BRDE

A partir da próxima quinta-feira (10), o público poderá visitar a Mostra de Artes Plásticas do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) no Espaço Cultural Palacete dos Leões. A exposição integra a série de eventos em comemoração aos 55 anos do banco.
Serão expostas 17 obras entre pinturas, gravuras e esculturas pertencentes ao acervo artístico da Agência do Paraná do BRDE. A exposição vai até 8 de abril e tem entrada gratuita.
Como explicam os curadores da mostra, Silvio De Bettio e Ana Teresinha Ribeiro Vicente, sendo uma instituição financeira pública que tem como objetivo primordial o desenvolvimento da região onde atua, o BRDE também trabalha para atingir esse objetivo através do incentivo e acesso à cultura.
“Assim como a atividade econômica é capaz de transformar a realidade e gerar bem-estar, a arte é um símbolo da capacidade humana de traduzir e transfigurar poeticamente a realidade: seja aquela aparente das coisas externas, seja a das percepções subjetivas”, explicam os curadores.
Para escolher as peças da mostra, os curadores avaliaram a representatividade de cada item, tentando recriar na exposição a riqueza do acervo, que hoje comporta 90 obras variadas. Outra preocupação foi expor peças inéditas, que ainda não haviam integrado nenhuma mostra.
“Já havíamos feito uma exposição baseada no nosso acervo alguns anos atrás, e agora resolvemos incluir, junto das obras mais representativas, outras ainda não vistas pelo grande público”, explica Silvio De Bettio.
Com a mostra dos 55 anos do BRDE no Palacete dos Leões, mais pessoas terão a oportunidade de apreciar criações de artistas como Ruben Esmanhotto, falecido no ano passado, Euro Brandão, Renina Katz, Fayga Ostrower, Aldo de Maio, Newton Mesquita, Alf Vivern, Luiz Retamoso, Geraldo Leão, entre outros.
Espaço Cultural – O local escolhido para a exposição, o Espaço Cultural Palacete dos Leões, também é por si mesmo uma obra de arte. Concluída em 1902 para ser residência da família de Ermelino de Leão Júnior, a construção testemunhou o ciclo da erva mate, um dos períodos mais prósperos da economia paranaense, e é hoje tombada pelo patrimônio histórico.
O espaço também foi cenário de importantes encontros sociais. Em 1906, por exemplo, hospedou o presidente da República, Affonso Penna, em sua visita à província do Paraná. Atualmente, o local é mantido pelo BRDE como espaço cultural, sendo disponibilizado para apresentações, exposições e eventos culturais variados mediante agendamento.
Serviço:
Acervo BRDE Mostra de Artes Plásticas
Onde: Espaço Cultural Palacete dos Leões (Avenida João Gualberto, 530)
Quando: 10 de março a 8 de abril
Horário: de segunda a sexta, das 12h30 às 18h30
Entrada gratuita
 

Um dos mais tradicionais colégios de Londrina, o Mãe de Deus, inaugurou nesta quinta-feira (3) as obras de revitalização e ampliação financiadas pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O contrato de financiamento, no valor de R$ 750 mil, permitiu realizar obras de adequação, incluindo a construção de um acesso lateral em uma rua de menor tráfego e também adaptação de salas para atividades administrativas e de atendimento.
Para a diretora do colégio, irmã Rosa Maria Ruthes, a parceria com o BRDE marca uma nova etapa na instituição de ensino. “Hoje estamos concretizando um sonho que nos permitiu presentear a cidade de Londrina, nos 80 anos do colégio, com a entrega do novo acesso, proporcionando maior segurança aos nossos alunos e familiares”, ressaltou.
Com as obras, o colégio pretende aumentar o número de alunos atendidos de 750 para 1000. A solenidade, que marcou o aniversário de 80 anos da instituição, teve a presença do diretor de Operações do BRDE, Wilson Quinteiro, e do superintendente da Agência Curitiba, Paulo Cesar Starke Junior.
Financiamento – Para o superintendente Paulo Starke Junior, o apoio ao colégio e outras instituições de ensino faz parte do compromisso do banco com o desenvolvimento. “A missão do BRDE também é investir no desenvolvimento da educação. Por isso é uma grande alegria para o BRDE participar dessa obra no Colégio Mãe de Deus, pela sua história e importância para a educação de Londrina”, disse.
Já para o diretor de operações do BRDE, Wilson Quinteiro, a parceria com o colégio exemplifica o quanto o banco está preparado para atender os mais diversos tipos de investimento. “Quando um colégio, como o Mãe de Deus, quer crescer ou melhorar sua infraestrutura, o BRDE está pronto para apoiar, oferecendo condições financeira e prazos adequados para os investimentos”, explicou.
História – O Colégio Mãe de Deus nasceu em 1936 para atender as famílias pioneiras do Norte do Paraná e que também almejavam a uma formação científica e religiosa para seus filhos. Por isso, as Irmãs de Maria, pertencentes ao Instituto Secular Irmãs de Maria de Schoenstatt, fundado pelo padre José Kentenich, na Alemanha, resolveram enviar um grupo ao Brasil.
Inicialmente, as Irmãs de Maria fundaram uma pequena escola localizada onde é o Edifício Palácio do Comércio atualmente. Com o passar do tempo foi necessário buscar novos espaços e a Companhia de Terras Norte do Paraná realizou a doação do terreno da Rua Pará, local onde hoje se encontra o colégio.
Com uma proposta pedagógica que visa uma formação biopsicossocial, cultural e espiritual dos estudantes, agregando valores e capacitando para a cidadania, o colégio foi um dos primeiros de Londrina e já foi responsável pela formação de mais de 80 mil paranaenses.

