BRDE

Financiada pela linha Finep/Inovacred, o projeto de pesquisa e desenvolvimento de bioinceticidas, biofungicidas e bionematicidas já avançou para estágio de produção

A partir de projeto financiado pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), a indústria de fertilizantes Innova, de Foz do Iguaçu, passou a produzir em 2021 produtos para controle biológico de pragas no campo. O financiamento foi obtido a partir da linha Finep/Inovacred, dentro do programa BRDE INOVA, voltada para processos de inovação em empresas de micro, pequeno e médio porte com receita operacional bruta anual de até R$ 90 milhões.

O Programa BRDE INOVA financiou R$ 94,1 milhões nos últimos três anos no Paraná, onde R$ 73 milhões com recursos da FINEP/Inovacred. Como se tratam de investimentos de longo prazo, os resultados impactarão a economia em média a partir de dois anos de implantação. “Cada projeto financiado no programa BRDE INOVA é motivo de celebração, pois significa valor agregado em muitas cadeias de produção. E nossa equipe está sempre atenta às oportunidades para ajudar empresas buscarem recursos como o da FINEP, colaborando na adequação dos projetos. O BRDE é o maior agente operador da FINEP no Brasil”, explicou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

O diretor-presidente da Innova, Adriano Azeredo, explicou como investimentos como esse impulsionam a agrotecnologia no Paraná. “Quando iniciamos nossas atividades em 2012, parecia um sonho muito distante ter uma indústria de agrotecnologia em Foz do Iguaçu, pois é uma cidade mais voltada ao Turismo. A mão-de-obra especializada no nosso setor é muito rara”, explicou o empresário. “Mas, após 10 anos de projeto, conseguimos obter muito êxito. Possuímos mais de 200 funcionários e estamos entre as 10 maiores empresas do nosso setor no Brasil”, comemorou.

O projeto de pesquisa e desenvolvimento prevê produção comercial de bioinseticidas para controle de pragas, biofungicida para controle de fitopatógenos e bionematicida que controla doenças provocadas por nematoides. Também houve investimento em estruturas físicas e equipamentos, assim como, a construção de um laboratório.

A Innova Ltda iniciou suas atividades no ano de 2014. A empresa fabrica e comercializa fertilizantes compostos por macro e micronutrientes e possui uma linha completa de produtos para atender as necessidades nutricionais dos mais diversos cultivos. Com unidade produtiva em Foz do Iguaçu (PR), e centros de distribuição em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, a Innova possui uma das mais modernas plantas industriais do Brasil no ramo de fertilizantes foliares e foi projetada para ser modelo de inovação no uso de tecnologias de produção e no conceito de indústria sustentável.

A empresa aguarda aprovação de outras duas propostas de financiamento no BRDE. Uma para capital de giro que seja destinada à indústria de embalagens, e outra voltada a construção de nova indústria de fertilizantes, a ser instalada no Biopark de Toledo (PR).

Para mais informações sobre a linha de financiamento em projetos de inovação no site https://www.brde.com.br/servicos/inovacao/

A possibilidade do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) atuar como parceiro em uma iniciativa que pretende oferecer às micro e pequenas empresas acesso ao crédito, mas também com consultoria para qualificar a gestão. Com esse objetivo que os diretores do banco Leany Lemos (Operações) e Otomar Vivian (Planejamento) receberam em audiência, nesta quinta-feira (24/2), o secretário estadual de Trabalho, Emprego e Renda do Rio Grande do Sul, Ronaldo Nogueira.

Na oportunidade, o secretário destacou que a proposta tem potencial para auxiliar cerca de 100 mil microempreeendedores gaúchos, através de uma linha de financiamento com recursos do FGTS. Em paralelo, mencionou Nogueira, existe o interesse em criar um fundo de aval que contaria com suporte do governo do Estado, o que permitiria ampliar para até R$ 360 milhões a disponibilidade de crédito.

