BRDE

Segundo dados consolidados do IBGE que foram divulgados na última semana, o Paraná teve participação fundamental para o bom desempenho da pecuária nacional no segundo trimestre de 2019. O estado liderou o ranking nacional em dois segmentos, houve a alta na produção de abates de frango e na produção de leite.
Uma parte deste crescimento é resultado do apoio das instituições financeiras ao setor. O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) tem 60% de sua carteira vocacionada para agricultores e pecuaristas no estado.
Nos últimos 5 anos foram assinados mais de 850 contratos com pequenos produtores de aves. Somando a liberação de crédito destes contratos com o valor destinado às cooperativas que atendem as indústrias do segmento, o investimento do BRDE no Paraná foi de R$ 765 milhões apenas para este setor. O otimismo das indústrias avícolas em ter confiança no aumento da exportação ajuda o cenário. Segundo o SINDIAVIPAR, aproximadamente 34% do total produzido no primeiro semestre de 2019 foi destinado ao mercado externo.
Na criação de bovinos para leite, o setor tem como desafio principal aumentar a produtividade e a renda dos produtores. Neste sentido, o BRDE facilita o acesso às políticas de crédito, como forma de estimular os investimentos e qualificar os processos de produção, de gestão e sucessão das unidades produtivas.
O BRDE autorizou crédito no montante de R$ 180 milhões para o setor lácteo paranaense. Desde 2015 o banco assinou mais de 650 contratos com pequenos produtores de leite do estado, além dos projetos aprovados para a indústria do setor através de parcerias com as cooperativas.
“O agronegócio no Paraná vem melhorando a cada dia e é importante fomentar o setor que é um dos mais importantes para a economia do estado. O BRDE tem parcerias com cooperativas de crédito e de produção, que podem apoiar os produtores com recursos de longo prazo e com a agilidade que a dinâmica do segmento exige”, disse o diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Banco de desenvolvimento apura o maior número de contratações registrado em um primeiro semestre de sua história

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE encerrou o primeiro semestre de 2019 com R$ 1,1 bilhão em operações de crédito contratadas. O montante representa um crescimento de 35,1% em comparação com igual período do ano anterior. Somados às contrapartidas dos próprios empreendedores, os financiamentos viabilizaram R$ 1,4 bilhão em investimentos na Região Sul e foram responsáveis pela manutenção e geração de mais de 20 mil postos de trabalho e o incremento de R$ 162 milhões/ano em impostos para os Estados da Região.
O lucro líquido apurado pelo BRDE no primeiro semestre de 2019 foi de R$ 109,6 milhões, o que representa um incremento de 66,7% em relação a igual período do ano anterior. Este é o melhor desempenho do primeiro semestre na história do banco.
O diretor-presidente da instituição, Marcelo Haendchen Dutra, explica que o desempenho foi favoravelmente impactado pela melhoria significativa da carteira. “O resultado reflete principalmente a redução da provisão para operações de crédito, um recuo de 44,4% no período, comparado ao mesmo período do ano passado”, explica.
Outro fator relevante para o resultado semestral recorde foi a redução do índice de inadimplência (a partir de 90 dias), passando de 2,84% no primeiro semestre de 2018 para 0,88% ao fim de junho de 2019. O percentual alcançado pelo BRDE é inferior ao apresentado pelo conjunto de bancos públicos (2,7%) e inferior ao de todo o Sistema Financeiro Nacional – SFN, com 2,93%.  “Hoje, a inadimplência do BRDE é a menor de todo o sistema financeiro, mais uma mostra de que nossa carteira de créditos tem um desempenho muito bom”, afirma Haendchen.
Neste período, o BRDE renegociou 91 contratos com empresas com baixo grau de liquidez no curto prazo, mas avaliadas como viáveis no médio e longo prazo. O montante contratado atingiu R$ 105,1 milhões, permitindo a continuidade operacional e a manutenção dos empregos.
FUNDINGS E RECURSOS EXTERNOS
O sistema BNDES segue como a principal fonte de recursos, com 72,4% das operações contratadas no período. Entre todos os agentes financeiros repassadores de recursos do BNDES, o BRDE liderou o ranking na região, e ficou em 6º lugar nacionalmente.
