BRDE

Com a perspectiva de movimentar R$ 40 milhões em vendas de máquinas e equipamentos, o Sábado Show 2016, promovido pela empresa MacPonta – Máquinas Agrícolas Ltda, terá dois eventos no mês de maio, com a presença do BRDE. O primeiro evento será em Guarapuava, no dia 7. O segundo, em Ponta Grossa, no dia 14.
São esperadas 5 mil pessoas nos dois dias do evento. O BRDE estará presente no Sábado Show com estande próprio, onde técnicos poderão atender clientes e apresentar as linhas de financiamento disponíveis ao setor de máquinas e equipamentos agrícolas.
São linhas de financiamento competitivas e prazos adequados às necessidades do público-alvo do Sábado Show – produtores rurais, pecuaristas e demais parceiros do agronegócio da região envolvida interessados em investir em máquinas e equipamentos.
A proposta do Sábado Show, promovido anualmente pela MacPonta, é oferecer oportunidades de negócios ao segmento agrícola e incrementar o volume de negócios da linha John Deere, permitindo ao agricultor e pecuarista renovar e ou melhorar sua frota com as melhores condições financeiras do mercado.

Interessados em obter financiamento para o Plano Safra 2015/2016 devem se apressar. O BRDE receberá propostas de financiamento para projetos coletivos até 16 de maio e para projetos individuais, até 22 de maio. É necessário apresentar documentos cadastrais, projetos e orçamento dos investimentos.
Conheça as linhas de crédito:
Inovagro*: financia 100% de projetos de inovação tecnológica nas propriedades rurais. Os principais beneficiários são suinocultores, avicultores e pecuaristas de leite. A taxa é de 7,5% ao ano, com prazo de até 10 anos para pagamento.
PCA*: para projetos de construção e ampliação de armazéns. São beneficiados produtores rurais, pessoas físicas e jurídicas e cooperativas de produção. Financia 100% do investimento, com taxa de 7,5% ao ano e prazo de até 15 anos para pagamento.
– Moderagro*: atende diversos setores da produção, como beneficiamento, industrialização, acondicionamento e armazenamento de produtos. São beneficiários produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas e cooperativas de produção.
FCO Rural: financia até 100% da compra de máquinas e equipamentos agrícolas e demais investimentos por produtores rurais do Mato Grosso do Sul com faturamento anual de até R$ 16 milhões. A taxa é a partir de 6,5025% ao ano, com prazo até 10 anos para pagamento (já com bônus de adimplência).
* As condições de financiamento são válidas para contratações até 30 de junho de 2016, sujeitas à disponibilidade orçamentária, conforme previsto em norma para cada linha.

