BRDE

Mesmo com o agravamento das condições econômicas no país, o ritmo de investimentos na região Oeste continua forte. Atualmente, a agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) analisa 101 processos de financiamento de projetos produtivos para o Oeste, que, somados, atingem cerca de R$ 500 milhões.
“Apesar da recessão, o agronegócio vai muito bem e dá continuidade aos projetos de expansão. O setor de energia, por sua vez, vive uma nova onda de investimentos e há muitos projetos para a região”, diz Tatiana Henn, gerente de planejamento, novos projetos e negócios do banco.
O diretor de operações do BRDE, Wilson Quinteiro, explica que só no ano passado, o BRDE assinou 420 contratos, totalizando R$ 351,1 milhões em financiamentos na região. “O Oeste, assim como o Norte do Paraná, tem apresentado franco desenvolvimento nos últimos anos. E isso se reflete na procura e na concessão de financiamentos para negócios nessas regiões”, explica Quinteiro.
Os setores com maior volume de financiamentos pelo BRDE foram a indústria de transformação (R$ 161,3 milhões), seguida pelo de comércio e serviços (R$ 94,3 milhões) e agropecuária e floresta (R$ 87,3 milhões). Entre 2011 até 15 de maio de 2016, o banco contabilizou R$ 1,5 bilhão em contratos no Oeste.
Desde o início de 2016 já foram assinados 114 contratos para projetos no Oeste paranaense, em um total de R$ 30,6 milhões em financiamentos. As principais linhas são destinadas a cooperativas, produtores cooperados e independentes.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria do Paraná (Italocam) realizaram um encontro com empresários com o tema “Oportunidades de negócios e condições de financiamento com o BRDE”, na última quinta-feira (19).
O almoço empresarial contou com a presença do diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, que explicou que o banco sempre está aberto a parcerias em prol do desenvolvimento. “Eventos como este, além de mostrarem que o BRDE é um instrumento para o povo, ajudam a ampliar sua atuação como instituição de fomento ao desenvolvimento em todas as suas esferas”, enfatizou Pessuti.
A gerente adjunta de planejamento da agência paranaense do BRDE, Lisiane Astarita, fez uma apresentação institucional aos empresários e destacou a importância do banco no fortalecimento da economia paranaense. “O BRDE tem objetivo de apoiar e acompanhar o desenvolvimento de projetos para aumentar a competitividade de empreendimentos de todos os portes”, explicou.
Para o presidente da Italocam, Francesco Pallaro, o evento foi muito positivo, reunindo num mesmo espaço empresários de vários segmentos e o BRDE, agregando conhecimentos e estimulando o crescimento profissional. “A Câmara tem com objetivo fomentar a discussão, além de oferecer para seus associados o aporte necessário para que os mesmos possam contribuir com o contínuo crescimento do seu setor”, destacou.

O programa BRDE Inova financiou o projeto da empresa catarinense Seekr, especializada em gestão e monitoramento de marcas em mídia sociais, que foi distinguida como case de referência mundial do IBM Global Entrepreneur – GEP.
A startup, que nasceu em Blumenau e tem sede em São Paulo, empregou o crédito de R$ 850 mil do BRDE, na linha BNDES MPME Inovadora, para o desenvolvimento da plataforma de gestão de multicanalidade Seekr 5, com criação de quatro aplicativos – Seekr Robô, Seekr Faq, Seekr Chat e outro app que está em desenvolvimento e funcionará como rede social colaborativa . Também foram elaboradas novas versões dos aplicativos Seekr Monitor, Seekr SAC e Seekr CRM.
O Programa de Empreendedorismo da IBM visa engajar empreendedores, apoiando-os com tecnologia na fase inicial da empresa para que se destaquem no mercado. “Para o BRDE, ter financiado uma empresa catarinense que a IBM destaca como case global no seu programa focado a novos negócios inovadores, é a confirmação do acerto dos objetivos do Programa BRDE Inova de crédito à inovação”, comentou o gerente de Planejamento do BRDE, Felipe Couto.

