BRDE

Por conta do apoio a “projetos inovadores na produção e industrialização da proteína animal”, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está entre os parceiros homenageados nos 75 anos da Cooperativa Dália Alimentos Ltda. Através da entrega do Troféu Dália, o banco foi distinguido como instituição financeira mais relevante ao longo desse período de atuação da cooperativa, fundada em 15 de julho de 1947, no município de Encantado.

Na homenagem, a Dália Alimentos destacou que mantém com o BRDE “uma sólida parceria que permite o engrandecimento do segmento agroindustrial”. As comemorações aos 75 anos da cooperativa, que coincidem com os 61 anos do banco, ocorreram na última quarta-feira (15/6), em evento no Clube Comercial.

Dália e BRDE: homenagem à parceria sólida 

Na oportunidade, o troféu foi recebido pelo gerente de Planejamento do BRDE no Rio Grande do Sul, Alexander Leitzke, e pelo gerente do- Escritório de Divulgação para a Região dos Vales e Centro RS, Marlon Alberto Bentlin. A homenagem foi prestada pela direção da cooperativa, entre eles o presidente do Conselho de Administração, Gilberto Antônio Piccini, e o presidente-executivo, Carlos Alberto de Figueiredo Freitas.

A cooperativa tem indústrias localizadas em Encantado (frigorífico de suínos) e em Arroio do Meio (unidades de lácteos e frigorífico de aves). Os produtos com a marca Dália Alimentos estão presentes em 24 estados brasileiros e no Distrito Federal, além de serem exportados para 20 países localizados nos continentes Asiático e Africano e no Leste Europeu, além de países do Mercosul.

Em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, colaboradores e parceiros comemoraram os avanços, desafios e propósitos do banco em clima de confraternização

Os 61 anos de criação do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), foram comemorados em clima de retomada dos eventos presenciais, participação de colaboradores “e sentido de propósito, com desafios superados na pandemia, mentalidade do banco ser mais sustentável em suas ações e no posicionamento estratégico nesse diálogo que propomos com vários segmentos da sociedade”, refletiu o presidente Wilson Bley Lipski.

Créditos: Rodolfo Büher

Diretor-presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, em discurso para colaboradores do banco em comemoração de aniversário da instituição. Créditos: Rodolfo Büher

Fundado em 15 de junho de 1961 para atuar no desenvolvimento e crescimento econômico dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o BRDE se tornou referência em financiamentos a longo prazo, a partir de clientes que cresceram com o banco no decorrer do tempo. Do fomento à Agricultura, seu carro-chefe, o BRDE abriu espaço e se alinhou com o tempo, à projetos de cidades, indústria, comércio e infraestrutura. Nos últimos três anos, em meio a transformação digital acelerada pela pandemia, o BRDE buscou ocupar outros espaços. Criou e fez parcerias com programas de empreendedorismo, pulverizou créditos por fundos específicos nacionais e internacionais, criou macroprogramas em inovação, energia renovável, turismo, cultura, e se associou às instituições com visão de crescimento social e econômico.

Bley ainda ressaltou sobre uma nova visão do BRDE em sua trilha de se tornar o primeiro banco verde do país. “Estamos nos ajustes finais da criação do fundo verde, que consiste no dinheiro dos resultados operacionais para apoiar a iniciativa privada e a sociedade organizada, por meio de recursos não reembolsáveis (fundo perdido), para que possa haver desenvolvimento de algumas ações que tenham esse viés. A outra é criar uma esteira diferenciada, que exista uma precificação específica para aquele empresário que assumir esse compromisso do carbono zero, da descarbonização, podendo ter um ganho financeiro. Manteremos as duas esteiras a convencional e essa especial, aquelas que tenham esse comportamento se direcionam a esse trabalho”, concluiu.

O vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Marcelo Haendchen Dutra falou sobre os desafios do BRDE e sua missão. “Mesmo diante de inúmeros desafios ao longo desses anos, o BRDE mantém a sua importância para a economia dos estados e apoio aos municípios, através de um corpo técnico engajado em fazer valer os conceitos de missão, visão e valores, que o credenciam como parceiro estratégico e imprescindível na promoção do desenvolvimento, aliado ao firme compromisso de protagonismo na geração de emprego e renda”.

