BRDE

Durante a 40ª Expointer, a Casa do BRDE foi ponto de encontro no evento de assinatura de contratos de financiamento do Banco com duas cooperativas gaúchas: a Empresa Cotripal Agropecuária Cooperativa e a Cooperativa Tritícola Sarandi Ltda. – Cotrisal. O ato ocorreu na tarde da quarta-feira (30) no Parque Estadual de Exposições de Esteio, com a presença do governador José Ivo Sartori; do diretor-presidente do BRDE, Odacir Klein; dos diretores de Planejamento, Luiz Corrêa Noronha; de Operações, João Luiz Regiani; e de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Neuto de Conto. Também participaram a primeira-dama Maria Helena Sartori; o diretor do BNDES, Ricardo Ramos; o superintendente Marcelo Porteiro Cardoso; secretários de Estado, deputados estaduais e federais, além de representantes de entidades ligadas ao agronegócio.
Cotripal
A Cotripal, de Panambi, representada por seu presidente, Germano Döwich, investirá os recursos na Fábrica de Rações, contemplando aquisição de equipamentos nacionais, obras civis e giro associado, no valor de R$ 20.578.930,00 (linhas de crédito BNDES PRODECOOP e BNDES PCA). Esse empreendimento proporcionará redução de custo e aumento da eficiência das rações para aves e suínos, com consequente aumento nas vendas dessa linha. Os investimentos nas unidades de armazenagem irão melhorar e modernizar o processo de recebimento de grãos, bem como ampliar a capacidade estática de armazenagem em mais de 400 mil sacos de 60 kg, com acréscimo de 2.000 m2 de área edificada. Os investimentos serão realizados nas unidades de Arco Íris (Panambi), Linha Gramado (Panambi), Pejuçara, Bozano e Augusto Pestana.
Cotrisal
Na Cotrisal, de Sarandi, representada no ato de assinatura por seu vice-presidente, João Carlos Chini, os investimentos destinam-se à ampliação, adaptação, modernização e reforma de sete unidades de recebimento de grãos da cooperativa, contemplando aquisição de equipamentos nacionais, obras civis e giro associado, no valor total financiado de R$ 22.950.000,00 (linha de crédito BNDES PRONAF AGROINDÚSTRIA). Com a tendência de concentração na entrega de grãos nas unidades da cooperativa, são necessários equipamentos mais novos, maiores e de maior produtividade. Com esse investimento nas unidades de armazenagem, será possível ampliar e agilizar o fluxo de recebimento e expedição de grãos, bem como a capacidade de armazenagem estática. A expectativa é de obter aumento de 1.040.000 sacas de soja na capacidade de armazenagem, 4.500 m² na área construída, com geração de 10 novos postos de trabalho.
No evento de assinatura dos contratos, o BRDE prestou homenagem à Cotrisal e à Cotripal por seus 60 anos de atividades em prol do cooperativismo.

O documentário “Em Frente”, teve sua estreia no dia 3 de março no Cinema do CIC, em Florianópolis. Desde então, vem sendo exibido por todo Brasil. Cidades de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já receberam sessões. No mês de junho, recebeu o prêmio de Melhor Fotografia na 1ª Mostra Sesc de Cinema. Atualmente circulando em outros canais, estará disponível em breve no Video Camp, portal que conecta o filme a pessoas interessadas em divulgar o tema por meio de exibições em suas cidades.
O filme, patrocinado pelo BRDE via da Lei Rouanet, apresenta a trajetória de quatro empreendedores brasileiros motivados a gerar impacto social por meio da inovação e faz refletir sobre o lado humano por trás da tecnologia.
“Em Frente” tem direção de Carol Gesser e Will Martins, apoio do MIS/SC e parcerias do Social Good Brasil e do Cinnema Produções.