De 5 a 15 de maio próximo, a Agência Paraná do BRDE participará da 44.ª edição da Exposição e Feira Agropecuária de Maringá (Expoingá), no Parque Internacional de Exposições Francisco Feio Ribeiro. Organizada pela Sociedade Rural de Maringá (SRM), a feira é um dos maiores eventos do agronegócio no Paraná. A exposição recebe todos os anos mais de 500 mil visitantes.
O BRDE novamente vai levar para a Expoingá várias opções de financiamento, disponibilizando à Maringá e região R$ 100 milhões para garantir os negócios gerados durante a feira. São linhas que financiam a expansão, modernização, ampliação, implantação e inovação nas diversas cadeias produtivas do agronegócio e de todos os segmentos da indústria, comércio e serviços.
Durante a exposição, o BRDE também assinará contratos com empreendedores da região. Segundo o superintendente do BRDE no Paraná, Paulo Cesar Starke Junior, o Banco dará destaque ao financiamento de projetos de inovação, especialmente na indústria e no setor de serviços, com linhas apropriadas do BNDES e da FINEP.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) bateu recorde de financiamento para as cooperativas agropecuárias nos últimos cinco anos no Paraná. A agência paranaense do banco contratou um total de R$ 2,46 bilhões no período de 2011 até o fim de 2015.
Somente no ano passado, o BRDE contratou R$ 890,9 milhões para as cooperativas paranaenses. O montante foi 205% superior ao volume de 2014 (R$ 291,5 milhões). A agência ainda financiou R$ 19,5 milhões para cooperativas do Mato Grosso do Sul.
Os recursos têm contribuído para o desenvolvimento do setor no Estado. A combinação de safras recordes de grãos, apoio financeiro, pesados investimentos em tecnologia e profissionalização colocaram o Paraná no topo do setor cooperativista no País.
No ano passado, as cooperativas paranaenses alcançaram R$ 60,4 bilhões em faturamento, 19,6% acima do registrado em 2014, de acordo com dados da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar).
“Essa parceria de sucesso com as cooperativas paranaenses comprova que o BRDE, ao longo de 55 anos, cumpre bem sua tarefa de acompanhar o crescimento do Estado”, diz Orlando Pessuti, diretor Administrativo do BRDE. “O banco está combatendo a crise econômica nacional estimulando o agronegócio, o cooperativismo, a agroindustrialização e, ao mesmo tempo, gerando emprego e renda”, afirma.
Desde 2011, o banco se dedica a apoiar mais fortemente o processo de agroindustrialização das cooperativas. Atualmente perto de 50% da produção dos cooperados passa por algum tipo de transformação, de acordo com a Ocepar. Dos investimentos de R$ 2,3 bilhões registrados no ano passado por parte das cooperativas paranaenses, 60% foram destinados ao setor de agroindustrialização.
MULTIPLICAR – Paulo Cesar Starke Júnior, superintendente do BRDE no Paraná, destaca o papel do banco em multiplicar efeitos positivos no campo. “Ao colocar o financiamento ao sistema cooperativista no centro da sua estratégia, o BRDE está promovendo a geração de riquezas no campo, agregação de valor e o aumento da renda de inúmeras famílias”, diz.  De acordo com a Ocepar, ao todo, o cooperativismo paranaense congrega 1,3 milhão de cooperados, possui 2 mil empregados e gera 2,6 milhões de postos de trabalho.
No ano passado, um dos destaques foi a contratação R$ 109 milhões pela Coamo, de Campo Mourão, para ampliar e modernizar ainda mais sua estrutura de recebimento e armazenagem de grãos em suas instalações no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul.
Em 2016, as cooperativas continuam a ter forte apoio do BRDE. O projeto mais recente é o da cooperativa Frimesa, que vai investir R$ 2,7 bilhões em um frigorífico para abate de suínos em Assis Chateaubriand, na região Oeste. Parte desse valor será financiado pelo banco.
A capacidade de abate da nova unidade será de 15 mil animais por dia. A previsão é de que sejam gerados 5,5 mil empregos diretos empregos quando a unidade atingir a capacidade máxima.

O BRDE liberou nesta quarta-feira (13) R$ 9,1 milhões para empresas da Região Norte do Paraná, para financiamento de cinco projetos nas áreas de saúde, gastronomia, geração de energia, comércio e tecnologia. Os contratos foram assinados pelo diretor de Operações do BRDE, Wilson Quinteiro, e representantes das empresas durante a Expolondrina 2016.
Também foram assinados contratos com produtores rurais vinculados às empresas Frangos Pioneiro, Granjeiro e Jaguafrangos, no valor de R$ 49,1 milhões. São recursos disponibilizados pelo Banco para uso pelos avicultores ao longo de 2016. O presidente da Cohapar, Abelardo Lupion, acompanhou a assinatura dos contratos.
O diretor Quinteiro apresentou programas do Banco, como o BRDE Energia e BRDE Municípios, e mostrou os resultados da instituição em 2015, com recorde de contratações de R$ 1,53 bilhão no Paraná.  “O BRDE é um instrumento dos empreendedores de todo nosso Estado para o desenvolvimento, o fomento da indústria, do comércio, das empresas e do agronegócio”, disse.
“O BRDE tem contribuído para crescimento econômico de todo o Sul do país. No Paraná, ajudou o Estado a se tornar a quarta economia nacional. Quando a economia cresce, todos ganham, com mais empregos, mais receita aos municípios e melhor qualidade de vida da população”, acrescentou o diretor.
“Estamos muito contentes com o resultado. Nossa escola tem um conceito diferenciado, único na região, e só conseguimos viabilizá-la graças ao apoio do BRDE”, disse a empresária Ana Paula Lopes, que assinou contrato de R$ 275 mil para ampliação da Menu Escola de Gastronomia, aberta em 2015, em Londrina.
A empresa nasceu do sonho de Ana Paula Lopes e de um amigo, ambos chefs de cozinha com ampla experiência, de criar uma escola de gastronomia diferente, capaz de atender desde os leigos até quem busca uma nova profissão.
Outro contrato foi assinado com a empresa de tecnologia Ágile, também de Londrina. Os recursos do BRDE ajudarão no desenvolvimento de um novo produto da empresa, que atua há 15 anos no mercado e gera mais de 100 empregos diretos.
A plataforma Ágile Blue, que deve ser lançada no mercado em junho, vai permitir que os gestores públicos transfiram para a internet toda a administração pública, agilizando os serviços tanto de servidores dos cidadãos.
“Estamos muito otimistas. Mesmo que as condições gerais da economia e da política nacional não pareçam muito favoráveis, esperamos que este novo produto amplie ainda mais nossa presença no mercado”, disse o sócio proprietário da Ágile, José Carlos Urias.
Segundo Urias, a experiência com o BRDE foi tão positiva que a empresa já pensa em buscar novos financiamentos através do banco. “A qualidade do atendimento, a seriedade e a agilidade no processo, bem como as condições e taxas de juros nos surpreendeu”.
Para o superintendente da Agência Paraná do BRDE, Paulo Starke Junior, os cinco projetos que receberão os recursos do banco são uma mostra da grande variedade de linhas de crédito disponíveis, que atendem todas as áreas de negócio.
“Algumas pessoas acreditam que o BRDE só financia grandes indústrias, mas isso não é verdade. Há linhas de crédito para o agronegócio, comércio, serviços, enfim, podemos atender praticamente todo tipo de negócio”, diz.
CONTRATOS ASSINADOS NA EXPOLONDRINA