Os recursos próprios ocupam a segunda posição, com 9,9%, FGTS com 4,4%, Fungetur com 3,5%, AFD com 2,7%. Os financiamentos à inovação com recursos da Finep, equivalem a 5,8% do total contratado. De janeiro a junho deste ano, o BRDE manteve a liderança nacional entre os repasses da linha Finep Inovacred.
Em maio de 2019, a Comissão de Financiamentos Externos do Ministério da Economia aprovou a carta consulta do BRDE para operação de US$ 125 milhões com o Banco Mundial. Os recursos serão usados para financiar projetos voltados à redução do impacto negativo de eventos climáticos extremos e das consequências da mudança no clima e para a construção de uma maior resiliência dos municípios da região a desastres naturais.
O BRDE também está em negociação com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) uma linha de crédito no montante de até US$ 70 milhões de dólares para financiar programas estratégicos na Região Sul.  O BRDE também está em fase de estruturação de um segundo programa com recursos externos, no valor de US$ 100 milhões com o BID.
DESTAQUES OPERACIONAIS
No fim de junho, a carteira de crédito do Banco somava R$ 13,4 bilhões, distribuídos em 45.535 operações ativas e mais de 34,5 mil clientes. Estes clientes estavam localizados em 89,9% dos municípios do Sul.
O ativo total alcançou R$ 16,8 bilhões. Do saldo de financiamentos, 32% estava concentrado no setor agropecuário, 25% na Indústria, 22,3% no segmento de Comércio e Serviços e 20,7% na Infraestrutura.
No primeiro semestre deste ano, foram registradas 1.086 novas operações de crédito. O BRDE é tradicional financiador do agronegócio da Região Sul. Entre os programas agrícolas do governo federal, liderou os repasses das linhas do BNDES Prodecoop (para desenvolvimento de cooperativas) e PCA (para projetos de armazenagem), mesmo atuando apenas na região Sul.
Do montante de R$ 1,1 bilhão contratados no primeiro semestre, R$ 123,7 milhões referem-se à concessão de crédito ao setor agropecuário.
O diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, destaca ainda a capilaridade do BRDE, que tem conseguido levar os recursos para o pequeno produtor rural. Dos 471 novos contratos do setor, 395 correspondem a financiamentos concedidos a pequenos produtores.
De janeiro a junho deste ano, o segmento da Indústria foi responsável por R$ 352 milhões em contratações em 95 operações, enquanto empresas da área de comércio e serviços realizaram outras 175 operações de crédito, num montante de R$ 386,2 milhões. O setor de infraestrutura foi responsável por R$ 219,9 milhões em contratações, em 345 operações.
“Também vale a pena destacar o desempenho do Banco por meio do programa BRDE Municípios. Desde que foi criado até junho deste ano, o BRDE já financiou R$ 485,6 milhões para as prefeituras da região Sul,” destaca Lipski.
PARANÁ
No Paraná, o BRDE contratou 35,7% deste montante que correspondem a R$ 386,2 milhões em operações. Comércio e serviços é o segmento de destaque no Estado com 61% do total de recursos, correspondentes a R$ 236 milhões. Mostrando sinergia com o Governo e com o objetivo estratégico de fomentar o Estado, 58,6% dos financiamentos paranaenses foram para produtores rurais e micro, pequenas e médias empresas, valor que chega a R$ 226,3 milhões.
Esse resultado foi anunciado pelos diretores Wilson Bley Lipski (de Operações) e Luiz Carlos Borges da Silveira (Administrativo Financeiro) na sexta-feira (30) em reunião com os colaboradores do Paraná.
“O desempenho é um reflexo das diretrizes dadas pelo governador Ratinho Junior e também do comprometimento de toda a equipe do BRDE, que tem trabalhado para oferecer soluções de crédito adequadas para todos os empreendedores que acreditam no potencial de desenvolvimento do Paraná”, explica o diretor de Operações, Wilson Bley Lipski.
RIO GRANDE DO SUL
No Rio Grande do Sul, houve aumento de 27,8% nas contratações do primeiro semestre de 2019 em comparação ao mesmo período do ano anterior.