As comemorações – No Rio Grande do Sul, funcionários, estagiários da cantaram o tradicional “Parabéns a você” e distribuíram o primeiro pedaço do bolo aos colaboradores com mais de 40 anos de trabalho dedicado ao banco. A diretora de Operações Leany Lemos disse que a chegada aos 61 anos demonstra o quanto o banco vem evoluindo na sua trajetória em favor do crescimento da região. “Somos cada vez mais um banco comprometido com um modelo de desenvolvimento econômico alinhado às demandas sociais e ambientais. Sem dúvida, o BRDE é hoje o banco da sustentabilidade e um modelo de negócio que já serve de referência internacional. Somos uma instituição que tem na sua essência a parceria, quer seja com milhares de clientes, assim como de outros agentes financeiros, sempre com uma visão de futuro de impactar positivamente a vida das pessoas e do planeta”, frisou.

Créditos: Divulgação BRDE

Diretores e colaboradores em cerimonia de comemoração do aniversário do BRDE na agência de Porto Alegre. Créditos: Divulgação BRDE

“Ao longo desses 61 anos, o BRDE se consolidou como um parceiro de quem produz no campo e na cidade. E a partir das políticas definidas pelos Estados controladores e de uma visão estratégica de desenvolvimento da região Sul, o banco desempenha um papel fundamental em favor dos mais diferentes setores econômicos, dos produtores rurais e das prefeituras, mas com uma crescente preocupação com a sustentabilidade e com responsabilidade social”, frisou o diretor de Planejamento, Otomar Vivian. Ele salienta, também, o quanto o quadro funcional qualificado que o BRDE dispõe é determinante nos resultados que são alcançados a cada projeto que o banco atua como parceiro.

Na agência de Santa Catarina colaboradores, diretoria e estagiários se confraternizaram numa festa com bolo, e muita alegria. E o diretor financeiro Eduardo Pinho Moreira ressaltou a respeito da relação do banco com a sociedade. ”Os 61 anos do BRDE merecem o reconhecimento e a comemoração, porque nesses décadas, o banco serviu de instrumento importante para o desenvolvimento econômico, para geração de emprego e renda nos três estados do sul; então cumpriu sua missão, que é estreitar a relação do banco com a sociedade em todos os níveis da área econômica e completa seus 61 anos com sua missão cumprida”, finalizou.

O coro Ottava Bassa do Projeto Bravíssimo Concertos fez uma apresentação de músicas clássicas, e releituras de hits como Smile e Hallelujah de Leonard Cohen no saguão da agência de Curitiba, que encantou todos os colaboradores e convidados.

Créditos: Rodolfo Büher

Apresentação do coro Ottava Bassa do Projeto Bravíssimo Concertos na agência do BRDE em Curitiba. Créditos: Rodolfo Büher

O grupo musical é composto por voluntários de alto nível artístico, sob o comando do maestro Alexandre Mousquer, com projeto apoiado pelo BRDE via incentivos fiscais (lei Rouanet). A tradicional foto na escadaria do Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões também foi registrada nas comemorações.

O superintendente Paulo Starke Junior comentou sobre a importância da história do banco, a comunicação com os colaboradores e “de viver algo grandioso nesse momento de quebra de paradigmas do banco em se tornar mais próximo à sociedade”.

Fotos: Divulgação BRDE e Rodolfo Büher

No próximo mês ela assume a cadeira Lemann Fellow of Practice em projeto voltado a debater e melhorar as políticas públicas em âmbito global

A diretora de Operações do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Leany Lemos, deixará o cargo daqui a pouco mais de um mês, quando passa a integrar, como convidada, a Escola de Governo Blavatnik, da Universidade de Oxford. A cadeira Lemann Fellow of Practice é ocupada por profissionais e acadêmicos “com excepcional desempenho”, conforme a carta-convite aponta.

Leany Lemos atuará como mentora em iniciativas que promovam elo entre prática e pesquisa e elaborará estudos sobre impacto de bancos de fomento, desenvolvimento e políticas fiscais. O anúncio da sua saída ocorreu no início da noite desta segunda-feira (13/6), no Palácio Piratini, com a presença do governador Ranolfo Vieira Júnior e do diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian. A gestora entregou uma carta de desligamento, relembrando suas realizações, e agradeceu pela passagem no governo.