Foram assinados na última quarta-feira (11) os contratos de financiamento com os municípios de Araucária, Campo Largo, Colombo, Pato Branco e Quatro Barras. O investimento soma R$ 37,3 milhões e será feito com recursos do programa BRDE Municípios, realizado em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, por meio do Paranacidade. As obras incluem pavimentação, melhoria em escolas, construção de praças públicas e cobertura de quadras esportivas de escolas municipais.
O diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, disse que todas as obras já estão com processo licitatório homologado e que deverão ser iniciadas em breve. Ele destacou o papel do programa BRDE Municípios no desenvolvimento regional. “É importante que as cidades do Sul, independentemente do porte, tenham mais condições de fazer investimentos em obras e melhorias”, diz. Somente neste ano, o programa vai destinar R$ 60 milhões para projetos de municípios paranaenses.
O diretor de Operações do BRDE, Wilson Quinteiro, explica que o programa foi lançado no ano passado para oferecer às prefeituras dos estados do Sul uma forma de acesso a crédito para obras que impactem positivamente na qualidade de vida dos cidadãos. “Na dificuldade que vive o país, os municípios ficam impedidos de realizar obras importantes. Por isso o BRDE dá sua parcela de contribuição”, afirmou Quinteiro.

Sempre presente nas maiores feiras de agronegócio do Sul do país, o BRDE escolheu a 44ª Expoingá para assinatura de sete contratos de financiamento a projetos do Norte do Paraná. A formalização foi feita pelo diretor de operações do BRDE, Wilson Quinteiro, nesta quinta-feira (12). Os contratos somam R$ 40,3 milhões e abrangem empreendimentos nas áreas de inovação, comércio, serviços e indústria.
De acordo com o diretor administrativo do BRDE, Orlando Pessuti, esses contratos representam uma amostra dos vários projetos financiados na região Norte do Paraná, que tem apresentado grande crescimento e desenvolvimento nos últimos anos. “Para se ter uma ideia das operações do banco no Norte do Estado, o Banco financiou no ano passado projetos em Maringá e região no valor de R$ 349 milhões”, disse Pessuti.
Um dos empreendimentos que receberá financiamento do BRDE é a Tecnospeed, com sede em Maringá. Segundo o sócio-executivo da Tecnospeed, Erike Almeida, o apoio do BRDE, que vai disponibilizar crédito de R$ 600 mil para o desenvolvimento de um novo produto, é fundamental nesta nova etapa do empreendimento. “Se não tivéssemos o apoio do banco, provavelmente esse projeto acabaria engavetado”, explica.
O diretor de operações do BRDE, Wilson Quinteiro, lembra que o banco tem fortalecido sua atuação no setor da inovação e tecnologia, beneficiando empresas como a Tecnospeed. “Estamos vendo o BRDE cumprir sua missão como instituição de desenvolvimento da Região Sul, oportunizando sempre novos investimentos em vários setores, incluindo o de inovação”, disse.

Foram assinados nesta semana três contratos de financiamento do BRDE com as cooperativas Cocari e Integrada, no valor total de R$ 38,3 milhões. Com a Cocari, foram dois contratos assinados. Um deles, de R$ 14,7 milhões, será aplicado na expansão e modernização das unidades de recebimento, beneficiamento e armazenagem de grãos da cooperativa nos municípios de Itambé, Kaloré, Marialva e São Pedro do Ivaí.
Os recursos referentes ao outro contrato, no valor de R$ 8,8 milhões, serão investidos na ampliação da capacidade de armazenamento estático de grãos na Unidade de Ortigueira. Já com a Integrada Cooperativa Agroindustrial, o valor do novo financiamento é de R$ 14,8 milhões para a ampliação e modernização das unidades de Andirá, Marialva e Cornélio Procópio.
Para o diretor-presidente da cooperativa, Jorge Hashimoto, a parceria com o BRDE tem se mostrado fundamental para o crescimento da cooperativa, beneficiando todos os cooperados. “O banco, com sua estrutura técnica altamente capacitada, sempre nos recebe muito bem, procurando atender as nossas necessidades da melhor forma possível. Esperamos que essa parceria continue por muito tempo”, explica Hashimoto.