Levando-se em conta que o BRDE é um banco de desenvolvimento, trata-se de um resultado importante, que evidencia o esforço da instituição para ampliar as operações de crédito em um cenário de recuperação econômica.
“O BRDE tem fortalecido sua estratégia de diversificação de fundings, o que tem permitido ao Banco não só uma maior independência do BNDES, mas também a oportunidade de ofertar a seus clientes opções de crédito mais diversificadas”, segundo explica o vice-presidente Luiz Corrêa Noronha.
SANTA CATARINA
Em Santa Catarina, o BRDE contratou R$ 356,8 milhões em operações, 25% a mais que o mesmo período do ano anterior. Foram R$ 144 milhões na Indústria, R$ 106,8 milhões em Infraestrutura, R$ 65,6 milhões em Comércio e Serviços e R$ 38,3 milhões no segmento Agropecuário. Somados às contrapartidas dos próprios empreendedores, os financiamentos totalizaram R$ 406 milhões de investimentos em Santa Catarina, valor que auxiliou na manutenção ou geração de mais de 5,7 mil empregos nas mais diversas regiões do estado.
Os números foram comemorados pelo Diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Neuto Fausto de Conto, que atribuiu o bom desempenho ao trabalho de equipe. “Estes números são fruto do alinhamento dos nossos profissionais, do trabalho focado e que segue com consistência as diretrizes apresentadas pela diretoria”.
Acesse o Balanço do BRDE completo neste link.
Saiba mais sobre as linhas de financiamento do BRDE. Consulte a página do Banco na internet: www.brde.com.br.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Agência Nacional do Cinema ­ ANCINE divulgaram nesta sexta feira, 30 de agosto de 2019, o resultado final da Chamada Pública BRDE/FSA Suporte Automático – Desempenho Comercial TV & VOD 2018. A publicação no Diário Oficial da União dar-se-á no primeiro dia útil subsequente, 02 de setembro de 2019.
Os recursos ficarão disponíveis por até dois anos, contados da publicação do resultado final no Diário Oficial da União, para investimento em novos projetos de PRODUÇÃO/COMERCIALIZAÇÃO/DESENVOLVIMENTO, aptos a constituir espaço qualificado, selecionados pelos Beneficiários Indiretos.
As destinações poderão ser realizadas a partir da publicação do resultado no Diário Oficial da União, 02 de setembro de 2019, e deverão seguir as regras dispostas no Regulamento da Proposição de Investimento no Suporte Automático – https://fsa.ancine.gov.br/sites/default/files/regulamento-geral-do-prodav/Regulamento%20de%20Pontua%C3%A7%C3%A3o%20%E2%80%93%20vers%C3%A3o%20aprovada%20em%2022072019.pdf
Acesse aqui a página desta Chamada.

Com a presença do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Ruy Irigaray, o BRDE celebrou contratos de financiamento, no valor total de R$ 119 milhões, com três importantes cooperativas gaúchas: a Cooperativa Central Gaúcha Ltda. – CCGL, a Cooperativa Dália Alimentos Ltda. e a Cooperativa Agroindustrial Nova Aliança Ltda. O evento ocorreu na quarta-feira (28), na Casa do BRDE no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio/RS, durante a 42ª edição da Expointer.
O presidente do BRDE, Marcelo Dutra, o vice-presidente, Luiz Corrêa Noronha e o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Neuto Fausto de Conto participaram do ato de assinatura, que foi prestigiado por clientes, parceiros institucionais e veículos de comunicação.
A CCGL, representada por seu vice-presidente, Darci P. Hartmann, investirá R$ 59,7 milhões  na implantação de uma planta de produção de Leite Condensado Açucarado e na expansão da capacidade industrial da Unidade de Lácteos. Esse empreendimento vai gerar 35 novos empregos diretos. A cooperativa hoje abrange mais de 171 mil famílias.