Os recursos serão usados na ampliação da clínica, com construção de nova sede de 797m2 e novos equipamentos. A empresa será a única da cidade a oferecer o serviço de ressonância magnética confiável em equipamento aberto, o que trará grande diferencial em relação a seus concorrentes.

Financiamento para a construção de uma nova sede com 5.503m2. A ampliação permitirá a consolidação da comercialização de materiais de construção contemplando espaço para estoque e showroom, bem como espaço para a ampliação da área de armazenagem, montagem e comercialização de equipamentos eletrônicos.

Financiamento da nova plataforma Ágile Blue, ferramenta que permite a inclusão de toda a gestão pública d na internet, oferecendo serviços web para cidadãos e funcionários públicos. O novo produto deve ser lançado no mercado no início do segundo semestre.

Os recursos serão usados para complementar a implantação da empresa, fundada em 2015 para oferecer aulas de gastronomia para leigos e profissionais da gastronomia, oferecendo cursos de curta e longa duração.

O projeto via a construção de uma pequena central hidrelétrica (PCH) no município de Santa Fé (PR), às margens do Rio Bandeirantes do Norte. O valor do contrato a ser assinado é um complemento aos recursos já liberados pelo BRDE ao projeto, R$ 17.090.000,00.

Além desses, serão assinados também contratos com produtores rurais da região de Londrina vinculados às conveniadas Frangos Pioneiro, Granjeiro e Jaguafrangos. Com estas três empresas, o BRDE possui um convênio para disponibilizar até R$ 49.100.000,00 em financiamentos para produtores da cadeia de frango.

Entre os eventos técnicos da feira, está a palestra do economista Luiz Gustavo Medina, dirigida a empresários e industriais do setor, profissionais liberais e representantes de entidades de classe. A palestra tem o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