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM), José Carlos Valêncio, e o diretor de operações do BRDE, Wilson Quinteiro, firmaram um acordo de cooperação técnica entre as duas instituições. O documento foi assinado durante evento na 44ª Expoingá, em Maringá.
O acordo prevê a colaboração recíproca entre as instituições, visando ao desenvolvimento econômico, com foco nas empresas afiliadas da Associação. Para o presidente da Acim, José Carlos Valêncio, a parceria vai facilitar o acesso dos empresários da região de Maringá aos financiamentos do banco. “Os recursos do BRDE são muito interessantes para o nosso público-alvo formado, em grande parte, por empresários do comércio, serviços e indústria. Esse convênio vem na hora certa”, finaliza Valêncio.
O diretor do BRDE Wilson Quinteiro explicou que a proximidade com a ACIM vai fortalecer a presença do BRDE na região, que vem se desenvolvendo rapidamente, com empreendimentos em diversos setores. “As parcerias com entidades reforçam a presença do BRDE em todas as regiões do Paraná, sendo fundamentais para a divulgação das linhas e condições de crédito oferecidas”, disse Quinteiro.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) já está apto a receber propostas de financiamentos relacionadas ao Plano Safra 2016/2017, divulgado pelo Governo Federal na quarta-feira semana passada (04/05). Entre as novidades estão a disponibilização de R$ 202 bilhões para o crédito total e o aumento dos juros de 7,5% a.a. para 8,5% a.a. em média.
De acordo com Alexander Leitzke, Gerente de Planejamento da agência gaúcha do BRDE, não houve grandes mudanças. “O BRDE já pode receber propostas de financiamento, mesmo que alguns detalhes operacionais não tenham sido divulgados. Vamos processar os pedidos e, quanto esses detalhes estiverem disponíveis, podemos prosseguir”. Espera-se que o Governo Federal divulgue até início de junho as normas e o detalhamento dos financiamentos vinculados ao novo Plano Safra.
Houve aumento de 8% do valor de recursos em comparação à safra passada: de R$ 187,8 bilhões para R$ 202,88 bilhões. De acordo com a ministra de agricultura Kátia Abreu, o valor é considerado recorde. O limite de crédito por produtor também aumentou para R$ 1,320 milhão para o grande e R$ 780 mil para o médio produtor.

BRDE trouxe R$ 100 milhões para fechar negócios na feira, com linhas de financiamento para atender empreendedores de Maringá e região

A crise política e econômica que vive o país não desanimou o setor produtivo paranaense, que compareceu nesta sexta-feira (6) à abertura oficial da 44.ª edição da Exposição e Feira Agropecuária de Maringá (Expoingá), um dos maiores eventos do agronegócio no Paraná. Os discursos tiveram um tom bastante otimista em relação ao agronegócio em 2016, por ser o único setor da economia brasileira que vem apresentando bons resultados.

“O maior desafio de fazer uma feira como a Expoingá, num momento de dificuldades, é ter muita disposição e força de vontade”, disse a presidente da Sociedade Rural de Maringá, organizadora da exposição, Maria Iraclésia de Araújo. “O que ajuda muito é que estamos num estado privilegiado, que é o Paraná. Aqui podemos apresentar uma excelente qualidade no nosso rebanho, em nossa produção agrícola”.

Os diretores do BRDE Orlando Pessuti, Administrativo, e Wilson Quinteiro, de Operações, participaram da abertura da Expoingá. A agência do BRDE no Paraná participa da feira, com estande próprio, para atendimento de empreendedores de Maringá e região, com linhas de financiamento no valor de R$ 100 milhões para fechar negócios durante a exposição, que segue até 15 de maio.

“A Expoingá é uma das feiras mais importantes para o Paraná e o Brasil, pelo volume e qualidade dos expositores. Por isso, mais uma vez, o BRDE está presente na exposição, para fechar bons negócios, oferecendo a empreendedores da região as melhores condições de financiamento para seus projetos”, disse o diretor Quinteiro.

O diretor Orlando Pessuti disse que a Expoingá é uma oportunidade fantástica para o Banco fechar grandes negócios. “A feira é uma vitrine de oportunidades, que reúne num só espaço o que há de mais moderno em tecnologia para o setor produtivo. Já faz parte da história do desenvolvimento de toda uma região”, destacou.

Participaram também da abertura da Expoingá a vice-governadora Cida Borghetti, representando o governador Beto Richa, deputados federais e estaduais do Paraná, o prefeito de Maringá, Roberto Pupin, presidentes de cooperativas da região, produtores rurais, agropecuaristas e empresários da região.