Além de qualificação dos micro e pequenos para melhorar os processos de gestão, a consultoria iria orientar também sobre os modelos de negócios. Ex-ministro do Trabalho (entre 2016 e 2017), Nogueira esteve acompanhado na reunião do diretor de Inovação e Projetos Estratégicos da Secretaria, Jorge Imperatore.

Com apoio do BRDE, programa busca estimular startups lideradas por mulheres

Com o objetivo de apoiar o desenvolvimento de startups lideradas por mulheres, o programa Women on the Road já conhece as três empresas vencedoras. Ao se destacarem na etapa de imersão com workshops exclusivos e mentorias de outras empreendedoras, as startups Zoefertil (Rio Grande do Sul), Tech Pain (Santa Catarina) e Happy Track (Paraná) terão como prêmio a oportunidade de validar os seus modelos de negócio como integrantes do ecossistema de inovação do Parque Científico e Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc). As atividades de validação seguem até o mês de novembro deste ano.

Com o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o programa recebeu inscrições de 50 startups fundadas ou cofundadas por mulheres de diferentes regiões do país. Todas as etapas do programa, lançado em MÊS do ano passado, foram desenvolvidas pelo Tecnopuc e Liga Ventures. O Women on the Road surgiu diante da necessidade em auxiliar a grande maioria das startups que são criadas por mulheres e que, por encontrarem dificuldades no processo de validação do modelo de negócio, não conseguem ultrapassar o estágio inicial.

Na avaliação da diretora de Operações do BRDE, Leany Lemos, a programa reafirmou os compromissos do banco em fomentar o empreendedorismo das mulheres também no segmento da inovação. “Se queremos uma sociedade com igualdade em termos de oportunidades e maior geração de renda, é preciso que nossas iniciativas estejam alinhadas com os critérios ESG e a Agenda 2030”, destacou. Ela destacou que o banco vem atuou em outros programas com a finalidade de ampliar a oferta de crédito para empresas lideradas por mulheres e, ao mesmo tempo, apoiar projetos inovadores.

Para a community manager do Parque, Daniela Carrion, a ideia de organizar um programa voltado ao desenvolvimento de empreendedoras foi empolgante. “Nossa intenção era construir um programa de mulheres para mulheres e fizemos isso num único final de semana. Contatamos muitas mentoras para ministrarem os workshops do programa, e a resposta era sempre positiva e cheia de entusiasmo”, recordou ela.

A partir desse olhar mais calibrado para as mulheres empreendedoras do nosso ecossistema, acrescentou Daniela Carrion, foi possível perceber que existem muitos exemplos de trajetórias de sucesso na região Sul, apesar do baixo percentual observado em reports nacionais e globais. “Queremos dar cada vez mais visibilidade aos projetos delas, e inspirar outras meninas e mulheres para o empreendedorismo inovador de base tecnológica”, destacou ela.

Ao lado das três vencedoras, as demais cinco startups que participaram da etapa de imersão igualmente poderão integrar a fase para validação dos seus modelos de negócio no ecossistema do Tecnopuc, com descontos de 75% dos custos.

Programa criado pelo BRDE define tema de 2022: ESG – Environmental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança)

A Ibema, que produz papelcartão, foi uma das empresas paranaenses selecionadas no projeto BRDE Labs para diagnosticar possíveis melhorias de produção e buscar soluções por meio de inovação aberta, com apoio de startups paranaenses. O processo integra um projeto de Transformação Digital da empresa, que tem fábricas de papelcartão em Turvo (PR) e Embu das Artes (SP), além de escritório e centro de distribuição na região de Curitiba (PR).

O BRDE Labs é um programa do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), criado para acelerar o desenvolvimento do ambiente de inovação na Região Sul. Seu objetivo é fomentar projetos em nível estadual, ligados às necessidades dos ecossistemas locais e alinhados ao Governo Estadual. “Nós temos a característica própria em desenvolver a conectividade da ideia e sua utilização, partindo dos contatos com os clientes e entender suas necessidades; a partir dessa fase, fazemos a aceleração e no final, com a certeza que o ecossistema além de valorizado terá novas empresas, essa com a valorização de sua produção de novas ideias e conceitos”, analisou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Em 2021, no Paraná, o BRDE Labs teve 177 startups inscritas em parceria com o hub de startups Hotmilk, da PUC-PR; 18 delas passaram pela fase de pré-aceleração e nove, pela de aceleração. Em 2022, o tema trabalhado será ESG – Environmental, Social and Governance (Ambiental, Social e Governança, em português).