Foto: TV Catarina/Estreia CIC

O BRDE publicou hoje (28/08/2017) as Demonstrações Financeiras referentes ao primeiro semestre de 2017, informando a contratação de R$ 1,27 bilhão em 3.043 novas operações de financiamento destinadas a grandes, micro, pequenos e médios empreendimentos de todos os setores da economia da Região Sul. Esse montante significa o fomento de R$ 3,37 bilhões em investimentos, com a geração/manutenção de 22,9 mil empregos.
“Sob a ótica do BRDE, os resultados do primeiro semestre deste ano são bons. O principal deste balanço, porém, são os reflexos econômicos e sociais da atuação do Banco na promoção do desenvolvimento, na geração de empregos, de renda e arrecadação de tributos”, destacou o diretor-presidente, Odacir Klein, na coletiva à imprensa. Em sua avaliação, “após um período de perplexidade, os empreendedores estrategicamente estão se descolando da questão política e buscando recursos para seus investimentos”. Para o BRDE, a saída da prolongada crise da economia depende desses empreendedores, e o papel do Banco é  ser fonte de financiamento e da necessária orientação técnica.
O BRDE firmou-se como o primeiro agente financeiro do BNDES na Região Sul com desembolsos, em operações indiretas de financiamento aos setores produtivos, que superaram em 84% os valores da segunda instituição colocada, no período. O Banco manteve 35.377 clientes ativos, com média de financiamento de R$ 389 mil, atuando em 1.083 (91%) dos municípios do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, entre empresas, cooperativas de produção e produtores rurais, empreendedores de projetos de todos os portes, geradores de renda e oportunidades de trabalho.
O Banco também atuou na reestruturação de dívidas dos empreendedores em operações que, no semestre, montaram a R$ 71 milhões. A orientação da equipe do BRDE aos clientes, na contratação de financiamentos, fez com que a inadimplência, considerando atrasos superiores a 90 dias no pagamento, ficasse no índice de 2,70% no período, abaixo dos 3,70% do Sistema Financeiro Nacional.
O lucro líquido do BRDE no semestre foi de R$ 63,8 milhões, com o impacto de R$ 17,4 milhões referentes ao Programa de Estímulo ao Desligamento Voluntário implementado em 2017.
Destaques do desempenho do BRDE no RS, SC e PR
INFRAESTRUTURA: subiu de 22% para 35% a participação nos valores de contratações totais dos financiamentos para o setor de infraestrutura, principalmente para geração de energia de fontes renováveis, como eólica, hídrica (PCHs) e biomassa (casca de arroz).
FSA: o BRDE renovou o contrato com a ANCINE, como agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA em todo o território nacional, por mais cinco anos. Nesse período, a previsão de repasses ao setor chega a R$ 5 bilhões.
A3P: Assinatura de Acordo de Cooperação com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Secretarias de Meio Ambiente do RS, SC e PR ampliou o comprometimento do Banco com a Agenda Ambiental do Setor Público – A3P.
Movimento Nós Podemos SC: Assinatura de Convênio com o Movimento Nós Podemos SC para divulgar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis da ONU. A Agência do BRDE em Santa Catarina tornou-se embaixadora do ODS 12, Consumo e Produção Sustentáveis.
Convênio EMBRAPII: visa a ampliar o apoio do BRDE à inovação tecnológica. Por meio dele, o BRDE vai oferecer crédito de longo prazo para empresas e empreendedores aptos a receber recursos subsidiados da EMBRAPII através de suas unidades e polos credenciados. O Convênio prevê ainda ações conjuntas de divulgação do Programa BRDE Inova e das linhas de financiamento disponíveis no âmbito do convênio.
REFROTA: no primeiro semestre de 2017, o BRDE aprovou a primeira operação da Linha REFROTA, com recursos do FGTS, para aquisição de ônibus intermunicipais no Paraná.
Inovação: R$ 43,1 milhões contratados em financiamentos pelas linhas MPME Inovadora (Micro e Pequena Empresa Inovadora), Inovagro (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária) e Inovacred (Finep).
Cooperativas: R$ 294.848 em contratações para 111.792 mil famílias beneficiadas nos três estados – RS/SC/PR.