“Gostaria de agradecer publicamente o empenho e o excelente trabalho desenvolvido pela Leany como secretária de governo e presidente do BRDE, sendo a primeira mulher a liderar a pasta do Planejamento e o banco de desenvolvimento. Sua passagem pela gestão foi exemplar, contribuindo para as reformas administrativas do Estado e coordenando o Comitê de Dados no enfrentamento da pandemia, entre outras ações. Desejo a ela todo sucesso em sua carreira acadêmica”, disse o governador.

Na sua passagem pelo Rio Grande do Sul, que começou em janeiro de 2019 ao assumir a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos teve papel importante no conjunto de reformas que asseguraram o equilíbrio nas contas públicas do Estado. Como primeira mulher a comandar a pasta, ela participou do grupo que desenhou as mudanças na legislação previdência e das carreiras: ”o saneamento das contas abre espaço para uma melhor prestação de serviços nas mais diferentes áreas, recuperando a respeitabilidade do Estado na federação. Foram mudanças difíceis, estruturantes, essenciais para a virada necessária”, frisou em carta-demissão que encaminhou ao governador.

Resultados
Também como primeira mulher a assumir a presidência do BRDE em 60 anos de história da instituição, isso em dezembro de 2020, Leany Lemos alcançou resultados expressivos. No ano que registrou um recorde histórico em termos de operações de crédito, com R$ 4,1 bilhões em novos financiamentos, o banco fechou 2021 com um lucro líquido de R$ 266,6 milhões. Trata-se do segundo melhor resultado nominal já alcançado pelo banco na série histórica iniciada há duas décadas, superando em 33,8% o apurado no ano anterior.

Leany Lemos ressalta, também, a restruturação que o banco promoveu na sua matriz de programas e linhas de crédito, tornando a instituição ainda mais aderente à realidade global, aos critérios ESG e a Agenda 2030. Entre as novidades, está programa BRDE Empreendedoras do Sul, que tem como objetivo de apoiar empresas que tenham mulheres no comando (ou com mínimo de 40% de sócias) e produtoras rurais, além de financiamentos para a geração de energias limpas e projetos de responsabilidade ambiental e social.

Antes de assumir no BRDE, Leany Lemos ainda coordenou o Comitê de Dados no enfrentamento da pandemia de Covid-19. “Com base evidências e em colaboração com a sociedade, foi possível adotarmos um inédito sistema de gestão da pandemia e que virou referência para outros estados e municípios e, quero crer, ajudou o Estado do Rio Grande do Sul a salvar vidas”, relembrou.

Retorno
Depois de alguns anos, o convite da Escola de Oxford marca o retorno de Leany Lemos à mais antiga universidade pública da Inglaterra, entre as mais reconhecidas no mundo e onde concluiu o pós-doutorado no programa Oxford-Princeton Global Leaders em 2011, na área de Ciência Política. “Tenho uma gratidão gigantesca ao ex-governador Eduardo Leite, pelo convite e pela confiança, e ao governador Ranolfo, por ter me mantido na posição – e, a ambos, a gratidão por sua gentileza, cavalheirismo, respeito, perguntas desafiantes e todo o reconhecimento que vivi em cada momento. Cresci como profissional e como ser humano”, relata.

Ela também é Mestre em Ciência Política (1998) e doutora em Estudos Comparativos das Américas (2005) pela Universidade de Brasília (UnB). Nascida em Brasília, foi pesquisadora colaboradora plena do Instituto de Política/UnB de 2008 a 2013. É servidora de carreira do Senado desde 1993 e professora do mestrado em Gestão Pública no Instituto de Direito Público (IDP) desde 2017. É mãe de três filhos.

Fotos: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

  

Após a live foi aberto edital para inscrição de startups que queiram participar do programa

O BRDE Labs, programa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) para acelerar o desenvolvimento do ambiente de inovação na Região Sul, começou sua terceira edição a partir segunda-feira (dia 13), com o tema ESG – Environmental, social, and corporate governance (traduzido como ambiental, social e governança).