Na Dália, representada por seu presidente, Gilberto Antonio Piccinini, os R$ 54 milhões financiados destinam-se à integralização de cotas-partes dos associados na cooperativa, aporte no Programa Frango de Corte, (composto por Incubatório, Matrizeiro, nove condomínios associativos de produtores associados, fábrica de rações, frigorífico e fábrica de farinhas de carne) e aquisição de túnel de congelamento IQF, destinado à unidade frigorífica de aves. A cooperativa atua em 132 municípios do Rio Grande do Sul, onde residem 3.154 famílias associadas e 2.160 funcionários.
Pela Nova Aliança, o presidente Alceu Dalle Molle assinou operação, no valor de R$ 5,2 milhões, para modernização da infraestrutura das unidades industriais de Santana do Livramento e Linha Jacinto, no município de Farroupilha, incluindo a implantação de dois sistemas geradores fotovoltaicos, com capacidade total de 501,12 kWp. O investimento contempla também o aumento de 10,47 ha na área plantada de vinhedos em Santana do Livramento. A cooperativa possui mais de 700 famílias associadas.
Foto: Felipe Dalla Valle/Piratini

BRDE e ANCINE tornam pública a convocação de três projetos suplentes da Chamada Pública BRDE/FSA Prodav 03/2017.
Consulte aqui a página desta Chamada.

Nos últimos 12 meses, o BRDE financiou R$ 74 milhões para projetos turísticos no Paraná. A instituição investiu em empreendimentos na maioria das regiões do estado, reforçando ainda mais sua política de descentralização.
O BRDE apoia projetos voltados ao turismo por meio do programa de desenvolvimento BRDE Protur, que financia investimentos em novos equipamentos de pousadas, hotéis, centro de convenções, parques temáticos e aquáticos, entre outras atrações. Também é possível obter crédito para ampliar ou reformar equipamentos já existentes e até fazer melhorias, como a instalação de painéis fotovoltaicos para geração de energia solar.
O banco é o principal agente financeiro do Fundo Geral do Turismo (Fungetur). Mesmo atuando somente em três estados, o BRDE é responsável por 48% do total de operações do Fundo. O excelente desempenho, aliás, fez com que o Ministério do Turismo ampliasse o limite disponibilizado ao BRDE para novas contratações.
“Os investimentos no turismo vão de acordo com a intenção do governador Carlos Massa Ratinho Júnior, que pretende reforçar a importância do setor turístico para a economia do Paraná”, disse o diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski. “O nosso objetivo é que pessoas do mundo todo possam conhecer as centenas de atrativos turísticos que o Paraná tem à disposição”, completou.
Serviço
O BRDE ainda tem recursos à disposição para financiar novos projetos. Interessados podem entrar em contanto por meio do telefone (41) 3219-8150 ou pelo e-mail brde@brde.com.br

Por meio do Programa BRDE Municípios, mais 15 prefeituras do Rio Grande do Sul poderão contar com crédito para investimentos em infraestrutura urbana e rural, no valor total de R$ 48,5 milhões: Arvorezinha; Capitão; Chapada; Condor; Coronel Bicaco; Dom Feliciano; Minas do Leão; Mostardas; Nova Ramada; Santa Vitória do Palmar; Santa Cruz do Sul; São Jerônimo; São Leopoldo; São Nicolau e Tucunduva. A maior parte dos recursos destina-se a obras de pavimentação, aquisição de máquinas e equipamentos.
O ato de assinatura ocorreu na manhã desta quinta-feira (1º/08), no Palácio Piratini, em Porto Alegre, com a presença do governador Eduardo Leite, do secretário estadual do Desenvolvimento Econômico e Turismo do Estado, Ruy Irigaray, do vice-presidente do BRDE, diretor de Planejamento e Financeiro, Luiz Corrêa Noronha, prefeitos, vice-prefeitos, secretários municipais, representantes de entidades de classe, parlamentares, equipe do BRDE e imprensa.
Em seu pronunciamento, o vice-presidente do BRDE destacou que os municípios necessitam de instrumentos perenes de financiamento para suas demandas prioritárias, bem como de assistência técnica continuada. Noronha anunciou que, a partir de 2020, o BRDE pretende disponibilizar em torno de R$ 150 milhões ao ano para as prefeituras dos três estados do Sul. “Para poderem se planejar, os municípios precisam contar com um instrumento financeiro contínuo para seus investimentos”, afirmou.
Falando em nome dos 15 prefeitos beneficiados, Valmir Land, prefeito de Condor, referiu-se à histórica dificuldade de infraestrutura e de logística enfrentada nos municípios e saudou o ingresso de mais recursos. Localizado no Noroeste gaúcho, Condor tem cerca de 7 mil habitantes e, com os recursos do BRDE somados à parceria com a iniciativa privada, deverá se tornar, em breve, o maior centro do país em beneficiamento de sementes.
O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Ruy Irigaray, enfatizou o necessário alinhamento dos municípios com o Estado e o governo federal para que o país vença a crise e volte a crescer. “Isso só será possível se trabalharmos juntos”, disse.
O governador agradeceu aos prefeitos e lembrou que, para serem beneficiárias do BRDE Municípios, as prefeituras precisam ter capacidade de endividamento atestada pela Secretaria do Tesouro Nacional, o que lhes permite continuar investindo, mesmo em tempos de crise. “Vocês, representantes dos 15 municípios hoje beneficiados, merecem todos os aplausos porque conseguiram viabilizar a saúde fiscal das suas cidades, o que hoje não é fácil de se conseguir, e por percorrerem o longo caminho para conquistar o financiamento do BRDE”.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) planeja viabilizar investimentos na ordem de R$ 1 bilhão no Paraná em 2019. O intuito é fomentar ainda mais as cooperativas, o agronegócio e o ecossistema de inovação do Estado, além de atuar como órgão auxiliar das demais secretarias para concretizar políticas públicas voltadas ao desenvolvimento das cidades e das cadeias produtivas. Essa projeção foi apresentada pelo diretor de operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, ao governador Carlos Massa Ratinho Junior durante reunião de secretariado nesta terça-feira (30).
O Banco, disse ele, segue a determinação do governador Ratinho Junior de estar mais próximo da população, com equipes no Interior do Estado, para que as políticas de crédito sejam difundidas de ponta a ponta. “Foi uma encomenda do governador tornar o BRDE mais conhecido e que pudéssemos interiorizar a instituição para conhecer as realidades de todo o Estado, e a partir disso customizar linhas de crédito para gerar mais emprego, renda e tributos”, afirmou.
A instituição financeira conta uma carteira com 35,3 mil clientes ativos e um histórico de R$ 13,4 bilhões em contratações nos últimos cinco anos, com cobertura em 90% dos municípios da região Sul. Neste ano já foram contratados R$ 1,081 bilhão em crédito nos três estados – sendo que o Paraná representa 36% dessas captações. O Banco tem 47 linhas de crédito e é parte integrante do sistema paranaense de fomento, que conta com a Fomento Paraná e a Agência Paraná de Desenvolvimento.
RETOMADA DA ECONOMIA – O diretor de operações do BRDE afirmou que a instituição tem importância vital para a retomada da economia paranaense, com oferta de crédito personalizado para os empresários. Segundo ele, essa possibilidade de incremento de renda ainda possibilita transformar aspectos sociais locais com mais velocidade. “Não vendemos linhas de crédito, mas soluções de crédito, com apoio técnico para que os projetos efetivamente tenham sucesso no Estado”, afirmou Lipski.
INOVAÇÃO E AGRO – O diretor de operações também destacou que o banco é o maior repassador de linhas de crédito de inovação no Brasil, além de ter sido responsável por 59% dos repasses do Fundo Clima (vinculado ao BNDES) em 2018. Também é um agente credenciado pelo Ministério do Turismo para operar o Fundo Geral de Turismo, beneficiando a infraestrutura desse setor no Paraná.
“Nesses seis meses tivemos participação nas Parcerias Público-Privadas, na desestatização, no processo de inovação, turismo, e reafirmamos nossa vocação maior que é a agricultura. Esse apoio que damos ao setor agropecuário faz toda a diferença porque 60% da nossa carteira é vocacionada às cooperativas e agricultores. Queremos fortalecer esses setores, fundamentais para o Estado”, completou.