Agricultura Familiar: R$ 214 milhões em crédito.
BRDE Municípios: contratações de R$ 12.035 milhões (valor residual do programa) em benefício de 459.979 habitantes dos municípios. No 1º semestre de 2017 o Banco preparou documentação e estratégias para iniciar nova fase do BRDE Municípios, que contemplará municípios da Região Sul, seus órgãos e entidades. Serão priorizadas operações que não necessitem de Destaque do Patrimônio de Referência do Banco para apoiar projetos de investimentos em infraestrutura, desenvolvimento tecnológico ou de produção de bens, com recursos de programas como PMAT, FGTS e Programa Avançar Cidades. O BRDE preparou-se também para a prestação de serviços para contratação de crédito externo, serviços voltados ao incremento da participação privada nos negócios públicos e consultoria sob demanda.

A entrega da Medalha Assis Brasil foi um dos momentos mais importantes da cerimônia de abertura oficial da 40ª Expointer, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, no sábado (26). A honraria é a mais prestigiosa distinção do Estado do Rio Grande do Sul concedida a pessoas que tenham se destacado por serviços de excepcional mérito no setor da Agricultura e Pecuária.
Receberam o título, das mãos do governador do Estado José Ivo Sartori, Odacir Klein, diretor-presidente do BRDE, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e João Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União – TCU.
Odacir Klein foi por duas ocasiões secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado do Rio Grande do Sul (1988 e 2003-2006). Também foi presidente da Federação das Cooperativas de Trigo e Soja do Rio Grande do Sul – FECOTRIGO/RS (1989-1991); presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho – Abramilho (2007 – 2011); presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene – UBRABIO (2007 – 2015); coordenador do Fórum Nacional do Milho (2011 – 2015), além de ministro de Estado dos Transportes (1995-1996).
Prestigiaram o evento o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha; os ministros do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra; e do Trabalho e Emprego, Ronaldo Nogueira; os senadores Ana Amélia Lemos e Lasier Martins; o vice-governador José Paulo Cairoli; o secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo; o secretário do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Tarcisio Minetto; o prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal; e representantes dos poderes e instituições; deputados federais e estaduais.

O Núcleo de Agronegócio do jornal Gazeta do Povo deu a largada na noite desta quinta-feira (24) à Expedição Suinocultura 2017, no Museu Oscar Niemayer (MON), onde acontece o 5º Fórum de Agricultura da América Latina. O fórum e a expedição são apoiados pelo BRDE.
O diretor de Operações João Luiz Regiani representou o banco no lançamento da expedição, que chega a sua segunda edição. “É uma satisfação para o BRDE ser novamente parceiro de uma iniciativa importante como a Expedição Suinocultura”, disse o diretor.
“Estamos aqui porque o BRDE acredita no agronegócio e não mede esforços para apoiar todos os setores produtivos da economia. Do agronegócio se desdobram linhas da cadeia produtiva do estado, e sem dúvida esta expedição vem a proporcionar o aperfeiçoamento significativo da suinocultura”, destacou.
“Estamos chamando o roteiro da Expedição Suinocultura de a Nova Fronteira da Pecuária Nacional, porque é uma proteína animal em forte crescimento. Batemos recorde de exportação e de volume no ano passado. E nós vamos a campo investigar esse setor”, afirmou o coordenador do Núcleo de Agronegócio, Giovani Ferreira.
A expedição percorrerá seis estados com a maior produção de carne suína no país: Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais. Os seis estados representam mais de 90%da produção brasileira do produto.
“Estamos analisando as tendências desse produto. A carne suína é a proteína animal mais consumida do mundo”, disse Giovani Ferreira, destacando que a ideia é a quebrar paradigmas: “É uma carne que já atende a necessidade do consumidor. Não é apenas o pernil de fim de ano. Ela já é uma opção diária”, acrescentou.