A abertura do BRDE Labs, que tem várias etapas até dezembro, foi transmitida pela live no canal do Youtube do BRDE, com masterclass sobre  Tendências e Inovação – Tudo sobre o consumo de marcas transparentes e responsáveis, com o fundador da CoolHow e professor da Hotmilk Academy e da PUC Minas e Uni-BH, Tiago Belotte. Logo após a live, foras abertas as inscrições para as startups que aceitem os desafios propostos pelas nove empresas âncoras, já selecionadas por meio do site https://www.brdelabs.com.br/pr/. Pela primeira vez, o BRDE também vai ser uma instituição âncora e abre suas inscrições, respeitando os trâmites legais, a partir do dia 15, na quarta-feira pelo mesmo link.

O presidente do BRDE Wilson Bley Lipski  disse que o BRDE Labs faz um movimento baseado em que “a necessidade das ideias se conectam com as startups, motivando a sociedade,  trazendo novos conceitos e adotando inovação em nossas práticas diárias”. Sobre a participação do BRDE agora também como âncora, Bley ressalta todo o aparato para tornar o processo transparente. “Como ente de direito público, o BRDE obedece a lei de licitação, e dessa forma abre o edital BRDE Labs para as startups e a normatiza a possibilidade da contratação na fase final, quando selecionada. Esse é um modelo de inovação que queremos repassar a todos os órgãos públicos”, concluiu.

Parceiros – A aceleradora Hotmilk da PUCPR é parceira do BRDE nesse programa de inovação. Nas edições de 2020 e 2021, 515 startups de todo o Brasil se inscreveram para participar do programa, que teve como temas Agronegócio e Indústria. E esse ano, ESG, com desafios que trabalham objetivos sociais e ambientais, além de maximizar lucros de uma corporação. O reitor da PUC-PR, Irmão Rogério Mateucci, falou sobre a importância de renovar a parceria com o BRDE e “ter um programa com instituições que articulam equipes capacitadas, para aplicar processos de inovação voltados à sociedade, promover crescimento para geração de soluções, criar plataforma e processos construídos para soluções rápidas e co-criar projetos inovadores, com players de inovação”. 

O superintendente de Inovação do Governo do Estado do Paraná, André Telles falou sobre o conceito de inovação. “A partir do momento que você cria um novo produto, processo ou serviço ou melhora algo que já existe, agregando valor para determinado público, isso é inovação”.  E a CEO da Amcham, Deborah Stern Vieitas, lembrou que a entidade tem quatro mil empresas associadas, nos estados do Sul e banco de dados de inovação com mais de três mil startups. “No Paraná, o BRDE é nosso parceiro estratégico, desenvolvendo ações juntos em prol da competitividade da região”, concluiu.

As nove empresas paranaenses selecionadas esse ano são: Bree, Brose, Frísia, Frivatti, Intecso, Marel S/A, Santa Maria, Tuicial e Agrária. Cada uma delas tem sua lista de desafios.

 

Masterclass – Tiago Belotte trouxe uma série de reflexões sobre o cenários de inovação e suas possibilidades. “É importante ter sempre o olhar no presente, aberto, pois os sinais do futuro sempre estão aparecendo”, enfatizou. Ele disse que o tema ESG serve como “uma lente para enxergar as mudanças urgentes das  empresas, da sociedade e do planeta”.

Belotte ainda discutiu uma pesquisa de 2021 sobre valores e propósitos como pilares das decisões de consumo desse século, além de novas direções que profissionais buscam para sua carreira, como melhores salários, aprendizado novo e melhora da qualidade de vida. A masterclass pode ser vista na íntegra pelo canal oficial do Youtube do BRDE https://www.youtube.com/watch?v=MgIvlRSeFbE.

Programa de aceleração é promovido pelo BRDE e o novo prazo vai até o dia 24/6

Startups interessadas ganharam mais duas semanas para se inscreverem do BRDE Labs 2022. O prazo para participar do programa de aceleração promovido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vai até 24 de junho. A ampliação no período de inscrições se deve pela seleção de novas empresas que irão atuar como âncoras, ampliando as oportunidades de conexão para as startups.

Para permitir que mais startups se inscrevam visando potencial relacionamento com as novas âncoras selecionadas, as inscrições estão prorrogadas até 24 de junho. Já na sua terceira edição, o projeto terá novamente a parceria do Feevale Techpark para sua execução no âmbito do Rio Grande do Sul.

O BRDE Labs 2022 teve seu lançamento durante a programação do Souht Summit Brasil, no início do mês de maio. Neste período, o banco também abriu período para seleção das empresas que atuarão como âncora no processo de aceleração, que vai ocorrer entre os meses de julho e novembro.