Case Ibema

“A inovação aberta envolve a redução de custos, sem a mentalidade do segredo industrial, e traz grande sinergia entre empresas consolidadas e iniciantes. Todos saem ganhando”, explica Débora Botini, gerente da Ibema, que intermediou a definição dos desafios a serem lançados dentro do escopo do programa.

Após sua adesão ao BRDE Labs, a Ibema seguiu três etapas: o lançamento dos desafios para inovação aberta de soluções, a transformação cultural interna, pela qual os colaboradores passaram por trilhas de conhecimento e, por fim, a definição das estratégias de inovação. “Queríamos que todos os envolvidos entendessem a fundo o desafio, para abordar a solução da melhor forma e engajar-se em sua implementação”, conta Danilo Torres, gerente de TI da Ibema.

Foi identificada a necessidade de criar uma central de serviços internos de TI em nuvem para a Ibema, e a startup AgiDesk foi selecionada para encontrar a solução. “Eles desenvolveram uma plataforma que recebe e centraliza as demandas da companhia, com relatórios estratégicos para tomada de decisão, além de indicadores-chave que nos permitem dar foco onde é necessário. No final do dia, temos um time mais organizado e produtivo e nosso cliente interno mais bem atendido.” A empresa foi contratada em dezembro para implementar a central.

Mais sobre o programa BRDE Labs no site https://www.brdelabs.com.br/

(Foto: Alexandre Carnieri / Divulgação Ibema)

Seleção é em regime de concurso público para longa-metragem de ficção, animação e documentário; inscrições abertas a partir de abril

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e Agência Nacional do Cinema (Ancine), publicam edital para coprodução internacional de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem de ficção, animação e documentário. As inscrições estarão abertas a partir do dia 18 de abril e encerram em 17 de junho.

O objetivo é investir no mercado do cinema em parceria internacional, para fomentar a participação do filme brasileiro no mercado internacional. A seleção será realizada em regime de concurso público. Os trabalhos são destinados a incentivar exibições nas salas de cinema do país e apresentadas pelas produtoras nacionais independentes.
O edital pode ser consultado na íntegra no link Chamada Pública BRDE/FSA Coprodução Internacional Cinema 2022.

Outros editais – BRDE e Ancine abriram outros editais para o Setor Audiovisual e produção cinematográfica esse ano, que podem ser acessados na área do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).
O BRDE realiza a operacionalização dos recursos do FSA aos projetos aprovados pela Ancine, por meio de um comitê que avalia tecnicamente as propostas, conforme critérios estabelecidos pela agência reguladora.

A associação esportiva T-REX futebol americano, há 14 anos, entende o esporte como um agente transformador na vida de crianças e adolescentes. Essas transformações impulsionam novas perspectivas e o vislumbre de um futuro promissor a esses jovens, que além de desenvolverem práticas esportivas constituem princípios fundamentais para a formação de seu caráter. Disciplina, trabalho em equipe e respeito mútuo, são alguns dos fundamentos que associação almeja proporcionar na vida pessoal de cada aluno.

Visando dar continuidade a esse trabalho, a instituição busca nas leis de incentivo fiscal o suporte necessário para a elaboração de seus projetos. Dentre estas iniciativas está “Trex futebol americano formação de base”, que conta com apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A finalidade da ação é promover a formação de categorias de base para o futebol americano e atuar na profissionalização de futuros atletas.

Com duração de 11 meses o programa é voltado ao público infanto-juvenil, de idades que variam entre 8 a 19 anos, subdivididos em categorias de acordo com cada faixa etária. Ao todo por ano o projeto recebe cerca de 170 alunos.