O vice-presidente e diretor Administrativo Orlando Pessuti e o diretor de Operações João Regiani, gerentes e técnicos do BRDE participam nesta quinta (24) e sexta-feira (25), em Curitiba, do 5º Fórum de Agricultura da América do Sul. O fórum é uma promoção do Núcleo de Agronegócio do jornal Gazeta do Povo e tem apoio do BRDE.
A conferência de abertura do fórum teve a participação do diretor Orlando Pessuti e do gerente de Relações Institucionais e Gestão Rural do BNDES, Tiago Peroba, como mediação do coordenador do evento, Giovani Ferreira. Antes da conferência, os presentes acompanharam por vídeo a saudação do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevedo.
Pessuti disse ser um orgulho para o BRDE participar do fórum, principalmente pela sintonia da missão do banco com o futuro do campo, tema central do encontro, baseado no tripé sucessão, gestão e tecnologia. “Ouso colocar no tema o crédito, citando como exemplo as cooperativas do Sul, que não seriam o que são hoje sem o apoio de instituições comprometidas com o desenvolvimento, como o BRDE”, afirmou.
“Atravessamos no país uma crise econômica, ética e moral, mas mesmo assim o BRDE vem avançando”, acrescentou Pessuti, lembrando os bons resultados do Banco em 2016 e no primeiro semestre deste ano. “Estamos juntos, o BRDE é parceiro do agronegócio e demais setores produtivos, e assim vai deixando sua marca de trabalho no Paraná e toda Região Sul”.
Tiago Peroba, do BNDES, disse que o agronegócio ganhou enorme importância nas operações da instituição nos últimos anos, com destaque para as áreas de gestão e tecnologia, o que levou o banco a destinar R$ 218 bilhões ao setor agropecuário, no ano agrícola de 2017/18, para custeio, comercialização e investimentos. Peroba elogiou a atuação do BRDE, citando o banco como grande parceiro.
Peroba adiantou também os novos projetos do BNDES, entre eles o Cartão BNDES Agro, que será apresentado oficialmente na Expointer, em Esteio (RS), que começa neste sábado (26). O novo cartão é voltado à agropecuária e poderá financiar pessoas jurídicas e pessoas físicas que atuam no setor. Outros projetos são: o Canal Desenvolvedor MPME, o BNDES Online e o APP Agro.
Censo agropecuário – Durante o fórum, o diretor-executivo e vice-presidente do IBGE, Fernando José Abrantes, anunciou para 1º de outubro o início do Censo Agropecuário, que terá a duração de cinco meses, com 18 mil pesquisadores em campo, usando computadores de mão, pela primeira vez. Foi assinado um termo de compromisso e colaboração do IBGE com a Ocepar, Fetaep, Faep e governo do Paraná.
Futuro do campo – O Fórum de Agricultura da América do Sul reúne especialistas de 10 países e um público aproximado de 500 pessoas. O tema deste ano é “Sucessão, Gestão e Tecnologia – É o campo do futuro em transformação”. O fórum já está consolidado entre os principais espaços para discussão de perspectivas e desafios do setor agrícola no continente.
A proposta é discutir e debater as tendências do agronegócio mundial e globalizado a partir da realidade, potencial e liderança da América do Sul. Participam do fórum 30 palestrantes e representantes de toda cadeia do agronegócio, entre empresários, técnicos do setor, cooperativas, produtores rurais, lideranças e autoridades.
As conferências e painéis do evento abordam grandes temas como Mercados Agrícolas; Comércio Internacional; Tecnologia e Agricultura Digital; Gestão e Sucessão; Infraestrutura; Novas fronteiras; Cooperativas de Nova Geração; A Rússia das carnes e do trigo; Clima, a variável e a mitigação e América do Sul Rural.
No primeiro dia do fórum, os participantes acompanharam as apresentações do economista do IPEA José Eustáquio Vieira Filho e do diretor-técnico da Fundação Hanns Neumann, o equatoriano Max Uchoa, que falaram sobre sucessão no campo. O segundo dia começou com o painel “Cooperativas: uma plataforma para o Brasil”, seguido do fórum de presidentes de cooperativas.