As startups do RS  interessadas em integrar a trilha que começa pela seleção inscritas, fase de imersão e o último estágio que é aceleração, podem realizar suas inscrições através do endereço eletrônico do Feevale Techpark (https://conteudo.feevale.br/brde-labs). Serão distribuídos até R$ 160 mil em prêmios aos vencedores.

 

Ação recebe recursos via incentivos fiscais pela Lei de Incentivo à Cultura

O Projeto Vida e Arte é um programa sociocultural de atividades com artes musicais, com o objetivo de incluir culturalmente crianças e adolescentes de Curitiba e propósito de criar bons conceitos de cidadania e convivência social. Fundado pelo Pastor Paulo Davi, o projeto oferece aulas de prática instrumental e teoria musical com o instrumento de orquestra escolhido pelo aluno. Esse trabalho tem o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, por meio da Lei de Incentivo à Cultura 8.313 de 23/12/1991. O recurso auxilia na manutenção de projeto, na compra de novos instrumentos e remuneração dos professores. O próximo edital para inscrição de projetos da lei de incentivos fiscais está previsto para ser aberto final de junho.

Desde 2010, o Projeto Vida e Arte tem dado aos seus alunos uma formação técnica completa na área musical, com aulas de instrumento individual, teoria musical, prática coletiva, além de formarem uma orquestra com alunos atuais e já graduados. Os participantes se reúnem três vezes por semana, para ter aula de uma matéria por dia e, como os alunos entram no programa sem saber muito de música, levam aproximadamente quatro anos para se formar. Mesmo dirigido especialmente para crianças e adolescentes de periferia, o projeto é aberto para toda a comunidade, sem restrição de idade.

O ciclo do projeto – “O projeto é contínuo, mesmo após a sua formação, o aluno permanece no projeto, podendo participar da orquestra e dos concertos musicais. Muitos deles se tornam monitores do próprio projeto, para ajudar os novos alunos”, contou o gestor administrativo do programa, Hélcio Pimentel. Segundo ele, um dos propósitos do Projeto Vida e Arte é tirar crianças e adolescentes de áreas mais vulneráveis, do contato com o tráfico de drogas e melhor aproveitamento da qualidade do tempo livre. “O projeto é para formar cidadãos, não só para ensinar as pessoas a tocarem um instrumento. Sabemos dos benefícios que a música traz, desestressa, aumenta aptidões pessoais, mas a ideia é oportunizar uma melhor qualidade de vida, ampliar horizontes. Temos notado isso através dos relatos de muitos pais, que os filhos têm melhorado no comportamento. Então a motivação não é só ensinar música, mas dar uma oportunidade para a transformação de vidas”, concluiu.

Cerca de três mil crianças e adolescentes já passaram pelo Projeto Vida e Arte, que hoje mantêm núcleos do projeto nos bairros Portão e Uberaba, e um novo em processo de abertura em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, além de planos para abrir mais uma unidade no Parolin. Os estudantes se formam no curso com o preparatório para um vestibular de Belas Artes, já prestado por alguns participantes do projeto após sua graduação, e hoje trabalham profissionalmente na indústria musical. As aulas são ministradas por professores formados, que atendem a uma metodologia voltada não apenas para o ensino da música, em si, mas também para o acolhimento do aluno, de forma a garantir seu desenvolvimento como pessoa, com a família e a sociedade.

“O BRDE é um dos grandes incentivadores do Projeto Vida e Arte. Os nossos professores dedicam praticamente o seu tempo integral no projeto, então para isso eles são remunerados. Além da questão do custo de manutenção de projeto, a compra de novos instrumentos, tudo isso tem uma despesa muito grande. O projeto sobrevive graças aos incentivadores, agradecemos muito, e doações diretas de pessoas físicas. Se não fossem esses apoiadores, entre eles o BRDE, o projeto não existiria hoje.”

O coordenador pedagógico e diretor musical do Projeto Vida e Arte, Douglas Soares, que também é maestro da orquestra do programa, diz que ficou tão impressionado com o impacto das aulas na vida das crianças, que abdicou de sua carreira profissional como produtor musical para trabalhar integralmente no Projeto. “A pessoa entra no projeto totalmente desmotivada pelo meio que vive, pela situação em que se encontra, e nós notamos claramente no rosto e no olhar de cada um a transformação e a motivação que se forma. Elas começam a se sentir capazes, começam a vislumbrar um futuro diferente daqueles que vivenciam onde estão inseridos. Elas são transformadas pela arte.”