Negócios – O BRDE trouxe R$ 100 milhões em linhas de financiamento para fechar negócios durante a exposição. São linhas que financiam a expansão, modernização, ampliação, implantação e inovação nas diversas cadeias produtivas do agronegócio e de todos os segmentos da indústria, comércio e serviços.

O superintendente do BRDE no Paraná, Paulo Cesar Starke Junior, diz que o destaque do Banco na Expoingá está no financiamento de projetos de inovação, especialmente na indústria e no setor de serviços, com linhas apropriadas do BNDES e da FINEP. “Queremos que Maringá e região cada vez mais reconheçam o BRDE como um parceiro financeiro para investimentos que geram renda”, afirma Starke.

Durante a exposição, o BRDE também assinará contratos com empreendedores da região. “Em Maringá e região, o BRDE financia muitos projetos do agronegócio e também de microempresas de diversos segmentos, como confecções, setor metal-mecânico, gráficas, restaurantes, pequenas e médias indústrias. Esperamos demanda de todos os segmentos durante a feira”, diz o superintendente Paulo Starke.

Em 2015, foram contratados no Norte Central do Estado financiamentos no valor de R$ 349 milhões. Desse total, R$ 129,2 milhões foram para projetos na área da indústria de transformação. Outro setor que se destacou no montante de financiamentos foi o de comércio e serviços, com R$ 83,7 milhões contratados, seguido do de infraestrutura com R$ 79,3 milhões.

A feira – A Sociedade Rural de Maringá (SRM) escolheu o tema “Tecnologia para todos” para nortear os trabalhos técnicos da Expoingá 2016. “ A ideia é demonstrar que a mesma tecnologia que facilita a vida do cidadão comum, também facilita a vida no campo e em todas as atividades a ele associadas”, diz o presidente da SRM, Maria Iraclésia de Araújo.

A Expoingá recebe todos os anos em torno de 500 mil habitantes. Em 2015, a feira gerou R$ 337 milhões em negócios fechados e prospectados. “A Expoingá é o palco perfeito para o banco fechar bons negócios, que vão refletir de forma positiva na economia da região”, diz o diretor de Operações do BRDE.

“A Expoingá está alinhada com o foco de atuação do BRDE. A proposta é promover o crescimento da economia e o desenvolvimento dos municípios paranaenses”, afirma o diretor Administrativo do Banco, Orlando Pessuti.

O BRDE tem expectativa de, em breve, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), financiar empreendimentos em energia renováveis, como PCHs, biomassa, parques eólicos e centrais fotovoltaicas também para empreendedores no Mato Grosso do Sul.
Até recentemente, a regra dos Fundos Constitucionais previa o financiamento de projetos de geração de energia somente nos casos em que o autoconsumo superava 50% da produção. Com a publicação pelo Ministério da Integração, no dia 20 de abril, de um despacho ampliando as possibilidades para financiamento a projetos de energia pelos Fundos Constitucionais, abre-se uma nova janela de oportunidade para os empreendedores.
“O despacho atende a uma demanda antiga dos Conselhos Estaduais. A matriz energética brasileira enfrenta já há algum tempo a necessidade de ampliar as fontes geradoras e rever a participação das térmicas, mais caras e poluentes”, destaca Tatiana Henn, Gerente de Planejamento da Agência do Paraná do BRDE.
A medida foi anunciada pelo Ministério de Integração Nacional na semana passada no Diário Oficial da União e vale também para os fundos constitucionais do Norte e Nordeste. A expectativa do Governo Federal é que a contratação de crédito para projetos de geração, transmissão e distribuição de energia cresça R$ 1,5 bilhão com a mudança nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.
“A nova possibilidade certamente representará uma importante fonte de financiamento para os empreendedores das regiões Centro Oeste. O BRDE, através do Programa BRDE Energia, estará à disposição para analisar e apoiar projetos no setor no Mato Grosso do Sul”, conclui Tatiana.
Para que seja possível contratar financiamento para projetos de energia dentro das novas condições, o Conselho de Desenvolvimento do Mato Grosso do Sul ainda precisa se manifestar quanto ao conteúdo do despacho, especificando as regras de aplicação dos recursos no Estado. Depois disso, o BRDE, enquanto repassador de recursos do FCO em Mato Grosso do Sul, poderá apoiar projetos de energia renovável naquele estado.