Começou nesta terça-feira (15), em Castro, na Região dos Campos Gerais, a feira Agroleite 2017, organizada pela Castrolanda – Cooperativa Agroindustrial Ltda, com apoio do BRDE. A Agroleite é um dos mais importantes eventos técnicos da cadeia do leite no país, com foco na geração de conhecimento e negócios.
Participaram da abertura da Agroleite o vice-presidente e diretor Administrativo Orlando Pessuti, gerentes, técnicos e assessores da Agência Paraná do BRDE. O Banco tem estande próprio na feira, para atendimento de parceiros e futuros clientes. O evento acontece todos os anos, no mês de agosto, em Castro, a capital do leite.
O presidente da Castrolanda, Frans Borg, disse na abertura da Agroleite que o evento deverá superar os números de 2016, quando a feira recebeu mais de 50 mil visitantes e gerou negócios no valor de R$ 46 milhões, apesar das dificuldades da economia. “A proposta da Agroleite é reunir todos os elos da cadeia do leite para que possamos compartilhar nossas necessidades e tornar essa cadeia competitiva dentro e fora do país”, afirmou Frans Borg.
O diretor Orlando Pessuti disse que o BRDE participa da Agroleite com a expectativa de atender produtores rurais, cooperados e empreendedores do agronegócio, com as melhores condições de financiamento.
“A Agroleite é sempre um evento muito esperado, porque aqui está o que há de melhor no mundo em relação à cadeia do leite”, disse o presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Sistema Ocepar), José Roberto Ricken.
O secretário da Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, destacou a importância da Agroleite e os resultados da cadeia produtiva do leite no Estado. “O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, produzindo 4,8 bilhões de litros por ano, com um faturamento bruto de R$ 6 bilhões”, informou o secretário.
Com o tema “Tempos Modernos”, a Agroleite 2017 tem uma programação bastante variada, incluindo encontros técnicos, exposições, e oferta de serviços. São 180 empresas expositoras distribuídas pelo Parque Dario Macedo, onde foi instalada a Vila Holandesa, uma das grandes atrações do evento. São 21 sobrados construídos em estilo holandês, uma referência à origem das famílias que fundaram a cooperativa Castrolanda.
A programação técnica da feira terá os fóruns da pecuária leiteira, do feijão, da agricultura e da suinocultura e dois grandes painéis: da ovinocultura e da mulher cooperativista. O evento terminará no sábado (19).

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE e a Cooperativa Central Aurora Alimentos assinaram no dia 4 de agosto um contrato de financiamento para a aquisição de duas unidades de abates, sendo uma de frangos e outra de suínos, pela cooperativa. O investimento da Aurora na compra será de R$ 108.437.500,00, dos quais R$ 49.593.000,00 serão financiados pelo BRDE em parceria com o BNDES, por meio do Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária – PRODECOOP.
A assinatura aconteceu durante a reunião de transferência da presidência do CODESUL para o governador catarinense João Raimundo Colombo. O CODESUL reúne os governadores de SC, RS, PR e MS para pensar e implantar ações de desenvolvimento na região.
A Aurora conta hoje com 13 cooperativas afiliadas, que congregam mais de 72 mil famílias. A cooperativa tem 15 plantas de processamento de proteína animal, duas de laticínios e seis fábricas de rações. Nas suas unidades trabalham mais de 26 mil colaboradores diretos. Mais oito mil pessoas trabalham nas cooperativas filiadas.
Suas unidades estão localizadas nos quatro estados que compõem o CODESUL – Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.
AS UNIDADES – A Aurora passa a ser proprietária dos ativos antes arrendados da Cotrel, localizados em Erechim, no Rio Grande do Sul. A Unidade de Abate e Industrialização de Suínos tem capacidade para processar 418 mil cabeças/ano, e a Unidade Abate e Industrialização de Aves tem capacidade para abater 26,7 milhões de cabeças/ano. Os dois frigoríficos respondem em conjunto por 7,8% da receita operacional bruta do conglomerado Aurora e sustentam 2.496 empregos diretos, que representam R$ 52,3 milhões em salários e R$ 11,6 milhões em encargos sociais.