A orquestra realiza dois concertos por ano, o próximo acontecerá no dia 21 de junho, às 20h na Primeira Igreja Batista de Curitiba (PIB). Os ingressos para o recital, com tema “Trem da Vida”, já estão disponíveis para compra pela plataforma Disk Ingressos. Para participar do Projeto, o interessado deve entrar em contato com a equipe através do telefone (41) 998851313, redes sociais @projetovidaearteoficial ou pelo endereço eletrônico https://projetovidaearte.org.br/.

Leis de Incentivo Fiscal

Em 2021, o BRDE destinou R$ 4,6 milhões, por meio das leis de incentivo fiscal, igualmente distribuídos entre Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. No Paraná, 37 projetos receberam apoio no valor de aproximadamente R$ 1,8 milhão. “Essa é uma política instituída no banco, que por meio de chamamento público, escolhe bons projetos sociais e culturais para serem apoiados por nossos incentivos. Dessa forma estamos devolvendo à sociedade um pouco daqueles resultados que o banco tem e fazendo com que haja promoção social para todos”, explica o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Para quem deseja cadastrar seu projeto para receber aporte por parte do BRDE, o cadastro inicia em junho e vai até outubro no endereço eletrônico: https://www.brde.com.br/incentivos-fiscais/

Encontro promovido pela Cresol Central Brasil ocorreu em Chapecó

Iniciativa da Cresol Central Brasil, o IX Fórum do Crédito Rural debateu, ao longo de dois dias, os resultados alcançados com os financiamentos através do Plano Safra 2021/2022 e as expectativas para a próxima etapa que iniciará em julho. Contando com o apoio do apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o evento encerrou nesta quarta-feira (8/06), reunindo em Chapecó (SC) parceiros, diretores e coordenadores de crédito das cooperativas singulares e agências.

A gerente de Operações Conveniadas do BRDE, Fernanda Costa Maia, foi uma das convidadas do IX Fórum. Segundo a gerente, até o momento foram mais de R$ 385 milhões em operações no convênio com a Cresol Central Brasil. Fernanda Maia ressaltou que as perspectivas são aumentar os volumes do convênio e apostar na produção agroecológica, financiamento para jovens e mulheres, entre outros.

Gerente regional Oeste do BRDE em  SC

Nas linhas de crédito com juro zero, a gerente do BRDE relatou que a Cresol foi a que mais financiou para novos associados, que era o objetivo dos governos estaduais e do banco. Também participaram do evento, realizado na Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), o gerente Operacional-Adjunto da Agência do BRDE em Florianópolis, André Diehl de Souza, e o gerente regional Oeste do banco, Paulo César Antoniollo.

A equipe do BRDE fez uma explanação sobre os resultados alcançados através dos programas SC Mais Renda e o Juro Zero RS, implementados respectivamente nos estados de Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.  Os dois programas têm os juros bancadas pelos governos estaduais e priorizaram o apoio a empresas de menor porte e Micro Empreendedores Individuais (MEIs).

Gerente Operacional-Adjunto do BRDE de SC

Já o presidente da Cresol Central Brasil, Elias de Souza, salientou que o Fórum do Crédito permite não apenas olhar para os números, mas para a parte social desenvolvida nos locais em que as cooperativas estão inseridas. Lembrou que na década de 1990, o volume de contratações em valores não era alto, mas contribuiu para o crescimento que se alcançou hoje. “Na época, muitas famílias que não estavam no mercado financeiro foram acolhidas por nós”, destacou.

Organizada pela Associação Rural do município, a Expofeira de Pelotas alcançará neste ano sua 96ª edição, buscando fortalecer as cadeias produtivas do agronegócio na Zona Sul do estado do Rio Grande do Sul.  O evento acontecerá na primeira semana do mês de outubro, com a expectativa de reunir perto de 70 mil pessoas no Parque Ildefonso Simões Lopes, es especial produtores e técnicos que atuam nos setores da pecuária e da produção orizícola.

