crédito para investimentos para as quais o banco se valeu de diferentes fundings, os contratos incluem linhas de capital de giro, algo que ganhou espaço entre as operações por conta dos impactos da pandemia. Do montante de R$ 322 milhões, os contratos voltados ao agro representam R$ 76,4 milhões. Destaque para os projetos de um frigorífico de frangos da Cooperativa Languiru e da ampliação das unidades da Cotricampo localizadas em Derrubadas e Humaitá. Neste ano, o banco soma mais de R$ 270 milhões em crédito contratado junto aos produtores gaúchos.

Leany Lemos saliento compromisso do banco com a sustentabilidade
Fotos: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

“Como instituição comprometida com o meio ambiente, impacto social e boa governança, o BRDE fechará o ano alcançando resultados históricos. Mas teremos um 2022 de muitos desafios, por isso a importância de estarmos apoiando setores estratégicos, com maior capacidade de inovação e geração de empregos, além de sempre estarmos aliados ao agronegócio por tudo que representa para várias cadeias”, destacou a diretora de Operações do BRDE, Leany Lemos. Além de cumprir com o seu papel de incentivar o desenvolvimento da região Sul, acrescentou a diretora, o BRDE prioriza projetos com impactos ambientas e sociais positivos. “Somos um banco comprometido com a sustentabilidade”, arrematou.

Prefeituras

Foram assinados quatro contratos com prefeituras, cujas operações irão financiar projetos do sistema de iluminação pública. É o caso de Igrejinha e também em Parobé, onde o recurso ainda terá como destino a implantação de uma unidade de geração fotovoltaica e instalação de câmeras de segurança. Igualmente através do programa BRDE Municípios, as prefeituras de Viamão e São Gabriel celebraram contrato para obras de melhorias na mobilidade urbana.

Diretor Otomar Vivian na assinatura dos contratos

“É importante que as prefeituras gaúchas tenham no BRDE um parceiro não apenas para crédito, mas em especial para auxiliar na concepção dos projetos. Com certeza, assim os resultados em favor da população que receber uma obra, um sistema de iluminação mais moderno e eficiente em termos de consumo de energia, serão mais significativos”, comemorou o diretor de Planejamento do banco, Otomar Vivian. Municipalista convicto, Vivian observa que vem crescendo a procura por parte das prefeituras para conhecer os programas que o banco disponibiliza. “Ainda estamos no primeiro ano dos atuais mandatos para muitos dos gestores e muitos projetos exigem maior tempo de maturação, mas queremos ampliar essa parceria”, resumiu ele.

Turismo

Com a retomada gradativa do fluxo de turistas na medida que avança o programa de vacinação contra a Covid-19, os investimentos no setor representam uma grande demanda por financiamento junto ao BRDE.

São também quatro as contratações deste setor realizadas nesta quarta-feira prevendo investimentos em parques turísticos no estado ou como capital de giro para retomada, totalizando R$ 51,1 milhões.

Mulheres

Com o objetivo de apoiar empresas que tenham mulheres no comando (ou com mínimo de 40% de sócias) e produtoras rurais, o BRDE Empreendedoras do Sul oferece financiamento para investimentos fixos e capital de giro, ambos disponíveis no valor de até R$ 1 milhão. Lançado neste ano, o programa de crédito específico para mulheres empreendedoras superou a marca de R$ 43 milhões em financiamentos autorizados apenas no RS, dos quais mais de R$ 28 milhões já com contratos assinados.

Para que o crédito chegue ao maior número de interessadas, em especial beneficiando pequenas e médias empresas, uma das alternativas é atuar com instituições parceiras. É o caso do contrato que o BRDE celebrou com a ICC Serra, no valor de R$ 700 mil. Através do Banco do Povo, são liberados empréstimos pela modalidade de microcrédito para empreendedoras de vários municípios gaúchos.

Energia

Dois são os contratos que o BRDE está fechando para projetos de geração de energias com fontes renováveis. A principal contratação se refere à para a implantação de uma pequena Central Hidrelétrica (PCH), no município de Tio Hugo, projeto liderado pela Coprel – Cooperativa de Geração de Energia e Desenvolvimento, que terá financiamento do BRDE de R$ 81 milhões. A outra contratação se refere a um parque de geração de energia com placas fotovoltaicas desenvolvido pela Coopernorte, que atende clientes em Viamão e Santo Antônio da Patrulha.

Realizado no Palácio Piratini, o evento contou com a participação do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Edson Brum; do líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Frederico Antunes, e demais lideranças empresariais, prefeitos, empreendedores e representantes da Agência de Porto Alegre do banco.

ASSINATURA DE NOVOS FINANCIAMENTOS DO BRDE

Resumo – Principais Contratos

O embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Wilson, esteve em audiência na sede do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), na tarde desta segunda-feira (13/12), quando foi recebido pela diretora de Operações, Leany Lemos. Entre os temas abordados, compromissos em favor da sustentabilidade estiveram em destaque durante o encontro.

Bastante ativo nas questões de preservação ambiental, o embaixador mencionou a possibilidade de futuras parcerias com o BRDE em projetos vinculadas à agenda climática. Mais cedo, ele realizou visita oficial ao governador Eduardo Leite, sendo recepcionado no Palácio Piratini.

No posto de embaixador no Brasil desde fevereiro, Wilson destacou os compromissos que diferentes países assumiram na recente COP 26, realizada em Glasgow, na Escócia. Leany Lemos destacou, por sua vez, que mais de 82% das operações realizadas pelo banco no primeiro semestre apresentaram vinculação com ao menos um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Após receber uma cuia como presente de sua visita ao banco, o embaixador fez questão de saber detalhes de como a tradicional bebida gaúcha é feita e como deve ser servida aos convidados da roda de chimarrão. Wilson já atuou como embaixador nos Países Baixos e como representante permanente na Organização para a Proibição de Armas Químicas.

Embaixador manifestou interesse no tradicional chimarrão

 

Acontece nesta sexta-feira (dia10/12), o evento on-line Preparação para Investimentos, do programa BRDE Labs, realizado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) em parceria com a Universidade Feevale por meio do Feevale Techpark. A atividade, em formato on-line, tem o objetivo de apresentar oportunidades de investimentos no mercado às 14 startups que estão sendo aceleradas pelo BRDE Labs e conta com cinco empresas convidadas, que terão 30 minutos cada para exporem seus fundos e oportunidades de investimento. O evento, fechado para as empresas e startups, acontece das 13h30min às 17h30min, via Blackboard. Confira a programação: 

13h30min – Abertura com BRDE e Universidade Feevale  

14h – Ventiur: auxilia o crescimento de startups com aporte financeiro, conexões de valor e muito conhecimento 

14h30min – Domo Invest: uma das principais gestoras de Venture Capital no Brasil, que investe em empreendedores disruptivos e inovadores e apoia startups de tecnologia ainda em estágio inicial 

15h30min – JKH: fundada em 2008 em Nova York, conta com escritórios na Holanda, Hong Kong e Campo Bom e startups investidas nos setores de tecnologia, e-commerce, meio ambiente e energias renováveis 

16h30min – Harbour Capital: gestora de recursos independente com foco em investimentos alternativos 

17h – Captable: auxilia empreendedores da nova economia a escalarem os seus negócios, aproximando investidores de empreendedores com propósito 

Startups aceleradas pelo BRDE Labs: 2metric, Agidesk, AlterVision, Crops Team, Goclin, Latos, MaxxIntelli, NeedDigital, Nurseme, Pix Force, Prosumir, StartLearning, Zeit e Ziel Biosciences. 

Sobre o BRDE Labs 

O programa selecionou 14 projetos do Rio Grande do Sul nas áreas de saúde, tecnologia da informação, agronegócio, IoT e Indústria 4.0 para participar do processo de aceleração no Feevale Techpark. Voltado à aceleração de startups, o BRDE Labs tem como foco a gestão e a estruturação das empresas, de forma a alavancar recursos futuros ou parcerias que contribuam para o seu êxito operacional. Ao final do processo, os cinco melhores projetos receberão premiação em dinheiro.