O vice-presidente da cooperativa, Neivor Canton, explica que a incorporação será imediata, com a continuidade normal das atividades que vinham sendo desenvolvidas, já que a Aurora já operava as duas plantas por arrendamento. “Temos um compromisso com os nossos cooperados e com os empregos. São mais de 2,4 mil famílias impactadas pela compra, que terão sua renda garantida”, explica.
De acordo com a diretoria do BRDE, Aurora Alimentos tem mantido estreita relação com o Banco nas suas demandas por crédito de longo prazo. Além de operar nos quatro estados do CODESUL, a cooperativa tem demonstrado sua capacidade de geração de emprego e renda, favorecendo a manutenção dos agricultores familiares, seus cooperados, no campo. A diretoria do banco avalia que é muito importante para a economia da Região Sul que os produtores rurais busquem agregar valor à sua produção. As cooperativas têm investido em unidades de processamento e beneficiamento, contribuindo para o desenvolvimento econômico da região Sul.
COOPERATIVAS – De 2011 a 2016, o BRDE financiou cerca de R$ 5 bilhões para cooperativas de produção dos três estados do Sul. Deste montante, as cooperativas de SC financiaram mais de R$ 1,3 bilhão, as do Paraná financiaram cerca de R$ 2,7 bilhões e as gaúchas mais aproximadamente R$ 1 bilhão.

O histórico Palacete dos Leões, no Alto da Glória, sede do espaço cultural da agência do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) em Curitiba, reabrirá sua agenda de exposições e eventos em agosto, de cara nova. O casarão passou por restauros e surge com nova cor, mantendo o azul, mas com uma tonalidade mais escura que a pintura anterior.
A pintura nova do Palacete dos Leões e os todos os reparos feitos no espaço, trabalho que durou mais de dois meses, foram supervisionados e acompanhados pela Coordenação do Patrimônio Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, com a fiscalização da Secretaria do Urbanismo de Curitiba.
Durante a execução dos serviços, foram feitos testes de cores para a apreciação da fiscalização da obra. A pintura em azul mais forte foi definida pela Coordenação do Patrimônio Cultural. A cor escolhida realçou a arquitetura e adereços do prédio histórico, chamando ainda mais a atenção das pessoas que passam pela sede do BRDE.
Arquitetos que acompanharam a obra contam que pesquisas indicam que a cor original do Palacete dos Leões, inaugurado em 1902, era azul, em tonalidade muito próxima da escolhida pela Coordenação do Patrimônio Cultural do Estado. A nova cor ajudará a atrair visitantes e interessados em divulgar sua arte no espaço.
No dia 7 de agosto, está agendada a abertura da Exposição Sopro, mostra com diversos artistas plásticos e curadoria de Elaine Stankiewich. A mostra, no entanto, não marca a reabertura oficial do espaço, porque faltam pequenos serviços externos para o final completo das restaurações e reformas.
Restauração – O palacete passou por uma série de serviços, entre eles recuperação de revestimentos de alvenaria externa e superfícies de elementos decorativos externos, incluindo consertos de trincas e fissuras; impermeabilização dos pisos dos terraços do sótão e torreão e recomposição e pintura de peças de madeira da estrutura de cobertura.
Outros reparos feitos: substituição de telhas; impermeabilização dos pisos da escadaria frontal e adro (área em frente do prédio); impermeabilização e pintura dos pisos da escadaria lateral e varanda; restauração de molduras e coruchéus quebrados; reposição de vidros e recuperação de duas esculturas de leões em cerâmica glasurada.
O casarão histórico passou por outras três restaurações e reparos em sua estrutura. A primeira foi feita pela IBM, em 1986. A segunda foi no ano 2000, sob responsabilidade da empresa Inepar. Em 2004, novos serviços foram feitos, dessa vez coordenados pelo ISBRE, a Fundação BRDE de Previdência Complementar.