Para apresentar os primeiros detalhes da programação da Expofeira de Pelotas que vem sendo preparada, o diretor de Planejamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Otomar Vivian, reuniu-se nesta quarta-feira (8/06) com o presidente da Associação Rural, Augusto Rassier, e o deputado estadual Luiz Henrique Viana. “É uma feira que é importante para fortalecer o setor do agro do município e de toda a região, o que se reflete no desenvolvimento econômico do nosso estado”, frisou Vivian.

Diretor do BRDE salientou o impacto da feira no desenvolvimento regional

No encontro, o diretor salientou que, além do programa voltado ao setor primário (Meu Agro é BRDE), o banco irá disponibilizar uma equipe durante o evento outros programas de financiamento voltados a projetos de geração de energias com fontes renováveis e de apoio aos municípios. Além da exposição de animais de raça, a 96ª Expofeira de Pelotas terá novamente um espaço importante para comercialização de máquinas e implementos agrícolas, assim como de produtos da agricultura familiar. Na sua última edição, em 2021 e ainda em formato híbrido, a feira registrou R$ 8,5 milhões em vendas de animais.

Com foco na sustentabilidade, cooperação entre as duas instituições vence na categoria Instituições Financeiras de Desenvolvimento

A parceria entre o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), destinada a financiar projetos alinhados à produção e ao consumo sustentáveis, conquistou o primeiro lugar entre os projetos concorrentes ao Prêmio SAIN-ABDE. Iniciativa da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE) e da Secretaria de Assuntos Econômicos Internacionais (SAIN) do Ministério da Economia, a premiação ocorreu nesta terça-feira (7/06), em Brasília. A cooperação entre as duas instituições saiu vitoriosa na categoria Instituições Financeiras de Desenvolvimento.

Com investimentos que já ultrapassam R$ 450 milhões, a cooperação técnica e financeira entre as duas instituições já contabiliza 78 projetos financiados na região Sul do país.  A partir de um volume de 120 milhões de euros, foram apoiados projetos alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas.

Presente ao evento de premiação, que ocorreu na sede do Ministério da Economia, o diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, destacou o quando o prêmio renova os compromissos das duas instituições em atuar a favor da sustentabilidade. “Este prêmio reflete o quanto BRDE e AFD estão alinhados com a agenda climática global, uma parceria que se fortalece diante dos grandes desafios do momento. Estamos construindo, juntos, projetos que já trazem impactos positivos para diferentes cidades da região Sul e que devem se ampliar para o futuro”, destacou o diretor. Ele enalteceu a equipe do banco que atua nas operações em parceria com a AFD e lembrou que a instituição é signatária das metas da Agenda 2030.

Prêmio reflete alinhamento do BRDE e AFD, destaca diretor

A diretora Regional da AFD no Brasil e Cone Sul, Laetitia Dufay, participou do evento via plataforma digital e enalteceu a iniciativa do prêmio SAIN-ABDE. “É uma verdadeira honra receber esse prêmio ao lado do nosso parceiro histórico, que é o BRDE. Foi sobretudo uma parceria que tem uma importância fundamental, faz parte da nossa primeira parceria com instituições brasileiras e nos permitiu conhecer melhor o sistema de fomento do país”, descreveu Laetitia Dufay.

A solenidade de premiação contou na mesa principal com as presenças do diretor executivo do Brasil no Banco Mundial, Erivaldo Gomes; da presidente da ABDE, Jeanette Lontra (também diretora-presidente do Badesul); pelo secretário-substituto de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Carlos Lampert; e pelo presidente da Fomento Paraná e diretor da ABDE, Heraldo Neves.

“Os projetos que visam à sustentabilidade geraram desenvolvimento, impacto social e ambiental para a população dos estados do Sul. Dessa parceria premiada, temos investimentos em projetos pioneiros e sustentáveis com a visão de preparar um caminho melhor para o futuro “, comentou o vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Marcelo Haendchen Dutra.

Nova parceria – A primeira cooperação foi formalizada em 2018, mas ainda em 2020,  BRDE e AFD estabeleceram uma nova parceria, agora no montante de 70 milhões de euros, que é parte de um esforço conjunto para estimular a retomada da economia sustentável nos três estados do Sul. Além disso, está em fase final a negociação para assinatura da terceira operação de crédito entre AFD e BRDE, com valor previsto de 100 milhões de euros, o que poderá ocorrer ainda antes do final do mês de julho.