Lipski ainda disse que a instituição trabalha paulatinamente para diminuir a dependência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com possibilidade de captar recursos de outras instituições. Essa mudança de postura trouxe perto de 130 milhões de euros para dentro do banco nos últimos meses, e capacidade de oferta de crédito mais barato ao empresariado.
INTEGRAÇÃO – O intuito do BRDE para os próximos anos é abrir ainda mais a participação na economia paranaense com parcerias e programas de irrigação para o agronegócio, iluminação pública e oferta de recursos para a Defesa Civil e a Secretaria de Desenvolvimento Urbano levarem soluções para as áreas mais impactadas por intempéries. Além disso, contribuirá com a formatação de programas estaduais de emprego, com possibilidade de oferta de juros personalizada para empresas que tenham compromisso com abertura de vagas.
“O BRDE é uma instituição do Estado. Motivamos as secretarias a nos procurarem para discutir políticas públicas e dentro das nossas competências dar o apoio necessário. Temos alguns recursos de incentivos fiscais que as vezes não têm entrega com o alinhamento estratégico do Estado. Nós podemos dar esse apoio, reforçando essas atividades e nossa participação na sociedade”, completou Lipski.
A instituição ainda prepara o lançamento de um aplicativo em parceria com a Celepar para facilitar o acesso a simulações de crédito.
PRESENÇAS – Participaram da reunião os deputados estaduais Hussein Bakri (líder do Governo) e Emerson Bacil, além de secretários, diretores e presidentes das empresas públicas.

Nesta sexta-feira (26), o BRDE realizou rodadas de negócios nas cidades de Francisco Beltrão e Pato Branco, que ficam no Sudoeste do Paraná. O evento aconteceu em parceria com a Fomento Paraná e a Agência Paraná de Desenvolvimento (APD).
O diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski, apresentou as linhas de financiamento que o banco opera. Empresários de todos os portes, prefeitos, vereadores e secretários municipais participaram do encontro.
O diretor Administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira, também esteve presente e, junto com Wilson Bley, recebeu o livro “Amsop 50 Anos”. A obra conta a história da Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná e como a instituição tem trabalhado para fortalecer a região.
Ao lado de técnicos do banco, os diretores também puderam visitar potenciais clientes e conhecer projetos que podem ser financiados. As rodadas de negócios estão previstas para acontecer em todo o Paraná. Além de Francisco Beltrão e Pato Branco, as regiões do Médio Paranapanema, Vale do Ivaí e Campo Mourão já sediaram o evento.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) é o maior repassador de recursos do BNDES na Região Sul do país. Durante o primeiro semestre de 2019, o banco financiou R$ 739 milhões com fundos da instituição nacional.
O valor corresponde a 5,4% de todas as operações indiretas do BNDES – quando a solicitação de financiamento é intermediada por um agente financeiro. O número é expressivo, já que mesmo atuando somente em três estados, o BRDE está na 6ª colocação no comparativo nacional.
“O BRDE está focando cada vez mais no centro da missão para a qual o Banco foi criado, que é financiar, com recursos de longo prazo, projetos produtivos. Além da primeira colocação na Região Sul, o número de projetos financiados nestes seis primeiros meses também demonstra nossa vocação para a maior diversidade possível de projetos que podemos alcançar: foram 1.206 projetos apoiados. E queremos financiar mais, também com outros recursos, além do BNDES”, disse o diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley Lipski.
Uma das metas estratégicas do BRDE é diversificar as fontes de recursos disponíveis. Em 2017, 94% dos financiamentos do banco eram feitos com fundos do BNDES. Em 2018, este número caiu para 72%.
As contratações com recursos do FGTS e Finep foram ampliadas e, pela primeira vez na história, a instituição tem recursos de fontes internacionais à disposição. Foram captados €50 milhões da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e €80 milhões do Banco Europeu de Investimento (BEI).
“Eu destaco a relevante participação do BRDE no financiamento ao turismo, no financiamento à inovação e no financiamento ao agronegócio e às pequenas empresas”, disse Wilson Bley.
No Fundo Geral de Turismo (Fungetur), o Banco é responsável por cerca de 50% das operações. Além disso, o BRDE opera o Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), destinado ao fortalecimento do setor do café na Região Sul.