 
Um dos destaques da programação técnica da Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina 2016 (Expolondrina) nesta terça-feira (12) será a palestra do economista Luiz Gustavo Medina, que falará sobre as perspectivas na economia para o agronegócio no Brasil, dirigida a empresários e industriais do setor, profissionais liberais e representantes de entidades de classe. A palestra tem o apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).
Luiz Gustavo Medina é formado em Finanças pelo Insper, trabalha há 16 anos no mercado financeiro e é autor dos livros ”Investindo em Ações – Os primeiros passos”, “Investindo sem Erro”, e “Investindo no Futuro”. Teco Medina, como é conhecido, é palestrante e co-apresentador dos programas da Rede CBN ”Fim de Expediente”, “Hora de Expediente” e “Call de Abertura”. Medina escreveu para o jornal Valor Econômico e para a revista Elas & Lucros.
O tema da palestra é Agronegócio, o Brasil que dá certo. No Paraná, o agronegócio, mesmo com a crise econômica, que vem provocando o adiamento e o cancelamento de projetos de investimentos em todo o País, o setor continua a apresentar bons resultados, embalado pela safra de grãos, avicultura e suinocultura. Perto de 70% das operações do BRDE no Paraná estão relacionadas, de alguma maneira, à cadeia do agronegócio.
OPORTUNIDADE – O BRDE participa da Expolondrina até o próximo domingo (17). Em 2015, mais de 200 empresários, agricultores e pecuaristas visitaram o estande do Banco na feira. A exposição é uma oportunidade para o Banco reforçar parcerias na região e atrair novos clientes, que procuram o BRDE e, busca de financiamento para projetos de investimento no agronegócio, indústria e empresas de todos os portes. Neste ano, o BRDE divide seu estande na feira com a Fomento Paraná.
A Expolondrina, organizada pela Sociedade Rural do Paraná (SRP), deve receber neste ano mais de 500 mil visitantes. Em 2015, foram 562 mil visitantes, com a presença de 11 mil produtores rurais e perto de 3 mil expositores. Foram mais de 230 mil negócios financiados ou prospectados durante a exposição, resultando numa movimentação financeira de R$ 428 milhões, de acordo com dados divulgados pela Sociedade Rural do Paraná, promotora do evento.

A Mercosuper é a segunda maior feira do Brasil e a maior da Região Sul no setor
 
O BRDE participa a partir desta terça-feira (12) da 35ª Feira e Convenção Paranaense de Supermercados (Mercosuper), promovida pela Associação Paranaense de Supermercados (Apras). A Agência Paraná tem um estande na feira, onde técnicos do Banco vão apresentar as linhas de financiamento disponíveis ao setor e reforçar as parcerias com o segmento supermercadista.
A Mercosuper tem como objetivo de ampliar as vendas do setor no Estado e criar um relacionamento saudável entre fornecedores e supermercadistas. A Mercosuper é a segunda maior feira do Brasil e a maior da Região Sul no setor. Neste ano, a feira acontecerá de 12 a 14 de abril, no espaço de exposições Expotrade, em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, com o tema: “Superoportunidade para bons negócios”.
No Paraná, o BRDE tem no setor supermercadista um importante cliente, financiando a construção de novas unidades, ampliação e reforma das instalações, aquisição de gôndolas, balcões frigoríficos, câmaras frias, móveis e utensílios e capital de giro associados ao projeto para o pequeno mercado até as grandes redes supermercadistas.
Além das linhas de crédito convencionais do BRDE disponíveis a empresas de todos os portes, o Banco também apresentará na Mercosuper as condições para financiamento nas áreas de energia (redução de custos e eficiência energética), inovação e produção e consumo sustentáveis.
A programação da feira inclui uma série de palestras, abordando prevenção de perdas e desperdícios, estruturação e-commerce, estratégia de branding em supermercado, cenários e tendências no varejo, entre outros. As atividades da feira seguem até quinta-feira (14).

Atuação do Banco no Norte Central paranaense é forte. O BRDE no ano passado projetos em Londrina e região no valor de R$ 349 milhões.
 
A Agência Paraná do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) participa até o próximo domingo (17) de abril da 56ª Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina (Expolondrina), um dos maiores eventos da agropecuária paranaense e nacional. A expectativa é que mais de 500 mil pessoas visitem a exposição.
“A Expolondrina é um exemplo da pujança do agronegócio no Paraná e no Brasil. As dificuldades econômicas seriam maiores, não fossem os resultados do campo”, afirmou o diretor Administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, durante visita à feira neste fim de semana. Neste ano, o BRDE divide seu estande na feira com a Fomento Paraná.
Em 2015, mais de 200 empresários, agricultores e pecuaristas visitaram o estande do BRDE na Expolondrina. A feira é uma oportunidade para o Banco reforçar parcerias na região e atrair novos clientes, que procuram o BRDE e, busca de financiamento para projetos de investimento no agronegócio, indústria e empresas de todos os portes.
A atuação do BRDE no Norte Central paranaense é forte. Para se ter uma ideia das operações do Banco no Norte do Paraná, o BRDE financiou no ano passado projetos em Londrina e região no valor de R$ 349 milhões. Em 2016, já foram R$13,7 milhões em financiamentos a 25 projetos.
A Expolondrina, organizada pela Sociedade Rural do Paraná (SRP), deve receber neste ano mais de 500 mil visitantes. Na abertura da exposição, o presidente da SRP, Moacir Sgarioni, disse que a Expolondrina é a feira agropecuária mais completa do país.
“Superamos muitas dificuldades e, mesmo num momento de crise que está afetando quem produz, tivemos a coragem de realizar a feira”, afirmou Sgarioni. O prefeito de Londrina, Alexandre Keeref, falou da importância da feira para a economia do município e do Paraná e destacou que as grandes discussões sobre o agronegócio paranaense passam pela Expolondrina.
“A Expolondrina tem 56 anos de uma vida exitosa. É um ambiente de grandes oportunidades, por ser a feira que mais oferece conhecimento, onde se vê pesquisa e inovação, além do volume de negócios gerados”, disse o secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, que também visitou a exposição.
Na sexta-feira (8), dia da abertura oficial da Expolondrina, o diretor Orlando Pessuti, acompanhado dos técnicos do BRDE João Carlos Kuritza e Carlos Kaust, receberam no estande do BRDE a visita da ex-vice-governadora Emilia Belinati e de Gil Abelin, do Instituto Emater.
EXPOSIÇÃO – A Expolondrina reúne empresas e produtores que expõem a excelência genética da pecuária, novas tecnologias em máquinas e equipamentos, implementos agrícolas, setor automotivo, laboratório e indústria farmacêutica, instituições bancárias, telecomunicação, energia, informática, indústria do vestuário e acessórios.
Em 2015, a feira recebeu 562 mil visitantes, com a presença de 11 mil produtores rurais e perto de 3 mil expositores. Foram mais de 230 mil negócios financiados ou prospectados durante a exposição, resultando numa movimentação financeira de R$ 428 milhões, de acordo com dados divulgados pela Sociedade Rural do Paraná, promotora do evento.
 

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Associação Brasileira de Fomento às Pequenas Centrais Hidrelétricas (ABRAPCH) firmaram nesta quarta-feira (6) um convênio de cooperação técnica. A assinatura foi feita pelo diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, durante palestra com o Edvaldo Santana, ex-diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
O acordo tem duração de dois anos e prevê o desenvolvimento de ações conjuntas para difusão e informação sobre procedimentos e condições para o apoio financeiro das empresas de geração de energia elétrica. Atualmente, o banco possui o programa BRDE Energia, destinado a fortalecer a atuação no segmento de energia renovável, principalmente através do apoio e financiamentos a projetos que promovam a diversificação da matriz energética renovável da Região Sul. Várias PCHs já foram financiadas por meio do programa.
Para Orlando Pessuti, parcerias como a firmada com a ABRAPCH ajudam o banco a ampliar sua atuação como instituição de fomento ao desenvolvimento em todas as suas esferas. Pessuti lembrou que a oferta de energia é fundamental para o setor produtivo, daí a importância de apoiar as iniciativas que busquem ampliar a oferta de energia das mais variadas fontes.
“A ABRAPCH desenvolve um trabalho fantástico de motivação e apoio a projetos de pequenas centrais hidrelétricas. Com este termo de cooperação, o BRDE poderá ter uma ação ainda mais efetiva e qualificada junto de quem quer investir em energia elétrica renovável em toda a área de abrangência do banco”, explicou Pessuti.
Entidade sem fins lucrativos, a ABRAPCH é constituída por cooperativas, empresas públicas e privadas, desenvolvedoras de projetos, fornecedores de serviços e equipamentos, profissionais, estudantes e entidades que apoiam o aumento sustentável da utilização de geração de energia elétrica por meio das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e das Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs).
Segundo levantamento da Aneel, em todo país há atualmente 142 projetos de PCHs aptos a obterem licença do poder público. Entre os estados com maior número de propostas está o Paraná, que só no ano passado teve 24 PCHs outorgadas.
Muitos desses projetos foram viabilizados por meio de financiamentos do BRDE, como as PCHs Tigre, com potência de 9 megawatts (MW), no Rio Marrecas, no Centro-Sul do Paraná; e Salto Bandeirantes (4 MW), no Rio Bandeirantes, no Norte Pioneiro.
 