Mais de 170 empresários, consultores e autoridades do setor de energia participaram ontem (03/03), do workshop Linhas de Financiamento e Engenharia Financeira para PCHs e CGHs, realizado pela Associação Brasileira de Fomento às Pequenas Centrais Hidroelétricas – ABRAPCH em parceria com BRDE. O evento, que discutiu as principais necessidades e soluções para fomento e implantação de PCHs e CGHs, aconteceu no auditório da FIESC, em Florianópolis.
O BRDE conta com linhas de financiamento para o setor elétrico por meio do programa BRDE Energia, criado para fomentar o investimento em fontes de energias renováveis e em projetos de eficiência energética na região Sul. Por meio do BRDE Energia, o Banco oferece crédito para geração de energias limpas como a solar, a eólica, a de biomassa e também a hidrelétrica, por meio de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Hidrelétricas.
Desde a criação do Programa, em meados de 2015, o BRDE já recebeu mais de 50 projetos de  PCHs e CGHs somente em Santa Catarina. Os projetos, que estão nos mais variados estágios de desenvolvimento, estão inseridos no âmbito do Programa SC+Energia, do Governo de Santa Catarina. O SC+Energia foi criado por uma força-tarefa, da qual o BRDE fez parte desde seu início, com o objetivo de aproveitar o potencial catarinense de geração de energia e manter-se na vanguarda do crescimento. A ideia é tornar o estado auto-suficiente na geração de energia e fortalecer principalmente as energias consideradas limpas e renováveis. Os projetos previstos podem gerar mais de 1 gigawatt-hora (GWh).
Além de seu papel como financiador dos projetos, o BRDE também atua como um iarticulador entre os vários agentes do setor, fazendo a ponte entre os potenciais investidores, governo, órgãos ambientais, associações. Para o gerente de planejamento da agência do BRDE em Florianópolis, Felipe Couto, o evento tem como objetivo não só apresentar o BRDE como uma alternativa para ajudar a viabilizar os investimentos no setor, mas também estimular o desenvolvimento em toda a cadeia produtiva.
O superintendente da agência do Banco na capital catarinense, Nelson Ronnie ressaltou que este tipo de evento é essencial porque aproxima o BRDE dos empreendedores. “O principal objetivo dos diversos técnicos do Banco que estão presentes aqui é conversar, tirar dúvidas e possibilitar que os projetos saiam do papel.”
Participaram do evento o diretor Presidente do BRDE Neuto De Couto, o diretor Financeiro Renato Vianna, o Presidente da ABRAPCH Ivo Pugnaloni, o Presidente da APESC Norimar Fracasso, o diretor de Desenvolvimento Econômico do programa SC+Energia João de Nadal e o vice-Presidente do Conselho de Administração da ABRAPCH Valmor Alves.