O Banco desde o início de sua parceria com o projeto, em 2019, repassou cerca de R$ 10.000,00 a organização. O que auxiliou na aquisição de itens como: materiais esportivos, uniformes para os benificiários do projeto, contratação de treinadores e equipe administrativa, além de serviços na divulgação e promoção.

“O apoio e confiança do BRDE em nosso projeto é fundamental para conseguirmos atingir nossos objetivos de transformar a sociedade através do esporte. Somos muito gratos e horados em ter uma organização de tamanha relevância como parceira do T-Rex.” Afirma o diretor geral da Associação, Igor Rick.

A instituição

Fundada em outubro de 2007 e sediada em Timbó -SC, a associação T-REX futebol americano é considerada hoje uma das maiores e mais qualificadas equipes de futebol americano na América Latina. Desde sua fundação adotou como ideologia não apenas fazer esporte, mas também formar caráter e disciplina.

O esporte por si só já é uma ferramenta transformadora. Entretanto, os valores enraizados e inabaláveis do T-Rex são motores propulsores desta ferramenta. Os resultados alcançados dentro e fora de campo, ano após ano, são prova de que todo o trabalho estratégico desenvolvido é efetivo, o que nos orgulha e nos mantém firmes e resilientes em nossos propósitos.” Reflete o Diretor.

Cerca de 120 atendimentos foram realizados formalmente no stand do banco desde produtores rurais a grandes cooperativas de produção

A participação do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) no Show Rural, em Cascavel, impulsionou os negócios no Agronegócio e parcerias em outros setores do banco, por meio de contatos com outras empresas da região, grupos de produtores rurais e instituições financeiras, que sinalizaram num primeiro contato, a possibilidade de trabalhar com repasses de recursos. Foram somados aproximadamente 120 atendimentos formais com a equipe de Planejamento e Avaliação do BRDE, além dos contatos iniciais com outras instituições.

“Além das cooperativas de produção e de crédito que já mantém a parceria com o BRDE, são prospectadas outras possibilidades de abertura de crédito, linhas de financiamento, de acordo com a natureza de cada um que chegou até o stand e trouxe seu projeto, numa demonstração que o BRDE está alinhado com a determinação do governador Ratinho Júnior, sobre a pulverização de recursos, ou seja, estamos mais próximos desde o produtor rural até as grandes empresas”, detalhou o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski.

Com o vice-governador do Paraná, Darci Piana, o BRDE assinou aproximadamente R$ 350 milhões em contratos de financiamento, repasse de recursos e abertura de crédito, com os setores público, privado e convênios do Banco do Agricultor. Os secretários de Estado da Saúde, Beto Preto, Norberto Ortigara da Agricultura e do Abastecimento, Sandro Alex da Infraestrutura e Logística, Márcio Nunes do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, além do prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, e parlamentares acompanharam o evento, realizado de 07 a 11 de fevereiro.

Foto de Kauã Veronese

Parcerias – Os atendimentos prospectados para futuros negócios envolvem setor de energia fotovoltaica e hidráulica, turismo, repasse via incentivos fiscais, empresas de revendas de equipamentos. Produtores rurais para projetos de irrigação, energia solar, reflorestamento, programas de inovação, armazenagem, entre outras propostas.

Durante o Show Rural, foram realizados o repasse de R$ R$ 558 mil ao Hospital do Câncer Uopeccan, de Cascavel, por meio de incentivo fiscal, destinado a programas de apoio e atenção ao câncer e a pessoas com deficiência. Assinatura do protocolo de intenções com Fundação Parque Tecnológico de Itaipu, a fim de ratificar o compromisso de promover ações futuras nas áreas de Tecnologia e Inovação por meio de Acordo de Cooperação Técnica. Abertura de crédito para projetos de mobilidade urbana e energia para prefeitura Cascavel, na ordem de R$ 100 milhões. E a discussão para linhas de crédito ao Turismo em Foz do Iguaçu, além de reunião inédita com diretoria do BRDE de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

São recursos para investimentos em cooperativas, empresas e produtores rurais, com projetos de modernização e expansão de atividades agroindustriais. Entre os contratos está o da C.Vale e da Avenorte.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), assinou nesta sexta-feira (11), no Show Rural, em Cascavel, cerca de 30 contratos de financiamento e repasse via incentivos fiscais. O montante de recursos soma aproximadamente R$ 350milhões.

