NOTÍCIAS BRDE

Governadores eleitos participaram do evento 500 Maiores do Sul que destacou o BRDE

Por: Imprensa BRDE

Os governadores eleitos do Paraná, Ratinho Junior, de Santa Catarina, Carlos Moisés, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, participaram, ontem à noite (20/11), do evento de premiação GRANDES & LÍDERES – 500 Maiores do Sul, promovido pela Revista AMANHÃ e PwC Brasil. Com um público de 450 pessoas, na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, o BRDE foi destacado pela 38ª colocação no ranking das 500 Maiores que é elaborado com base nos balanços oficiais das empresas, considerando a receita líquida, o patrimônio líquido e o lucro ou prejuízo de cada companhia.

O diretor-Presidente, Orlando Pessuti, recebeu o certificado da colocação do BRDE entre os 500 Maiores. Pelo Banco também estiveram presentes à cerimônia os diretores Administrativo, Renato Vianna, de Operações, Guilherme Guerra, o conselheiro e secretário de Modernização Administrativa e dos Recursos Humanos do RS, Raffaele Di Cameli, o superintendente da AGPOA, Maurício Mocelin, o gerente de Operações, Paulo Raffin, os assessores de Diretoria, Edson Cruz, Paulo Roberto da Silva, Mauro Moraes, o analista de Projetos, Jorge Dexheimer da Silva, o chefe da SECOM, Carlos Pujol, além do secretário do CODESUL, Antônio Carlos de Pauli Bettega.

Carlos Peres, sócio líder da PwC responsável pelas atividades na Região Sul, apresentou um resumo dos resultados do ranking. “A mensagem final que queremos passar aos empresários é que pela análise dos dados de 2017, o pior já passou, e acreditamos que as perspectivas futuras são positivas”, afiançou. Isso porque entre os 29 setores representados no ranking, 28 deles apresentaram rentabilidade positiva. Entre as mais destacadas estão Energia, que cresceu 20%; Madeira e Cultivo Florestal (+18,4%) e financeiro (+16,1%). Peres destacou ainda dois setores que vem mostrando crescimento representativo na Região Sul: Saúde, com faturamento de R$ 11,3 bilhões, um salto de 43%; e o Cooperativismo (produção e crédito), com aumento de 4% nos dois últimos anos, sendo que 70% dessa força está no Paraná.

O grupo das 500 Maiores alcançou, em 2017, um total de R$ 537,5 bilhões em faturamento – o maior valor desde 2014, e 4,1% acima do montante que haviam faturado em 2016. No mesmo ano, o patrimônio das 500 cresceu 7,7%, para R$ 305,8 bilhões. A soma dos lucros líquidos chegou a R$ 36,8 bilhões, 9,5% mais do que em 2016.  Os bons resultados foram puxados pelas empresas do ramo de energia elétrica, como a Itaipu Binacional, com R$ 3,8 bilhões; a Engie, que lucrou R$ 2,6 bilhões e a Copel, que amealhou R$ 1,1 bilhão. Na ótica inversa, a que contempla os prejuízos, o cenário também se mostrou alentador. Quando se busca, na lista das 500, aquelas companhias que fecharam 2017 em déficit, percebe-se que elas perderam R$ 4,4 bilhões. Não é pouco, mas é significativamente menos que as perdas de 2016, que haviam chegado a R$ 10,5 bilhões. Nesta edição de 500 Maiores, os balanços com déficit atingiram 75 empresas. No ranking anterior, com base em balanços de 2016, a soma das empresas com prejuízo havia sido bem maior: 109.

Clique aqui para ver os resultados completos de 500 MAIORES DO SUL

(http://www.amanha.com.br/500maiores)

(com informações do Grupo Amanhã)



VOLTAR