O evento de lançamento ocorreu ainda no mês de agosto e contou com a presença do governador Eduardo Leite; do secretário estadual de Inovação, Ciência e Tecnologia, Luís Lamb; dos diretores do BRDE Leany Lemos (Operações) e Otomar Vivian (Planejamento), do reitor da Feevale, Cleber Prodanov; com mediação da diretora de Inovação da Universidade, Daiana Monzon.

No Rio Grande do Sul, além do Feevale Techpark, selecionado pelo BRDE para executar o trabalho junto às startups, cinco empresas parceiras do banco participam da aceleração como âncoras: CCGL, Coagrisol, Fida, Santa Casa de Porto Alegre e Xalingo. As empresas contribuem com suas experiências para mentorar e propor desafios que possam ser solucionados pelos participantes, uma prática já consolidada no mercado e um dos aspectos mais relevantes do programa. A aceleração terminará em 22 de dezembro deste ano, durante o evento BRDE Labs Demoday. 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) é o grande vencedor da categoria Inovação em Crédito do Prêmio Banking Transformation, antigo Prêmio Relatório Bancário. Em sua 17ª edição, a premiação prestigia iniciativas transformadoras do setor financeiro nacional. O BRDE concorreu com o projeto Recupera Sul e a cerimônia de premiação foi transmitida no formato virtual na noite da última segunda-feira, 6 de dezembro de 2021.

Assim que o mundo inteiro foi atingido pelos efeitos da pandemia de covid-19, o BRDE buscou diversas soluções para enfrentá-los. Assumindo seu papel de maior banco de fomento da Região Sul do Brasil, o BRDE percebeu a necessidade iminente de financiar capital de giro, apesar de sua trajetória de investimentos a longo prazo. Assim, o banco lançou o Programa Recupera Sul.

Lançado em março do ano passado, o Programa de Crédito Emergencial do BRDE para recuperação da economia da Região Sul (BRDE Recupera Sul) disponibilizou R$ 553,6 milhões na forma de capital de giro e microcrédito e atendeu 1.707 empresas até o momento.

As ações, entretanto, não se limitaram ao capital de giro. O BRDE buscou diversificar suas fontes, firmando parcerias com organismos internacionais, como Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e outros. Além disso, para atenuar a situação das empresas e ajudar na manutenção dos empregos, o BRDE adotou o congelamento temporário da dívida de clientes, em especial micro e pequenos empresários dos três Estados. Inicialmente, a prática conhecida como standstill teria duração de seis meses, mas foi reeditada em maio, podendo chegar a 18 meses em alguns casos. Até o momento, mais de dois mil contratos foram prolongados.

Também fazem parte das iniciativas ganhadoras o BRDE Empreendedoras do Sul, programa de crédito exclusivo para empresas lideradas por mulheres que já contempla liberou R$ 106,1 milhões; a linha de financiamento especial para as empresas da Economia Criativa do Rio Grande do Sul, que disponibilizou R$ 12,9 milhões; e o SC Mais Renda Empresarial, a iniciativa do Governo do Estado de Santa Catarina para ajudar no enfrentamento dos prejuízos econômicos e sociais provocados pela pandemia, que já investiu mais de R$ 190 milhões.

Além dos auxílios diretos promovidos neste período, o BRDE Recupera Sul também trouxe importantes avanços nos processos operacionais do banco. As ações de Tecnologia da Informação implementadas englobam a digitalização de processos, segurança cibernética, digitalização de processos, expansão dos canais digitais e outras. Em 2020, por exemplo, as solicitações de financiamento foram disponibilizadas de forma online. Já em 2021, foi lançado o aplicativo móvel do BRDE.

O diretor-presidente Wilson Bley destacou a importância da digitalização para que o BRDE realizasse seu trabalho com excelência e conquistasse o prêmio. “Como diretor de operações, sempre fui um defensor da digitalização do Banco. Hoje, como diretor-presidente, minha bandeira segue a mesma. Vencer o Prêmio Banking Transformation significa que fizemos e continuaremos fazendo um belo trabalho nessa área para contribuir cada vez mais com o desenvolvimento do Sul do Brasil, nosso principal objetivo”, concluiu.