Entre os contratos estão o da C.Vale, de Palotina, para financiamento de uma unidade de esmagamento de soja; e a Avenorte, de Cianorte, para construção de uma nova subestação de energia.

As assinaturas firmam o compromisso em investimentos a cooperativas, empresas, produtores rurais com projetos de modernização e expansão de atividades agroindustriais, melhorias em estrutura de fazendas de produção agrícola, irrigação, armazenagem, logística, geração e transmissão de energia, no Paraná e Mato Grosso do Sul.

Além disso, o BRDE fez o repasse de recursos internacionais da CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) para a SICREDI Central PR/SP/RJ, para financiamento aos associados empreendedores rurais e urbanos das cooperativas filiadas da Central, no Paraná.

Também foi acrescentada nos termos de assinatura, a abertura de crédito para projetos de mobilidade urbana e energia para Cascavel, na ordem de R$ 100 milhões.

“O BRDE vai se transformar no maior banco de fomento do país. A capacidade de investimentos aumenta a cada dia, com novos recursos para financiamento a agricultores, e a utilização da capacidade de investimentos a cada dia, com novos recursos para financiamento a agricultores, indústrias e cooperativas”, afirmou o vice-governador Darci Piana, que participou do evento.

O presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, destacou que, por determinação do governador Ratinho Júnior, o banco mudou a postura a fim de atingir o maior número de clientes e pulverizar recursos. “Não deixamos de fazer aquilo que a sociedade esperava, que é distribuir esses recursos. As parcerias das cooperativas de crédito nos ajudam a atender e levar esse recursos para pequenos, médios e grandes produtores, o que faz a diferença nesse trabalho”, afirmou Bley Lipski. “Essas operações contribuem para o desenvolvimento econômico e geração de empregos no Paraná”, ressaltou.

COOPERATIVO – O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, falou sobre o Plano Paraná Cooperativo PCR 200 desenvolvido pela entidade para assegurar o crescimento do cooperativismo no Paraná.

“Apesar de todas as dificuldades, inclusive, da pandemia, não tivemos a opção de parar e tivemos um crescimento nesse período. Nos próximos cinco anos devemos investir no Paraná o equivalente a R$ 30 bilhões em agroindústria e novas estruturas de recepção de produtos”, informou.

Para Dilvo Grolli, presidente da Coopavel,o BRDE tem papel fundamental na estruturação das cooperativas agroindustriais nos estados da região sul. “São mais de 50 anos de participação dentro da economia paranaense e da região Sul em financiamentos a longo prazo, que geram emprego, desenvolvimento e crescimento social”, afirmou.

OPERAÇÕES – As operações do Banco envolvem parcerias, financiamentos, linhas de crédito, produtos e serviços ao Agronegócio. As contratações do setor representaram 60% do total de operações do BRDE no Paraná em 2021, ano em que o banco atingiu R$ 1,4 bilhões em contratos no Estado.

Do montante destinado ao agronegócio, 29,5% foi à produção agropecuária e R$ 151 milhões em investimentos das cooperativas de produção. Quase 30% dos financiamentos foram para projetos da região Oeste do Paraná.

PARCEIROS – As operações estabelecidas entre BRDE e seus clientes vão além de negócios, são parcerias de fomento no agronegócio, geração de emprego, oportunidade de expansão e desenvolvimento.

Dessa forma, os cases dos parceiros BRDE ilustram essa relação, descritas por alguns deles, durante o evento de assinaturas. A história da C. Vale se conecta com a do BRDE desde a construção do primeiro armazém de grãos da cooperativa na década de 1970.

Nesta edição do Show Rural, a C. Vale fechou contrato com o BRDE para construir uma esmagadora de soja que deve entrar em operação no final de 2023. A nova indústria terá a capacidade de processamento de 2.500 toneladas por dia e vai gerar em torno de 600 empregos.

“A parceria é de longa data. E não seria diferente agora com a construção da esmagadora de soja, ao disponibilizar uma linha de crédito para financiar parte da obra”, afirma Alfredo Lang, presidente da C. Vale.

A Avenorte Avícola Cianorte é parceira do BRDE desde sua fundação em 1997 e foi por meio de um financiamento do banco, que a Avenorte nasceu. Nesta edição do Show Rural, a fábrica, que abate cerca de 216 mil aves por dia e emprega 3.100 funcionários, fechou contrato com o BRDE para construir uma nova subestação de energia elétrica capaz de dobrar sua capacidade.

“O Banco sempre fez parte da história da Avenorte de forma ativa, participativa e muito importante. Por isso que hoje, sempre que a gente vai fazer qualquer projeto, procuramos primeiramente aqueles que já foram nossos parceiros, como o BRDE”, conta Rodrigo Guimarães, diretor da avícola.

PRESENÇAS – Participaram do evento assinaturas o diretor administrativo do BRDE, Luiz Carlos Borges da Silveira; os secretários estaduais da Saúde, Beto Preto, de Infraestrutura e Logística Sandro Alex, do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, e da Agricultura e do Abastecimento Norberto Ortigara; o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos, representantes das cooperativas de crédito, do Banco do Agricultor, diretoria da Uopeccan e deputados estaduais e federais.

Repasse de recursos e reunião de diretoria ´fizeram parte da programação do BRDE no Show Rural

Além das assinaturas dos contratos, o BRDE repassou no Show Rural R$ R$ 558 mil ao Hospital do Câncer Uopeccan, de Cascavel. Os recursos, repassados por meio de incentivo fiscal, serão destinados a programas de apoio e atenção ao câncer e a pessoas com deficiência.

No evento também aconteceram a reunião dos diretores do BRDE dos três estados do Sul; a assinatura do protocolo de intenções com Fundação Parque Tecnológico de Itaipu, a fim de ratificar o compromisso de promover ações futuras nas áreas de Tecnologia e Inovação por meio de Acordo de Cooperação Técnica.

Também houve discussão sobre fomento de turismo na região com diretores do BRDE, prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, e empresários, no Parque das Aves. Foi realizada rodada de negócios dia a dia no estande do BRDE.

Ação inédita do banco afirma a importância de um dos maiores eventos voltado ao agronegócio no Paraná e no Brasil

A diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) promoveu de forma inédita sua reunião ordinária direto do Parque de Exposições do Show Rural Coopavel, em sala de reuniões no espaço da Ocepar, na tarde da última terça-feira (08/02). O encontro teve duração de duas horas e demonstra o interesse dessa gestão de estreitar a discussão em busca de soluções para o Agronegócio e de se aproximar dos principais atores do setor produtivo, bem como, da sociedade que se beneficia dos resultados de investimentos do banco de desenvolvimento.

Na reunião, foram tratados temas relativos à administração do banco e aprovados atos de gestão que já foram comunicados aos colaboradores pela Biblioteca da instituição. Essa forma mais próxima de encontro traduz a diretriz do BRDE em humanizar sua comunicação com seus públicos.

Participaram presencialmente o diretor-presidente, Wilson Bley Lipski, a diretora de Operações, Leany Barreiro de Sousa Lemos, o diretor de Planejamento, Otomar Oleques Vivian, o diretor financeiro, Eduardo Pinho Moreira, o diretor administrativo, Luiz Carlos Borges da Silveira e o chefe do Gabinete da Diretoria, Anderson José Amancio. O vice-presidente e diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Marcelo Haendchen Dutra, acompanhou a reunião por meio de videoconferência.