História – O Palacete dos Leões abrigou por 80 anos a família e descendentes do industrial Agostinho Ermelino de Leão Júnior. Em 1984, foi adquirido pela IBM do Brasil, que restaurou o casarão e construiu em parte do edifício que hoje é a sede do BRDE em Curitiba.
Ao adquirir o imóvel, há 12 anos, o BRDE transformou o casarão histórico em espaço cultural. “O banco está aliando a força empreendedora da instituição com a promoção da arte e da cultura do Paraná”, diz o superintendente da agência paranaense do BRDE, Paulo Cesar Starke Junior.
Desde então, o Espaço Cultural do BRDE tem intensa programação artística, recebendo exposições individuais e coletivas de pintura, desenho, gravura, fotografia, obras tridimensionais, instalações e outras técnicas, além de apresentações de dança e música. O espaço já foi uma das sedes da Bienal de Curitiba.

Logo após as comemorações pelos 56 anos do BRDE, em junho, a Agência Paraná envolveu-se nas homenagens a 11 funcionários que deixaram o Banco depois de mais de 30 anos de casa para dar início a uma nova etapa de vida. Uma grande confraternização em agradecimento pelo tempo de vida dedicado à instituição e muitas homenagens marcaram a despedida dos recém-aposentados.
Deixaram o BRDE os funcionários: Ana Therezinha Valente (38 anos de casa); Belmira Santos (37); Jonas Luiz Balla Stella (34); José Delcir Molon (38); Sergio Fialho (41); Shirley Lara (38); Lindamir Verbiski (38); Lígia de Fátima Pereira Dias (37); Pedro Paulo Tadra (38); Lizete de Paula Jorge (37); Odilon Bremer (41).
Junto com a despedida dos agora aposentados, a Agência Paraná teve outro momento de emoção: a homenagem a dois funcionários que completaram 50 anos de trabalho no BRDE – Werner Tschoeke e Elaine Scremin. Os colaboradores mais antigos do Banco começaram a trabalhar no mesmo mês, em julho de 1967, com uma diferença de 10 dias. Coincidentemente, ambos fazem aniversário em julho.
Werner, que ocupa o cargo de gerente de Acompanhamento e Recuperação de Crédito da AGPR, recorda o seu trabalho. Lembrou os “financiamentos às cooperativas do Paraná, para que crescessem e não desaparecessem. Foi um trabalho gratificante nestes 50 anos no Banco, praticamente meu único emprego. O BRDE representa o que tenho na vida, principalmente as grandes amizades que fiz aqui dentro. Quando eu sair, podem contar comigo quando for preciso”, diz emocionado.
Elaine lembra que começou a trabalhar no BRDE aos 18 anos de idade e que o Banco foi o grande motivador de sua graduação em Economia. “Devo muito ao BRDE. Vi o crescimento e a evolução da Região Sul e do BRDE. O Banco é motivo de orgulho para todos nós”, afirma. “Espero que o Banco siga firme e forte”, acrescenta Elaine, sem esconder a emoção. Ela trabalha na Gerência de Operações.
56 Anos – O BRDE comemorou no dia 15 de junho 56 anos de serviços prestados ao Sul do país, focado na missão de contribuir com o desenvolvimento econômico e a melhoria da qualidade de vida da população. A trajetória do Banco foi sempre marcada pela superação de metas, desafios e obstáculos, qualificação dos funcionários e credibilidade no mercado.
Por isso, que mesmo com um cenário econômico desfavorável e as turbulências da política nacional, o Banco vem conseguindo, com o esforço de seus colaboradores, alcançar bons resultados, mantendo-se, por exemplo, como o maior repassador de recursos do BNDES na Região Sul. Em 2016, o BRDE investiu R$ 3 bilhões nos três estados, dos quais R$ 1,16 bilhão aplicado no Paraná.