Já o vice-presidente e diretor Acompanhamento e Recuperação de Crédito do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra, ressalta, que “este prêmio reconhece o esforço de nossas equipes técnicas em tornar possível o programa desenvolvido para ajudar os empresários no momento mais crítico de enfrentamento desta crise, com condições de financiamento diferenciadas, contribuindo para manutenção dos negócios e na preservação dos empregos. É fruto do esforço coletivo para que o crédito chegasse rapidamente a quem mais precisa, ajudando a reduzir os impactos da pandemia na economia do Sul”.

Categoria vencida e premiação

O Programa de Crédito Emergencial do BRDE para recuperação da economia da Região Sul (BRDE Recupera Sul) venceu a categoria Inovação em Crédito, na qual concorreram 231 projetos. Ela premiou soluções relacionadas a crédito, refletidas em produtos ou serviços, que tornem o crédito acessível e facilitado para todos os níveis populacionais do país, tais como novas modelagens, score e outros.

Na avaliação da diretora de Operações, Leany Lemos, o prêmio reconhece o quanto o banco procurou se adaptar às demandas provocadas pela crise sanitária e cumprir com seu papel de apoiar a economia na região Sul. “A pandemia provocou uma verdadeira revolução interna nas organizações, e no BRDE não foi diferente. Houve uma mobilização de várias áreas para melhorar os processos de análise do crédito. Mas acima de tudo, o banco mostrou-se sensível à situação de quem produz e gera a riqueza oferecendo novas linhas de crédito, ampliando prazos e atuando com capital de giro para socorrer os setores mais afetados. O case vencedor espelha o quanto o banco se adaptou nesse momento crítico, conseguindo resultados operacionais históricos e fortemente alinhados à agenda ESG e aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, destacou a diretora.

Para o diretor administrativo Dr. Luiz Carlos Borges da Silveira, essa conquista é fruto de um trabalho de constante inovação do Banco. “O BRDE tem uma história de 60 anos já, o que demonstra que nós estamos sempre trabalhando para inovar. Essa vitória só é possível porque temos uma equipe engajada, pronta para novos desafios. Ficamos felizes pelo reconhecimento de que seguimos no caminho certo”, comemorou.

A categoria faz parte do pilar Ecossistemas, que refere-se a  empresas envolvidas no ecossistema financeiro, sejam elas de meios de pagamento (adquirentes, bandeiras, emissores de cartões), fintechs, financeiras, transportadores de valores, fundos de investimento, bolsas de valores, bureaux de crédito, cooperativas de crédito, corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários, seguradoras e outras.

“Inovar, estar sintonizado com as demandas dos nossos setores produtivos está na essência do BRDE. O Banking Transformation 2021 retrata esse esforço cotidiano de apoiar a economia da região do Sul, mas que durante a pandemia exigiu muito mais. Exigiu um banco efetivamente parceiro dos pequenos negócios, de quem mais sofreu com a crise, mas igualmente apoiando investimentos que sinalizam para a retomada”, destacou o diretor de Planejamento, Otomar Vivian.

O banco também disputou na categoria Mitigação dos Impactos da Pandemia, que referia-se a soluções, processos internos e externos (por exemplo treinamento de pessoal), serviços e produtos, implementações tecnológicas, abordagem de pessoas que demonstrem adaptação da estrutura da instituição no acolhimento das dificuldades geradas pela pandemia à toda a população, comunidade e clientes em geral.

“O BRDE tem uma atuação de destaque na área de fomento. E é reconhecido nacionalmente por isso. Mas ações como o Recupera Sul, prestando apoio em um momento difícil, demonstram que temos valores que nos conectam de maneira profunda ao empreendedor do Sul. Somos parceiro para todas as horas. Que bom que o apoio que prestamos deu resultado, protegeu negócios e empregos. E ainda melhor ver este esforço ser reconhecido, juntamente com grandes players do mercado como Banco do Brasil e CAIXA”, diz o diretor Financeiro, Eduardo Pinho Moreira.