SHOW RURAL

Durante a reunião, o diretor-presidente Wilson Bley destacou a relevância para o Paraná deste evento de grande porte, especialmente para o setor do agronegócio. Nesta edição, o Show Rural Coopavel contou com mais de 480 expositores, e como medida preventiva à pandemia de Covid-19, limitou o público em 10 mil visitantes por dia. Em edições passadas, a organização já registrou média de 30 mil visitantes/dia ao longo do evento.

O evento é uma excelente ocasião para estreitar relações com grandes atores do agronegócio, tais como, representantes de pastas do Governo do Estado do Paraná, com destaque para o secretário de Agricultura, Norberto Ortigara, prefeitos municipais, presidentes de cooperativas, representantes de outros agentes financeiros que atuam no agronegócio, tanto em custeio como em investimento. Antes da reunião ordinária do BRDE, os diretores estiveram reunidos com o vice-governador Darcy Piana e com dirigentes de cooperativas agroindustriais do Paraná, durante o almoço.

Parceiras no Sistema Paranaense de Fomento, instituições atuam em conjunto para ampliar acesso ao crédito para empreendedores e impulsionar a retomada da atividade econômica.

A Fomento Paraná completou neste mês a liberação de R$ 10 milhões captados junto ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) para operações de microcrédito. Os recursos atenderam 924 empreendimentos de todas as regiões do Estado entre informais, MEIs e microempresas e são parte da estratégia de compartilhamento de funding das duas instituições.

BRDE e Fomento Paraná integram o Sistema Paranaense de Fomento, em conjunto com a Invest Paraná. O sistema é parte de uma diretriz do Governo do Estado para estimular o ambiente de negócios paranaense e atrair investimentos para promover a geração de emprego e renda, que impactam positivamente na melhoria na qualidade de vida da população.

Ao longo de todo o período da pandemia as duas instituições financeiras foram muito acionadas e tiveram papel fundamental na oferta de crédito para manutenção de milhares de empreendimentos e agora dirigem as ações com foco na retomada da atividade econômica. Durante esse período as instituições trabalharam de forma organizada e complementar.

“Desde a implementação do Sistema Paranaense de Fomento desenvolvemos uma intensa cooperação com o BRDE, conforme determina o governador Carlos Massa Ratinho Junior”, explica o diretor-presidente da Fomento Paraná, Heraldo Neves. “Sendo instituições financeiras, temos uma sinergia muito grande. Participamos em conjunto em eventos e rodadas de negócio, podemos partilhar operações de financiamento e somos parceiros no programa Banco do Agricultor Paranaense, que são bons exemplos da parceria”.

Entre os empreendimentos beneficiados está o restaurante do empresário Ailton Trevisolo, localizado no bairro Boqueirão, em Curitiba. “Comecei há menos de dois anos, ainda na pandemia, e preciso me firmar para competir no mercado. O valor que eu contratei serviu para comprar matéria-prima e foi uma forma de reduzir custos”, diz.

Através do financiamento, Ailton fez investimentos que permitiram baixar os preços do cardápio. O retorno veio logo e com uma base de clientes crescente, ele contratou uma pessoa a mais para trabalhar no restaurante.

A maior parte dos recursos repassados pelo BRDE foi direcionado a operações de microcrédito do programa Banco da Mulher Paranaense. Ao todo foram 512 negócios administrados por mulheres beneficiados em todo o Estado.

As taxas de juros no microcrédito partem de 0,45% ao mês no Banco da Mulher Paranaense e 0,60% ao mês no Banco do Empreendedor e é possível obter garantias por meio do Fundo de Aval às Micro e pequenas Empresas (Fampe), uma parceria com o Sebrae.

Para o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski, a parceria em torno da oferta de recursos para a Fomento Paraná está apenas em seu início. “Queremos cada vez mais aproveitar a capilaridade da Fomento Paraná para fazer chegar os recursos do banco aos pequenos negócios em todos os municípios paranaenses”, afirma Bley.

Segundo ele há um limite total de R$ 30 milhões em aberto para novas iniciativas na parceria entre as duas instituições.