Linhas de ação do programa foram definidas durante encontro dos diretores Orlando Pessuti e Wilson Quinteiro com o governador Beto Richa
 
Os diretores do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) Orlando Pessuti e Wilson Quinteiro participaram nesta semana de reunião com o governador Beto Richa, para tratar do alinhamento e planejamento das linhas de ação do programa BRDE Municípios no Estado.
O programa disponibiliza suporte técnico, financeiro e toda expertise do banco para viabilizar projetos de desenvolvimento em cidades do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No Paraná, o programa é realizado em parceria com o ParanaCidade e apoio da Fomento Paraná.
No encontro, foi definido que R$ 20 milhões deverão ser disponibilizados para obras de melhorias nos municípios paranaenses nos próximos meses. “Foi um reunião muito produtiva. Saímos com a certeza de que estamos no rumo certo. E em breve teremos mais notícias positivas para anunciar”, disse Quinteiro.
Em janeiro deste ano, foram autorizadas licitações de obras em seis municípios paranaenses com recursos do BRDE, totalizando investimentos de R$ 46,9 milhões. O dinheiro será usado em obras nas áreas de educação, infraestrutura e mobilidade, que vão beneficiar Araucária, Colombo, Fazenda Rio Grande, Quatro Barras e Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, e Pato Branco, no Sudoeste.
O programa BRDE Municípios trabalha com três eixos principais de financiamento. Um deles é saneamento e mobilidade urbana, que envolve drenagem, tratamentos de resíduos sólidos e líquidos, pavimentação, iluminação pública, ciclovia.
O segundo eixo, que é o de infraestrutura social, urbana e rural, trata de projetos para construção ou reforma de escolas, postos de saúde, centros comunitários, melhorias em estradas vicinais, distritos industriais, infraestrutura turística. A outra vertente é a do desenvolvimento institucional, qualificação, modernização de processos e sistema.

O prazo final para submissão de projetos termina em 26 de fevereiro

Está disponível no site do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) o edital da chamada pública para a seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção independente de obras cinematográficas de longa-metragem. O prazo final para submissão de projetos termina em 26 de fevereiro.

Serão disponibilizados R$ 30 milhões para a produção independente de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem de ficção, documentário ou de animação, com destinação e exibição inicial nas salas de exibição de cinema de todo o País.

A preferência será dada a filmes com propostas de linguagem inovadora e relevância artística, com potencial para participação e premiação em festivais de cinema e que apontem para a experimentação e a pesquisa de linguagem. Os filmes selecionados deverão ser concluídos em até 18 meses (ficções e documentários) ou 30 meses (animações).

CANAIS PÚBLICOS – Esse não é o único edital de fomento a produções audiovisuais em andamento no BRDE, agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual. O diretor de Operações do banco, Wilson Quinteiro, explica que além do edital para longas-metragens, também está aberta a seleção para produções televisivas através do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Audiovisual Brasileiro (Prodav).

“Só para os estados de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul serão destinados R$ 11,986 milhões para a produção de documentários seriados ou não e séries de ficção ou animação”, disse.

No caso das produções televisivas, o prazo de submissão de projetos termina em 31 de março. Destinado a produtoras independentes, a chamada pública visa incentivar a produção de conteúdos de qualidade que posteriormente poderão ser exibidos em canais públicos de todo o Brasil, incluindo televisões universitárias e comunitárias.

“Muitas vezes, os canais públicos não dispõem de recursos para produção de bons conteúdos. Por isso, o incentivo do Fundo Setorial do Audivisual (FSA) e da Agência Nacional do Cinema (Ancine) através do BRDE, é fundamental”, salienta Quinteiro.

Os editais do Prodav e do Prodecine podem ser consultados no site do BRDE (https://www.brde.com.br/fsa). No mesmo site é possível acompanhar o processo de seleção dos projetos. Dúvidas sobre o processo de submissão de propostas devem ser encaminhadas para o e-mail selecao.fsa@ancine.gov.br.

Microrregião de Maringá compreende os municípios de Mandaguari, Marialva, Paiçandu e Sarandi. Neste ano, foram liberados R$ 41,3 milhões em financiamentos para a região

 
O BRDE investiu R$ 247 milhões na microrregião de Maringá, Noroeste do Paraná, em 2015, apoiando projetos de inovação e de setores do agronegócio, entre outras áreas da economia. Os valores foram apresentados pelo diretor de Operações do Banco, Wilson Quinteiro, em entrevista ao jornal O Diário.
A microrregião de Maringá compreende os municípios de Mandaguari, Marialva, Paiçandu e Sarandi. Neste ano, até agora, foram liberados R$ 41,3 milhões em financiamentos para a mesma região, e outros R$ 60 milhões estão em análise. Quinteiro destacou que em 2015 a Agência Paraná conseguiu a marca de R$ 1,53 bilhão em financiamentos, montante maior do que o orçamento anual de muitas cidades paranaenses, inclusive o de Maringá. “É um volume expressivo de recursos que gerenciamos, e são 100% investimentos”, disse.
O diretor falou ainda sobre a ideia de instalar uma extensão do BRDE na cidade de Maringá para facilitar o atendimento presencial do banco a empreendedores do Noroeste e Norte do Paraná.
“Atualmente, os empresários podem acessar o Banco pelo site ou receber visitas dos prospectores. Também fazemos reuniões nas entidades, mas precisamos avançar mais. A ideia é ter universidades como parceiras. Vai ser muito interessante iniciar esse novo modelo em Maringá”, afirmou o diretor.
Leia a entrevista íntegra clicando aqui.

Na condição de agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA, o BRDE alcançou recordes operacionais e econômicos no último ano. “Graças ao aperfeiçoamento dos processos de trabalho, foi possível darmos um salto no número de projetos contratados. Foram firmados 481 contratos em 2015, volume três vezes maior do que o realizado nos exercícios de 2013 e 2014 juntos”, informa o superintendente de Planejamento do BRDE, Maurício Mocelin.
O bom desempenho operacional teve reflexo no resultado financeiro. Em 2015, o Banco recebeu R$ 5,3 milhões como remuneração por sua atuação como agente financeiro do Fundo, valor superior ao que havia recebido no período 2012-2014 somados.
“É estratégico para o BRDE diversificar suas atividades. A prestação de serviços, como ocorre no FSA e no FUNDAM, é importante na composição do mix de produtos do Banco”, avalia o diretor de Planejamento, Luiz Corrêa Noronha. Ele salienta: “Essas atividades não substituem a função principal da instituição, que é a concessão de crédito, porém ampliam o portfólio e geram receitas significativas. Nesse sentido, devemos aproveitar outras oportunidades, como é o caso da avaliação de imóveis, que vem sendo negociada com o Governo do Rio Grande do Sul, e a estruturação de Parcerias Púbico-Privadas, as PPPs”.
Melhorias operacionais
Para a chefe do Departamento de Programas e Orçamento, Vitória Lunardeli, esses resultados positivos se tornaram possíveis, em grande parte, pelas melhorias significativas de processos implantadas ao longo do ano. “Tais melhorias permitiram agilizar a análise e o processamento das informações dos projetos contemplados. Com isso, conseguimos reduzir os tempos entre o recebimento da documentação e o envio dos contratos aos proponentes”, relata Vitória.
O advogado da CONJUR, Rodrigo de Ávila, responsável pela elaboração dos contratos do FSA, explica que, a partir de 2015, a Agência Nacional do Cinema – Ancine passou a analisar boa parte da documentação necessária à contratação. “Essa mudança trouxe ganhos de produtividade no processo como um todo, especialmente na parte que cabe ao BRDE”, destaca.
 

BRDE-FSA em números
Create column charts

O secretário do Produtor Rural e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, Caio Rocha, esteve em visita ao vice-presidente do Banco, Odacir Klein, na tarde desta segunda-feira (11).
Durante o encontro ele comentou sobre os diversos projetos e programas para incentivar o cooperativismo no Brasil que o MAPA tem colocado em prática e realizado, assim como as várias ações em defesa do agronegócio.
Conforme o secretário, o cooperativismo é a melhor maneira de fazer com que a agricultura se desenvolva de forma competitiva e melhorando a renda do produtor rural. “Emprega um número considerável de pessoas e contribui economicamente em torno de 30% da balança de agronegócio para exportação”, afirmou.
Caio Rocha disse também que o agronegócio brasileiro representou 45,9% da balança comercial brasileira no acumulado entre dezembro de 2014 e novembro de 2015. Até novembro, o valor exportado em produtos agropecuários acumulava US$ 88,13 bilhões, segundo dados do MAPA.
O secretário destacou ainda a informação divulgada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, de que o governo federal e o Banco do Brasil já garantiram R$ 10 bilhões para o pré-custeio da próxima safra (2016-2017).
“A ministra Kátia Abreu confirmou também que o Orçamento de 2016 deverá trazer R$ 850 milhões para o seguro agrícola, sendo que R$ 400 milhões já estão previstos para esse fim, R$ 350 milhões serão deslocados da rubrica de Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) – que não foi utilizada integralmente em 2015 – e R$ 100 milhões virão de emendas parlamentares”, acrescentou Caio Rocha.

O BRDE assinou, no último dia 10 de dezembro, um dos maiores contratos de financiamento ao setor de saúde em Santa Catarina, no valor de R$ 20 milhões. Os recursos vão financiar a primeira etapa do Hospital Baum de Assistência de Média e Alta Complexidade, em Blumenau, iniciativa do grupo Leben Participações e Administração Hospitalar.

Em uma segunda etapa, o BRDE poderá aportar mais R$ 35 milhões para apoiar o investimento total de R$ 117 milhões do grupo para o novo hospital com 130 leitos – sendo 20 de UTI – em um prédio com quatro pavimentos e 23 mil metros quadrados de área construída. Parceiro do empreendimento, o Hospital Albert Einstein, de São Paulo, fará a consultoria em gestão, e a Ernst and Young, consultoria com atuação em mais de 150 países, é responsável pela modelagem e estruturação financeira do projeto.

“Consideramos o BRDE um parceiro, não apenas um banco que está financiando o nosso projeto. A equipe sempre se mostrou proativa, analisando e orientando o projeto de forma positiva”, afirmou o diretor do Hospital, Rinaldo Danesi Pinto.

Para o presidente do BRDE Neuto De Conto, o diferencial do Banco é colocar uma equipe dedicada ao projeto do investidor. “O BRDE atua como fomentador do desenvolvimento e quando um grupo vem ao Banco para investir em saúde, ganha a sociedade”. O diretor financeiro Renato Vianna salientou que o projeto é uma iniciativa ousada. “Sessenta médicos de Blumenau resolveram ousar num empreendimento de referência na área da saúde que se destaca pela inovação e sustentabilidade”, afirmou.

As obras iniciaram neste mês de dezembro, com previsão de conclusão para dentro de dois anos e meio. O hospital contará com tecnologia de ponta, arquitetura inovadora, foco no paciente e um novo conceito de hotelaria, vai gerar 600 empregos diretos e 2 mil indiretos.

A proposta é complementar a oferta de serviços médicos de alta complexidade existente em Blumenau e Santa Catarina, atendendo a pacientes de convênios e particulares. O hospital foi idealizado por um grupo de 60 médicos para oferecer especialidades em 15 áreas da Medicina: anestesiologia, cardiologia, gastroenterologia, medicina intensiva, neurocirurgia, oncologia, ortopedia, pneumologia, radiologia, urologia, cirurgia vascular, cirurgia cardíaca, cirurgia plástica, cirurgia oncológica e cirurgia do aparelho digestivo.

O projeto arquitetônico foi desenvolvido pela Kahn do Brasil, empresa especializada em arquitetura hospitalar. Mais do que sustentável, é restaurativo e melhora o ambiente ao redor. O hospital fará máximo aproveitamento da energia solar e terá independência em água e energia.

O BRDE tem histórico em apoio ao setor de Saúde

A operação confirma a tradição do BRDE em financiamento ao setor de Saúde. Nos últimos anos, o BRDE financiou mais de R$ 120 milhões em projetos de construção, ampliação, aquisição de equipamentos e reestruturação financeira de instituições hospitalares. Entre os principais investimentos estão:
Hospital da Unimed em Chapecó, com aporte de R$ 40 milhões.
Ampliação do Hospital Unimed Litoral em Itajaí, com R$ 19 milhões.
Reestruturação Financeira e construção de nova ala do Hospital de Caridade, em Florianópolis, com R$ 28,8 milhões.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) doou, na terça-feira (26), doação de 15 computadores para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Sobradinho, no interior do Estado. O objetivo é montar uma sala de treinamento e ambientação para crianças especiais.
A doação foi autorizada no mês passado e é uma das ações que fazem parte das diretrizes do BRDE Responsabilidade Socioambiental, conhecida como BRSA.