O diretor Administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, participou nesta terça-feira (5) da entrega simbólica de 10 mil pacotes da Edição Especial dos Melhores Cafés do Paraná para os 10 patrocinadores do Concurso Café Qualidade Paraná 2015. A entrega foi no auditório da Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento, em Curitiba.
Cada patrocinador receberá mil pacotes de 250 gramas cada de uma edição exclusiva e limitada dos melhores cafés do Estado. As embalagens são personalizadas com a logomarca dos parceiros. Os cafés foram premiados do primeiro ao quinto lugar em três categorias no concurso realizado em Mandaguari, em outubro de 2015.
Venceram o concurso as cafeicultoras Maria Aparecida Gomes, do município de Tomazina, Eloir Nogueira de Souza, de Pinhalão e Ceres Trindade de Oliveira, de Joaquim Távora, todas cidades do Norte Pioneiro paranaense. Elas foram premiadas, respectivamente, nas categorias café de microlote, café cereja descascado e café natural.
Os lotes de café torrado e moído selecionados no concurso foram comprados dos produtores premiados pela comissão organizadora do concurso, com recursos dos parceiros, e transformados na Edição Especial. A comissão organizadora pagou de R$ 740,00 a R$ 1.500,00 a saca, valor bem superior ao de mercado, que era de R$ 405,00 a saca em outubro do ano passado.
Ao receber as embalagens de café, Orlando Pessuti lembrou a história de sua família, diretamente ligada à lavoura cafeeira, parabenizou as vencedoras do concurso e elogiou a organização do Concurso Café Qualidade. “São iniciativas como essa que estão tornando o café do Paraná conhecido no mundo todo”, afirmou o diretor.
Pessuti destacou a importância da conquista dos três grandes prêmios por mulheres. “É importante ver que as cafeicultoras são hoje as grandes responsáveis pela qualidade de nosso café. Este é um momento de celebração. Por isso a satisfação de vir aqui hoje reafirmar nosso compromisso com a próxima edição do concurso”, acrescentou.
O secretário da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, agradeceu os parceiros por acreditarem nos resultados do concurso e disse que o Paraná vem oferecendo ao mundo um café de qualidade, com valor agregado. “Está valendo a pena todo esse esforço, por isso vamos continuar investindo, avançando, melhorando cada vez mais nosso café”, afirmou.
“O Concurso Café Qualidade colocou o café paranaense em nova perspectiva, mostrando ao mundo a qualidade do nosso produto, o que nos faz ter ânimo para superar dificuldades e continuar produzindo um café competitivo, cada vez melhor”, afirmou o presidente da Câmara Setorial do Café do Paraná, Valter Ferreira Lima.
Foram contemplados também com os cafés especiais os patrocinadores do concurso Banco do Brasil, Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Federação da Agricultura do Estado do Paraná e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Faep/Senar), Federação dos Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Paraná (Fetaep), Cooperativa Integrada, Sebrae, Sicredi e Itaipu Binacional.
O CONCURSO
O Concurso Café Qualidade é promovido pela Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, Instituto Emater, Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Câmara Setorial do Café e Associação dos Engenheiros Agrônomos de Londrina, que faz a gestão dos recursos dos parceiros. Conta com apoio do Consórcio Pesquisa Café, do Ministério da Agricultura e das cooperativas Cocamar, Copacol, Integrada e Cocari.
O objetivo é fortalecer a cafeicultura e apresentar à sociedade o potencial do Paraná para a produção de cafés especiais. Isso possibilita aos cafeicultores a conquista de novos mercados, ampliando a oportunidade de negócios e consequentemente, o aumento da renda no campo. “Com investimentos em tecnologia e maior cuidado com a produção, os produtores vem conquistando novos mercados”, disse o secretário executivo da Câmara Setorial do Café, Paulo Franzini.
“A realização do concurso exerce um papel importante na difusão de tecnologia”, acrescentou Franzini. Segundo o técnico, muitos cafeicultores paranaenses já vendem a produção especial para cafeterias em todo o País, comprovando que há nichos para inserção no mercado. “O Paraná está trabalhando para ser referência na área e reconhecido como um produtor de café diferenciado”.