“A premiação na categoria Instituições Financeiras em Desenvolvimento é sobretudo, o reconhecimento de uma parceria de cooperação comprometida com a economia voltada à sustentabilidade e ao propósito do BRDE em abrir novos diálogos com a sociedade ” – conclui o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

 

 

Anúncio ocorreu durante conclusão da primeira turma do programa de formação de jovens desenvolvedores

Com foco em oferecer a estudantes da rede pública a possibilidade de formação como desenvolvedores, o programa Dev The Devs terá uma nova etapa e agora com abrangência nos três estados da região Sul. A novidade foi divulgada nesta segunda-feira (6/06), durante o evento de entrega dos certificados aos jovens oriundos das escolas estaduais do Rio Grande do Sul que concluíram todas as etapas da primeira edição do curso. Iniciada em novembro do ano passado e com aulas mesmo no período de recesso escolar, a capacitação ofereceu novos conhecimentos sobre conceitos de computação, funcionamento da internet e impacto na programação de sistemas, assim como de ferramentas e linguagens de programação para desenvolvimento de sistemas para web.

Presente ao evento, o governador Ranolfo Vieira Júnior, salientou que o programa representa um avanço importante na formação dos jovens na área da inovação e tecnologia. A educação tradicional é indispensável, mas não podemos ficar somente nisso. Temos de avançar, e é exatamente o que estamos celebrando. Não adianta falar em inovação e tecnologia sem ações concretas. E nosso governo tem tomado diversas iniciativas nesse sentido. Recriamos a Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia (SICT) justamente para darmos especial atenção a esse tema, trouxemos eventos internacionais, como o South Summit Brazil, e estamos investindo R$ 112,3 milhões no Avançar na Inovação”, afirmou o governador.

Governador Ranolfo: ações concretas em favor da inovação

Após mencionar o quanto o primeiro curso permitirá “abrir novas portas aos estudantes a partir de um novo modelo de educação”, a diretora de Operações do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Leany Lemos, anunciou uma nova etapa do Dev The Devs para atender jovens no RS, Santa Catarina e Paraná. “Serão 2.100 estudantes, 700 em cada estado, e para isso contamos com o apoio do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). Precisamos muito de desenvolver talentos, o país precisa de cientistas”, destacou ela. Conforme a diretora, o CAF está repassado US$ 100 mil dólares para a nova etapa do programa.

Leany Lemos: nova etapa vai envolver três estados do Sul

Protagonismo

O Dev the Devs tem o apoio do BRDE e nesta primeira edição conrou com a parceria do Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc), da Rede Gaúcha de Ambientes Inovadores (Reginp) e da Associação de Empresas de Tecnologia (Assespro-RS). Ao todo, mais de 2.300 estudantes da rede pública (de 450  cidades gaúchas)  se candidataram às mil vagas disponibilizadas (50% para meninos, 50% para meninas). No evento realizado no Auditório Global Tecnopuc, 11 jovens das diferentes regiões do estado receberam o certificado por terem concluído todas as etapas.

Para o vice-reitor da PUCRS, irmão Manuir Mentges, a conclusão do curso aponta para um maior protagonismo da juventude. “O ensino de qualidade e o cuidado com as pessoas impacta não apenas aos jovens, mas faz um bem a toda a sociedade”, frisou o vice-reitor.

A secretária estadual de Educação, Raquel Teixeira, observou que as mudanças para tornar o ensino mais atrativo aos jovens precisa de parcerias como o Dev The Devs. “A evolução da informática, das tecnologias da informação e da comunicação no RS é algo visível e que cresce a passos largos. Se não oferecermos uma situação em sintonia com o espírito do tempo, essa educação vai se tornar obsoleta e irrelevante, mas as mudanças às vezes são lentas, e precisamos da parceria da sociedade. Esse é um exemplo de educação transformadora, que abre oportunidades para os gaúchos”, reforçou a secretária Raquel.

Também se manifestaram na entrega dos certificados o ex-governador Eduardo Leite a vice-presidente da Reginp, Daniela Eckert. Estiveram presentes, ainda, o superintendente de Inovação e Desenvolvimento da PUCRS e do Tecnopuc, Jorge Audy; o presidente da Assespro-RS, Julio Ferst, e a secretária-adjunta de Inovação, Ciência e Tecnologia, Simone Stülp.

 Fotos: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini